27 de outubro de 2013

“Nem todos precisam da escola”, diz jovem que criou programa para autodidatas


“Nem todos precisam da escola”, diz jovem que criou programa para autodidatas

Ele chocou a família ao deixar a escola aos 12 anos de idade. Agora, quer reunir talentos no Vale do Silício e ajudá-los a aprender por conta própria

Renata Honorato
Com apenas 12 anos, Dale J. Stephens chocou os pais certo dia, ao informá-los que deixaria os estudos. "Decidi abandonar a escola porque queria começar a aprender", lembra o americano, nascido na região californiana de São Francisco. Passado o susto, ele recebeu apoio dos familiares e iniciou uma jornada sem volta — especialmente aos bancos escolares, exceto por uma breve passagem universitária que não durou um semestre. Hoje, aos 21 anos, ele é um autodidata convicto, além de um entusiasta da causa. Apoiado na convicção de quem aprende por si só vai mais longe, lançou um livro, Hacking Your Education (algo como "Hackeando sua educação"), e fundou o UnCollege (que, com o prefixo inglês "un", ostenta a própria negação da escola), site dedicado a pesquisar a autoaprendizagem. Stephens encontrou ainda uma forma inusitada de testar o conceito. A partir de setembro, o UnCollege promoverá um programa chamado Gap Year, que reunirá dez jovens com idades entre 18 e 28 anos em um intensivão sobre como aprender por conta própria. Ao longo de doze meses, eles dividirão o mesmo teto em São Francisco, farão um intercâmbio a outros países, terão de desenvolver um projeto inovador em qualquer área e ao fim serão enviados para o Vale do Silício, centro de inovação americana, para cumprir um estágio. O objetivo do programa é um só: colocar os participantes em condições de aprender a aprender. Apesar da fé no autoaprendizado, Stephens reconhece que a modalidade não é indicada a qualquer um. "Acredito que todo mundo é capaz de aprender de forma independente, mas sei que nem todos conseguem fazer isso." Às vésperas de chegar ao Brasil, onde participa na próxima semana da edição da Campus Party em Recife, ele conversou com o site de VEJA sobre suas ideias e feitos. Confira os principais trechos a seguir:
Dale J. Stephens
Por que você largou a escola tão cedo, aos 12 anos? Decidi abandonar a escola porque queria começar a aprender. No colégio, na maioria das vezes, ficava à toa e não aprendia nada.
Como sua família reagiu à sua decisão? Eles ficaram chocados, mas acabaram me apoiando. Eles me deram a oportunidade de decidir por mim mesmo.
Você diz que não acredita no currículo escolar. Na sua opinião, o que poderia ser feito para mudar o sistema educacional nos Estados Unidos? A primeira coisa a fazer é mudar a noção de que todo mundo pode aprender as mesmas coisas, no mesmo tempo e de forma linear.
O mesmo vale para outros países? A maioria das escolas se baseia no sistema educacional prussiano — frequência obrigatória, formação específica para os professores, currículo unificado e testes nacionais. Isso funciona bem para treinar pessoas para seguir uma direção, mas nós não precisamos de trabalhadores em série.
Em que a proposta do UnCollege difere da oferecida por universidades tradicionais? Os benefícios em participar do programa Gap Year são inúmeros. Nosso currículo único de autoaprendizado ensina técnicas de como aprender. Reunimos autodidatas em uma mesma comunidade. Conectamos nossos seguidores a mentores que os guiam em um processo de autoaprendizado.
Como são selecionados os mentores? Os mentores do programa são pessoas muito diferentes entre si. Fazem parte desse grupo desde investidores até executivos da Fundação Gates, passando por empreendedores e empresários listados pela Fortune. Escolhemos essas pessoas porque elas acreditam no valor de aprender por conta e desenvolvem coisas interessantes.
Você acredita que qualquer pessoa pode aprender sem ajuda da escola? Eu acredito que todo mundo é capaz de aprender de forma independente, mas sei que nem todos conseguem fazer isso. Defender essa premissa seria tão tolo quanto dizer que todas as pessoas devem ir à escola.
Quais são seus planos para o futuro? Vamos expandir o UnCollege para outras cidades. Nova York e Chicago são as primeiras da lista.
Por que decidiu escrever um livro? Escrevi um livro para explicar de forma sucinta o que é autoaprendizado. Trata-se de um assunto difícil. É muito importante para os jovens não se sentirem isolados e saber que não estão sozinhos.
Você voltaria a estudar em uma universidade em alguns anos? De forma alguma.
Quem são as suas inspirações? Eu me inspiro em pessoas como John Holt e Alexander Sutherland Neill.  Eles foram os primeiros a disseminar essas ideias.
Você tem planos de expandir o UnCollege para outros países? Sim, com certeza. Por ora, estamos pensando em levar o projeto para Londres, na Grã-Bretanha, e Berlim, na Alemanha.
Fonte: Revista Veja
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

5 comentários :

Anônimo disse...

Júlio,
Hoje em dia escola é o seguinte:
Aprender o básico (o que o extinto MOBRAL fazia), ler e escrever,para ingressar numa faculdade e apenas pegar a carteirinha de profissional, pois se formos depender e seguir o que ensinam seremos apenas mais um idiota-útil nessa legião de ignorantes deformados pelas
faculdades marxistas. E como eles enrolam as pessoas! Tanto tempo perdido.
A maioria das pessoas precisam da carteirinha para ingressar na vida profissional,mas temos que aprender que estudar e saber vai muito além dos “cursinhos”
formatados pelas instituições. É só deixar de ser preguiçoso para não se tornar um burro.
Muito bom, muitos ainda não conseguem enxergar isso!
Parabéns ao rapaz Dale J. Stephens!
Abç
Valéria

Mary Ann Silvian disse...

Ninguém precisa de escola. O conhecimento está em todo lugar, não numa instituição doutrinária.

Claro que me refiro as escolas atuais, pois acredito que as antepassadas ensinavam fielmente o conteúdo acadêmico e ao menos valores benefícos para a própria sociedade.

Honestidade, camaradagem, são coisas que você não aprende nas escolas atuais, em termos de valores, por exemplo. Hoje é um sistema "cão-come-cão", uma competição violenta pra ver quem é melhor do que quem, onde arrogância e ambição falam mais alto do que qualquer outra coisa.

Bullying foi uma coisa que eu sofri por um longo período nos meus anos letivos. No ensimo médio, ainda teve a forte doutrinação marxista. E tem gente que ainda acha que devo dar graças porque tive a opornidade de ir á escola.

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Respondendo à Valéria e à Mary Ann Silvian,

A educação familiar é, sem dúvida, a que forma o caráter do verdadeiro homem. É dentro do lar (juntamente com a família) que a pessoa se torna um bom cidadão.

Só que o Estado quer usurpar este direito da família (que é sagrado por natureza). Em outras palavras: o Estado quer se achar no direito de dizer aos pais que tipo de educação eles devem dar aos seus filhos. Sabemos que a atual educação dada pelo Estado corrompe os bons princípios que foram ensinados no lar.

E mais: considerando que o nosso sistema educacional é todo contaminado por idéias esquerdistas, marxistas, comunistas e socialistas (que são, na verdade, doutrinas de demônios), não é de se espantar que, da escola primária à universidade, todos já saem educados dentro dessas mesmas idéias (que têm como ponto em comum a concepção socialista de que o governo é quem deve atender às necessidades de todos). Isso sem contar que uma escola com a mesma linha de pensamento ensina a todos a aceitarem o homossexualismo e o aborto como algo normal, tolerância às religiões afro–descendentes como sendo parte da nossa cultura, combate à homofobia (que é sutilmente pregada como "respeito às diferenças"), enfim, coisas que são totalmente contra os princípios cristãos e bíblicos.

Uma coisa é certa: NENHUMA ESCOLA OU UNIVERSIDADE, POR MELHOR QUE SEJA, JAMAIS VAI SUBSTITUIR INTEGRALMENTE A FAMÍLIA EM TERMOS DE FORMAÇÃO MORAL! É A FAMÍLIA QUEM DÁ A VERDADEIRA EDUCAÇÃO AO SER HUMANO!

Torno a repetir, mais uma vez, o que eu já comentei em um artigo semelhante a este: qualquer país pode ter a melhor educação do mundo. Mas se esse mesmo país não colocar a obediência à Palavra de Deus como prioridade, a educação que esse mesmo país oferece aos seus cidadãos não passará de uma fábrica de demônios com diplomas de faculdade. É como bem disse o apóstolo Tiago:

"Quem, dentre vós, é sábio e tem verdadeiro entendimento? Que o demonstre por seu bom proceder cotidiano, mediante obras praticadas com humildade que têm origem na sabedoria. No entanto, se abrigas em vosso coração inveja, amargura e ambição egoísta, não vos orgulheis disso, nem procureis negar a verdade. Porquanto esse tipo de sabedoria não vem dos Céus, mas é terrena; não é celestial, mas demoníaca. Pois, onde existe inveja e rivalidade, aí há confusão e todo tipo de atitudes maléficas" (Tiago 3:13–16)

A verdadeira educação só é obtida no ambiente da família. E a melhor educação é dada pela Palavra de Deus, porque ela é quem forma o verdadeiro homem. É como está escrito:

"O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência" (Provérbios 9:10)

"Ensina à criança o caminho no qual ela deve andar; e quando envelhecer, ela não se desviará dele" (Provérbios 22:6)

"Bem–aventurado é o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, e não se assenta na roda dos escarnecedores. Antes o seu prazer está na lei do Senhor; e nela medita dia e noite" (Salmo 1:1–2)

"Toda a Escritura é inspirada por Deus, e é proveitosa para ensinar, repreender, corrigir as coisas, disciplinar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja plenamente preparado para toda boa obra" (2 Timóteo 3:16–17)

Que todos nós possamos lutar para educarmos os nossos filhos dentro dos nossos lares (e na obediência à Palavra de Deus), para que eles sejam futuros bons cidadãos!

P.S: Se alguém daqui quiser se manifestar, esteja à vontade.

ELISEU disse...

Respondendo à Valéria, à Mary Ann Silvian, e ao presbítero Valdomiro,

Infelizmente, a verdade nua e crua é que muitas escolas (principalmente as escolas públicas) são, atualmente, verdadeiros antros de perdição. E se não estivermos muito atentos ao conteúdo que está sendo ensinado aos nossos filhos, fatalmente eles serão escravizados por todo tipo de pecado e vício.

Um dia desses, minha filha caçula (4 anos) me perguntou: "Papai, é certo 2 homens (ou 2 mulheres) se beijarem na boca em frente de todo mundo?" Quando eu quis saber onde ela tinha visto isso, ela me disse: "Lá na escola isso acontece direto, e a diretora não diz nem faz nada contra!".

Não tive dúvidas: tirei minha filha de lá. Quando a diretora quis saber o motivo, eu fui direto ao ponto: "Não quero que minha filha seja contaminada pela sujeira daqui!". Aí ela quis contra–argumentar: "A educação de hoje tem que estar adaptada aos tempos modernos. O mundo evoluiu. Não podemos ter discriminação contra certas inovações".

Eu respondi a ela num tom bem direto (e bem grosseiro): "EU NUNCA VOU PERMITIR QUE MINHA FILHA ESTUDE NUM COVIL DE DEMÔNIOS (COMO ESTA ESCOLA)!". Nada mais justo. Afinal, como pai de família cristão, eu não posso compactuar com o pecado (pois eu estaria colocando a integridade espiritual e a formação moral de minha filha em perigo)!

Hoje, ela recebe aulas particulares de professores cristãos tementes a Deus dentro da minha casa. Eu nem me importo em ter que pagar para isso, mas eu pago com satisfação. Pelo menos, eu tenho certeza de que minha filha não estará espiritualmente desprotegida (e nem estará num lugar onde ela iria se corromper pelo pecado)!

Que tal se todos os pais de família agissem assim (para protegerem seus filhos das más influências)?

Fica aqui a minha sugestão para a análise de todos.

Anônimo disse...

Educação formal é valida apenas para o aprendizado de uma questão técnica muito especifica, basicamente para a obtenção de uma formação técnica especifica, tal como ser engenheiro ou técnico em solda e doenças. Já quanto a formação filosófica e ideológica, quanto a esta última o caminho é feito basicamente só e através da participação em múltiplos eventos, cursos e grupos que ajudem na realização de tal tarefa. Afinal de contas não somos lixos estúpidos esquerdistas que saem as ruas marchando e gritando: "Estado, dê-me educação! Educação Estado! Eu quero educação Estado!"