17 de dezembro de 2013

Benjamin Netanyahu é criticado por não se prostrar ao ídolo mítico Nelson Mandela


Benjamin Netanyahu é criticado por não se prostrar ao ídolo mítico Nelson Mandela

Julio Severo
Os grandes meios de comunicação internacionais ficaram chocados quando Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de Israel, e Shimon Peres, o presidente de Israel, disseram que não compareceriam ao funeral de Nelson Mandela na África do Sul, citando razões de custos e saúde.
Benjamin Netanyahu
Em contraste, o presidente palestino Mahmoud Abbas não perdeu o funeral.
Por que tanto estardalhaço sobre isso? O presidente russo Vladimir Putin decidiu não comparecer, e não tem recebido as críticas generalizadas que Netanyahu recebeu.
Para Putin, que era um líder ativo na infame KGB, comparecer ao funeral de Mandela era muito natural. Durante o governo branco, a África do Sul era anticomunismo e a KGB estava operando nos bastidores apoiando o Congresso Nacional Africano, que é hoje o partido governante. A vitória de Mandela foi a vitória da KGB. Portanto, não existe motivo para um agente ou ex-agente da KGB se ausentar de tal evento.

Mandela e o terrorismo palestino

Entretanto, a Esquerda internacional não focou na ausência de Putin. Seu foco foi Netanyahu, que tinha bons motivos para sua decisão, considerando algumas declarações de Mandela:
1) “Mas sabemos muito bem que nossa liberdade é incompleta sem a liberdade dos palestinos.” (Discurso do presidente Nelson Mandela no Dia Internacional de Solidariedade ao Povo Palestino, 4 de dezembro de 1997, Pretória.)
Comentário de Julio Severo: A Conferência Mundial contra o Racismo realizada pela ONU na África do Sul em 2009 foi usada como uma plataforma para condenar Israel, cujo governo a boicotou.
2) “Creio que há muitas semelhanças entre nossa luta e a da OLP.” (1990)
Comentário de Julio Severo: A OLP, ou Organização para a Libertação da Palestina, era uma organização terrorista responsável por muitos ataques contra cidadãos israelenses, inclusive crianças.
3) “Nós nos identificamos com a OLP porque, exatamente como nós, eles estão lutando pelo direito de autodeterminação.” … “Arafat é nosso companheiro de batalha.”
4) “Se tivermos de nos referir a algum dos lados como Estado terrorista, podemos nos referir assim ao governo israelense porque são eles que estão massacrando árabes inocentes e indefesos nos territórios ocupados.” (1990)
Nelson Mandela e Yasser Arafat
Em contraste, Mandela nunca havia dito que ele via a extinta União Soviética como um estado terrorista. Por isso, muito diferente de Netanyahu, não havia impedimento algum para Putin honrar o funeral de um homem que recebia ajuda da KGB.

Moderna África do Sul e sua louca “segurança”

No entanto, há alguém que sem a menor dúvida não deveria ter comparecido ao funeral de Mandela. Ele não era um líder mundial, mas representou a moderna África do Sul. Seu nome é Thamsanqa Jantjie e ele é sul-africano. De acordo com a Associated Press, ele é um homem esquizofrênico com tendências violentas. Ao simular um intérprete de linguagem de surdos e mudos, ele conseguiu ficar muito próximo dos líderes mundiais, inclusive a menos de um metro de Obama, no memorial de Mandela.
Obama e Thamsanqa Jantjie (à direita)
Jantjie tem um histórico de conduta criminal. De acordo com o DailyMail, seu histórico envolve: acusações de estupro (1994), roubo (1995), arrombamento de casas (1997), danificação criminosa de propriedades (1998), assassinato, tentativa de assassinato e sequestro (2003). Muitas das acusações apontadas contra ele foram descontinuadas, supostamente porque ele foi considerado mentalmente incapacitado de ser julgado. Ele esteve numa instituição psiquiátrica por mais de um ano.
O governo da África do Sul não conseguiu, ou não quis, explicar como ele pôde obter autorização oficial para estar perto dos líderes mundiais.
A Associated Press disse que na África do Sul Obama ficou exposto a “muitas confusões e riscos de segurança que tipicamente não seriam tolerados pelo Serviço Secreto nos Estados Unidos.” Jantjie é só um exemplo. Ele foi uma clara ameaça a Obama e outros líderes.
Obama estava a mercê do governo da África do Sul — e a mercê de seus esquizofrênico, paranoico e farsante intérprete de linguagem de mudos e surdos. Pelo atual padrão sul-africano, isso foi segurança, e é muito mais segurança do que a maioria dos sul-africanos jamais verá em sua vida inteira.
Jantjie é uma pequena amostra de uma África do Sul que o mundo se recusa a reconhecer: a mudança marxista que Mandela trouxe para sua nação a fez a capital mundial do estupro, com um índice muito elevado de assassinatos e agressões.
Thamsanqa Jantjie
Jantjie confessou que ter tido alucinações durante o memorial de Mandela. Só ele? E quanto aos líderes mundiais, inclusive Obama e Bush, prestando tributo a um homem que era amigo de Fidel Castro e Yasser Arafat, e tinha posturas contra Israel?
Espere um pouco: alucinação ou possessão demoníaca?

Moderna África do Sul e bruxaria

Mandela inaugurou na África do Sul uma era em que a bruxaria foi reconhecida e respeitada pelo Estado.
No ano passado, as festividades do centenário do partido do governo, o Congresso Nacional Africano de Mandela, foram marcadas por sacrifícios de animais e rituais realizados por feiticeiros “para se lembrarem de seus ancestrais e se lembrarem de seus próprios deuses do jeito tradicional.”
Esse “jeito tradicional,” ou jeito africano, é conhecido no Brasil: o candomblé e outras religiões afro-brasileiras. A propósito, se você desaprovar esse jeito apontando que na Bíblia Deus condena a bruxaria, a resposta estatal segue o mantra esquerdista: críticas à adoração africana e seus deuses e demônios são discriminação, até mesmo racismo!
Bruxa da África do Sul
Dois bodes, duas galinhas e um touro foram sacrificados para se comunicarem com supostos ancestrais mortos no centenário do Congresso Nacional Africano. Como Jantjie, os bruxos estavam tendo alucinações durante o ritual, comemorando a “libertação” da África do Sul. Qualquer tentativa de classificá-los de “esquizofrênicos” seria rotulada de “racista.”
Os rituais no funeral de Mandela foram semelhantes. Animais foram sacrificados. A matança cerimonial de animais é um dos jeitos que os “ancestrais” são invocados para pedir ajuda. Os convidados desses rituais bebem o sangue dos animais mortos. A veneração ao mundo dos espíritos ancestrais desempenha um papel importante na “cultura” sul-africana. (Conheço esses termos muito bem. No Brasil, somos ensinados por nosso governo esquerdista que o Cristianismo é uma religião e a bruxaria africana é apenas “cultura”!)
Seguindo essa tradição, o corpo de Mandela foi acompanhado por indivíduos que mantinham comunicação com seu espírito e outros espíritos.
Não sei se criticar tal envolvimento de feitiçaria na África do Sul equivale a racismo. Mas esse não é o único problema. A África do Sul está sob o feitiço da Esquerda ocidental.

Legado assassino

Mandela e seu Congresso Nacional Africano estavam para transformar a África do Sul num violento país marxista e comunista no modelo soviético ou cubano “quando foram comprados por suborno pelo [socialista] Partido Democrático dos EUA e grandes empresas multinacionais que regaram os novos governantes negros com riquezas e poder, e, acima de tudo, com cobertura favorável dos meios de comunicação,” de acordo com Rodney Atkinson, irmão de Rowan, o famoso “Mr. Bean.” Eles foram subornados pela Esquerda ocidental. O resultado? Eles se tornaram uma nação socialista violenta no modelo ocidental.
Sob o feitiço desse modelo, a África do Sul vem implementando a decadência moral como nenhuma outra nação africana fez. Para o sr. Atkinson, Mandela tem um legado assassino. Em 1996, Mandela aprovou uma das leis mais liberais de aborto no mundo.
Aborto
Naquele mesmo ano, a nova constituição de Mandela tornou, conforme LifeSiteNews, a África do Sul o primeiro país do mundo a colocar a “orientação sexual” junto com raça e religião como bases restritas de discriminação — algo que foi fundamental para a legalização do “casamento” homossexual uma década depois.
Em outras palavras, enquanto muitas outras nações africanas seguem a tradição de proteger a família, inclusive contra o “casamento” gay e o aborto, nesse aspecto a África do Sul sob Mandela seguiu o modelo socialista ocidental. Apenas com relação à religião, Mandela abriu as portas nacionais para o jeito africano tradicional e seus demônios.

Calvinismo na África do Sul

Exatamente como outras nações africanas, a África do Sul era também estritamente contra a sodomia e o aborto, sob os governos brancos. As autoridades dos governos brancos eram na maior parte calvinistas, e inegavelmente a África do Sul muito prosperou sob a inspiração calvinista. Seu desafio maior foi prevalecer sobre barreiras raciais — um problema comum na África, considerando as guerras tribais em que tribos se odiavam, se escravizavam e se massacravam umas as outras por diferenças raciais e “culturais.” Lembre-se dos tutsis e hutus.
A dificuldade calvinista de prevalecer sobre as barreiras raciais abriu as portas para a resistência, principalmente comunista, e um enfraquecimento gradual de sua própria tradição religiosa.
Em 1985, enquanto estavam sob governo branco, 92% dos africânderes (brancos sul-africanos) eram membros de igrejas reformadas (calvinistas). Mas depois do governo pró-aborto e pró-sodomia de Mandela, tudo mudou. Em 2012, essa estatística havia caído para 41%, enquanto a real frequência aos cultos semanais de igrejas reformadas é estimada em abaixo de 25%.

Gandhi, Apartheid e Racismo

O enfraquecimento deles segue a estranha ideia social de que o Apartheid é pior do que qualquer mal que a África do Sul esteja sofrendo desde o fim do Apartheid.
O Apartheid tem sido elevado acima dos estupros desenfreados, inclusive de crianças e bebês, na África do Sul.
O Apartheid tem sido elevado acima da problemática vida pessoal de seu maior oponente, Mandela, descrito pelo DailyMail como um homem “mulherengo e que batia nas esposas.”
O Apartheid tem sido elevado acima do mal do socialismo, aborto e outras ameaças.
E é de suspeitar que o marxismo, adotado por Mandela, tenha abraçado uma suposta luta contra o racismo. De acordo com o especialista acadêmico americano Walter Williams, que é negro, Karl Marx era um homem racista. Como então Mandela adotou o marxismo para lutar contra o Apartheid e, mais tarde, usou o marxismo para legalizar o aborto?
E agora, os marxistas, cujo pai era racista, colocam Mandela no mesmo nível de mito de Mahatma Gandhi — outro racista! Para Gandhi, os africanos não eram melhores do que os “intocáveis” da Índia. Ele achava que as pessoas negras eram sub-humanas.
Mahatma Gandhi
A deificação de Gandhi intencionalmente eclipsou o Gandhi real, exatamente como a deificação de Mandela tem intencionalmente eclipsado o Mandela real: o membro de posição elevada no Partido Comunista da África do Sul e um defensor do aborto e homossexualidade.
Gandhi foi, de acordo com o jornal americano HuffingtonPost, elevado a um messias do século XX por pastores e missionários americanos e europeus. Por exemplo, John H. Holmes, um pastor unitarista liberal de Nova Iorque, louvou Gandhi em seus escritos e sermões com títulos como “Gandhi: O Cristo Moderno” e “Mahatma Gandhi: O Maior Homem desde Jesus Cristo.”
Mandela será o novo messias deificado pelos pastores e missionários protestantes? Alguma dúvida?

Calvinismo e Pentecostalismo

Talvez os calvinistas da África do Sul pudessem ter evitado o destino catastrófico de sua nação abrindo as portas para o reavivamento espiritual. Uns 100 anos atrás, quando o Congresso Nacional Africano iniciou sua luta contra o Apartheid, os Estados Unidos começaram a experimentar um derramamento do Espírito Santo, e nasceu o movimento pentecostal. O Espírito Santo não fez distinção de raça e cor: brancos e negros eram batizados no Espírito Santo e brancos e negros se tornaram líderes na igreja pentecostal.
Enquanto a propagandista esquerdista e feminista de controle da natalidade Margaret Sanger pregava a extinção dos negros por meio do controle da natalidade uns 100 anos atrás, brancos e negros pobres se uniam em suas experiências pentecostais.
O pentecostalismo, rejeitado por muitos calvinistas ricos e opulentos, tem sido o jeito de Deus de lidar com questões raciais desde o início do século XX.
Os calvinistas, que abençoaram a África do Sul por mais de três séculos com seu capitalismo e trabalho duro, precisavam de tais experiências pentecostais para enfrentar os desafios do século XX. O fato de que não se abriram para tais experiências acabou se tornando vitória para ídolos marxistas e sua “libertação” com estupros epidêmicos, aborto e homossexualidade.

Netanyahu: não ao ídolo anti-Israel

Portanto, não estou admirado com o fato de que Barack Obama, Bill Clinton e Jimmy Carter foram à África do Sul para prestar tributo a seu camarada pró-aborto e pró-homossexualidade. Contudo, o que George W. Bush estava fazendo entre eles? Onde estava sua coragem para apenas dizer “não”?
A África do Sul é hoje uma nação anti-Israel, em contraste com os governos brancos passados, que eram pró-Israel.
Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de Israel, teve a coragem de dizer “não.” Ele poderia ter feito a viagem muito dispendiosa, para ver, como outros líderes mundiais viram, os gestos loucos de Thamsanqa Jantjie, um homem possesso que estava tendo alucinações perto de Obama numa triste representação da cultura de bruxaria, estupro e assassinato na África do Sul. Ele poderia ver os líderes mundiais em seus gestos malucos prestando tributo a um homem anti-Israel. Mas ele não fez isso.
Um leitor americano na revista Charisma comentou: “Mandela apoiava o terrorismo palestino e criticava veementemente Israel. O primeiro-ministro israelense participar de um ato honrando-o seria parecido com ele indo a um ato prestando tributo ao aiatolá. Seria um insulto a todos os que foram vítimas do terrorismo palestino.”
Netanyahu, não Putin, tem sido criticado por não seguir os líderes mundiais, principalmente os líderes dos EUA, em sua participação do funeral de Mandela. Mas Israel devia se acostumar a ser criticado e isolado. No futuro, Israel sofrerá mais críticas e isolamento, e tudo isso já foi profetizado na Bíblia.

Babilônia e seus ídolos

A antiga Babilônia ordenava que os cidadãos sob seu controle se prostrassem a seu ídolo mítico: “Em seguida, o arauto do rei proclamou em alta voz: “Ordena-se, pois, a todos vós, ó povos, nações e gentes de todas as línguas: ‘Assim que ouvirdes o som da corneta, da flauta, da harpa, da cítara, do saltério, da flauta dupla, e de outros instrumentos musicais, todos tocando juntos, vos ajoelhareis com o rosto rente à terra, e assim, prostrados, devereis adorar a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor vos edificou. No entanto, qualquer pessoa que não se prostrar com o rosto em terra, e não adorar a estátua será imediatamente atirado numa fornalha em chamas!’ Sendo assim, logo que ouviram o som da corneta, do pífaro, da citara, da harpa, do saltério e de todos os demais instrumentos musicais, todo individuo, povo, nação e mesmo pessoas estrangeiras, de outras línguas e culturas, prostraram-se em terra e adoraram a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor fizera.” (Daniel 3:4-7 KJA)
Daniel o judeu não se prostrou ao ídolo erguido pela Babilônia
A Babilônia moderna, representada principalmente pelos socialistas Estados Unidos e Europa, quer que o mundo inteiro se prostre a seus ídolos míticos.
Netanyahu o judeu não se prostrou ao ídolo anti-Israel erguido pela Babilônia moderna.
Enquanto os Estados Unidos seguem os caminhos das nações, e as nações seguem o caminho da Babilônia, Israel segue seu próprio caminho e destino.
Leitura recomendada:

18 comentários :

Anônimo disse...

Como um grande líder como Netanyahu se prostraria diante do homem que esteve contra seu povo? É óbvio que isso não ocorreria, os que simulam espanto nesse caso já estão acreditando na beatificação de Mandela e esquecem tudo de terrível que já fez e disse.


Daniel

Anônimo disse...

“Mandela apoiava o terrorismo palestino e criticava veementemente Israel. O primeiro-ministro israelense participar de um ato honrando-o seria parecido com ele indo a um ato prestando tributo ao aiatolá. Seria um insulto a todos os que foram vítimas do terrorismo palestino.” 2
Gracas a Deus pela exemplar conduta do governo Israelense

Anônimo disse...

"Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito." - Romanos 8:1(conforme o significado bíblico dos números, até a própria identificação do capitulo - o de numero "oito" - já indica um novo nascimento/recomeço). Mas, sem que a pessoa (qualquer e toda pessoa), sem que passe por essa experiência ela estará na condição permanente de filho do diabo (João, 8:44) e, tb, enquadrada em Isaias, 64:6 (é como o próprio satanás, imunda). No caso do africano, alem do pecado original, advindo da herança da queda do primeiro homem - Adão -, o descendente de Cão - camita/africano ainda leva na cabeça a maldição de Noé. Como um abismo chama outro não é por acaso que o continente africano é tão ferrado e, por extensão, os núcleos populacionais em todo o mundo, em que a "cultura espiritual africana ainda hj prevalece. E, a respeito de Israel, ora, o povo judeu é algo especial para Deus. Amem.

Antonio.

emadesign disse...

Eu tento acompanhar seus artigos, mas infelizmente você sempre encontra um modo de criticar cristãos calvinistas em contraponto a elogios aos pentecostais. Até em artigos que a princípio não teriam o menor sentido fazer isso, você encontra um jeito de fazê-lo. Fica difícil completar a leitura. Aceitaria críticas se elas fossem embasadas, mas no caso desse artigo é pura especulação sem nenhum fundamento. De qualquer forma, se você escreve assim é porque tem um público que aprova suas críticas aos calvinistas. Fique na paz.

Rev. Eduardo disse...

Na verdade, o que você quer é defender teologias aberrantes. O tão chamado “derramamento do Espírito Santo” é apenas código para espiritismo com outro nome. O pentecostalismo não é diferente da bruxaria. Apenas a substitui.
A versão sul-africana do que alguns chamam de igrejas “reformadas” lá não é bíblica nem reformada. Você só usou a omparação calvinismo/pentecostalismo para promover o pentecostalismo. Não conheço um teológo calvinista sério que defenda o “calvinismo” sul-africano. Seu blog é nota ZERO.

Anselmo, sem placa denominacional disse...

Ô “reverendo” água com açúcar, o rev. Augustus Nicodemus Lopes, da sua idolatrada igreja reformada, estudou teologia na África do Sul. E aí, vai peitá-lo? Se pentecostalismo na sua visão calvinista ultra purista é sinônimo de bruxaria, calvinismo é sinônimo de quê? ATEÍSMO?

Anônimo disse...

O calvinismo contemporaneo a muito tempo deixou de ser cristao.hoje e um caldo de marxismo, comunismo, filosofia humana e centrada nos valores carnais, a ponto de eleger gays e lrsbicas para lidetes e pastorrs.

TEeleger.

Anônimo disse...

Falta do que fazer falando mal do queridão Mandela. Ele era mais santo que muitos de vocês. Só Deus pode julgar os corações. Mandela, por toda sua luta, merece o céu muito mais do que a maioria de nós nós. Não é um pecadinho ou dois que vai barrá-lo disto. Quem estiver sem pecado atire a primeira pedra!

Antonia

Anônimo disse...

Puxa, a antonia eh injusta. Esqueceu de citar outros do panteao dela, como guevara, phidel, stalin, hitler, pop pot,... Nao discrimine os outros "benfeitores".

Antonio.

Theo Fagundes disse...

Quando sinto a necessidade de, navegando na WEB, reavivar minha crença na decadência do gênero humano; visito esse blog !!!

Carla-SP disse...

Julio, parabéns pelo texto, tive ímpetos de retuitá-lo p/ o próprio Benjamin Netanyahu e p/ o IDF (q tb não mencionou a morte do Mandela) como forma de encorajamento, mas fiquei tímida! abrçs.

Anônimo disse...

Por Israel sempre!

Cristao Peregrino disse...

"A dificuldade calvinista de prevalecer sobre as barreiras raciais abriu as portas para a resistência, principalmente comunista, e um enfraquecimento gradual de sua própria tradição religiosa."

A dificuldade não é apenas "calvinista" mas do evangelho de penetrar em culturas misticas animistas.

Júlio, nao entendo sua perseguicao ao calvinismo, quanto os pseudo calvinistas, larga eles para lá.

Tem coisas que são ditas sobre calvinismo que Calvino abominaria.

Para falar de Calvino, recomendo que voce leia "Ensino Sobre o Cristianismo
Um resumo de "As Institutas da Religião Cristã" de João Calvino"

Assim como eu leio Wesley e Tozer, é preciso para com essa barreira, isso e pentecostal, isso e calvinismo. Para mim só há um único, legítimo evangelho de Jesus Cristo. O resto é aberração, que existe tanto no meio dito reformado, luterano, pentecostal, neo pentecostal, etc, etc,etc...

Nao estou aqui para defender ninguem, mas falando sobre dons do Espirito Santo, ja leste o avivamento entre os zulus? http://www.monergismo.com/textos/avivamento/avivamento_africa.htm

e http://loja.livrariareformada.com.br/puritanos/avivamento-na-africa-do-sul.html

http://www.reavivamentos.com/pt/livros/kurt_koch/deus_entre_os_zulus.html

http://www.kwasizabantu.org.za/

www.youtube.com/watch?v=aUPB57VLkog‎

a ação do Espirito Santo convertendo feiticeiros e o Pr Erlo é calvinista.

George Muller, calvinista
Spurgeon, calvinista
Edwards, calvinista
John Newton, calvinista
Wilbeforce, calvinista
Whitefield, calvinista

Por que o preconceito?

Falo isso em amor, pedindo que voce pense a respeito, pare de atacar o todo por causa de uma parte insignificativa, acho que voce se preocupa demais com o danilo e sua corja.

Devemos para de preocupar com coisas menores, como pre, pos tribulacao, batismo assim ou assado. Deus continua agindo seja voce cessassionista ou continuista.


A cruz de Cristo deve ser nosso alvo e preocupação.

Quando ele voltar voce vai saber tudo sobre o retorno dele, mas a eternidade será pouca para conhecer toda a glória de Deus.

E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.
João 17:3

Cristao Peregrino disse...

O rev. Augustus Nicodemus Lopes testemunhou a ação do Espirito Santo em Kwasizabantu.
procure saber de primeira mao sobre o que ele professa sobre a ação do Espirito Santo

Se é assim, O calvinismo está tao cheio de marxismo quanto o pentecostalismo... olha a quem os lideres tem apoiado...

a presbiteriana tem seu lado podre a batista tem, universal tem, internacional de graca tem, mundial tem, quadrangular tem, assembleia e ramificações tem, deus e amor tem, maranata tem, luterana tem,

Jesus disse que os discipulos seriam reconhecidos pelo amor, mas so vejo guerras, denominacionalismo estupido.

Tenho minha denominação, meus entendimentos, mas as coisas menores secundarias nao sao as mais importantes.

Não conheço um teológo calvinista sério que fale como o Rev Eduardo acima falou... Shame on you!

Go Julio.

Julio Severo disse...

Cristão Peregrino

Vou me dar ao trabalho de responder a você, mesmo sem saber quem é você.

Sim, há exemplos registrados de calvinistas abençoados por Deus que tinham a unção do Espírito Santo. Você citou alguns. E há muitos outros. Há um excelente livro que menciona, ao longo da história, importantes líderes calvinistas que estavam abertos ao Espírito Santo, com manifestações de dons sobrenaturais do Espirito Santo. O título do livro é “Surpreendido com a Voz de Deus.”

Mesmo não sendo calvinista, eu recomendo de coração esse livro, que apresenta um calvinismo equilibrado e cheio do Espírito Santo, com farto registro histórico.

Mas sabe quem saiu no ataque a esse livro? Um reverendo da Universidade Mackenzie, amigo do Rev. Augustus Nicodemus. Você pode ler meu artigo defendendo o livro contra o ataque desse reverendo calvinista aqui: Surpreendido com a Voz de Deus: Julio Severo refuta teólogo da Universidade Mackenzie que nega que Deus concede hoje profecia e outros dons sobrenaturais

Quanto ao Augustus, parece que o que ele vê como “avivamento” é uma igreja Assembleia de Deus abandonando os dons sobrenaturais do Espírito Santo para se tornar igreja “reformada.” Veja minha refutação a ele aqui: Uma Resposta Carismática à “Crise Crescente por Trás da História de Sucesso Evangélico do Brasil”

Quanto ao testemunho do Erlo que você citou, eu li isso pela primeira vez uns 20 anos atrás no livro “Power Evangelism,” do pastor calvinista John Wimber. Ele cita, em seu livro, muitos exemplos de avivamentos, e as pregações de Erlo foram uma delas. Contudo, esses avivamentos não foram na enorme escala que estão acontecendo no Brasil. Tanto que você viu, na estatística que citei, que as igrejas reformadas da África do Sul diminuíram drasticamente, porque uma teologia seca e morta é insuficiente para ajudar os membros no dia-a-dia de uma sociedade cheia de animismo e bruxaria. Mas o que a teologia não pode fazer, o Espírito Santo pode. Se não se abrirem totalmente para o Espírito Santo, as igrejas calvinistas da África do Sul continuarão diminuindo Além disso, Wimber mostra também o óbvio: a resistência da igreja calvinista tradicional de aceitar as manifestações do Espírito Santo. A reação do Mackenzie ao livro “Surpreendido com a Voz de Deus” é apenas uma pequena amostra dessa incrível, desnecessária e absurda resistência.

Quanto ao livro de Wimber, que tenho em inglês, você pode tentar encontrar na internet uma versão em PDF em espanhol chamada “Evangelización Poderosa.”

Você disse: “O calvinismo está tao cheio de marxismo quanto o pentecostalismo.”

Não é assim não. Infelizmente, quase toda contaminação marxista nas igrejas pentecostais veio através da influência de igrejas calvinistas, primeiramente por Caio Fábio e depois por seus filhos espirituais, que continuam na ativa. Quer você aceite ou não, os calvinistas estão na liderança da promoção do marxismo. Baixe meu livro gratuitamente: Teologia da Libertação e neopentecostalismo: o grande desafio da igreja evangélica do Brasil

Vânia Luz disse...

Imagino a festa no céu caso essa feiticeira se arrependa de seu erro e mau caminho, louvo a Deus por Jesus ter vindo para os moribundos. Se não fossem casos como os dos macumbeiros(e outras pessoas com outros tipos de chagas) na África e no mundo, o sacrifício de Jesus teria sido em vão. A vinda de Cristo não foi vã, o derrame de seu sangue continua a curar infelizes doentes que o aceitam como único Salvador.

Anônimo disse...

E lá importa se esses bichos brancos eram calvinistas? Mesmo que fossem católicos, ou budistas, o que fizeram com os pobres negros do país deles foi ERRADO. CRIME. PERFÍDIA.
Jéssica

DOUGLAS disse...

PARABÉNS ISRAEL. Deus de abençoe Benjamin Netanyahu