14 de novembro de 2013

Sarah Palin diz que está espantada com a “agenda esquerdista” do Papa Francisco


Sarah Palin diz que está espantada com a “agenda esquerdista” do Papa Francisco

Sarah Palin revelou que está cética com relação à agenda “esquerdista” que está sendo promovida pelo novo papa, dizendo que ela sente que essa agenda tem influência da grande mídia.
Cética: Sarah Palin disse que estava espantada com a inclinação esquerdista das opiniões do Papa Francisco, mas disse que não confiará até ler sobre isso de fontes da mídia em que ela confia
“Estou como que tentando observar qual é agenda dele. Sabemos que ele se destacou com duas declarações na mídia, mas não sou de confiar na interpretação que a mídia faz da mensagem de alguém. Mas tenho lido por meio dos veículos de comunicação,” disse a ex-governadora do Alaska.
“Ele fez algumas declarações que para mim soam um tanto esquerdistas, estou espantada, me deixou de certa forma surpresa. A menos que eu examine profundamente o que ele está querendo dizer, e pesquise muito, não vou confiar no que ouço nos meios de comunicação,” disse ela durante uma entrevista à CNN.
O Papa Francisco tem ganhado louvores de todos depois de assumir como líder da Igreja Católica.
Além de mostrar seu lado compassivo abençoando um homem com uma doença rara e ceder ao desejo de um órfão brincalhão que roubou os holofotes dele durante uma missa pública, o papa também exortou os católicos a tirar o foco de questões polêmicas como casamento gay e aborto.
O papa do povo: Papa Francisco, visto aqui se encontrando com a estrela de futebol argentino Carlos Alberto Tevez na terça-feira, foi amplamente louvado por mostrar o lado moderno do papado e da Igreja Católica
Numa de suas primeiras entrevistas como papa, Francisco repreendeu a Igreja Católica por sua “obsessão” com certas questões inflexíveis [casamento gay e aborto], e embora essa mudança fosse bem aceita por muitos, alguns conservadores ficaram chocados com a mudança.
Ninguém deveria ficar surpreso que Palin é parte dos conservadores chocados, pois ela é campeã do movimento Tea Party, no qual muitos são contra o “casamento” gay e aborto legal.
Palin, que foi candidata a vice-presidente dos EUA, entrou no assunto de suas convicções religiosas enquanto estava promovendo seu recente livro sobre a “guerra contra o Natal.”
Ela disse que se considera uma cristã que “nasceu de novo,” mas não escolheu especificar uma denominação particular.
“Vou a uma igreja que crê na Bíblia lá na cidade de Wasilla,” disse ela.
Ela disse que o Alaska, onde ela vivia, teve uma parte importante na sua conversão religiosa que ocorreu no final de sua adolescência.
“Quando eu era menina, me lembro de olhar a beleza do Alaska. Lembro-me de um verão, num acampamento de verão, de olhar ao redor para as cadeias de montanhas e os lagos belos e essa criação e saber, mesmo como criança, uau, há algo maior do que nós aí,” disse ela a Jake Tapper da CNN.
Abrindo-se: Sarah Palin, ex-candidata republicana à vice-presidente, escreveu um livro sobre a ameaça ao Natal vinda de ateus e esquerdistas seculares
“Quem quer que tenha criado isso com certeza deve saber melhor do que eu como dirigir minha vida. Coloquei minha vida nas mãos de Deus naquele momento.”
“Lembro-me de invocar Deus e dizer: ‘Creio em ti’ pelo fato de que vejo Deus em tudo ao redor lá no Alaska. É realmente difícil de fugir disso.”
Ela recentemente tem dado entrevistas numa campanha para promover seu livro “'Good Tidings And Great Joy: Protecting The Heart Of Christmas” (Boas Novas e Grande Alegria: Protegendo o Coração do Natal).
Ela argumenta que os ateus e esquerdistas seculares estão ameaçando a existência do Natal.
“Precisamos proteger o coração do Natal, não permitir que alguns ateus com um advogado — um avarento — lhes diga que eles não podem celebrar,” argumentou ela.
Traduzido por Julio Severo do artigo do Daily Mail: Sarah Palin says she is taken aback by Pope Francis’ “liberal agenda”
Leitura recomendada:

18 comentários :

Willians disse...

Esse aí está seguindo à risca a agenda jesuíta do papa negro. É a NOM, minha gente!

Herberti disse...

Como se não bastasse ser linda, ainda é inteligente. Ah se tivessemos mulheres deste naipe no Brasil! Pensando bem... melhor não. Seria um desperdício monumental.

Danusa disse...

Bravíssimo!
A gente até tenta desvincular a pessoa do Papa da besta do apocalipse mas não dá, pois quem melhor se enquadra se não ele?caiu na simpatia de todos inclusive de crentes que preferem detonar seus próprios irmãos da fé e elogiar o Papa.É até apavarante mas Maior é o que está em nós do que aquele que está no mundo.

O Sousa da Ponte disse...

A proibição do casamento de pessoas do mesmo sexo é uma batalha perdida. Até por questões de uniformidade com outros paises.

Agora as pessoas mudam muito de país.
Não me parece que uma vez aprovado se possa voltar atrás

Certamente quem não concorda não casa.

A questão de manter a IVG ilegal parece-me também difici de manter.

O aborto agora é maioritariamente feito com medicamentos de fácil acesso. A máquina judicial para reprimir eficazmente seria incomportável.
O único país que teve uma verdadeira e eficaz repressão ao aborto foi a Roménia no tempo do ditador comunista ceaucesco. Conseguiam alguma eficácia porque era um estado policial. Com o fim do comunismo acabou essa política.

Portanto o papa Francisco está apenas a ser realista.

Não é pensável acabar com o divórcio, as relações sexuais antes do casamento, contracepção, aborto ou homossexualidade pela via legislativa.

Excepto em ditaduras ferozes como as teocracias islâmicas ou comunistas.

E mesmo lá é o que se sabe. Em muitos países islâmicos que proibem a homossexualidade a prostituição masculina é comum e visível.

Portanto acho que os católicos estão apenas a usar o senso comum para lidar com estes problemas.

Certamente as pessoas cuja religião proiba o consumo de alcool, da carne de porco, do divórcio ou da homossexualidade deverão evitar as proibições específicas da sua interpretação religiosa.

Faz pouco sentido aplicar estas proibições à totalidade da população que não tem religião ou cuja religião não proibe esse particular.

Segundo o Islão , na visão xiita, quem não aceitar Maomé como o último dos profetas não pode ser salvo. Comer ou não carne de porco não tira ou acrescenta nada. Portanto será tolice proibirem-nos o consumo de carne de porco.

Anônimo disse...

Não caiam nesta. O Papa está na verdade sendo inteligente e começando uma ofensiva contra a nova ordem mundial. Palin é um comunista judia disfarçada. A tática dela é xingar o Papa do que ela mesma é, acusá-lo do que ela faz. Nós católicos sempre estaremos com nosso Papa. Abaixo a judia comunista conspiradora Sarah Palin!

Gabriella disse...

Tava desconfiada: conspiração judaica para caluniar e derrubar o Papa!

Anônimo disse...

O genocida stalin se referia aos comunistas que tentaram destrocar a Espanha, no episodio da Guerra Civil , como "progressistas". Eh como foi enquadrado esse rapaz das sete colinas: "progressista". Nao eh jogo de palavras. Eh sinistro. O anticristo precisarah do "joao batista" dele - o falso profeta -. Pode ser que a encomenda jah foi providenciada. Oremos.

Antonio.

carloshenrique disse...

Portanto, aí está a prova de como o catolicismo é tão perigoso como o islamismo e o comunismo para toda e qualquer nação

carloshenrique disse...

Comentário Completo agora. Postei só a última parte por engano sem o comentário completo.
Bem interessante como é o catolicismo e os católicos romanos.
Já que a realidade de que o Papa está cada vez mais cedendo ao esquerdismo não os agrada, e para tentarem salvarem a própria Religião deles, usam de calúnia e difamação contra uma Conservadora, a Sarah Palin, acusando-a de comunista, e ainda por cima demonstram o próprio anti-semitismo, ou seja, o ódio que sentem pelos judeus, que sempre esteve dentro do próprio meio Católico Romano.
Como prova disso, basta apenas ver o comentário do anônimo acima e a concordância do outro acima, o qual concordou com o anônimo. Portanto, aí está a prova de como o catolicismo é tão perigoso como o islamismo e o comunismo para toda e qualquer nação.

O Sousa da Ponte disse...

A ICAR , ao contrário das igrejas evangélicas que são a igreja do pastor fulano, tem de dar uma continuidade no tempo às suas posições.

Uma igreja evangélica do pastor fulano defendia a escravatura ou a segregação racial. Isso não é um problema. O pastor esclavagista já morreu e as igrejas modernas dizem que ele não pregava a verdadeira doutrina cristã. Problema resolvido.
E pode haver igrejas para todos os gostos e feitios.

A igreja católica torna-se responsável pelas acções do passado porque é sempre a mesma.

Não pode evoluir e adaptar-se a novas realidades tão rápido como as igrejas evangélicas. Tem de manter uma conduta que possa no futuro ser justificável.

Questões como o divórcio ou os direitos e até casamento de pessoas do mesmo sexo são considerados como direitos pela esmagadora maioria das pessoas na europa. Nas Américas o cenário parece ir no mesmo caminho.

Aqui na europa não lembrava a ninguém proibir o divórcio. Se houve alguma relutância na aceitação do casamento para gays no inicio agora é pacificamente aceite.

A igreja católica ter no séc XXI como bandeira a preocupação com o casamento gay iria afastar as pessoas . Por outro lado no futuro iriam acusar a igreja de homofóbica.

Isto vai abrir às igrejas evangélicas um nicho de mercado importante. Pessoas com preocupações sobre gays irão reunir-se em torno de evangelicos mais conservadores.

No entanto estes são cada vez menos. Portanto a médio longo prazo irão tornar-se residuais.
Um pouco como as denominações no sul dos EUA que nunca aceitaram os direitos civis e são só de brancos. Ainda existem mas tem cada vez menor importância.

Penso que a preocupação exagerada com o problema do casamento gay e do aborto por parte de slgumas igrejas vai levar a que num futuro próximo tenham de mudar de discurso ou ficarem reduzidas a um número residual de fiéis.

A igreja universal do bispo Macedo, a única que me parece que irá sobreviver ao afastamento futuro do líder , já não faz destas questões bandeira.

carloshenrique disse...

É bem interessante o comentário de certos comentaristas, que acham que questões como aborto e homossexualismo não são preocupantes. Sao questões que devem, sim, serem de preocupação para a Igreja Cristã, pois a Igreja Cristã deve ser o Sal da Terra e a Luz do Mundo.
Essas Igrejas, que não se preocupam e nem falam nada contra o aborto e o homossexualismo, não irão sobreviverem, mas já estão mornas na fé, já deixaram de serem a Luz do Mundo e o Sal da Terra.
Na Europa, muitas Igrejas estão se esvaziando, pois há muito tempo tais questões deixaram de serem preocupação, e hoje aceitam essas "modernidades" de homossexualismo e aborto, como se fossem algo normal, e por isso, a cada dia mais vão deixando de terem fiéis, pois agora se tornaram igual ao mundo, e não há mais luz e nem sal nelas.
Essas questões são preocupantes e a Igreja deve se preocupar com isso, e alertar ao mundo que tais coisas são Contra a vontade de Deus, pois por estas maldades de aborto, "casamento gay" e homossexualismo, virá o juízo de Deus sobre às nações da terra.

O Sousa da Ponte disse...

Carlos Henrique:

Uma coisa é a igreja alertar que certos comportamentos ou alimentos são proibidos aos membros da congregação. Isto faz parte de todas as religiões. Uns tem um dia santificado outros outro. Podemos dizer que cada ramificação duma religião tem a sua interpretação particular e normalmente incompatível com as outras interpretações.

Certamente todas elas gostariam que a sua interpretação fosse universal e tivesse até força de lei. Estão convencidos que estão correctos.

O problema social aparece quando estas crenças privadas passam para o domínio público. Aí surge inevitavelmente o choque com outras crenças.

Um ubandista considerará o espiritismo mera superstição, alguns evangelicos vêem no papa um apóstolo do mafarrico, um anglicano sente grande repulsa pelos papistas e um muçulmano xiita vê-os a todos como cães
Infiéis e politeistas.

Como estas diversas visões do mundo e da religião são completamente incompatíveis entre si e até podem ser bastante ofensivas é boa ideia mante-las no local certo que são os locais de culto.

Cada qual tem as suas convicções profundas, manifesta-as no local próprio que é o seu local de culto e assim a vida é muito mais simples para todos.

As igrejas na europa não estão tão vazias assim comparado com a América do sul.

Se retirar da América do sul as igrejas da prosperidade a frequência será a mesma.

Na Europa a única que tem implantação é a IURD mas nada que se compare ao Brasil.

Testemunhas de Jeová, igrejas new wave, wicca e outras confissões que nem sei bem o que são tem alguma implantação.

Penso que pelo menos em Portugal e Espanha há um número significativo de católicos romanos. É certo que não frequentam muito as igrejas. Isto parece também dever- se a um divórcio entre algumas posições da ICAR e o sentir das pessoas.

A Icar era muito conservadora em relação a contracepção, divórcio, sexualidade e homossexualidade.

As mulheres católicas não iriam deixar de tomar anticoncepcionais ou os separados de facto não iriam ficar para sempre sós por causa da doutrina da igreja.
E de facto questões como a contracepção, homossexualidade ou divórcio nunca foram dogmas de fé.

Portanto o que o papa Francisco está a fazer é ignorar um pouco o que não é dogma de fé e concentrar-se no fundamental.

Parece-me que vai ter bastante sucesso em congregar na ICAR muitos crentes de outras igrejas.

A teologia ds prosperidade é outra guerra. Parece-me que juntamente com a da libertação serão epifenomenos que acabam por esgotar a fórmula e vão acabar por desinteressar as pessoas.

carloshenrique disse...

O Discurso de O Sousa da Ponte é bem típico desses grupos que querem que as crenças fiquem tão somente dentro de quatro paredes. So que esse tipo de coisa de querer que às crenças fiquem dentro de 4 paredes, e não sejam mostradas e divulgadas e defendidas publicamente é totalmente contrária a Fé Genuinamente Cristã.
Uma Igreja Verdadeiramente Cristã, que crê na Palavra de Deus têm que defender os princípios bíblicos publicamente e lutar por eles. Se eu acredito no que acredito devo defender isso publicamente e lutar pela aceitação dos meus princípios na sociedade, do contrário estarei agindo com hipocrisia.
O Aborto, a questão do homossexualismo, os anti-concepcionais, são questões de fundamental importância, pois colidem com valores fundamentais da Fé Cristã, que são a Família e a vida. Portanto, ou a Igreja Cristã entra na Batalha contra essas práticas demoníacas como aborto, homossexualismo e anti-concepcionais, defendendo os valores Cristãos e Bíblicos, ou a Igreja já deixou de ser Igreja e de ter sua relevância.
É fato notório que às Igrejas Européias estão diminuindo justamente pelo fato de estarem aceitando o homossexualismo, o aborto e outros males. Basta para isso ver que em muitas partes da Europa muitas Igrejas já foram fechadas, e muitos Templos ditos Cristãos já foram vendidos, e se tornaram em museus e outras coisas. Não venha com mentiras Sousa.
A IURD não é um bom exemplo de Igreja Cristã, pois suas posturas pró aborto colidem frontalmente contra o Evangelho de Cristo e demonstra a apostasia da mesma.
E, deixo aqui deixar esclarecer outra coisa: A Igreja Cristã como sendo o Sal da Terra e a Luz do Mundo têm o dever Cristão de não somente denunciar o pecado diabólico do homossexualismo, aborto, bruxaria e outros males, como têm também de politicamente lutar contra isso, batalhando para que às leis sejam justas, e sigam um padrão de Justiça que está na Bíblia. Isso é imperativo.
Quanto ao espiritismo, budismo, islamismo, a própria Palavra de Deus condena essas e outras religiões, e às declara como falsas religiões. Portanto, ainda que tais grupos possam terem liberdade, é dever do Cristão condenar e denunciar tais Religiões como falsas, como contrárias a lei de Deus.
Tudo o que tu dizes não passa de falácais, buscando justificar o injustificável, querendo que a Igreja se adapte aos tempos “modernos”. Não é a Igreja que se deve adaptar aos ditames desse mundo. A Igreja deve transformar a sociedade, e como parte dessa missão, não pode se omitir de lutar contra “uniões gays”, homossexualismo” e outros males, pois senão deixa de ser Igreja.

O Sousa da Ponte disse...

Carlos Henrique

Eu nesta adaptação aos tempos modernos no que não for dogma referia-me só à igreja católica.



Claro que as igrejas devem defender os seus pontos de vista. Se um membro duma igreja por ignorância ou rebeldia pratica actos que são vedados a essa congregação a igreja tem todo o direito de o chamar à atenção e até de o expulsar.

Não fará é grande sentido que uma testemunha de Jeová venha tentar impedir um católico ou espírita de dar sangue ou receber uma transfusão. Quer um quer outro não acreditam que transfusões de sangue sejam actos diabólicos e que lhes custem a salvação da alma.

A testemunha de Jeová tem todo o direito de assim pensar e o dever de informar os membros da sua congregação disso.

Não é confinar a religião às igrejas.

O problema é que o que para ti são valores absolutos, bons e maus, para outros são diferentes.

E são cristãos todos os que se dizem cristãos.

Cada qual a sua maneira.

Concordo que a IURD e outras similares são no mínimo um pouco estranhas mas o que é facto é que as pessoas que lá vão aparentam uma grande fe'.

E isso também é de respeitar.

Normalmente, creio eu, as pessoas são sinceras na sua fé e por mais bizarra que ela nos possa parecer para essa pessoa ela é uma parte importante da vida.

Temos de respeitar todos.

A lei comum aplica-se a todos. Indepentemente da sua fé particular.

E tem de defender todos. O que não é fácil. ..

Um abraço

carloshenrique disse...

Caríssimo o Sousa da Ponte, eu concordo que tenhamos respeitarmos aos que crêem diferente da gente.
E, quanto a questão de transfusão de sangue, eu acho que deveria ser respeitada a vontade dos Testemunhas de Jeová de não querer tal coisa, ainda que eu discorde3 das crenças da TJ.
Só o que não concordo é que às crenças fiquem restritas a quatro paredes do Templo. Toda e qualquer pessoa deve ter o direito de defender politicamente os seus valores.
Mas, porém, isto que tu dissestes num comentário anterior a este, que é o seguinte: “Como estas diversas visões do mundo e da religião são completamente incompatíveis entre si e até podem ser bastante ofensivas é boa ideia mante-las no local certo que são os locais de culto.

Cada qual tem as suas convicções profundas, manifesta-as no local próprio que é o seu local de culto e assim a vida é muito mais simples para todos.”; é justamente o tipo de querer confinar a religião a dentro dos Templos Religiosos.
E, quanto a valores absolutos, há sim valores absolutos. E, esses valores absolutos que o Cristianismo não o são porquê os Cristãos os consideram, mas porque são válidos por toda a eternidade, existem desde antes da fundação do mundo, e não podem serem mudados. Valores absolutos não é porquê um grupo acha que o são, mas o são por si mesmos, porque Deus o Criador assim o determinou.
Portanto esse tipo de frase de que: “O problema é que o que para ti são valores absolutos, bons e maus, para outros são diferentes.”, é um típico relativismo totalmente destrutivo. E é justamente por causa desse relativismo que a Sociedade atual está cada dia mais indo para o abismo, a violência está aumentando. Não é o que para mim são valores absolutos. Os valores são absolutos por si mesmos, independentes de mim e de qualquer religião. Dizer que “O problema é que o que para ti são valores absolutos, bons e maus, para outros são diferentes”, é não somente negar a natureza dos valores absolutos, como também negar a existência deles, e promover um caos social, e colaborar com destruição da própria sociedade em que se vive.

O Sousa da Ponte disse...

Carlos Henrique:

O problema dos valores absolutos é variarem de confissão para confissão.

Para alguns a proibição da homossexualidade é um valor absoluto. Para outros este não é um valor absoluto.

O divórcio, o casamento de padres, a ordenação de mulheres, o dia de descanso, o consumo de álcool e isto só para enumerar os principais são consoante a fé particular valores sbsolutos ou não.

Podíamos ainda falar dos Amish que recusam tecnologia posterior ao século XIX, alguns Mormons que aceitam a poligamia e quantas outras interpretações do que são valores absolutos.

Digamos que as diversas correntes cristãs a única coisa sobre os valores absolutos em que concordam é em discordar.

Se um país quisesse harmonizar a sua legislação civil com o pensamento e valores absolutos cristãos teria grandes dificuldades em definir o dia de descanso, o regime de casamento e mesmo o que fazer com a homossexualidade.
Cada confissão munida da sua verdade absoluta e imutável iria dar a sua particular visão do mundo e não seria possível qualquer acordo mesmo que mínimo.

A não ser, claro, se o estado escolhesse uma qualquer confissão e tratasse esses valores como o de todos os cristãos. O que decerto não agradaria nada às outras confissões e restantes religiosos ou sem religião.

Assim penso que se os cristãos querem de alguma forma influenciar a sociedade tem de encontrar uma fórmula o mais abrangente possível que possa ser comum a todos.

Doutra forma gastam energia no ataque uns aos outros e no fundo em questões de menor importância.

Penso que foi isto que o Papa Francisco percebeu.

Ignorar o acessório e focar-se no fundamental.

Salvo melhor opinião parece-me uma boa estratégia. Claro que só o futuro o dirá mas parece-me que vai dar um novo fôlego à ICAR.



carloshenrique disse...

Não existe essa de que valores absolutos variam de Religião para religião. Isso é relativismo moral e é diabólico.
O Deus Criador, que criou a todas às coisas, e que está acima de qualquer religião, quando criou o ser humano, os fez macho e fêmea, e disse: “Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, e ambos serão uma só carne.”
Com isso Deus já definiu os seguintes valores morais e absolutos que regem a toda a natureza humana, e que são estes:
a) casamento monogâmico
b) casamento tão somente entre um homem e uma mulher;
c) o casamento ser para toda a vida.
d) a Família como sendo formada da união matrimonial entre um homem e uma mulher, e pelos belíssimos frutos dessa união que são os filhos e filhas.
O divórcio, poligamia, homossexualismo, e outros males advém da desobediência e rebeldia humana contra Deus.
É Deus que define e que definiu os valores Absolutos. E toda vez que o ser humano desobedece a esses valores absolutos sempre acabará por sofrer. Os Valores são Absolutos e valem para todos, sem exceção. Se uma religião não considera tais valores como absolutos tais valores deinidos por Deus não deixam de serem absolutos, e cabe a única Religião Verdadeira, o Cristianismo, defender tais valores custe o que custar, obedecendo assim a Deus e a Sua Palavra, num mundo putrefetado pelo pecado.
Se focar nessas questões é se focar em questões fundamentais. A preservação da Sociedade depende da valorização e defesa da Família Tradicional.
Esse pensamento: “Assim penso que se os cristãos querem de alguma forma influenciar a sociedade tem de encontrar uma fórmula o mais abrangente possível que possa ser comum a todos.”; pode até parecer bonito a primeira vista, mas não é um pensamento cristão e não é correto, mas colide frontalmente com o que ensina às Escrituras Sagradas.
Os Cristãos devem serem o Sal da Terra e a Luz do Mundo, e para que os Cristãos, a Igreja Cristã, possa influenciar realmente a sociedade, só há um caminho: defender firmemente os valores cristãos, como casamento tão somente entre um homem e uma mulher, e se posicionar firmemente contra o homossexualismo, o aborto, a poligamia, e quaisquer outros males, do contrário jamais serão cristãos.
E ser Cristão não é apenas se dizer Cristão, mas é justamente defender e lutar pelos valores ensinados na Bíblia Sagrada, combatendo o homossexualismo, o aborto e outros males da sociedade moderna. Isso é ser Cristão. Isso é ser seguidor de Cristo.
Esse seu discursinho relativista pode parecer bonito aos olhos do mundo, mas é totalmente diabólico. A Igreja Cristã deve com firmeza defender os valores Absolutos e combater com firmeza, inclusive na política essa maldição do homossexualismo, a maldição do aborto, a maldição do relativismo, e outras maldições mais que se propalam como um verdadeiro câncer maligno dentro da Sociedade dita “moderna”, se mostrando assim ser o Sal da Terra e a Luz do Mundo.

Eliel disse...

Amigo Carlos Henrique,

Você foi perfeito neste seu último comentário, principalmente quando você, logo de início, afirmou que "Não existe essa de que valores absolutos variam de religião para religião. Isso é relativismo moral e é diabólico..."

Não só eu assino embaixo disso que você colocou, como eu ainda diria o seguinte: as leis humanas podem mudar; os costumes, padrões de comportamento, e as regras morais de um determinado meio social podem mudar de tempos em tempos; enfim, tudo que é criado ou estabelecido pelo homem quase sempre muda de uma hora pra outra. MAS OS VALORES E OS PRINCÍPIOS QUE DEUS ESTABELECEU NA SUA LEI SÃO ETERNOS E IMUTÁVEIS (NUNCA PODERÃO SER MUDADOS POR NADA, E NEM POR NINGUÉM)!

A respeito da lei de Deus, Jesus foi taxativo:

"Não penseis que vim revogar as leis ou os profetas; não vim para revogar, mas para cumprir. Pois em verdade Eu vos digo que, até que passem os Céus e a Terra, nenhum i ou til jamais passará da lei, sem que tudo se cumpra" (Mateus 5:17–18)

O problema é que o ser humano quer que Deus adapte a Sua lei aos ditames do mundo. A verdade nua e crua é esta: DEUS NUNCA MUDARÁ A SUA LEI PARA AGRADAR A QUEM QUER QUE SEJA! QUEM QUISER SERVIR A DEUS, TEM QUE ACEITAR O QUE ELE ESTABELECE EM SUA LEI!

Se Deus, na Sua lei, disse que o homossexualismo é pecado, é pecado e ponto final (e não tem quem faça Deus mudar de idéia sobre isso). Se Deus disse que o adultério é errado, é errado (e não tem discussão). Enfim, se Deus estabeleceu determinados princípios em Sua lei, é porque Ele sabe o que é melhor para nós (que somos Suas criaturas). Afinal, que autoridade moral o homem pecador tem para questionar (ou modificar) a lei de um Deus santo?