28 de outubro de 2013

Eleição presidencial 2014 aos olhos da Teologia da Libertação


Eleição presidencial 2014 aos olhos da Teologia da Libertação

Quem são os reais “fundamentalistas”? Os que lutam contra o aborto e a agenda gay ou os que lutam pela implantação do socialismo?

Julio Severo
“Na campanha presidencial de 2014, veremos reprisar o que tanto afetou a de 2010: o fator religioso [onde o] debate em torno da questão do aborto assumiu muito mais importância…” palavras de Frei Betto em seu artigo “Eleição 2014 e Religião.”
Frei Betto e Fidel Castro
Mas ele avisa: “O aborto e outros temas ligados aos direitos reprodutivos e à sexualidade são apenas o biombo que encobre algo muito mais ameaçador: o fundamentalismo religioso como força política.”
Na visão de Frei Betto, que é um dos principais líderes da Teologia da Libertação no Brasil, questões como aborto e sexualidade (na verdade, homossexualidade) escondem uma ameaça muito maior: grupos cristãos que ele identifica como “fundamentalistas.”
Ariovaldo Ramos e Marina Silva têm basicamente as mesmas queixas. Eles se queixaram da “onda de conservadorismo” que quase derrotou Dilma Rousseff na eleição presidencial de 2010. A onda conservadora foi a expressão de fortes sentimentos cristãos contra o aborto e o homossexualismo. Em vez de se colocarem frontalmente contra o histórico e posições patentemente abortistas e homossexualistas de Dilma e do PT, Ariovaldo divulgou seu manifesto público, declarando: “manifestamos as nossas rejeições diante da onda de conservadorismo que se abateu sobre o país nesse processo eleitoral”. E Marina, em sua “Carta Aberta aos Candidatos à Presidência da República Dilma e Serra”, criticou abertamente o que ela enxerga como “esse conservadorismo renitente que coloniza a política e sacrifica qualquer utopia em nome do pragmatismo sem limites”.
No início de 2012, Reinaldo Azevedo expôs comentário de um líder do PT dizendo que a oposição ao socialismo no Brasil está liquidada. Esse líder também disse que a única oposição hoje, sentida fortemente nas questões de aborto e homossexualidade, são as posturas dos televangelistas neopentecostais. A CNBB, que é a maior instituição da Igreja Católica no Brasil e responsável pela fundação do PT, está nas mãos desse líder do PT, conforme informação que recebi, restando agora como maior força opositora os televangelistas neopentecostais. Desenvolvi mais profundamente essa questão no meu e-book “Teologia da Libertação X Teologia da Prosperidade.”
A própria ONU reconhece que os pentecostais do Brasil são um grande impedimento para a implantação das políticas imorais da ONU.
A “ameaça” neopentecostal na questão do aborto e homossexualidade é indiscutível. O exemplo é Marco Feliciano, que sofreu oposição implacável das esquerdas seculares e evangélicas por ocupar a presidência da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara dos Deputados. Esquerdistas como Betto acham que esses espaços pertencem somente aos adeptos do aborto, homossexualismo e Teologia da Libertação.
Claro que Betto nunca vai confessar que a Teologia da Libertação esconde um ameaça muito maior: o fundamentalismo esquerdista. Comportamento semelhante se vê em Ariovaldo Ramos e outros evangélicos progressistas, que não admitem que a Teologia da Missão Integral (que é a versão protestante da Teologia da Libertação) esconde uma ameaça maior.
Em seu artigo, Frei Betto comenta: “O fundamentalismo religioso nasceu nos EUA, no início do século XX, com o objetivo de evitar a erosão, pelo secularismo, das crenças fundamentais da tradição protestante, como a expiação substitutiva realizada pela morte de Jesus e o seu iminente regresso para julgar e governar o mundo, e a infalibilidade da Bíblia tomada em sua literalidade, como a criação direta do mundo e da humanidade por Deus, em oposição ao evolucionismo e ao darwinismo.”
O que não é ser radical e “fundamentalista”? É ter as posturas de Betto, que diz:
“Admito a descriminação do aborto em certos casos e sou plenamente a favor da mais ampla discussão em torno do aborto”.
“A Igreja precisa prestar atenção ao legado de três grandes judeus que fizeram história: Jesus, Marx e Freud”.
“Eu tenho certeza que um autêntico comunista é um cristão, embora não o saiba, e um autêntico cristão é um comunista, embora não o queira”.
“O governo brasileiro é amigo de Cuba, é um aliado. Acho que o Brasil tem que ajudar Cuba e tem a obrigação moral e política de apoiar a Revolução Cubana”.
Em seu artigo intitulado “Lutar pela Implantação do Socialismo Até o Último Dia das Nossas Vidas”, Frei Betto declara ousadamente:
“Não podemos de maneira alguma ficar à espera que um novo iluminado surja para fazer uma obra melhor do que a de Karl Marx. A obra do Marx é de suma importância para nossa atuação revolucionária, como a obra do Gramsci, como a obra do Che Guevara, como a obra de tantos outros companheiros que embora sejam menos conhecidos, mas têm obras importantes e companheiros que hoje, me permitam dizer, publicam ensaios de transcendental importância para a nossa luta.”
Se você não pensar assim, você é rotulado de “fundamentalista.”
Quando se fala em “fundamentalismo” hoje, a primeira imagem na mente é terroristas islâmicos matando inocentes. Essa imagem é padrão na sociedade atual. Mas quando surgiu o fundamentalismo original, nada havia em seus líderes e membros que os ligasse a matanças e terrorismo. O termo só veio a adquirir carga negativa com a difamação sistemática dos meios de comunicação pintando o fundamentalismo evangélico como radical. Mais tarde, um jornalista esquerdista teve a inspiração de atrelar o termo ao islamismo e a difamação se agravou. Agora, o termo “fundamentalismo” está tão difamado que só vale a pena usá-lo para os verdadeiros apoiadores de matanças: os ativistas pró-aborto.
O próprio Frei Betto, ainda que demonstrando nojo do conservadorismo evangélico do passado, reconhece que o fundamentalismo deles nada tinha a ver com jihads, homens-bombas, atentados terroristas e matanças de inocentes. Ele diz: “Em meados do século passado, os fundamentalistas cristãos se convenceram de que não bastava pregar no interior dos templos e converter corações e mentes. Era preciso impor à sociedade tudo isso que concorre para o ‘bem dela’, como a criminalização do aborto e da homossexualidade, do uso do álcool e do fumo, do entretenimento pornográfico…”
Em seguida, Betto ensina o público que se você é como esses pioneiros evangélicos conservadores “fundamentalistas” dos EUA, você não tem direito de “impor” seus valores à sociedade.
Em contraste, se você for adepto da Teologia da Libertação ou Teologia da Missão Integral, você tem a obrigação de lutar para impor os supremos valores socialistas à sociedade, pois para Frei Betto, Leonardo Boff, Ariovaldo Ramos e outros, esses são os valores reais do Reino de Deus. Com base nesses valores, Frei Betto acha justo estar com Fidel Castro para impor o marxismo na sociedade, e Ariovaldo Ramos acha justo estar com Hugo Chavez com o mesmo objetivo.
Se você apoia o aborto como direitos reprodutivos e a homossexualidade como direitos sexuais, então você é da turma, e o rótulo carinhoso que a mídia lhe dará é “lutador dos direitos humanos,” e todas as elites darão espaços abertos para você falar e impor o que você quiser.
Mas se você é contrário ao aborto e a outros derramamentos de sangue inocente e se você quer a proteção das crianças contra as investidas da agenda gay, então você não é da turma. A mídia tem só um rótulo para você: “fundamentalista.” Você não tem nenhum direito de defender nos espaços públicos seus valores.
Esse embate não é novo. Em 1925, os Estados Unidos testemunharam um ponto decisivo na marcha socialista. Nesta data, houve o “Scopes Monkey Trials,” ou Julgamentos sobre a Teoria do Macaco do Professor Scopes. De um lado, estava o advogado comunista sarcástico Clarence Darrow, representando John Scopes, professor humanista que queria impor a teoria da evolução para suas classes compostas em grande parte por crianças protestantes. Em defesa dos alunos e seus pais, estava o advogado William Jennings Bryan, que a mídia americana já simpática ao esquerdismo prontamente tratou de apresentar desdenhosamente como representante do “fundamentalismo.”
No final, os comunistas venceram, a teoria da evolução foi imposta e esse caso serviu como precedente para se impor a “teoria do macaco” nas crianças, até mesmo em crianças cristãs. “Fundamentalismo” se tornou sinônimo naquela época de oposição protestante à luta pela implantação de ideias progressistas (socialistas). E hoje não é diferente. Se Frei Betto quer “Lutar pela Implantação do Socialismo Até o Último Dia das Nossas Vidas” e impor essa ideologia na sociedade brasileira, ele sabe que primeiro precisa demonizar os cristãos e seus termos que estão em confronto com sua agenda. A estratégia esquerdista sempre segue esse padrão de demonização.
Sejamos inteligentes nesta hora. A esquerda emporcalhou tanto o termo “fundamentalismo,” especialmente ligando-o agora ao radicalismo islâmico, que se tornou irreconhecível e obsoleto para nós. Tornou-se, em essência, conforme a imagem e semelhança deles. O mesmo fundamentalismo islâmico que quer impor seus valores na sociedade está também presente nos esquerdistas. E, coincidência, ambos têm um “currículo” fartamente sanguinário.
Embora a maioria da mídia e do governo esteja nas mãos do fundamentalismo esquerdista, que muito respeita Frei Betto e seus comparsas, não podemos nos desanimar achando que nossos esforços não têm esperança. Recordando as palavras de Lutero, repetidas séculos depois por presidentes dos EUA: “Um com Deus é maioria.”
Leitura recomendada:

15 comentários :

Willians disse...

O apóstolo Paulo escreveu aos coríntios que a palavra da cruz é loucura para a mente carnal e natural. Hoje não é diferente. Só trocaram a palavra loucura pela palavra fundamentalismo e qualquer outra que possa denegrir aquele que ouse atrapalhar os planos desses “progressistas”.

Georges disse...

Pois é Julio, mas veja bem os evangélicos que desde sempre condenaram o socialismo por várias razões que não vem ao caso expor aqui e agora. Já se mobilizam novamente em torno de Marina Silva, que acaba de aderir ao partido... SOCIALISTA brasileiro, isso mesmo. Pergunto, o que mudou, a igreja, Marina, ou o socialismo? Lembrando que desde 2010, quando no PV, Marina sempre apoiou aborto, casamento gay e legalização das drogas (está no estatuto do PV pra quem quiser confirmar). Como você analisa esse movimento evangélico pró-Marina?

Georges disse...

Aliás, Frei Betto apoia Marina... está no Youtube.

Julio Severo disse...

Georges, sobre Marina (cujas bases vêm da Igreja Católica e Teologia da Libertação) e a situação dos evangélicos, confira estes dois links:

http://bit.ly/11zFSqq

http://juliosevero.blogspot.com/2013/10/marina-silva-conservadora-pirata.html

Georges disse...

Obrigado, abraços.

ELISEU disse...

Amigo Georges,

Torno a repetir o que eu já comentei num artigo semelhante a este: Marina Silva é esquerdista. Ela é exatamente igual à melancia: verde por fora, mas vermelha por dentro.

Para que ninguém daqui não tenha mais nenhuma dúvida sobre o esquerdismo (ou o "interior vermelho") de Marina Silva, vejam o que ela própria disse textualmente sobre certos temas em algumas entrevistas:

– "Sou contra o casamento homossexual, mas não me oponho à união civil entre pessoas do mesmo sexo"

– "Não tenho opinião formada sobre isso (adoção de crianças por casais gays)"

– "Sempre que me perguntam sobre o que penso a respeito do movimento LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e transgêneros), seus direitos e sua luta por leis que os protejam de discriminação, digo que reconheço a legitimidade do movimento e de suas reivindicações"

Como pode uma pessoa se dizer cristã, e, ao mesmo tempo, concordar com coisas que são totalmente contra a Palavra de Deus?

Talvez Marina Silva esteja esquecida do que a Bíblia diz sobre a postura de um verdadeiro cristão:

"Não podeis beber do cálice do Senhor e do cálice dos demônios; não podeis participar da mesa do Senhor e da mesa dos demônios" (1 Coríntios 10:21)

"Não vos coloqueis num jugo desigual com os incrédulos. Pois, que sociedade a justiça tem com a injustiça? E que união pode haver da luz com as trevas? E que aliança há entre Cristo e o maligno? E que parte tem o fiel com o infiel? E que concordância existe do templo de Deus com os ídolos?" (2 Coríntios 6:14–16)

Será que Marina Silva ainda está lembrada disso?

Se Marina Silva fosse uma verdadeira cristã (como ela alega ser), ela teria que dizer com todas as letras: "O aborto é um crime contra a vida. Num dos 10 mandamentos, Deus disse: 'Não matarás' (Êxodo 20:13). Quem faz aborto mata uma vida inocente! Por isso, sou totalmente contra o aborto (e não vou apoiar pessoas que defendem o aborto)! Quanto ao homossexualismo, é uma coisa demoníaca. Como cristã, não posso ser a favor de uma blasfêmia contra o Deus que eu sirvo. Não vou ser cúmplice do pecado. É melhor eu perder o meu mandato (e ficar em paz com a minha consciência) do que pecar contra Deus!".

Marina Silva é uma pessoa morna. Ser morno, de acordo com a Bíblia, é aquele que se diz cristão, mas não combate com firmeza o pecado.

Foi justamente isso que Jesus mandou o apóstolo João escrever na carta para a igreja de Laodicéia:

"Eu conheço as tuas obras: não és frio e nem quente; quem Me dera se fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, estou para te vomitar da Minha boca" (Apocalipse 3:15–16)

Quem é morno é, às vezes, pior do que o ímpio. O ímpio já sabe que direção seguir. É um caminho que é errado, mas que já foi escolhido (pelo menos uma decisão já foi tomada). Já o morno é aquele que, como se diz no popular, fica "em cima do muro": não sabe para onde vai. Em outras palavras: não abandona a Jesus, mas também não resiste a certas tentações do diabo.

Foi por isso que o apóstolo Tiago disse:

"Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado" (Tiago 4:17)

Em outras palavras: aquele que sabe que deve combater o pecado e não toma uma atitude (ou seja, não diz nem faz nada contra o pecado) é cúmplice do pecado (e é tão ou mais culpado quanto o próprio pecador)!

O verdadeiro cristão não pode (e nem deve) ser morno. O verdadeiro cristão tem uma só palavra, uma só escolha, segue somente uma única direção, e é firme em suas convicções. Em suma, o verdadeiro cristão obedece ao que Jesus diz:

"Seja, porém, a vossa palavra: Sim, sim; Não, não; porque o que passar disto é de procedência maligna" (Mateus 5:37)

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou amará a um e odiará o outro, ou há de se dedicar a um e desprezar o outro" (Mateus 6:24)

"Quem não é por Mim, é contra Mim; e quem Comigo não ajunta, espalha" (Mateus 12:30)

Alguém concorda comigo?

Everaldo disse...

O comentário do Eliseu sobre Marina Silva foi mais do que esclarecedor. Não só eu assino embaixo de tudo que o Eliseu disse, como eu ainda acrescentaria o seguinte: de cristã, Marina Silva não tem rigorosamente nada! Para quem foi "educada" por "professores" como Leonardo Boff, Frei Betto, e Caio Fábio (e outros esquerdistas), não é de se espantar que Marina Silva pense e aja da mesma forma que eles. Ou seja, ela é uma discípula fiel do deus Marx!

Por incrível que pareça, o deputado Jair Bolsonaro tem sido uma das poucas vozes ativas no Congresso Nacional com uma postura firme a favor da família, dos bons costumes, e contra o homossexualismo. Ele pode até nem ser cristão, mas está agindo muito melhor do que muitos dos políticos da nossa bancada evangélica!

Será que só isto não é o bastante para fazer com que os políticos dessa mesma bancada tomem vergonha na cara e mudem de atitude?

Anônimo disse...

Aqui em Porto Alegre, há muito a classe política emprega apropriadamente o termo xiita para caracterizar o fanatismo petista.

O partido é provavelmente o exemplo histórico mais emblemático de fundamentalismo ideológico surgido no Rio Grande do Sul

Leandro

Anônimo disse...

Julio,
Esse assunto me causa bastante revolta.
Tenho um amigo no Paraná que está caindo nas garras do Frei Betto com o assunto esoterismo,pois ele está estudando na UNIPAZ, cada vez mais a cegueira dele está escancarada, já não consigo mais conversar com ele que só está enxergando tudo pelos olhos da teologia da libertação, e o pior, convicto de estar no melhor caminho.
Me preocupo com ele, é nítida a lavagem cerebral que está acontecendo e ao mesmo tempo a arrogância por se achar o "certinho" e
quanto mais ele pensa estar alinhado com a "bondade" mais distante de Deus ele está se mostrando.
abç
Valéria

Murilo disse...

Respondendo ao Georges,

O Senhor Jesus, na Sua Palavra, disse a todos:

"Pelos seus frutos os conhecereis" (Mateus 7:20)

Uma possível "tradução" deste versículo seria a seguinte: pelas atitudes e pelas idéias que uma pessoa crê e defende, você saberá se esta mesma pessoa é cristã ou não.

Da mesma forma que o Eliseu, eu torno a colocar aqui as declarações de Marina Silva para fazermos uma análise mais aprofundada (e vermos se ela pode ser considerada uma pessoa cristã):

– "Sou contra o casamento homossexual, mas não me oponho à união civil entre pessoas do mesmo sexo"

Vejam que contradição: ela se diz contra o casamento homossexual, mas não se opõe à união civil entre pessoas do mesmo sexo. Essa mesma união é o primeiro passo para legalizar o casamento homossexual. Dá para entender essa incoerência?

– "Não tenho opinião formada sobre isso (adoção de crianças por casais gays)"

Marina Silva passou muitos anos na igreja, mas, pelo jeito, parece que não aprendeu nada (ou talvez ela tenha esquecido de que um casal é formado somente pela união de um homem com uma mulher). Será que ela aceitaria que algum(a) filho(a) dela fosse adotado(a) por um casal homossexual?

– "Sempre que me perguntam sobre o que penso a respeito do movimento LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e transgêneros), seus direitos e sua luta por leis que os protejam de discriminação, digo que reconheço a legitimidade do movimento e de suas reivindicações"

Desde quando o homossexualismo é algo legítimo? Os homossexuais querem que sejam criadas leis (como o PLC 122) para não criticarmos a prática homossexual. E como pode alguém que se diz cristão dar apoio aos homossexuais e seus cúmplices?

Ela, certa vez, ainda teve a cara–de–pau de dizer que apoiou Fernando Gabeira (que é a favor da liberação da maconha, e também da legalização do aborto) e Marta Suplicy (a fiel escudeira dos homossexuais). Tendo "frutos" como esses, precisa dizer mais alguma coisa?

Da mesma forma que o Everaldo, eu também chego à mesma conclusão: de cristã, Marina Silva não tem rigorosamente nada!

Infelizmente, a verdade nua e crua é que muitos que se dizem evangélicos (como Marina Silva), que deveriam dar o bom exemplo, estão apenas defendendo seus interesses particulares (e não os interesses do Reino de Deus e de Sua Palavra). Desculpem se eu usar um tom carregado, mas eu diria o seguinte: do jeito que a nossa política está tão suja e tão corrompida, não seria nenhum exagero se alguém dissesse que o Congresso Nacional é um verdadeiro balcão de negócios, um covil de oportunistas (e por que não dizer de demônios?), um "prostíbulo político" onde só se vota em troca de dinheiro, favores (tipo "toma lá, dá cá"), e privilégios. Perto de toda essa podridão da nossa política, Judas seria santo…

Tendo uma bancada evangélica composta por pessoas que pensam e agem tal e qual Marina Silva, o que se pode esperar de bom desse pessoal a favor da família, da moral, dos bons costumes, e do Reino de Deus?

ÉLQUISSON disse...

Na minha época de estudante de faculdade (sou formado em Administração de Empresas), lembro que teve um semestre que estudamos Sociologia (eu odiava esta matéria, porque ela é toda recheada com conteúdo nitidamente esquerdista). E a nossa professora, além de Marx e Engels, "endeusava" muitos marxistas–comunistas–socialistas–esquerdistas: Lênin, Stálin, Che Guevara, Fidel Castro (e outros).

Teve uma vez que ela disse: "Somente o socialismo é capaz de criar uma sociedade justa, sem oprimidos e nem opressores" (este é o jargão preferido dos esquerdistas). Sem contar que a maior parte do pessoal do DA (Diretório Acadêmico) era tudo simpatizante da UJS (União da Juventude Socialista).

Infelizmente, a verdade é que toda a educação brasileira está totalmente contaminada pelo esquerdismo. Da escola primária à universidade, todos já saem educados com a mentalidade socialista–esquerdista de que é o governo que tem que atender às necessidades de todos (ou melhor, que o governo deve substituir Deus em todas as áreas da vida humana).

Eu, graças a Deus, nunca me deixei influenciar por nenhuma destas ideologias diabólicas (tive mais inimigos do que amigos por sempre estar combatendo os argumentos dos esquerdistas). Todas as respostas que eu preciso para resolver todo e qualquer problema estão na Palavra de Deus.

Se fosse possível reformular a educação no Brasil de modo geral (e também as grades curriculares de todos os níveis de ensino), o conhecimento da Palavra de Deus deveria ser incluído como matéria obrigatória. Deveria também recolocar o ensino de Educação Moral e Cívica, Etiqueta, Boas Maneiras, Civilidade e Patriotismo (além de banir tudo que tivesse conteúdo esquerdista). E só poderia ser professor quem fosse um verdadeiro cristão temente e obediente a Deus (e à Sua Palavra).

Será que, algum dia, este sonho vai se tornar realidade?

Se alguém daqui puder responder a esta pergunta, ficarei agradecido.

Wilton disse...

Eis o que a professora do Élquisson disse textualmente sobre o socialismo:

"... somente o socialismo é capaz de criar uma sociedade justa, sem oprimidos e nem opressores..."

Élquisson, certamente essa sua professora de Sociologia (que, pelo visto, é uma esquerdista de carteirinha) nunca disse a verdade sobre o que realmente aconteceu com a população dos países governados por socialistas.

Caso ela não esteja lembrada, eis aqui alguns dos "maravilhosos frutos" produzidos pelo "socialismo justo" que ela faz tanta questão de defender:

– China (governada por Mao Tsé–Tung): 77 milhões de mortos;

– União Soviética (governada por Stálin): 43 milhões de mortos;

– Alemanha (governada por Hitler): 21 milhões de mortos;

– Camboja (governado por Pol Pot): 2 milhões de mortos;

– Cuba (governada por Fidel Castro): 100 mil mortos.

Isso é só o que se sabe oficialmente (sem contar outros casos que nunca foram divulgados)!

Eu pergunto: é assim que o socialismo (que já matou mais de 100 milhões de pessoas) quer criar uma sociedade justa?

Téo disse...

Não sei ainda como tem gente (inclusive do meio evangélico) que ainda se ilude com essa mentira diabólica chamada socialismo.

Nunca houve, em toda a história da humanidade, nenhum país que obtivesse sucesso ao adotar o socialismo como forma de governo. As câmaras de gás e o holocausto (na Alemanha), os campos de concentração (no Vietnã), a Gulag (na Rússia), e os paredões de fuzilamento (em Cuba e na China) foram instrumentos utilizados por ditadores socialistas para perseguir, torturar, e assassinar milhões de cidadãos do seu próprio país. Considerando os números que o Wilton apresentou no comentário dele, alguém ainda tem mais alguma dúvida disso?

Eu digo mais: socialismo é sinônimo de satanismo, que, por sua vez, é sinônimo de morte. Afinal, qual é mesmo a especialidade do diabo? Deixemos que a resposta para esta pergunta seja dada pelo Senhor Jesus:

"O ladrão (que é o diabo) não vem senão somente para roubar, matar, e destruir. Eu vim para que todos tenham vida, e a tenham em abundância" (João 10:10, o parêntese é meu)

Que todos (principalmente alguns líderes evangélicos) acordem enquanto é tempo e saibam a verdade sobre o socialismo. Caso contrário, um dia enfrentarão os paredões de fuzilamento. Os que conseguirem sobreviver irão sofrer o inferno aqui na Terra (porque é isso o que o socialismo realmente é)!

ÉLQUISSON disse...

Respondendo ao Georges,

Na tentação no deserto, o diabo, ousadamente, ofereceu todos os reinos do mundo (e suas riquezas) a Jesus, dizendo: "Tudo isto eu Te darei, se, prostrado, me adorares" (Mateus 4:9). Mas Jesus rebateu com firmeza a todas as investidas do diabo ao dizer: "Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e somente a Ele servirás" (Mateus 4:10)

O que esse episódio bíblico tem a ver com o fato de muitos que se dizem cristãos estarem votando em candidatos do PT (e também em candidatos de outros partidos com a mesma agenda política do PT)?

Tudo a ver!

Vejamos:

O Estado marxista–comunista–esquerdista–socialista (aqui representado pelo governo corrupto de Dilma) age igual ao diabo quando propõe ao povo: "Tudo isto (saúde, moradia, educação, empregos, segurança, e outros benefícios) eu te darei se você eleger os meus representantes (do PT e de outros partidos com a mesma agenda política) e deixar que, através deles, somente eu (e não Deus) satisfaça todas as suas necessidades"

Considerando que o povo que não tem conscientização política vota mais com a barriga do que com a cabeça, a maioria não resiste a essa tentação (principalmente quando o Bolsa–Família ou outro assistencialismo eleitoreiro é oferecido)!

A mesma coisa acontece quando esse mesmo Estado diz aos políticos da bancada evangélica: "Tudo isto (cargos com altos salários, concessões de emissoras de rádio e canais de televisão, e mil e uma mordomias) eu te darei se você permitir que eu aprove as minhas políticas (a favor do aborto, do homossexualismo, da perseguição aos cristãos, da destruição das famílias e de todos os bons princípios) e não faça (e nem diga) nada contra o meu governo"

Considerando que muitos desses mesmos políticos estão se vendendo (ou sendo facilmente influenciados) por qualquer coisa, a maioria aceita sem questionar (ainda mais quando vê muito dinheiro à sua frente)!

Infelizmente, esta é a verdade nua e crua que acontece (e que a mídia corrupta nunca mostra)!

Para tentarmos mudar este quadro, temos que saber usar a arma de que dispomos: o voto. Por que eu digo isso? Porque existem coisas que somos nós que resolvemos (não é Deus). No caso, trata-se de saber votar. Não podemos pedir a Deus para resolver um problema (como este do voto) que nós mesmos podemos resolver.

Por que a questão do voto não pode ser resolvida por Deus? Por uma razão muito simples: um anjo não possui título eleitoral. Um anjo não vai descer do Céu para escolher o nosso candidato. Somos nós mesmos que vamos fazer isso.

Uma coisa, porém, é certa (e inevitável): temos que assumir as conseqüências das escolhas que fizermos. Se votarmos errado, nós mesmos seremos culpados! Depois, ninguém venha querer fazer campanha de oração para que Deus tire do poder um político corrupto que nós mesmos elegemos!

Aproveito para dar mais algumas sugestões:

– O povo tem que ser suficientemente esclarecido através dos verdadeiros servos de Deus para não se deixar manipular por nenhum órgão informativo "oficial" (leia-se Rede Globo);

– Orar a Deus, pedindo discernimento na hora de votar (para não ser enganado pelos lobos em pele de cordeiro que sempre aparecem em todas as campanhas eleitorais);

– Cobrar de quem for eleito que cumpra as promessas feitas durante a campanha;

– Mobilizar o povo para protestar todas as vezes que for necessário.

Não estou dizendo que isso vai acabar de uma vez com a sujeira da nossa política, mas já é o primeiro passo para uma conscientização política do povo em geral. Isso para que o governo saiba que nem todo mundo pode ser facilmente manipulado.

Que estas sugestões sejam analisadas por pessoas de bom senso, para termos um povo esclarecido o suficiente em termos de conscientização política.

Anônimo disse...

Não há o que se inventar, tomemos cuidado para não nos perder na intelectualidade e não esqueçamos do verdadeiro porque da igreja, dar continuidade a obra de Jesus. Buscar e salvar o que se perdeu, a raça humana...
fiquemos com o que o apostolo Paulo falou, considero tudo como nada diante da sublimidade do conhecimento de cristo Jesus...
não percamos o foco....