24 de setembro de 2013

Julio Severo entrevista Dep. Marco Feliciano: Como uma oposição gayzista colossal catapultou o nome dele à fama, tornando-o o político evangélico mais proeminente do Brasil


Julio Severo entrevista Dep. Marco Feliciano: Como uma oposição gayzista colossal catapultou o nome dele à fama, tornando-o o político evangélico mais proeminente do Brasil

Julio Severo
Marco Feliciano se tornou o líder evangélico mais proeminente na política brasileira. Sua fama ocorreu involuntariamente. Como deputado federal, ele foi nomeado como presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados em março passado. Imediatamente, toda a esquerda começou uma campanha em massa contra sua nomeação. Artistas, políticos e até ministros do governo socialista da presidente Dilma Rousseff o queriam fora da presidência da comissão.
Marco Feliciano
Até mesmo entre líderes evangélicos, havia oposição feroz. Dois importantes pastores reformados esquerdistas, o Rev. Marcos Amaral e o Rev. Ariovaldo Ramos, participaram de campanhas nacionais para remover Feliciano.
Sob tal oposição feroz, as chances de Feliciano permanecer no cargo eram irrisórias. Ninguém queria ficar com ele.
Eu estava entre a minúscula minoria de líderes cristãos que o estavam apoiando, apesar de seu passado. Como Ariovaldo Ramos e muitos evangélicos e católicos esquerdistas, Feliciano apoiou a eleição da presidente socialista Dilma. Mas meus contatos pró-vida católicos me garantiram que a ajuda dele foi fundamental em muitas batalhas pró-vida no Congresso do Brasil. Além disso, essas fontes me informaram que o apoio dele à socialista Dilma ocorreu meramente por causa de sua ingenuidade. Diferente de Ariovaldo e Marcos Amaral, que são militantes ideológicos e apoiaram Hugo Chavez e governos socialistas no Brasil, continuando a apoiá-los mesmo depois que começaram a promover o aborto e a homossexualidade, Feliciano parou de apoiar Dilma por causa dessas questões. Aliás, a oposição em massa à sua nomeação aconteceu devido às suas sólidas posturas contra o aborto e a homossexualidade.
Marco Feliciano é o presidente da Catedral do Avivamento, uma igreja ligada a Assembleia de Deus no Brasil. Sua fama catapultou porque ele permaneceu, apesar da sistemática hostilidade socialista, como o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.
Antes de sua nomeação, durante muitos anos essa comissão, que era controlada por socialistas poderosos, havia aprovado alocações de verbas para grupos homossexuais. Desde 2010, mais de 300 mil reais foram alocados para a agenda gay. Com Feliciano no cargo, esses enormes recursos financeiros estão sendo destinados a legitimas necessidades de direitos humanos.
Grupos esquerdistas em toda a sociedade brasileira estão furiosos com as perdas gays. Mas os verdadeiros direitos humanos estão ganhando.
Tenho o privilégio de entrevistar o deputado federal Marco Feliciano para deixar você saber sobre a batalha colossal dele para sustentar valores pró-família na política brasileira — que é dominada por socialistas determinados a impor a cultura da morte no Brasil.
Julio Severo: Sua nomeação à presidência da Comissão de Direitos Humanos (CDHM) provocou revolta no governo do PT e nas esquerdas. Nunca vi um político evangélico tão atacado quanto você. Por que o PT e as esquerdas fizeram isso?
Marco Feliciano: As esquerdas brasileiras odeiam a tudo e a todos que servirem de bloqueio aos seus nefastos projetos progressistas. Desde que fui eleito em 2010, honrando os votos do meu segmento cristão, me dobrei diante dos temas que me eram interessantes e para minha surpresa encontrei quase 200 projetos que transformavam gays em uma super-raça. Hoje num pente fino bem apurado, descobri tramitando pela Câmara dos Deputados mais de 900 projetos que ferem a família tradicional, as igrejas e a liberdade de expressão. Tornei-me uma espécie de “guarda-costas” da família. Bem antes da CDHM eu já havia, por exemplo, pedido o impeachment de um ministro do STF por ter antecipado o voto sobre o aborto dos bebês anencéfalos. Fiz isso junto com o já falecido Dom Bergonzini, bispo de São Paulo. Fui também autor de um PDC de plebiscito sobre o casamento homossexual. Tive várias batalhas em comissões e no plenário quando o assunto era orientação sexual, e desde então me transformaram em inimigo público. Quando meu nome foi indicado para CDHM, a oposição surtou. Afinal, não era um deputado numa mísera comissão sem expressão. Era o deputado conservador, alguém basicamente de direita assumindo uma comissão criada exclusivamente pela e para a esquerda.
Marco Feliciano com líderes católicos pró-vida
Julio Severo: Ariovaldo Ramos, Rev. Marcos Amaral e outros representantes da esquerda evangélica se uniram aos protestos contra você. Por que eles fizeram isso contra você e nunca contra as políticas abortistas e homossexualistas do governo do PT?
Marco Feliciano: Um belo dia recebi uma ligação de alguém ligado ao Ariovaldo, dizendo que ele queria me ouvir antes de se pronunciar. Confesso, nunca antes havia ouvido falar dele. Segui a ordem bíblica: “segui a paz com todos.” Fui ao encontro desse senhor que me recebeu com vários outros senhores que compunham a diretoria da Aliança Evangélica. Por mais de uma hora dei minhas explicações, denunciei como as coisas funcionavam em Brasília, falei das centenas de projetos que ameaçavam a liberdade de culto e a destruição da família tradicional, etc. Contudo, fui questionado como eu me comportaria diante das reivindicações dos índios, dos pobres, questões sociais, e então percebi que estes senhores, amigos do peito do governo esquerdista, nada se preocupavam com as minhas preocupações. Eram apenas ativistas, preocupados em não provocar uma “guerra” santa, me aconselhando a não ser intolerante, me doutrinando sobre o perfeito governo de Lula e os bons relacionamentos com o Ministro da Casa Civil Gilberto de Carvalho. Um dos meus assessores que me acompanhava, me confidenciou: esse cidadão (Ariovaldo) não é dos nossos… Dias depois vi que essa palavra se cumprindo: Ariovaldo e os outros já haviam assinado um documento público contra mim, antes da reunião, e depois dela não deram uma nota sequer.
Julio Severo: Em seu desespero, você chegou a procurar ajuda da ANAJURE, uma associação evangélica criada recentemente para defender os direitos civis dos cristãos. Qual foi a resposta?
Marco Feliciano: Era desespero mesmo. Fazia quase 30 dias que eu estava sob fogo cruzado e até então pouquíssimos saíram ao meu socorro. Lembrei-me da ANAJURE. Lembrei-me também do pedido desesperado que esses nobres juristas “cristãos” fizeram à Frente Parlamentar Evangélica dizendo que a ANAJURE só seria reconhecida se houvesse a aprovação dos parlamentares. Afinal, era para isso que estavam criando essa entidade: para proteger os parlamentares evangélicos em suas lutas pela liberdade religiosa e pela família. Liguei para o então presidente* da ANAJURE que estava na França. Falei com ele mais de uma vez, e o que ele me disse era que estava do meu lado e que a ANAJURE iria me defender juridicamente. Papo furado! Balela! Dias depois uma nota destes santos juristas me espancou e me aconselhou a sair da CDHM porque eu não era uma pessoa qualificada. Após esse episódio, a ANAJURE perdeu alguns de seus membros fundadores mais importantes, inclusive nossa guerreira da fé em Brasília, Dra. Damares.
Julio Severo: Na época da grande perseguição contra você, o presidente da ANAJURE lançou um comunicado nacional alertando que sua presença na Comissão de Direitos Humanos iria “dividir, ainda mais, a própria igreja evangélica… Tudo isso porque os projetos pessoais estão acima dos valores da Verdade do Evangelho de Cristo”. Por que, em vez de ajudar você, o presidente da ANAJURE optou por tal comunicado público?
Marco Feliciano: Por ser covarde, porque não era conveniente aliar a imagem de sua instituição a um “cão leproso” como eu naquele momento. Eu era um vexame para eles. Pouquíssimos acreditavam que eu conseguiria aguentar a pressão. Ele apostou na minha saída, na minha queda. Mas o Senhor através da oração da igreja me sustentou.
Julio Severo: O que você sofreu com tanta oposição, vinda da mídia e da esquerda secular e evangélica?
Marco Feliciano: Perseguição, ameaças de morte, ataques físicos e humilhações públicas. Minha esposa contraiu uma doença psicossomática da qual ainda não se recuperou. Minhas filhas menores (10 e 11 anos) precisaram de apoio psicológico, pois em um culto os ativistas gays subiram sobre o meu carro, expondo seus órgãos sexuais, aos gritos, xingamentos, cusparadas, enquanto minhas crianças estavam no carro, aos gritos e prantos. Eu emagreci 10 quilos, pois não conseguia me alimentar nem dormir. A mídia foi cruel, editando mensagens que preguei há mais de 15 anos atrás e todos dias estampavam em seus jornais e TV. A mídia social foi terrível. Criaram perfis fakes no Facebook. Por causa disso, a Xuxa me chamou de monstro. Eu ia processá-la, mas aí li a citação dela, e vi que ela citava algo que eu nunca havia dito. Procurei e encontrei um perfil fake com mais de 100 frases racistas supostamente ditas por mim. As igrejas se amedrontaram e não tiro a razão em alguns casos. Fiquei 4 meses sem poder pregar. Tenho um ministério de igrejas com pouco mais de 5 anos de trabalho. Os ativistas gays depredaram nossos templos e fizeram campanha na porta de algumas igrejas proibindo as pessoas de entrarem. Em algumas cidades pequenas a tormenta foi tão grande que os membros não tinham mais coragem de ir à igreja, porque ao chegarem lá encontravam os ativistas gays fumando, se drogando, bebendo e dançando seminus. Fechamos algumas congregações. E até hoje fazem terrorismo. Descobrem onde vou estar pregando e pela mídia social ameaçam ir com milhares de pessoas para frente das igrejas com trios-elétricos. Você deve ter visto na net o vídeo do avião (link: http://bit.ly/18jf9zm), e outros mais.
Protesto contra Marco Feliciano
Julio Severo: A pressão da militância gay afetou sua vida do dia-a-dia? Como?
Marco Feliciano: Sim. Hoje, raramente ando em locais públicos. Quando o faço, se alguém me chama pelo nome, ou se aproxima abruptamente, meu coração dispara, pois não sei o que vai acontecer e qual será a intenção da pessoa. Por isso não vou mais a restaurantes, shoppings, e quando vou me descaracterizo para tentar passar despercebido.
Julio Severo: Sua família chegou a sofrer ameaças por causa das pressões gayzistas?
Marco Feliciano: A minha filha primogênita, 18 anos, teve que trancar sua matricula escolar aqui no Brasil, pois o sobrenome Feliciano pesou. Tive que mandá-la para fora do Brasil. Hoje ela está nos EUA estudando.
Julio Severo: Os militantes gays têm xingado e ameaçado você. Você também os tem xingado e ameaçado?
Marco Feliciano: Meu perfil é de paz e tranquilidade. Tenho equilíbrio emocional. Nunca xingo. Nunca ameaço. Até mesmo quando tenho o amparo legal para iniciar um processo, não o faço. Sou cristão, não apenas nominal, mas praticante.
Julio Severo: O que você pensa do comportamento homossexual? É medicamente saudável? É moralmente saudável?
Marco Feliciano: É um fenômeno comportamental que está longe de ser compreendido. É um assunto que precisa ser estudado, mas a militância gay mundial fez com que psicólogos abandonassem o assunto e dessem por encerrado. O que é lamentável e por que não dizer criminoso. Transformaram em “moda”, e quem irá pagar por isso serão as próximas gerações. O comportamento gay trás transtornos, angustias, tristezas e desespero. Sinto muito por eles.
Julio Severo: O que você pensa das condenações que Deus faz na Bíblia ao comportamento homossexual?
Marco Feliciano: Não questiono Deus nem seus pensamentos. O Velho Testamento aponta proibições no intuito de preservação da espécie. Por exemplo, a circuncisão, alimentos como carne de porco ou frutos do mar. Hoje sabemos como a separação do povo dessas práticas alimentares bem como a circuncisão davam sobrevida ao povo. Era para mantê-los saudáveis. Vejo a condenação ao ato homossexual por Deus por vários aspectos, a preservação da espécie. Se você colocar 500 gays em uma ilha por 70 anos, no fim a ilha ficará deserta. O coito anal é anti-higiênico. Doenças como HPV e AIDS se proliferam com facilidade entre a comunidade GLBTT, e temos a questão do pecado, que é tudo aquilo que ofende e entristece Deus. Lembrando que as condenações eram no VT, na dispensação da Lei. Com Cristo no Novo Testamento a condenação ficou para a alma, na eternidade. A lei do olho por olho foi trocada pelo ama o próximo como a ti mesmo. Por isso amo os homossexuais, mas abomino o ato homossexual. 
Marco Feliciano é apoiado na Marcha pela Família em junho
Julio Severo: O que você pensa do PLC 122?
Marco Feliciano: O PLC 122 é o cadeado que lacrará para sempre a liberdade de expressão e castigará fortemente a igreja cristã verdadeira.
Julio Severo: Você concorda com a atitude do governo, com a cumplicidade dos meios de comunicação, de forçar as crianças e adolescentes a serem expostos à doutrinação homossexual nas escolas e outros ambientes?
Marco Feliciano: Sou contra e pago um alto preço por isso. A assim chamada “nova estrutura familiar” é desonesta, macabra, pútrida, desgraçada e implacável! Pais cuidem de seus filhos!
Julio Severo: Antes de você, o que acontecia na Comissão de Direitos Humanos? É verdade que muito dinheiro era canalizado para financiar projetos homossexuais? Pode mencionar algum projeto financiado?
Marco Feliciano: A CDHM foi criada quase 20 anos atrás e era usada como plataforma de visibilidade ao movimento LGBTT. Nos últimos 18 anos estima-se que algo em torno de 350 milhões de reais foram destinados a este grupo. Há inúmeras denúncias que, quando apuradas, esbarram numa redoma política. O Ministério da Cultura tem uma espécie de sub-ministério só para os gays. Em São Paulo com apoio do governo estadual criou-se o museu gay. As marchas de orgulho gay têm apoio legal dos cofres públicos, e por vai.
Julio Severo: E agora sob sua presidência, como a Comissão de Direitos Humanos canaliza os recursos? Para onde vai o dinheiro do povo?
Marco Feliciano: Uma comissão não pode mandar dinheiro, mas indica onde as verbas deveriam ser empregadas. Isso acontece no fim do ano. Ainda não o fiz, mas quando o fizer, fiquem tranquilos que indicarei os que realmente precisam do dinheiro do povo.
Julio Severo: Você acha que a imensa revolta da militância gay contra sua presidência na Comissão de Direitos Humanos tem a ver com a perda milionária de recursos que o movimento gay sofreu?
Marco Feliciano: É claro que sim. E também com a perda da visibilidade na própria Câmara dos Deputados. Embora este ano eles apareceram mais na mídia, o que deveria ser bom pra eles, foi um verdadeiro tiro no pé. As pessoas estão acordando e percebendo o que eles fazem de fato.
Julio Severo: No passado, você apoiou politicamente Lula e Dilma. O que fez você mudar de posição? Entre valores éticos, especialmente contra o aborto e o homossexualismo, e apoio ao PT, por que você preferiu valores éticos?
Marco Feliciano: Em 2010 estávamos entre a cruz e o punhal. De um lado, no segundo turno, estava o PSDB e José Serra, que assumiu publicamente que era a favor do aborto. Do outro, Dilma, que assinou um documento público dizendo que era contra o aborto e que em seu governo não o aprovaria. O que você faria? Eu escolhi o menos pior, o candidato que tinha um documento físico que poderia ser usado para cobrar a promessa feita. Apoiei Dilma. Arrependi-me. Para esta esquerda que ai governa, valores só existem quando é dinheiro.
Julio Severo: Por que Ariovaldo Ramos e outros representantes da esquerda evangélica, que também apoiaram Lula e Dilma, preferiram se unir ao PT e à militância gay contra você na presidência na Comissão de Direitos Humanos? Valores éticos, especialmente contra o aborto e o homossexualismo, não são importantes para eles?
Marco Feliciano: Quem sabe? Com certeza deve ter algum ganho especial que desconhecemos. Cito aqui o velho poeta, “Entre o céu a terra existem mais mistérios que a nossa vã filosofia de viver”… Eu não consigo acreditar em uma igreja que prefere o erro, mas não a verdade. Não consigo compreender o que leva um pastor a apoiar um sistema maligno do que ficar ao lado do seu simples e fraco irmão. Não entendo mesmo.
Julio Severo: Você passou por uma grande prova de fogo. Com tanta oposição à sua nomeação para a presidência da Comissão de Direitos Humanos, parecia que você não ia conseguir durar muito tempo. Como foi sua experiência com Deus nesse período?
Marco Feliciano: Não me lembro de ter ficado tão perto de Deus antes. Foi profundo. A dependência dEle foi total. A oração tinha um foco virtuoso. Eu que já ouvia falar dEle, O conheci de verdade. Depois de 40 dias vi os cristãos se levantarem em meu socorro. Evangélicos, católicos e, pasme, até espíritas, babalorichás e ateus conservadores se uniram na internet, nas ruas, em oração, em programas de TV e rádio. A manifestação promovida pelo Pr. Silas Malafaia em Brasília foi uma benção. Vi Deus mover a nação cristã em oração.
Julio Severo: Depois de imensa oposição, sua permanência como presidente da Comissão de Direitos Humano é um milagre. Você sente que Deus tinha esse propósito para você? Jean Wyllys, o deputado gayzista, diz que foi colocado na política pelos orixás. E no seu caso? Você tem um chamado de Deus para a política?
Marco Feliciano: Quando me candidatei a deputado federal, foi um choque para muitos. Poucos entenderam o que eu fazia naquele momento. Eu tive um sonho espiritual. Fui movido por Deus para atuar como político. Minha vida na política despertou a mente de boa parte da igreja. Provei que é possível ser politico e continuar cheio do Espirito Santo. Continuo sendo pastor e pregador. Meus princípios permanecem. No ano que vem a igreja mostrará sua força nas urnas. Tenho certeza que Deus está neste negócio. Eu creio que Deus ainda tem “Josés e Daniéis” para governos. Lembrando que o profeta do Velho Testamento era a consciência política dos reis.
Marco Feliciano
Julio Severo: Muitos gostariam de votar em você para presidente no próximo ano, pois possivelmente todos os candidatos serão pró-aborto e pró-homossexualismo. Nem a socialista Marina Silva, que está buscando o voto evangélico, é confiável nessas questões. Ela tem o apoio de muitos esquerdistas, inclusive evangélicos, que fizeram oposição sistemática a você. Você seria a única opção eleitoral para os cristãos. Por que você não se candidata a presidente?
Marco Feliciano: Eu também me decepcionei com a nossa “irmã” Marina. Marina é tão de esquerda que o próprio PT não foi radical o suficiente pra ela. Vejam os que estão ao lado dela na construção da Rede e entenderão o que falo. Se hoje um partido com tempo de TV me desse a legenda, eu me candidataria sem medo. Se não for dessa vez, quem sabe na próxima. Estou em oração. Tenho muito que aprender. Tenho 40 anos de idade e iniciando minha vida política, lembrando que nunca fui nem vereador. Tenho convicção de que não estou 100% preparado, mas para isso existem assessorias, ministérios, etc. É um sonho. Vamos sonhar. Sonhemos com o dia em que ao ouvir a Voz do Brasil, o jornalista dirá: Com a palavra sua excelência o presidente da Republica Federativa do Brasil, e o presidente iniciará seu discurso assim: EU CUMPRIMENTO OS COMPATRIOTAS BRASILEIROS COM A PAZ DO SENHOR!
* Uziel Santana.
Leitura recomendada:

27 comentários :

Willians disse...

O ponto mais importante da entrevista, que me chamou a atenção, foi a declaração do Marcos Feliciano sobre o seu arrependimento de ter votado e incentivado voto na atual presidente da República. Fico feliz com isso. Errar é humano, mas permanecer no erro é tolice. Desejo que o Dep. Marcos Feliciano se esclareça mais sobre o atual movimento revolucionário brasileiro, o qual está inserido em um contexto mundial. Os grupos religiosos brasileiros pecam, por desconhecer esse inimigo e viverem alienados para o problema, que é real. Sugiro ao Deputado assistir aos videos do Pe. Paulo Ricardo sobre o MARXISMO CULTURAL. Está no Youtube. Basta digitar "Paulo Ricardo" + "Marxismo Cultural" e encontrará os vídeos (um seminário de mais ou menos 5 palestras com uma hora de duração cada). O Pe. Ricardo é um dos poucos religiosos que conheço que tem a real consciência do que está se passando hoje no Brasil a respeito desse movimento revolucionário. Marxismo cultural nada mais é do que o poder diabólico para subverter valores, principalmente cristãos.

A ESTRATÉGIA: REV. LOUIS P. SHELDON disse...

Parabéns amigo Júlio, pela brilhante e oportuna entrevista.

Tivemos um Presidente Analfabeto e Corrupto como Lula, temos uma Presidente Terrorista e Gayzista como Dilma, e isso no maior país Cristão do mundo. E porque não Podemos ter um Pastor e Teólogo? Força Feliciano! Deus é contigo. Estamos lutando por todos os valores e princípios que você representa para nós.

2014, Feliciano para Presidente do Brasil!

A ESTRATÉGIA: REV. LOUIS P. SHELDON disse...

Paz amigo Júlio!

Parabéns pela brilhante e oportuna entrevista com nosso futuro Presidente do Brasil.

Se tivemos um Analfabeto e uma Terrorista no poder, porque não um Pastor e Teólogo? Avante Feliciano! Rumo à 2014!


Capelão Ricardo Ribeiro de França

Roger disse...

MARCO FELICIANO É TAÕ EFICIENTE QUE ATÉ CATÓLICOS PEDIRAM A ELE AJUDA, COMO O FAMOSO ANTI MARXISTA-PT PE PAULO RICARDO!
Ele socorreu os gatos pingados da Igreja católica contra o aborto e outras, POIS SÃO TÃO FROUXOS QUE NEM TÊM UMA BANCADA SEQUER NO CONGRESSO OU SENADO E A INEFICIENTE CNBB NUNCA TRABALHA NESSE SENTIDO, ANDA SEMPRE EMUDECIDA OU EM NOTINHAS PÍFIAS, MAIS SE PARECERIA A FAVOR DOS MARXISTAS; falar mal do Feliciano seriam sentimentos de injustiça, inveja, despeito por os comunistas não fazerem o que quiserem; olhe que se o Brasil não caiu nas mãos do totalitarismo muito se deve às bancadas dos evangélicos - menos os "progressistas" - como o Feliciano, vítima das agressões da ditaduras gay e abortista.

Nivia Evangelista disse...

Pena que em meu Estado não existe nenhum deputado como Jair Bolsonaro e Marco Feliciano para votar!

Fabiano disse...

Tenho esperança de ainda ver o Feliciano na presidência de Brasil.
Esta deve ser a "verdadeira revolução"... Revolução esta, que resgatará o valor familiar, a moral e os bons costumes do povo brasileiro.
Basta de "revolucionários pornograficos"!

Junior Ferre disse...

Desde 2010, mais de 300 mil reais foram alocados para a agenda gay. Com Feliciano no cargo, esses enormes recursos financeiros estão sendo destinados a legitimas necessidades de direitos humanos.

Anônimo disse...

AdrianaVBC: A prova que para um verdadeiro cristão aquilo que era pra matar (derrubar) serviu de alimento(crescimento). Eu só realmente espero que o Senhor dê forças mais e coragem também, porque frente à tantos insultos para com a família, tanta corrupção, esse mal instalado no poder, o Pr. Marcos, tenha a coragem de se candidatar a presidente. Eu uma simples cidadã voto nele, e vários cristãos também votam, porque nós precisamos que Deus interfira no que se vê aí.

Politica sem Medo disse...

Conte com meu apoio pastor Marco Feliciano. Bom seria se tivessemos muitos mais com uma meta definida e a defendessee mesmo sob ameacas e humilhacoes. Nao se intimide pois Jesus Cristo tambem sofreu esse tipo de ameacas. E bom ter um representante nosso nessa comissao de direitos humanos verdadeiros e nao so dos gays. Avante digno Marco Feliciano

Anônimo disse...

Parabéns Julio Severo, ótima entrevista. Parabéns também ao Pastor Marco Feliciano. Creio que a luta está apenas começando, mas tenho certeza que a vitoria é certa, em nome de Jesus.

Anônimo disse...

Amado irmão Marco Feliciano,conte com minhas orações sou uma serva do Senhor JESUS CRISTO,dona de casa e mãe,mas sei que os céus se movem quando os joelhos dos justos se dobram em oração.seja prudente dependa sempre do Senhor e ele te orientará,que a paz do Senhor seja o árbitro em seu coração.

Thiago disse...

Muito boa entrevista!

eucides vargas disse...

ótima entrevista. Pr. Marcos Feliciano nos Representara na Presidência.

Ahab disse...

Ao Deputado Marcos Feliciano.

Quero agradecer em muito ao Senhor Deputado Marcos Feliciano pela enérgica defesa que tem feito do meu direito de falar a verdade sobre seja que evento for, independente a quem isto possa machucar. No caso especifico da questão esquerdista ligadas as forças homofilas que atuam neste país, o Senhor Deputado tem tido uma conduta que muito me agrada, que abrilhanta a figura do congresso nacional. E apesar de eu não ser seguidor do Nazareno, sou um pagão Ibérico Romano, seguidor portanto do paganismo de raiz europeia, quero dizer que coragem e fidelidade a verdade, bem como a enérgica defesa de sua família ao ser atacada por uma turba de esquerdistas, são coisas a serem admiradas em um homem a despeito de quais sejam as suas crenças religiosas. Muito obrigado Senho Feliciano! E que os Deuses da maior parte de seu sangue combatam ao seu lado.

Atenciosamente.

Marcelo disse...

Creio que ainda é cedo para Feliciano entrar numa candidatura à presidência da república. Mesmo tendo passado algum tempo, a mídia ainda continua massacrando e manipulando informações para tentar de todas as formas sujar a imagem do deputado. Apesar de muita gente ter acordado para a verdade, ainda tem bastante pessoas cegas e manipuladas por esses movimentos de esquerda, que está fortemente controlando os grandes setores brasileiros. O Feliciano precisa de mais um tempo para mostrar quem ele realmente é, para mostrar sua superação e seu amadurecimento. Mesmo com a falta de opções,e com as decepções que tenho tido com a Marina, acho que nem eu votaria nele agora. Mas continue firme, Feliciano. Deus está contigo e pra Ele nada é impossível.

Anônimo disse...

Julio,

Essa entrevista em muito esclareceu alguns tópicos ainda nebulosos sobre as decisões politicas estabelecida no modus operandi do caríssimo Deputado e irmão em Cristo, Marcos Feliciano. Gostaria de debater sobre varios assuntos, prós e contras, enfim... Mas quero apenas deixar meu relato, na mais pura verdade, na presença do Senhor, que quando li o final... "Com a palavra sua excelência o presidente da Republica Federativa do Brasil,(...): EU CUMPRIMENTO OS COMPATRIOTAS BRASILEIROS COM A PAZ DO SENHOR!" Simplesmente, meu coração bateu descompassadamente, meus olhos se encheram de brilho, e eu, no escritorio sentado, dizia tremulamente, em voz alta: Amém, Amém... E depois nao parava de rir, numa mistura de emoção e fé. Termino aqui. E no mais, tudo na santa paz de Cristo. Até mais ver!

Claudio Vaz disse...


O Partido Democrata Cristão, o partido do deputado, faz parte do bloco de apoio, da chamada "Base Aliada" deste governo de vagabundos corruptos infiltradores de agentes cubanos neste país.

Sem mais.

Anônimo disse...

Marco Feliciano Presidente, Julio Severo Vice. Essa dupla faria uma ótima chapa para concorrer as eleições em nome da família brasileira.
Abraço.
Marcos Paulo.

Osmar Neves disse...

Júlio, Graça e Paz!

Muito obrigado e parabéns por nos trazer esta oportuna, necessária e feliz entrevista com o Dep. Marco Feliciano. Como calvinista, posso dizer que na política brasileira, o Feliciano me representa e representa a visão de sociedade do reformador genebrino! Se João Calvino fosse vivo e votasse em nossas eleições, Marco Feliciano seria o seu candidato!
Agora, um pouco de prudência, principalmente por questões estratégicas. Não creio ser o momento adequado para o lançamento da candidatura à presidência, precisamos preparar o terreno, ganhar experiência e conhecimentos, buscar novos aliados e conquistar mais mentes e corações na próxima legislatura. Inclusive aproveitar a atual legislação eleitoral para eleger muitos deputados na esteira da vitoriosa (se Deus quiser) reeleição para a Câmara Federal do Dep. Marco Feliciano. Aprofundar a aliança com setores conservadores da ICAR (Padre Paulo Ricardo e Padre Lodi são nomes que me ocorrem) e ter em mente que na política os outros cristãos não são nossos adversários e sim nossos aliados, o nosso adversário é a Esquerda (cristãos esquerdistas não são cristãos!). Buscar aproximação com setores do Agronegócio (Kátia Abreu?), o pessoal da reserva das Forças Armadas, industriais descontentes com a falta de política industrial do governo, representantes do Setor de Comércio descontentes com a elevada carga fiscal, defensores de uma maior flexibilização do porte de armas, juristas preocupados com a subversão do Direito, artistas inconformados com a atual política esquerdista, economistas defensores de mais liberdade e menos regulamentações na economia, enfim, buscar aproximação com todos os setores descontentes da hegemonia esquerdista em nossa sociedade e ser o representante desse inconformismo, tornando-se uma antítese do que aí está (provavelmente teremos 4 candidatos esquerdistas nas próximas eleições) e uma opção viável para a maioria dos eleitores conservadores brasileiros. Muito obrigado e que Deus abençoe a ambos!

"Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não te atemorizes, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus está contigo, por onde quer que andares. Josué 1:9"

Euclides disse...

Caro Júlio, foi bem oportuna a entrevista. A midia não informa uma só vírgula do que se passa com ele: vandalismo e violência que, se feitos em sentido contrário, teriam uma reação imensa.

Há algo, porém, que o deputado precisa aprender rapidamente. Diz ele: Até mesmo quando tenho o amparo legal para iniciar um processo, não o faço. Sou cristão, não apenas nominal, mas praticante.

Paulo era cristão e não deixou de exigir respeito porque era cidadão romano. Marco Feliciano não pode abdicar de sua condição de cidadão brasileiro, ainda mais estando onde está. Se ele se cala, dá a entender que podem fazer qualquer coisa pois não haverá reação alguma. Isso, por si só, é um grave engano pois incentiva a violência contra cristãos.

Primeiro vem o material, depois o espiritual, certo? Então, enquanto estivermos aqui, temos que lutar com nossas armas espirituais sem abrir mão das armas materiais: temos leis e devem ser usadas para mostrar que queremos ordem e vamos agir para que assim seja. Calado ele dá mais autoridade a quem não a tem e nem a merece. Se há que processar a Xuxa, ainda mais por coisas que ele nunca disse, que seja. Ou contamos com Deus ou estamos brincando de fé. Jesus nunca aquietou-se diante dos vigaristas do templo; ao contrário, chicoteou-os e os expulsou. Isso chama-se ordem na casa. É disso que o país precisa.

Deus o abençoe e ao Marco Feliciano!

ÉLQUISSON disse...

O pastor Marcos Feliciano disse estar arrependido ao ter dado apoio a Dilma. Não questiono a integridade (e nem a sinceridade) dele, mas a pergunta é: será que, após isso, ele realmente aprendeu a lição? Será que, em 2014 (já que se cogita uma possível reeleição de Dilma), ele vai repetir o mesmo erro?

O certo seria ele não ter dado apoio a nenhum dos candidatos (nem Serra e nem Dilma). No caso, muitos (inclusive o próprio Marcos Feliciano) foram enganados pela promessa mentirosa de Dilma, que disse ser contra o aborto (já que Serra tinha admitido abertamente ser a favor do aborto). Adianta alguém (no caso, Dilma) dizer publicamente que é contra o aborto, mas ser a favor do homossexualismo às escondidas?

Sim, é verdade que Dilma assinou um documento em público se comprometendo em não legalizar o aborto. Mas desde quando a palavra de algum esquerdista é verdadeira? Desde quando algum esquerdista já cumpriu o que promete? Será que o pastor Marcos Feliciano é tão ingênuo a esse ponto?

Acreditar que algum esquerdista está falando a verdade (ou vai cumprir o que promete) é o mesmo que acreditar que o diabo se converteu a Jesus!

Esperamos que o pastor Marcos Feliciano se mantenha firme em suas convicções, e nunca mais se deixe iludir pelas mentiras dos esquerdistas!

FORA PT! FORA O ESQUERDISMO, O COMUNISMO, O MARXISMO, O SOCIALISMO E TODAS AS IDEOLOGIAS DIABÓLICAS!

O BRASIL É DO SENHOR JESUS!

Everaldo disse...

Apesar de ser, a meu ver, um pouco exagerada essa idéia de querer ter o pastor Marcos Feliciano como possível presidente para o nosso país, eu acho que seria uma boa opção. Afinal, precisamos de governantes verdadeiramente comprometidos com a obediência à Palavra de Deus. É como disse o salmista:

"Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo ao qual Ele escolheu para a Sua herança" (Salmo 33:12)

Um presidente verdadeiramente cristão iria reconstruir moralmente o nosso país, a obediência à Palavra de Deus seria a prioridade no nosso sistema educacional, haveria um combate firme ao pecado (e também a tudo que for contra a Palavra de Deus), enfim, seríamos uma nação grandiosa (e seríamos uma referência espiritual para todo o mundo).

Sera que, algum dia, este sonho vai se tornar realidade?

Se alguém daqui quiser dizer alguma coisa (ou puder responder a esta minha pergunta), ficarei agradecido.

Franscô disse...

Parabéns ao Feliciano pela coragem de defender a fé! Excelente entrevista Júlio!!

Anônimo disse...

Parabéns a Julio Severo e ao deputado Marcos Feliciano pela excelente entrevista. Como tinham informações que mostram os grandes abusos e atitudes violentas dos ativistas, e que a mídia em geral omitiu!!!

Impedir a entrada de membros nos templos, entre outros abusos, junto com os muitos projetos que ferem a CF só mostram o quanto o país tornou-se propriedade de uma minoria esquerdista.

Já deixei de comentar em sites gospel justamente pela violência dos ativistas e simpatizantes dos movimentos apadrinhados do governo petista. Posto anônimo aqui, mas compartilho essa entrevista, a Igreja precisa abrir os olhos para a terrível realidade.

Anônimo disse...

Boa noite irmão e a todos frequentadores do blog do Severo cristãos ou não mais que são favor da família natural e da vida contra tudo que é "ANTICRISTIANISMO".
Gostei ótima entrevista com Marco Feliciano muito revelador e esclarecedor nota 1000!!!!

Ester

Bira B disse...

Fica aqui o meu elogio por publicar uma entrevista de tao alto nivel com o Pastor Feliciano.
As palavras do Pastor estao de acordo com o texto biblico e tenho certeza que elas se transformarao em acoes concretas em favor das pessoas que realmente necessitam da ajuda da comissao de direitos humanos.

Leonardo disse...

A gestão de Feliciano serviu para evidenciar o ódio praticado contra cristãos e conservadores. Este grande homem possui uma coragem inigualável, foi o único parlamentar a combater a relação promiscua entre o Estado e o movimento gay. Que ele continue crescendo mo mundo político, preservando a existência da família tradicional.