1 de janeiro de 2014

Ano novo explosivo para embaixador palestino


Ano novo explosivo para embaixador palestino

Julio Severo
O embaixador palestino na República Checa, Jamal al-Jamal, morreu nesta quarta-feira após uma explosão acidental em sua residência, em Praga, informou a polícia local.
Jamal, 56 anos, estava com sua família no apartamento no momento da explosão, que ocorreu quando ele abriu um velho cofre que estava fechado há mais de 20 anos, conforme o porta-voz da embaixada Nabil El-Fahel.
Palestinos em saudação nazista
O Ministério de Relações Exteriores palestino comunicou que o embaixador vinha tentando abrir um cofre que havia sido movido recentemente para sua nova moradia.
“Houve a detonação de uma mistura explosiva até o momento não identificada,” disse Andrea Zoulova, porta-voz da polícia checa, de acordo com o Daily Mail.
“No momento, é impossível identificar que tipo de explosivo era. Uma busca está sendo feita,” disse ela.
De acordo com um leitor do Daily Mail, “Explosivos transpiram num ambiente confinado e quente, e se tornam instáveis. Um simples erro e tudo explode.”
O cofre havia sido mudado de um prédio que costumava ser o escritório da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) na década de 1980, segundo a Associated Press
Naquela época, antes da queda da União Soviética, a OLP tinha relações íntimas com os países comunistas da Europa Oriental, inclusive a antiga Checoslováquia. Entretanto, recentemente as relações têm sido mais tensas entre a República Checa e os palestinos, pois o governo checo vem adotando uma postura mais pró-Israel nos conflitos do Oriente Médio.
Há muitos registros de palestinos usando explosivos para matar cidadãos israelenses. Explosivos nas mãos de palestinos não são novidade, mas acidentes são.
Enquanto o mundo inteiro está celebrando o Ano Novo com explosões de fogos de artifício, o embaixador palestino se acidentou num explosivo secreto da organização terrorista palestina OLP. E só Deus sabe a finalidade original do explosivo.
Sou seguidor de Cristo e não gosto de ver ímpios morrerem. Prefiro que eles tenham um encontro com Cristo. Mas os que não querem nada com Cristo têm direito de se acidentarem nos instrumentos de maldade que usam para matar inocentes.
Vou explodir um mito agora. Se faz sentido um Estado palestino dentro dos EUA ou do Brasil, então faz sentido um embaixador representar um Estado palestino dentro do território que por direito divino é de Israel.
Os EUA e o Brasil são territorialmente enormes, mas duvido que teriam generosidade suficiente para dar um pedacinho de terra para esses amantes de explosivos. Por que então EUA e Brasil exigem que Israel aceite o que eles mesmos não aceitariam?
Se existe um país chamado Palestina artificialmente montado dentro de Israel, então existe “Alice no País das Maravilhas.” A diferença é que o país de Alice é uma fantasia inocente, criada pelo pastor evangélico Charles Lutwidge Dodgson, mais conhecido como Lewis Carroll. Em contraste, a fantasia palestina, sustentada por radicais islâmicos e esquerdistas mundiais, não tem nada de inocente e já matou muita gente inocente.
Sem querer, a explosão acidental explodiu um mito. Embaixador palestino é uma fantasia e piada de mau gosto, pois nunca existiu, dentro das fronteiras bíblicas de Israel, um país chamado Palestina.
Com informações do DailyMail, Associated Press e agências internacionais.
Leitura recomendada:

4 comentários :

Anônimo disse...

Onde esse terrorista palestino iria usar esse explosivo ?

Anônimo disse...

A RODA GIROU!!!

Antonio

Carlos disse...

Isso não é saudação nazista. Esse gesto se faz quando se presta um juramento.

Quando, por exemplo, um advogado recebe sua carteira da OAB, presta juramento com o braço direito esticado, como em muitas outras organizações. Nem por isso a OAB é nazista.

Anônimo disse...

Julio você já visitou o blog Rafik Responde