28 de junho de 2013

Conflitos morais entre EUA e África


Conflitos morais entre EUA e África

Julio Severo
Pondo a nu um forte conflito moral, o presidente americano Barack Obama na quinta-feira (27 de junho) exortou os líderes africanos a estender direitos especiais para gays e lésbicas, mas foi repreendido de forma direta pelo presidente do Senegal, o qual disse que seu país “ainda não está pronto” para descriminalizar a homossexualidade, de acordo com uma reportagem da Associated Press.
Obama iniciou sua viagem de uma semana a África um dia depois que o Supremo Tribunal dos EUA derrubou a defesa ao casamento tradicional na lei federal dos EUA para garantir direitos especiais para duplas gays. Em seus primeiros comentários pessoais sobre o veredicto, Obama disse que a decisão do tribunal marcou um “dia de orgulho para os EUA.” Ele pressionou em favor de similar aceitação da homossexualidade na África, atacando uma área sensível numa região marcada por fortes contrastes morais com os EUA. Dezenas de países africanos criminalizam a homossexualidade, com sua experiência passada de abusos generalizados de meninos perpetrados por homossexuais.
Obama e Macky Sall
Durante uma entrevista coletiva com Macky Sall, o presidente do Senegal, no palácio presidencial em Dakar, Obama louvou a derrubada da defesa do casamento na lei federal americana.
Ele exortou Sall a ter semelhantes mudanças legais no Senegal, pondo a defesa do casamento tradicional abaixo da agenda gay.
Contudo, Sall não cedeu. O Senegal, ele disse, “não está ainda pronto para descriminalizar a homossexualidade.” Estará algum dia pronto?
Vai depender dos poderes de “persuasão” que o governo americano exerce. “Imperialismo cultural,” um excelente vídeo produzido por Family Watch International (http://youtu.be/HbjAFUGQ3Xg), mostra como a ONU e os EUA usam pressões e chantagem para forçar as nações em desenvolvimento para adotar agendas imorais.
Pelo padrão dos EUA, as nações africanas só serão classificadas de democráticas depois que avançarem agendas imorais, especialmente a agenda homossexual? Ao que consta, 38 países africanos criminalizam a homossexualidade. Isso, na opinião de Obama, é antidemocrático.
Democrático é o que o governo dos EUA faz: doutrinar suas crianças de escolas nas perversões homossexuais e criminalizar a crítica de atos homossexuais pervertidos claramente condenados pela mesma Bíblia que foi muito importante na vida dos fundadores dos EUA.
O que é curioso é que os EUA de hoje são um vasto contraste moral não só com as nações da África, mas também com os EUA visualizados e criados por seus fundadores cristãos.
Basicamente, a Bíblia e os valores cristãos estão sendo criminalizados nos EUA, que abandonaram sua República baseada na Bíblia para abraçar e impor uma democracia que defende a homossexualidade.
Espero que a África consiga resistir a tal “democracia.”
Com informações da Associated Press.
Versão em inglês deste artigo: Moral clash between US and Africa
Leitura recomendada:

5 comentários :

Anônimo disse...

Caro Julio,
Olhando essa foto dá para imaginar o que o presidente do Senegal está pensando fitando o patrono da gaystapo no mundo:
"quem será e de onde veio esta bizarra criatura querendo destruir toda moral que encontra pela frente? será que ele é?"
Abraço
Valéria

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Júlio,

Lembro que, há um certo tempo atrás, o presidente de Gana (país africano) rejeitou a assistência financeira da Inglaterra que foi oferecida sob a condição de aceitar o homossexualismo. O artigo que fala sobre isso está aqui:

http://juliosevero.blogspot.com.br/2011/11/que-eles-cortem-toda-assistencia-paises.html

Nesse mesmo artigo (o qual eu tive a felicidade de ler), o presidente de Gana foi taxativo: “Eu, como presidente desta nação, nunca iniciarei nem apoiarei tentativa alguma de legalizar a homossexualidade em Gana”, disse o presidente John Evans Atta Mills numa declaração oficial para o governo da Inglaterra ao primeiro–ministro David Cameron.

Esta postura firme de Gana em ser contra o homossexualismo também foi adotada por outros países africanos: Malaui, Uganda, Tanzânia, e Zanzibar (entre outros). Em outras palavras: eles não se curvaram diante da imposição do homossexualismo.

Não sei se esses mesmos países são cristãos (religiosamente falando), mas eles tiveram, pelo menos, uma postura firme (que muitos que se dizem cristãos não estão tendo): foram corajosos o suficiente para dizer um "NÃO" bem sonoro às investidas dos homossexuais e de seus comparsas (como o primeiro–ministro David Cameron). Não sei se seria exagero da minha parte, mas eu diria que o continente africano está dando uma verdadeira lição de moral em muitos países que se dizem cristãos (inclusive o Brasil)!

No caso do Brasil, o que precisamos fazer para derrotar de vez o movimento homossexual?

Gilson disse...

Respondendo ao presbítero Valdomiro,

Eis aqui as minhas sugestões (10 ao todo) para um cristão enfrentar o movimento homossexual:

1. Seja obediente a Deus — Afinal, com quem você é comprometido: com a obediência a Deus (e à Sua Palavra) ou com o mundo (e sua sujeira)?

"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, todo aquele que se faz amigo do mundo se torna inimigo de Deus" (Tiago 4:4)

2. Não confie nem creia em ninguém (nem mesmo naqueles que se dizem cristãos) — Não deposite sua fé (ou sua confiança) em nenhum homem daqui da Terra. Somente em Jesus nós podemos confiar (somente Ele é verdadeiro).

"Maldito o homem que confia no homem, que faz da carne o seu braço, e que aparta o seu coração do Senhor" (Jeremias 17:5)

"Seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso" (Romanos 3:4)

3. Não renuncie aos seus princípios — Não se curve diante de nenhuma intimidação e nem de nenhuma ameaça (seja de quem for). Lembre-se do que disseram os mártires da fé cristã: "Antes morrer do que pecar". Mantenha suas convicções firmes até o fim, ainda que isto lhe custe a prisão (ou a morte).

"Sê fiel até à morte e dar-te-ei a coroa da vida" (Apocalipse 2:10)

4. Tenha firmeza em dizer que o homossexualismo é pecado — Não caia no canto da sereia dos homossexuais e nem da mídia corrupta (que insistem em dizer que ser contra o homossexualismo é incitar o ódio contra os homossexuais).

"Não deis lugar ao diabo" (Efésios 4:27)

5. Não aceite nenhum argumento dos homossexuais a favor desse estilo de vida pecaminoso — Seja firme o suficiente para dizer que Deus não tolera o pecado (e que os homossexuais irão para o inferno após a morte se não se arrependerem dessa conduta enquanto ainda há tempo).

"Não erreis: Deus não Se deixa escarnecer; porque tudo que o homem semear, isso ele também ceifará" (Gálatas 6:7)

6. Diga aos homossexuais que todo pecado tem suas conseqüências — Fale a eles sobre os inúmeros casos de AIDS (e de morte) entre os homossexuais.

"O salário do pecado é a morte; mas o dom gratuito dado por Deus é a vida eterna em Jesus Cristo, nosso Senhor" (Romanos 6:23)

7. Não faça nenhum acordo no sentido de relativizar o pecado — Nunca aceite nenhuma proposta (por mais "inocente" ou "inofensiva" que aparente ser) de conciliação (ou tolerância) com os homossexuais (e com o homossexualismo).

"Não podeis beber do cálice do Senhor e do cálice dos demônios; não podeis participar da mesa do Senhor e da mesa dos demônios" (1 Coríntios 10:21)

8. Fale do amor de Deus pelos homossexuais — Diga a eles que Deus ama o pecador, mas que Deus condena o pecado. Não hesite em dizer que amor não é a mesma coisa que permissividade, tolerância, ou relativismo moral.

"Eu repreendo e castigo a todos quanto Eu amo. Sê, portanto, zeloso, e arrepende-te" (Apocalipse 3:19)

9. Diga aos homossexuais que Deus nunca mudará os Seus princípios — Seja corajoso o suficiente para dizer aos homossexuais que a lei de Deus não foi feita para agradar aos homens (e nunca irá se sujeitar a homem nenhum). Para Deus, o homossexualismo foi, é, e sempre será pecado (os homossexuais aceitando ou não). Afinal, a lei de Deus não é para ser questionada: é para ser obedecida.

"Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas; não vim para revogar, mas para cumprir. Pois em verdade Eu vos digo: até que passem os Céus e a Terra, nenhum i ou til jamais passará da lei, sem que tudo se cumpra" (Mateus 5:17–18)

10. Procure conscientizar a todas as pessoas sobre o perigo do movimento homossexual — Nunca deixe de dizer que o ativismo gay é uma séria ameaça à estabilidade da família (e também um perigo para toda a humanidade). Não seja omisso no seu papel de cristão.

"Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado" (Tiago 4:17)

Que estas sugestões sejam acatadas pelos cristãos corajosos o suficiente para enfrentar os ativistas homossexuais!

Leandro Matias Deon disse...

Agora me digam...
não foi uma esplêndida GAFE o presidente Obama ter falado em casamento gay (que é uma questão interna dos EUA), diante do presidente do Senegal, que é um país que busca ajuda do Ocidente contra os rebeldes islâmicos?
Se o presidente Sall desse apoio, ficaria em uma situação muito ruim diante da população, que apoiaria ainda mais os radicais.
Obama tem discursos prontos que não servem para outros países, e isso cria embaraços para a política externa. Isso deu a imagem de que os EUA não estão preocupados com a realidade da África.

Politica sem Medo disse...

Bom, como todos devem saber Obama e muculmano e como tal nao devia apoiar movimentos gays e muito menos casamentos e adocoes dessas duplas. Ele no entando parece que so pensa em legaliza-los, protege-los, dar-lhes direitos que outros nao tem e coloca-los como prioridade do seu governo, nao sei se para desmoralizar o povo ou para parecer democratico, extrapolando em direitos de minorias. Enfim foi bem feito que levou um "chega pra la" do Presidente do Senegal. Sera que ele nasceu de uma uniao homossexual? Afinal ninguem viu ate agora a sua certidao de nascimento.