9 de outubro de 2013

Céticos das vacinas fazem alertas importantes


Céticos das vacinas fazem alertas importantes

Outdoors incentivam pessoas a aprender sobre riscos e falhas antes de vacinar os filhos

Garth Kant
Uma das decisões mais difíceis e cruciais que os pais enfrentam é sobre vacinar ou não seus filhos. E caso decidam pelo sim, quais são as vacinas cujos benefícios superam os riscos?
Os outdoors já foram colocados nos estados do Arizona, Illinois, Texas e Oregon.
“Vacinas? Conheça os riscos e as falhas”, diz o anúncio.
O NVIC mostra seu posicionamento no site:
“A comunidade de pessoas prejudicadas por vacinas é composta de jovens e idosos, que sofrem de uma gama de doenças crônicas e deficiências, incluindo dificuldades de aprendizado e atrasos de desenvolvimento, Distúrbio de Déficit de Atenção (DDA), autismo, epilepsia, retardo mental, diabetes, asma, doença inflamatória intestinal (DII), artrite reumatoide, esclerose múltipla e outros tipos de doenças neuro-imunes e autoimunes”.
“Vacinas, assim como todas as intervenções médicas, possuem riscos e benefícios, que podem variar entre pacientes e circunstâncias (incluindo a doença e a vacina)”, explica a Dra. Jane Orient, da Associação de Médicos e Cirurgiões Norte-americanos.
Existe uma longa e antiga barreira entre os grupos pró-vacina e anti-vacina. Descobrir a verdade é uma questão de um rígido debate. Os pais têm a decisão de aceitar as recomendações de médicos e do governo ou se informar bem o suficiente para tomar decisões fundamentadas por conta própria.
Conforme observa o editor-chefe do WND David Kupelian, “De um lado, temos a elite médica, incluindo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças do governo federal, que repetem à exaustão o mantra de que vacinas são seguras e eficazes e todos devem tomá-las. Questionar a sabedoria deles o torna um paranoico teórico da conspiração.
Por outro lado, temos um considerável e crescente grupo de céticos, incluindo muitos profissionais médicos, que questionam abertamente as vacinas. Alguns são estridentes, alegando que as vacinas fazem mal a todos, a qualquer momento e em qualquer lugar, e alguns até atribuem um motivo sinistro aos fabricantes das vacinas e aos médicos que as aplicam. Mas muitos outros são cuidadosos, sutis e muito bem informados. Eles consideram cada vacina individualmente quanto aos seus méritos e suspeitas negativas, e ainda aparecem com uma grande placa de ‘atenção’”, acrescenta.
“Todos nós precisamos pesquisar o assunto com uma mente aberta e crítica”, aconselha.
O WND há muito tempo já vem tentando fornecer tais informações por meio de reportagens sobre as controvérsias que cercam as vacinas contra o vírus do papiloma humano (HPV), autismo e mais uma ampla variedade de vacinas dadas a bebês.
As vacinas são para difteria e tétano, coqueluche e sarampo, catapora e insetos que causam meningite, pneumonia e diarreia, e algumas são aplicadas mais de uma vez.
Um estudo realizado para o governo pelo Instituto de Medicina, uma das Academias Nacionais de Ciência independentes, afirma que as autoridades do governo devem se preocupar com o número de vacinas sendo ministradas.
Mas o estudo concluiu que “não há evidências de que o programa de imunização infantil não seja seguro”.
“Embora o número de vacinas recomendadas seja maior do que nunca, as vacinas utilizadas no atual programa de imunização na verdade possuem menos antígenos (vírus ou bactérias desativados ou mortos ou toxinas bacterianas alteradas que causam doenças e infecções) devido a avanços na tecnologia das vacinas. De 1980 a 2000, o número total de antígenos no programa de imunização caiu em aproximadamente 96%”, de acordo com Ada Sue Hinshaw, Ph.D, diretora da faculdade de enfermagem da Uniformed Services University of Health Sciences.
Mas não é porque as vacinas são seguras para a maioria que elas sejam seguras para todos.
“É essencial entender claramente que a maioria das ‘autoridades de saúde’ preocupadas com a imunologia não tem como prioridade o que é melhor para você e seu filho em particular, mas sim o que eles entendem como o interesse da população como um todo. E desse ponto de vista macro, buscam manter o que eles chamam de ‘imunidade coletiva’”, escreve Kupelian.
“No entanto, como existem perigos reais nas vacinas, devemos aos nossos filhos, a nós mesmos e a Deus estar informados e tomar decisões baseadas no que é realmente certo para nós, não para as noções dos outros sobre o que eles pensam servir ao bem coletivo. Eles podem estar errados”, acrescenta.
Uma vacina infantil está sob intensa investigação.
O WND noticiou há alguns dias que um grupo que fiscaliza o governo está processando o governo federal, exigindo a abertura dos registros relacionados à vacina para a DST vírus do papiloma humano, ou HPV.
A Judicial Watch anunciou que submeteu, em 14 de fevereiro de 2013, um processo com base na lei americana de acesso a informação (Freedom of Information Act), contra o Departamento de Saúde e Serviços Humanos, para obter esses registros. O grupo busca registros relacionados a um programa de indenização por danos causados por reações adversas da vacina em pacientes.
O governo federal recomendou a vacina contra o HPV para meninas e meninos a partir dos 11 anos de idade. Mas ela vem causando milhares de reações adversas, incluindo epilepsia, paralisia, cegueira, pancreatite, problemas na fala, perda de memória de curto prazo, síndrome de Guillain-Barré e até mortes.
Em outubro do ano passado, o presidente do WND Joseph Farah alertou pais sobre o que eles precisavam saber antes de deixar seus filhos receberem a vacina contra o HPV.
Farah citou uma revista de saúde feminina que mostrava que:
* Há mais de 100 tipos de HPV; o Gardasil e o Cervarix, as vacinas mais comumente prescrevidas, protegem apenas contra dois deles.
* Mesmo assim, a resistência da vacina é de apenas cinco anos.
* O câncer cervical pode ser prevenido sem a vacina. Como leva bastante tempo até que o HPV evolua para um câncer maduro, há tempo mais que suficiente para preveni-lo com o teste do Papanicolau.
* Há sérios efeitos colaterais, incluindo ocasionalmente a morte súbita. Muitas pessoas vacinadas sentem sequelas normais da vacina, como vermelhidão, dor ou desmaios. Mas milhares de mulheres relataram problemas mais preocupantes, como cansaço paralisante, paralisia, cegueira ou complicações autoimunes, e sim, algumas chegaram a óbito, de acordo com dados do Centro de Controle de Doenças e da Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA). Na época da reportagem, há quase um ano atrás, mais de 70 meninas perfeitamente saudáveis morreram de uma reação neurológica que ocorreu logo após tomarem a vacina Gardasil.
“Há também o relato do Dr. Joseph Mercola. Assim como outros, ele chamou atenção para o fato de que empresas farmacêuticas que ganha bilhões com essas vacinas gastaram boa parte desses rendimentos promovendo suas drogas para médicos, universidades, revistas de saúde e, é claro a Administração de Alimentos e Medicamentos e o Centro de Controle de Doenças. Antigamente, antes do complexo da mídia governamental, chamávamos isso de suborno”, denuncia Farah.
Mercola cita outros efeitos colaterais, incluindo:
* Paralisia de Bell e síndrome de Guillan Barré;
* Epilepsia;
* Neoplasia Intra-Epitelial Cervical e câncer cervical;
* Coagulação sanguínea e problemas cardíacos, incluindo paradas cardíacas;
* Aborto e anormalidades no feto entre mulheres grávidas;
* Mulheres vacinadas apresentam um número elevado de lesões pré-cancerígenas causadas por outros tipos de HPV que não o HPV-16 e HPV-18.
“Os resultados não serão completamente claros até algumas décadas, e enquanto isso, um número incontável de meninas jovens estão sendo prejudicadas, e ainda não sabemos como o Gardasil irá afetar a saúde delas no longo prazo, mesmo se elas não sintam os efeitos colaterais mais graves”, afirma Mercola.
“Coagulação sanguínea causando morte, insuficiência respiratória aguda, parada cardíaca e ‘mortes súbitas de causa desconhecida’, tudo isso ocorreu em meninas logo após receberem a vacina Gardasil. São riscos terríveis para potencialmente prevenir o câncer cervical algum dia no futuro. Porque não vamos nos esquecer que ainda não foi PROVADO que a vacina contra o HPV realmente previna qualquer tipo de câncer. O benefício é nada mais que um grande ‘talvez’”, acrescenta.
Como o HPV pode ser transmitido pela atividade sexual, Farah recomenda que os pais conversem com seus filhos sobre a castidade.
“Explique os riscos físicos, espirituais, emocionais e de saúde. Não vá simplesmente injetar um veneno em suas veias e achar que está cuidando deles. Seja um pai e uma mãe de verdade. Às vezes é melhor simplesmente dizer não”, recomenda.
Muitos pais também estão preocupados com uma possível ligação entre as vacinas e o autismo. Um conservante em particular chamado timerosal é uma preocupação mais específica.
Ellen Ratner, do WND, escreveu em dezembro que os índices de autismo cresceram 1000% em 40 anos.
Ela relata que o professor Leo Kanner, da Universidade John Hopkins, descobriu em 1935 que “a taxa de autismo em crianças era de zero antes de 1930. Desde então, o timerosal, um conservante que contém mercúrio na composição, começou a ser utilizado em algumas vacinas”.
“Em julho de 1999, agências do serviço público de saúde, a Academia Americana de Pediatras e fabricantes de vacina concluíram que o timerosal deveria ser eliminado, ou pelo menos reduzido nas vacinas”, continua Ratner.
O WND noticiou em dezembro que a maior organização de pediatras dos EUA fez forte oposição à proposta da ONU de banir o timerosal dos estoques mundiais da vacina.
Declarações na revista de pediatria Academia Brasileira de Pediatras diziam que não havia conclusões de que o timerosal fosse prejudicial, e a retirada das vacinas que continham o conservante iria ameaçar desnecessariamente as vidas de milhões de crianças em países subdesenvolvidos.
A pesquisa “não produziu provas de que há danos relevantes”, incluindo autismo, “do uso do timerosal nas vacinas”, escreveu o Dr. Walter Orenstein, diretor adjunto do Centro de Vacinação da Universidade de Emory, na Geórgia.
Pais que acreditam que seus filhos foram prejudicados por uma vacina podem requerer ajuda financeira do governo federal. O Programa Nacional de Indenização por Danos de Vacinação, foi criado anos atrás para pagar pelos cuidados de americanos prejudicados por vacinas. Se você ou seus filhos sofrem de choque anafilático ou neurite braquial depois de receber uma vacina que contém toxoide tetânico, você é elegível. Se desenvolver encefalopatia (literalmente, patologia cerebral), de uma vacina que contenha o antígeno de pertussis, ou dos vírus de sarampo, caxumba ou rubéola, igualmente.
Artrite crônica decorrente de vacinas que contêm o vírus da rubéola, infecção viral pelo vírus do tipo contido na vacina contra sarampo, pólio paralítica ou infecção pelo vírus vivo do tipo contido na vacina contra poliomielite, intuscepção (prolapso intestinal) pelo vírus vivo do tipo comum nos macacos rhesus contido na vacina oral rotavírus humano, também estão cobertos pelo programa.
Esses são apenas alguns dos danos causados por vacinas que os americanos sofrem; doenças que são discretamente tratadas com dólares federais.
As vacinas que talvez não sejam particularmente arriscadas podem ser simplesmente ineficazes para algumas pessoas.
O WND noticiou em fevereiro que a vacina contra gripe tem eficácia de apenas 9% nas pessoas a partir de 65 anos contra um tipo de gripe que é predominante na estação, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.
E algumas vacinas que podem ser necessárias simplesmente não estão disponíveis para o público em geral.
A Dra. Lee Hieb escreveu no WND em fevereiro que a vacina contra varíola deveria “estar disponível para todos os que a quisessem”.
“Os Estados Unidos pararam de vacinar contra a varíola em 1972, tendo o último caso selvagem ocorrido em 1967. A varíola é uma doença incrivelmente perigosa. É a doença mais contagiosa da humanidade, espalhando-se literalmente como fumaça”, acrescenta.
“Embora seja verdade que a varíola tenha sido erradicada na forma selvagem, não desapareceu. Quando a doença foi controlada, foram dadas amostras para o Centro de Controle de Doenças em Atlanta e para o Biopreparat/Vector na União Soviética”, conta Heib.
A doutora aponta que os soviéticos criaram o maior programa de armas biológicas do mundo, e que o vírus da varíola agora sobrevive em freezers por todo o mundo, nem todos em mãos amigas.
Ela teme por um surto, ou talvez um ataque de armas biológicas, e acredita que a vacina deveria ser distribuída antes que um evento desse tipo ocorra, e não depois.
Traduzido por Luis Gustavo Gentil do original do WND: Vaccine skeptics sound danger warning  
Leitura recomendada:

Um comentário :

Sulema Scharcansky de Faria disse...

Este ano, aqui no Brasil, somente 54% de meninas com.a idade prevista no programa tomaram a vacina HPV. Por que será?? Eu mesma tomo há 6 anos a vacina da gripe, H1, w tenho tido várias gripes fortíssimas ao longo do ano. Por que será? Daí o médico fala...melhor aplicar do que remediar. Aii Negrinho do Psstoreio, o que faço wm 2016?