17 de agosto de 2013

Leis contra Propaganda Homossexual Avançam Apesar de Indignação do Ocidente


Leis contra Propaganda Homossexual Avançam Apesar de Indignação do Ocidente

Dr. Stefano Gennarini
NOVA IORQUE, EUA (C-FAM) Para proteger suas crianças, países da Europa Oriental estão seguindo o exemplo da Rússia restringindo a propaganda de atos sexuais “não tradicionais.” Os grupos homossexuais estão reagindo furiosamente.
No mês passado, a Moldávia aprovou uma lei que proíbe a distribuição de informações “que tem como alvo a propagação de prostituição, pedofilia, pornografia e quaisquer outras relações diferentes das relações ligadas ao casamento ou família.” A Lituânia recentemente adotou uma lei semelhante, e o poder legislativo da Ucrânia está, de acordo com reportagens, considerando o mesmo tipo de lei.
As leis estão sendo criadas com o objetivo de proteger os menores de informações explícitas que podem levá-los a escolhas prejudiciais à saúde numa idade delicada. A lei da Rússia, adotada em junho, multa indivíduos e organizações por promoverem conduta sexual “não tradicional” entre crianças.
Grupos homossexualistas como o Observatório de Direitos Humanos (Human Rights Watch) dizem que essas leis violam os padrões de direitos humanos europeus e internacionais. Os defensores dessas leis dizem que elas foram feitas de forma específica e sob medida para apenas limitar a liberdade de expressão na medida em que é necessário proteger as crianças.
A homossexualidade não é criminalizada na Rússia ou países da Europa Oriental, como era sob o comunismo. Mas os cidadãos estão preocupados com a glamorização de estilos de vida prejudiciais à saúde, considerando o efeito que podem ter em menores.
O estilo de vida homossexual, em particular, é associado com uma grande variedade de riscos de saúde. Indivíduos que se engajam em atividade homossexual têm probabilidade 18 vezes maior de contrair o HIV/AIDS do que pessoas que não se engajam. Eles estão em risco mais elevado para outras doenças sexualmente transmissíveis, abuso de drogas, depressão e suicídio.
As leis estão em vigor em alguns estados russos por aproximadamente uma década. Os poderes legislativos nacionais começaram a promulgá-las neste ano, depois que o presidente Obama ordenou que todas as agências dos EUA que lidam com assuntos exteriores promovessem direitos lésbicos, gays, bissexuais e transgêneros, e estabelecessem um fundo para financiar grupos LGBT estrangeiros para promoverem agitações em seus países. Nesse mesmo tempo, o primeiro-ministro britânico David Cameron ameaçou cortar assistência para países que têm leis que penalizam a sodomia.
A Associated Press e outros meios de comunicação chamam as novas leis de “antigays.” Na semana passada, um artigo de opinião no jornal New York Times comparou o presidente russo Vladimir Putin a Adolf Hitler. Ativistas homossexuais estão exortando os indivíduos a boicotar os XXII Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, Rússia.
Ativistas que esperam tirar vantagem do sentimento antirreligioso no Ocidente estão culpando a Igreja Ortodoxa Russa por promover essas leis. Mas a crescente influência da Igreja Ortodoxa, por mais importante que seja, não é suficiente para explicar a aprovação rápida dessas leis onde elas gozam apoio popular. Na Rússia, uma recente pesquisa de opinião pública do Pew revelou que apenas 16% creem que a homossexualidade deveria ser socialmente aceitável.
A Rússia promulgou sua lei nacional apesar do fato de que especialistas de direitos humanos da ONU condenaram uma lei regional semelhante no começo deste ano. Em junho, o Conselho da Europa expressou sua preocupação com a nova lei da Rússia, principalmente seu efeito nos eventos de Orgulho Gay. Esses eventos são notórios por exibições de simulação de atos sexuais e sadomasoquistas.
Tentativas de aplicar pressão internacional não intimidaram os países vizinhos de considerar e adotar leis semelhantes às da Rússia.
Alguns ativistas homossexuais atrevidos estão enfrentando as consequências de viajar para a Rússia para fazer alarde da lei.
Tradução: www.juliosevero.com
Fonte: C-FAM
Leitura recomendada:
EUA e Rússia: caminhos inversos na agenda gay

6 comentários :

Anônimo disse...

Excelente! Muito bom mesmo, parabéns e agradeço a você por ser parte de tal esforço de resistência.

Estava eu a pouco jantando em um restaurante, sentado diante da TV vendo um jornal, e o ancora noticiou que a atleta russa Isimbaieva (não espere que saiba escrever isto) estaria divulgado uma carta informando, assim, meio que se desculpando, por haver dito que o homossexualismo é um comportamento de pessoas que são inferiores, ou melhor, que se fazem inferiores as pessoas naturais. Bem ela não disse isto, isto sou eu quem estou dizendo.

Mas o tom da reportagem e a cara do ancora moderninho era bem assim, no sentido de mostrar a indignação "da comunidade internacional de pessoas de bem" todos eles com a cara muito fechada para as palavras de Isimbaieva (de novo este nome).

Pois quer saber, eu estou tomando Jonny Walker e comendo Activia para as dores de "direitos humanos infringidos" da tão nobre comunidade das "belas pessoas internacional". E viva Insibaieva (novamente, aff...)! E viva a lei anti esquerdismo gay da Rússia!

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Torno a repetir o que eu já comentei num artigo semelhante a este: os russos estão dando uma verdadeira lição de moral em muitos países que se dizem cristãos (inclusive o Brasil).

Vejam o contraste: enquanto os russos têm leis rigorosas para proibir a divulgação do homossexualismo, aqui no Brasil querem criar leis (no caso, o PLC 122, a reforma do Código Penal, e outras leis semelhantes) para calar a voz dos cristãos e das demais pessoas que são contra o homossexualismo! Isso sem contar as nojentas e indecentes "Paradas Gays" que são promovidas com a cumplicidade deste nosso governo corrupto (e que são financiadas por meio dos abusivos impostos que pagamos)!

Desde já, dou meus parabéns (e também meu total apoio) aos russos por não aceitarem esta imoralidade chamada homossexualismo, e, ao mesmo tempo, manifesto meu total repúdio à atuação da nossa bancada evangélica (que tem sido omissa no combate ao pecado)!

fabricioaraujo_rj disse...

Putin está longe de ser santo. Eu olho para isso com um pé atrás pois estamos falando de um ex-KGB no poder.
Tem algum caroço nesse angú...

Julio Severo disse...

Recebi um comentário anônimo indicando artigo do Conde Loppeux, cujos textos geralmente são muito bons, refutando a ideia de que a resistência da Rússia à ditadura gay seja uma coisa boa. O pretexto é que pelo passado violento da União Soviética, a Rússia e seu povo estão eternamente condenados à descredibilidade na área moral.

Pelo menos, na questão a agenda gay, não posso pensar assim. Os russos estão agindo muito bem.

Se fosssemos levar em consideração o passado, outras questões também deveriam entrar. Quase trinta anos atrás, li o Manual Bíblico de Halley, numa versão que era da década de 1960. O manual destacava a força protestante dos EUA e apontava para os graves erros da Igreja Católica, especialmente séculos de Inquisição e derramamento de sangue de protestantes.

Vendo por esse prisma, os católicos também estariam eternamente condenados à descredibilidade pela Inquisição? Quando o papa fala contra o aborto e o homossexualismo, temos de ter um pé atrás, suspeitando de suas intenções e motivações?

O moderador só não publicou aqui o comentário do anônimo que fez cobranças pela recusa em se identificar. Mas espero que essa resposta simples esclareça que o passado nem sempre faz a pessoa. Se esse fosse o caso, como evangélico eu não teria nenhum contato com católicos, por causa da Inquisição; eu não teria contato com a Alemanha, por causa do nazismo; e não aceitaria a resistência russa contra a tirania gay...

O mais triste é que depois de ler as versões antigas do Manual Bíblico de Halley, contata-se que os EUA nem parecem que já foram a maior potência protestante da terra. Os EUA esqueceram seu passado...

ELISEU disse...

Amado irmão Júlio Severo,

Se você me permite, eu torno a repetir, mais uma vez, o mesmo comentário que eu postei num artigo semelhante a este (você me corrija se eu estiver errado).

Em relação aos Estados Unidos, eu penso o seguinte: se os Estados Unidos mantivesse a obediência total e irrestrita à Palavra de Deus desde a sua fundação, certamente não estaria nesta decadência moral e espiritual hoje. A obediência à Palavra de Deus é a verdadeira e única segurança espiritual do ser humano.

Só que a retirada do ensino religioso das escolas americanas a partir dos anos 60 foi o principal fator que contribuiu para essa mesma decadência (coincidência ou não, foi na mesma década que teve o início do movimento feminista). Ou seja, os Estados Unidos passou a não dar mais prioridade à obediência à Palavra de Deus!

E o que acontece? Muito simples: a partir do momento em que uma nação despreza a obediência à Palavra de Deus e passa a confiar somente em sua própria sabedoria, ela fica espiritualmente desprotegida e se torna uma presa fácil para os ataques do diabo e dos demônios (e também de todo tipo de pecado e vício). É como disse o profeta Jeremias:

"Maldito o homem que confia no homem, que faz da carne o seu braço, e que aparta o seu coração do Senhor" (Jeremias 17:5)

Isso que está acontecendo nos Estados Unidos é a conseqüência do abandono total da verdadeira fé cristã. Em outras palavras: a nação americana agora está colhendo os frutos de pouco mais de 50 anos do seu desprezo à obediência à Palavra de Deus!

Precisou os Estados Unidos chegar a esse nível crítico, para que todos entendam de uma vez por todas que a rejeição deliberada à obediência à Palavra de Deus equivale a dar permissão para que o diabo e os demônios ataquem impiedosamente a tudo e a todos?

Em outras palavras: basta dar um pequeno vacilo ou uma única brecha (sair um instante da presença de Deus) para que o ataque do diabo e dos demônios seja imediato e inevitável! O diabo não brinca em serviço! Ele tem que ser combatido sempre! O cristão não pode se descuidar espiritualmente nem por um único segundo! É como alertou o apóstolo Pedro:

"Sede sóbrios e vigiai; pois o diabo, vosso adversário, anda em derredor, rugindo como leão, e buscando a quem ele possa devorar" (1 Pedro 5:8)

Este foi o maior erro dos Estados Unidos: trocar Jesus por Satanás! E o que é pior: foi um erro deliberado (ou seja, foi feito de forma consciente)! No dia do juízo final, este mesmo erro vai ser seriamente cobrado! É como Jesus diz:

"E aquele a quem muito foi dado, muito mais lhe será exigido" (Lucas 12:48)

Muito foi dado aos Estados Unidos (no caso, o conhecimento da Palavra de Deus). Só que agora muito mais vai ser exigido (a obediência à mesma Palavra). Logo, os responsáveis pelo destino moral e espiritual dos Estados Unidos fatalmente irão prestar contas da sua negligência na obediência à Palavra de Deus! O livro de Hebreus adverte sobre isso de forma bem séria:

"Pois se pecarmos voluntariamente, depois de já termos recebido o conhecimento da verdade, já não haverá mais sacrifício pelos pecados, Mas uma terrível expectativa de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários. Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça? Porque bem conhecemos Aquele que disse: Minha é a vingança, Eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o Seu povo. Coisa horrível é cair nas mãos do Deus vivo" (Hebreus 10:26–31)

Tomara que os Estados Unidos "desperte" o mais rápido possível dessa sua indiferença moral antes que seja eternamente tarde demais!

P.S: Se você (ou alguém daqui) quiser dizer alguma coisa, ficarei agradecido.

Welber disse...

Uma boa idéia seria enviar os líderes, ativistas e simpatizantes homossexuais para viver em países onde não haja influência cristã. Que tal Arábia, Iêmen, Irã, Paquistão, Afeganistão (e outros países muçulmanos ou islâmicos)? Já que os cristãos são o problema deles, aí está a solução!

Com um detalhe: todos eles receberão a passagem somente de ida para estes países! A passagem de volta será paga por eles próprios (se é que eles conseguirão sair vivos de lá)!

A propósito: Mahmoud Ahmadinejad (o presidente do Irã) é amigo pessoal do ex–presidente Lula. Segundo eu soube, lá no Irã os homossexuais são condenados à morte na forca! Por que os homossexuais não fizeram nenhum protesto quando Ahmadinejad esteve aqui no Brasil? Por que não o chamaram de homofóbico, fundamentalista e preconceituoso?

Gostaria que algum homossexual fosse corajoso o suficiente para responder a esta pergunta!