1 de setembro de 2013

Surpreendido com a Voz de Deus


Surpreendido com a Voz de Deus

Jack Deere, Surpreendido com a Voz de Deus (São Paulo: Editora Vida, 1998).Tradução do original em inglês Surprised by the Voice of God (1996), download.

Julio Severo
Anos atrás, alguém me escreveu pedindo orientação sobre dons do Espírito Santo. O que eu poderia fazer era recomendar um bom livro. Lembrei-me então do “Surpreendido com a Voz de Deus,” escrito por Jack Deere.

Surpreendido com o “golpe”

Procurei-o no Google e um dos resultados iniciais da busca foi:
Jack Deere, Surpreendido com a Voz de Deus (São Paulo: Editora Vida, 1998). Tradução do original em inglês Surprised by the Voice of God (1996).
O Google anunciava que era um arquivo em PDF. Uau, pensei eu! Enfim, encontrei o livro!
Conforme registro do Google em 16 de janeiro de 2014
Mas ao entrar no link do suposto arquivo de PDF do livro, acabei no site da Universidade Mackenzie. Acabei exatamente num artigo totalmente contrário ao testemunho de Jack Deere.
Que decepção! É comum, vindo de sites seculares enganadores, procurar um livro e parar num site que atrai o usuário com algumas descrições do livro, oferecendo às vezes um vírus no lugar.
O óbvio do documento mackenzista disfarçado de livro sobre dons era o vírus cessacionista.
De qualquer forma, deixei o assunto para lá.
Dias atrás, um jovem no Facebook pediu-me orientação sobre dons do Espírito Santo. Novamente, procuro o livro de Jack Deere e encontro a mesma descrição, no mesmo local: Universidade Mackenzie.

O cessacionismo de Mauro Meister

O artigo, que é assinado por Mauro Meister, teólogo e professor na Universidade Mackenzie, diz: “o argumento básico [de Jack Deere] é que não existe uma base adequada para aposição cessacionista e a experiência demonstra que os dons proféticos são concedidos ainda hoje.”
A óbvia postura de Meister é que o cessacionismo é a posição natural que todo cristão hoje deve ter, e Jack Deere precisa ser refutado por acreditar que “os dons proféticos são concedidos ainda hoje.”
Não só refutado, mas evitado. Mais adiante, Meister avisa o leitor:
“O livro de Deere, que deve cair nas mãos de muitos crentes de língua portuguesa, pode se tornar um grande peso para alguns.”
“Certamente não posso recomendar a leitura do livro como proveitosa, e sim alertar pastores e estudiosos de que este livro irá trazer mais confusão do que esclarecimento.”
E para “proteger” os internautas da “confusão” do sobrenatural do Espírito Santo, Meister aplica o golpe do documento cessacionista que, de início, aparenta ser o próprio livro de Deere livremente disponível para o cristão que anseia conhecer mais sobre profecia e outros dons. (Seguindo o exemplo de Meister, estou aplicando o mesmo “golpe,” ao colocar as referências do livro logo no início deste artigo.)
O perigo visto por Meister é não só a opinião de Deere de que ainda hoje Deus concede dons sobrenaturais, inclusive profecia, mas especialmente porque Deere desmonta a postura teológica contrária a essas ações de Deus. Essa postura antibíblica, comumente, se chama “cessacionismo.”

Outras confusões no Mackenzie

Esta não é a primeira vez que lido com o assunto cessacionismo e Mackenzie ao mesmo tempo. Já precisei lidar levemente com esse assunto no meu artigo “Jean Wyllys no Mackenzie.”
Muito diferente do ensino de Deere, que é bíblico, o que poderia provocar real confusão é a atitude do ex-chanceler do Mackenzie que se envolveu desnecessariamente numa guerra contra Julio Severo exclusivamente por causa de um bispo marxista assassinado pelo filho, conforme consta neste artigo: “Robinson Cavalcanti, o pecado veio cobrar a sua conta”
Outra confusão é um dos professores do Mackenzie, Ricardo Bitun, ser co-autor de um livro, juntamente com Ariovaldo Ramos, uma das colunas da Teologia da Missão Integral, que é a versão protestante da marxista Teologia da Libertação. Meses atrás, Ariovaldo louvou Hugo Chávez como um dos melhores homens que o mundo já teve.
A posição cessacionista, que é muito bem aceita por alguns teólogos muito estudados e está em meio a essas confusões de alguns teólogos do Mackenzie, defende que os dons sobrenaturais como línguas estranhas e profecias existiam somente no primeiro século da Igreja Cristã. Hoje, cessaram.

Meister: Em conflito com a Bíblia e com renomados teólogos calvinistas

Essa posição entra em conflito com várias ensinos claros da Palavra de Deus, inclusive uma mensagem que Pedro deu logo após o derramamento do Espírito Santo em Atos 2:
“Nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre todos os povos, os seus filhos e as suas filhas profetizarão, os jovens terão visões, os velhos terão sonhos. Sobre os meus servos e as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e eles profetizarão.” (Atos 2:17-18 KJA)
A mensagem apostólica de Pedro deixou claro que também nos últimos dias o derramamento do Espírito Santo (com profecias, visões e sonhos sobrenaturais) estaria disponível a todos os povos. Quem vê as várias igrejas pentecostais no Brasil, especialmente a Assembleia de Deus, não tem dúvida de que Deus está cumprindo sua Palavra. Quem vê o movimento carismático na Igreja Católica não tem dúvida da fidelidade de Deus.
A postura cessacionista de Meister entra também em conflito com outros importantes estudiosos calvinistas do mundo.
Jack Deere
O teólogo calvinista Wayne Grudem é autor de uma famosa Teologia Sistemática, que traz, em suas primeiras páginas, uma recomendação pessoal de Jack Deere, que disse:
“A Teologia Sistemática de Grudem está destinada a ser tornar um clássico. Ele leva seus leitores a atravessar as áreas mais polêmicas e difíceis da teologia com clareza inigualável… Essa obra tem a capacidade de levar o iniciante ao processo de madura reflexão teológica bem como desafiar e encantar o teólogo experiente. Nunca gostei tanto de uma teologia sistemática quanto essa.”
Evidentemente, Grudem evitou o conselho de Meister de se evitar Deere!
Outro renomado teólogo presbiteriano, J. Rodman Williams, é autor de outra importante obra, “Renewal Theology: Systematic Theology from a Charismatic Perspective” (Teologia da Renovação: Teologia Sistemática a partir de uma Perspectiva Carismática).
Em sua Teologia da Renovação, Williams diz: “Deus, o Deus vivo, é o Deus de revelação. Ele está pronto para conceder por meio de Seu Espírito um espírito de revelação e sabedoria para conhecermos Cristo mais profundamente e também por meio de revelação e profecia está pronto para falar a Seu povo. Deus não mudou em Seu desejo de se comunicar diretamente com aqueles que pertencem a Ele.”
Portanto, é fato que Jack Deere, em sua convicção de que Deus dá hoje esses dons, não está sozinho. O teólogo presbiteriano J. Rodman Williams também mostra que o cessacionismo não é necessariamente característica padrão de todos os presbiterianos.
Wayne Grudem
Em sua Teologia Sistemática, Grudem comenta sobre o derramamento do Espírito Santo em Atos 2:17-18 (com as visões, profecias e visões sobrenaturais):
“Dons espirituais são distribuídos a todos os homens e mulheres, começando no Pentecoste e continuando em toda a história da igreja.”
A postura teológica de Meister não está, assim, em conflito apenas com o testemunho de Deere. Está em conflito com a espiritualidade de milhões de cristãos pentecostais e neopentecostais do Brasil. Está em conflito com calvinistas renomados que igualmente acreditam que Jesus Cristo, que dava dons no passado, continua dando hoje. Está em conflito grave com a Bíblia, que não apoia a teologia do cessacionismo.

Cessacionismo e apostasia protestante na Europa

Meister parece pensar que se a Igreja de Jesus Cristo hoje evitasse profecias, revelações e outros dons, tudo seria uma maravilha. Posso citar um exemplo prático: a Europa. Ninguém nega que as grandes denominações protestantes na Europa estão morrendo. A Igreja Presbiteriana da Escócia, que durante séculos foi referência para os calvinistas do mundo inteiro, está hoje ordenando pastores homossexuais. Isto é, o pouco que resta das grandes denominações protestantes europeias está optando pela apostasia.
E durante muito tempo o que mais predominava entre essas igrejas? O cessacionismo. Li esta semana sobre a experiência de um pastor luterano na Alemanha que foi chamado para atender uma família que era membro tradicional de sua igreja. A moça da família tinha “alucinações” e ataques. Quando o pastor fez uma oração, a moça caiu e talheres e outros objetos da casa começaram a se mover e se bater.
O pastor ficou atônito, sem entender a moça caída no chão se contorcendo. Ele chamou o médico, que também pouco pôde ajudar. A moça dizia que costumava ver a aparição de uma mulher morta com um bebê nos braços, e objetos se movimentando e batendo era experiência comum em sua casa, especialmente de noite ou quando alguém orava.
Esse caso mostra que o diabo — que veio para matar, roubar e destruir — não cessou suas obras. Mas as manifestações do Espírito Santo, disponíveis aos cristãos para confrontar as obras das trevas, não estão mais presentes, porque grandes denominações protestantes da Europa ensinam suas minguantes congregações que Deus cessou seus dons sobrenaturais.

Cessacionismo calvinista refutado por calvinistas renovados

Eu poderia escrever um artigo mais extenso sobre a atitude de certos teólogos calvinistas atacarem o testemunho ou a defesa bíblica de cristãos a favor de profecias, revelação e outros dons hoje, mas não preciso reiventar a roda. Wayne Grudem, Jack Deere e John Wimber, como colegas ministeriais de linha calvinista no movimento Vineyard, escreveram importantes documentos teológicos refutando teólogos cessacionistas que atacaram, por meio de más interpretações bíblicas, a abertura das Igrejas da Vinha aos dons e manifestações sobrenaturais do Espírito Santo.
Os principais documentos teológicos são “Power & Truth: A Response To The Critiques Of Vineyard Teaching And Practice By D. A. Carson, James Montgomery Boice, And John H. Armstrong In Power Religion” (Poder e Verdade: Resposta às Críticas do Ensino e Prática da Vineyard feitas por D. A. Carson, James Montgomery Boice e John H. Armstrong em seu artigo “Religião de Poder”), escrito por Wayne Grudem, e “Vineyard Position Papers #1–3” (Documentos de Posturas da Vineyard), escrito por Wayne Grudem, Jack Deere e John Wimber.
É o confronto entre calvinistas equilibrados que acreditam nas manifestações sobrenaturais do Espírito Santo e calvinistas que não acreditam e atacam os que acreditam. É o confronto entre a verdade bíblica e a má interpretação teológica.
O movimento Vineyard não foi atacado somente por setores calvinistas radicalmente cessacionistas. No Brasil, a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) atacava com muito mais ferocidade a Vineyard uns 15 anos atrás. O problema da IURD é que ocupa uma posição isolada no meio pentecostal e neopentecostal: desde seu nascimento, a IURD é cessacionista. Seu dono ensina que Deus não dá hoje profecias, revelações e outros dons sobrenaturais e que todas essas manifestações são demoníacas — pensamento não muito diferente de Meister e colegas teólogos cessacionistas.
Os colegas dele nos EUA ocupam seu tempo e conhecimento teológico para atacar as manifestações sobrenaturais do Espírito Santo hoje — comportamento não muito diferente do que venho denunciando no Brasil como “esquerda apologética,” composta em grande parte por autodenominados apologetas calvinistas, cuja ocupação é pretensamente atacar “exageros” de igrejas pentecostais e neopentecostais. Por baixo dos panos, usam tal “apologética” recheada de mexericos para avançar o esquerdismo. Pelo menos, dois grandes tabloides calvinistas autodenominados “apologéticos” já saíram do armário esquerdista: Púlpito Cristão (http://bit.ly/11U5Kxa) e Genizah (http://bit.ly/1cHdSXT).
Não é impróprio citar Meister e o tabloide Púlpito Cristão juntos. No livro dos pretensos maiores blogueiros do Brasil, lançado pela VINACC neste ano, constam juntos o nome de Meister e Leonardo Gonçalves, dono do tabloide.
O esquerdismo dos tabloides calvinistas já foi amplamente exposto no meu blog. O importante aqui é lidar com um aspecto pouco tratado: as razões para a hostilidade de alguns teólogos calvinistas às manifestações sobrenaturais do Espírito Santo hoje.
Para tratar desse assunto, entrevisto Edson Camargo, jornalista e dono do blog Profeta Urbano:

Cessacionismo: teologia da incredulidade — entrevista com Edson Camargo

Blog Julio Severo: O que mais lhe chamou a atenção na resenha de Mauro Meister sobre o livro Surpreendido com a Voz de Deus, de Jack Deere?
Edson Camargo: Sinceramente, Julio, a fragilidade da argumentação. A certa altura, Mauro Meister comenta:
“A pergunta que nos fica é como validar essas experiências do autor. Só podemos contar com o relato e a interpretação que ele mesmo dá! Um problema fundamental é o daquelas pessoas que perguntam: E por que Deus não fala assim comigo?”
Bem, como então validar a experiência de conversão de Mauro Meister? Só podemos contar com o relato e a interpretação que ele mesmo dá. A pergunta de Meister sobre as experiências de Jack Deere só faz sentido se desprezarmos toda experiência espiritual que se dê puramente no âmbito subjetivo, na vida interior da pessoa. “Só podemos contar com o relato e a interpretação que ele mesmo dá!” diz Meister, esquecendo que é exatamente com base nestas experiências interiores que é possível ao cristão dar o testemunho da experiência do novo nascimento, do abandono de velhos pecados, da cura das emoções por meio do perdão, e das mudanças no caráter por meio de firmes decisões baseadas na obediência às Escrituras e ao Espírito Santo.
Meister, aqui, fala de forma análoga ao ateu ou o agnóstico, que, por nunca ter experimentado o novo nascimento em Cristo, fica pedindo mil e uma evidências para um cristão que sabe que o novo nascimento é, antes de tudo, uma experiência interior, da alma.
No fim das contas, o cessacionismo, entendido como a negação da contemporaneidade de dons sobrenaturais do Espírito como curas, línguas e profecias, é exatamente isto: uma teologia da incredulidade.
Blog Julio Severo: Você consideraria válida a crítica de Meister relativa às possíveis frustrações de algumas pessoas, caso não experimentassem o que Jack Deere passou a viver assim que passou da posição cessacionista para a crença na atualidade dos dons sobrenaturais do Espírito Santo?
Edson Camargo: O que Meister fez foi lançar uma hipótese pessimista: “algumas pessoas podem se frustrar”. Por que não lançar também uma hipótese na direção oposta? “Agora, pessoas que tinham restrições ou desconfiança com os dons sobrenaturais do Espírito podem, a partir dos relatos e argumentos de Jack Deere, abrir-se para toda uma nova dimensão de possibilidades, de intimidade com Deus e de produção de frutos espirituais em suas vidas”. Não foi justamente essa a intenção de Jack Deere em sua obra?
Quando Meister e cessacionistas semelhantes a ele, sejam calvinistas ou não, afirmam que “um problema fundamental é o daquelas pessoas que perguntam: E por que Deus não fala assim comigo?”, podemos concluir que esse pode ser precisamente o caso deles. Por outro lado, milhões de cristãos renovados, carismáticos, pentecostais e neopentecostais, que compõem a maior parcela da igreja evangélica no Brasil, SABEM que, mesmo crendo nos dons sobrenaturais do Espírito, muitas vezes se experimenta “o silêncio de Deus” em mais de uma área da vida. Um silêncio que, para os cessacionistas, parece ser a coisa mais normal da vida cristã. É o caso do surdo de nascença que duvida da existência da música.
Blog Julio Severo: O comentário de Meister, então, ao seu ver, ilustra um desconhecimento real sobre como é vivido o Evangelho pela maior parte das igrejas protestantes históricas do Brasil hoje?
Edson Camargo: Sim, essa, na verdade, é uma implicação do cessacionismo em si mesmo.  Mas não a única. Até pelo fato de ser uma posição a cada dia mais rejeitada pela totalidade dos evangélicos, o cessacionismo impõe ao seu defensor ficar numa situação delicada: acreditar e defender, ainda que não com toda a franqueza e contundência, que todo cristão renovado, carismático, pentecostal ou neopentecostal está sempre “viajando na maionese” ou é um impostor, quando o assunto são as experiências com os dons sobrenaturais do Espírito Santo.
Blog Julio Severo: A acusação de Meister, de que crer na atualidade dos dons sobrenaturais do Espírito Santo equivaleria a rejeitar o “Sola Scriptura”, faz algum sentido?
Edson Camargo: Não, nenhum. Não se conhece nenhum líder ou teólogo sério que seja um protestante renovado, carismático, pentecostal ou neopentecostal que negue a suficiência das Escrituras Sagradas. Se há algo que não traz o risco da revogação da autoridade, da completude e da inerrância das Escrituras é a crença na contemporaneidade dos dons espirituais, que, antes de tudo, leva as pessoas de volta à leitura das Escrituras, e nelas têm sua atuação com os dons descrita, defendida e incentivada. “Dou graças a Deus que falo em línguas mais que todos vocês”, diz o apóstolo Paulo, na Palavra que “permanece para sempre”. Falando uma coisa dessas — e aqui parafraseio uma crítica de J. Rodman Williams a cessacionistas dos EUA — o apóstolo jamais seria convidado para escrever na Fides Reformata.
O outro lado, o dos renovados, pentecostais, etc., se fundamenta no sentido mais imediato e literal de diversas passagens bíblicas, mas com uma diferença: além de tudo, têm os FATOS ao seu favor: são curas, palavras confirmadas, experiências pessoais diversas, milagres e maravilhas acontecendo em suas igrejas, em suas casas, e entre seus irmãos na fé. E mais: são fatos recorrentes, associados a pessoas que creem não só na contemporaneidade dos dons, como na posse real de alguns destes dons. É verdade que nem sempre o fato do milagre aponta para a presença real do dom relacionado a ele, mas é digno de nota que relatos de milagres sejam muito mais frequentes nos ambientes nos quais se crê na atualidade dos dons. Portanto, para reforçar a veracidade dos relatos de Jack Deere, temos mais que apenas seus relatos e interpretações. Temos o testemunho de milhões de cristãos que creem na contemporaneidade dos dons sobrenaturais do Espírito Santo.
Blog Julio Severo: Com a maioria esmagadora dos evangélicos brasileiros rejeitando a posição cessacionista, com um número crescente de grandes teólogos passando a crer na atualidade dos dons de milagres, curas e profecias, e um crescimento mais acelerado das denominações carismáticas e pentecostais do que das denominações cessacionistas, como você vê reações com a de Mauro Meister, nesta resenha, e outras?
Edson Camargo: Penso que a fragilidade da posição cessacionista está ficando cada vez mais notória. O que restou a Mauro Meister nesta resenha? Lançar dúvidas sobre a veracidade dos relatos de Jack Deere, sem base objetiva alguma. Juízo temerário puro e simples. Mas para os cessacionistas, não há alternativa. Para eles, se é que de fato acreditam em sua posição teórica, os relatos de pessoas que vivem a realidade dos dons do Espírito Santo ou são mentira, ou são pura alucinação. Ou talvez ainda a evidência do poder da auto-sugestão. Tudo o que eles fazem em relação à contemporaneidade dos dons é se ater ferrenhamente a uma tese teológica muito débil e altamente questionável: “as prescrições dadas nestes versículos não valem mais para os dias de hoje”. E então acrescentam outras justificativas, de cunho muito mais teórico e especulativo do que estritamente bíblico. 

Fonte: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
Postar um comentário