29 de julho de 2013

O Papa, a Homossexualidade e o Aborto no Brasil


O Papa, a Homossexualidade e o Aborto no Brasil

Julio Severo
Conforme reportagem do Daily Mail, “O papa disse que ‘não julgará’ padres gays. Falando com jornalistas num voo de volta depois de uma visita de uma semana ao Brasil sexualmente permissivo, o Papa Francisco disse que ‘não julgaria’ gays dentro do Vaticano e que eles não deveriam sofrer discriminação. Os comentários do pontífice sobre gays marcam uma abordagem mais conciliatória do que seu antecessor. Bento assinou um documento em 2005 dizendo que homens com profundas tendências homossexuais não deveriam ser padres.”
Discurso sobre não julgar padres gays é uma surpresa, considerando que o enorme escândalo envolvendo pedofilia na Igreja Católica é em grande parte ligado à homossexualidade entre padres.
Mas a surpresa maior, pelo menos para os líderes pró-vida do Brasil, é que a presidente socialista Dilma Rousseff está para sancionar uma lei de aborto, e o papa não dirigiu nenhuma mensagem específica sobre essa situação urgente do Brasil. Ele deixou o Brasil sem abrir a boca contra essa ameaça iminente.
Como evangélico, penso que o papa poderia fazer seu polêmico comentário sobre homossexualismo em outra ocasião. A prioridade absoluta neste momento é abrir a boca contra a iminência da legalização do aborto no Brasil.
Por que ele não falou?
Versão em inglês deste artigo: The Pope, Homosexuality and Abortion in Brazil
Leitura recomendada:
Postar um comentário