3 de maio de 2013

“Ex-gays existem e precisam ser respeitados”, defende psicóloga que motivou projeto que oferece opção para homens saírem da homossexualidade


“Ex-gays existem e precisam ser respeitados”, defende psicóloga que motivou projeto que oferece opção para homens saírem da homossexualidade

Marisa Lobo está elaborando um relatório com cem casos de reversão da homossexualidade para apresentar na Organização das Nações Unidas
Marisa Lobo
O projeto “cura gay”, proposto em 2011 pelo deputado federal tucano João Campos (PSDB-GO), teve como pivô a psicóloga paranaense Marisa Lobo. Há dois anos, ela responde processo ético frente ao Conselho Federal de Psicologia (CFP) por discordar publicamente da resolução que impede os profissionais da área de sugerir aos pacientes tratamentos que busquem a cura da homossexualidade.
Com o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) na presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, a bancada evangélica encontrou espaço para desengavetar o projeto, que tinha esbarrado na resistência da frente parlamentar LGBT.
Em entrevista, por telefone, à Zero Hora, Marisa fala sobre o projeto e o que pensa a respeito da reversão do homossexualismo. Confira os principais trechos:
ZH — Qual sua opinião sobre a resolução do Conselho Federal de Piscologia?
Marisa Lobo — Estou respondendo processo ético há quase dois anos, acusada de curar gays. Eles afirmam que eu digo nas redes sociais que gays têm cura. Na verdade, não é isso que eu falo. Eu sou contra a resolução porque ela cerceia mesmo a atuação dos psicólogos, porque é o meu paciente que manda na minha terapia. É isso que eu comecei a divulgar. Eu tive coragem de dizer, como psicóloga, que quem manda na terapia é o paciente e que deve estar em primeiro lugar o desejo dele. Se o desejo dele é de mudar sua condição, opção ou orientação, não sendo doença, o que eu sei que não é e não trato como tal, trato como uma condição humana, eu vou ajudá-lo a mudar. E está uma confusão tão grande que a própria resolução diz que tenho que atender o desejo do paciente, ainda que seja para mudar sua condição, orientação ou opção. Eles estão deixando claro que se o paciente quiser mudar sua opção, eu tenho que atendê-lo.
ZH — Você acha, então, que a resolução é contraditória?
Marisa — É totalmente contraditória, é uma usurpação de poder, cerceamento de direito, ela interfere no processo terapêutico. Ao mesmo tempo que ela diz que é para dar dignidade ao homossexual ela está tirando a dignidade do sujeito que não quer mais ser homossexual. O ser humano pode mudar sua condição, se for do desejo dele. A resolução nos impede de fazer isso. A resolução diz que não posso atender procedimentos não solicitados, então, se a pessoa solicitar, eu posso. Como que eu posso, se ela diz que é 100% certeza que a pessoa nasce gay? O que está acontecendo é que a psicologia é militante da LGBT, e ela não poderia. Quem fiscaliza o Conselho? Ninguém. Então, o Congresso vai fiscalizar.
ZH — O resgate desse projeto tem a ver com o fato de Marco Feliciano ter assumido a presidência do Conselho de Direitos Humanos?
Marisa — Quando a gente viu a possibilidade do Marco Feliciano assumir a presidência, todo mundo já esperava que fosse para votação. Acho até que nem era o momento do Marco Feliciano apresentar esse projeto, porque isso tudo vai virar motivo religioso, perseguição de gays. E não é perseguição, o projeto estava lá desde o ano passado, e esbarrou no preconceito, por causa da militância da LGBT, porque eles não admitem que existem ex-gays. Estou fazendo um relatório provando a existência de ex-gays, tudo registrado em cartório. Tenho quase cem casos, quando chegar em cem, eu vou levar para a ONU, que está me esperando. Vou exigir que essas pessoas sejam reconhecidas, porque assim como os gays têm seus direitos e devem ser respeitados, os ex-gays também existem, estamos cometendo uma ijustiça. Se ele deixou de ser gay, é um direito humano dele.
Fonte: Zero Hora
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

9 comentários :

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Não sei se muitos vão concordar com o meu ponto de vista, mas eu vou dizer exatamente o que eu penso (me corrijam se eu estiver errado).

Este Conselho Federal (ou Fascista?) de Psicologia é um verdadeiro representante do inferno (esta é que é a verdade). Seus membros nada mais são do que pessoas comprometidas com a agenda "politicamente correta" do governo corrupto de Dilma (e também dos homossexuais).

Para o mesmo Conselho, é proibido:

– Falar da fé cristã;

– Falar que Jesus liberta a pessoa do homossexualismo;

– Dizer que homossexualismo é pecado;

– Dizer que Jesus ama o homossexual, mas condena o homossexualismo.

Por outro lado, é permitido que se pregue:

– O "respeito à diversidade" (que é uma forma sutil de tolerância ao homossexualismo);

– A "não discriminação" (ou seja, não se pode dizer que homossexualismo é pecado);

– A "aceitação da cultura" (que é a aceitação das religiões demoníacas disfarçadas de afro–brasileiras);

– O "livre desenvolvimento da personalidade" (que é, na verdade, uma forma disfarçada de impor o homossexualismo para crianças e adolescentes).

Daqui a pouco, só falta este mesmo Conselho impor: "Obrigue todos a dizer que Satanás é que é o benfeitor, e Jesus é o enganador! Ou melhor, obedeça ao diabo e esqueça que Jesus existe!"

Parece exagero se isso vier a acontecer? O que se pode esperar de bom de um Conselho de Psicologia totalmente a serviço de um governo corrupto, pró–homossexualismo, pró–aborto, anti–família e anti–cristão?

Diego disse...

Interessante como a mídia não fala sobre isso, bom, quem "sabe ainda vão falar", mas acho muito difícil. Que Deus ajude a Marisa a levar esse resultado até a ONU!

Gilson disse...

CFP = Covil Fascista de Perseguidores

Para mim, esta seria a melhor definição para esta sigla, porque o que estão fazendo contra a irmã Marisa é uma injustiça sem tamanho.

Se os psicólogos de outras religiões podem dizer o que quiserem, por que somente ela (que é cristã) está sendo impedida de manifestar publicamente a sua fé (e a sua crença)? Será que não está mais do que evidente o caráter tendencioso do CFP neste caso?

Para a irmã Marisa, eu digo o seguinte: amada irmã, você tem todo o nosso apoio. Desde já, pode contar com as nossas orações. Não temas, pois o Senhor Jesus está contigo (e Ele te livrará de todo o mal). Ele próprio garantiu:

"Bem–aventurados os que forem perseguidos por causa da justiça, porque é deles o Reino dos Céus; Bem–aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por Minha causa. Alegrai-vos e rejubilai, grande será o vosso galardão nos Céus; pois assim fizeram aos profetas que vieram antes de vós" (Mateus 5:10–12)

Guilherme Ferreira disse...

A quem interessar possa: a psicóloga Marisa Lôbo, do Paraná, se filiou ao PSC e vai disputar uma vaga de deputada federal nas próximas eleições.

Claudio Vaz disse...


Eu sempre acho muito interessante como cristãos e inconversos falam da ONU.
Perebam que todos nós já assimilamos a idéia (com acento!) da ONU ser a "última instância", ou seja, a ONU dá a última palavra sobre todos os assuntos. Assim se encerra a discussão. Curioso isso.

O que é a ONU? Qantos votos já dei a ela?

Nós começamos a abrir mão de nossa soberania em nossa mente.

Anônimo disse...

O objetivo é pregar Jesus Cristo para a salvação dessas almas, pregando a negação a si mesmo, como Ele disse e fazer a vontade de Deus. E no mais, Deus disse a Paulo 'a minha graça te basta' e 'o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza'. Acredito que isso seja mais do que suficiente e objetivo do que querer desesperadamente ''reorientar'' pessoas, o que não acarretaria na salvação dessas almas!

Anônimo disse...

O que está por trás do Conselho Federal de Psicologo é algo bem mais profundo, macabro, maligno e que atende de forma direta a politica de morte do PT ( partido dos trabalhadores) com a seu claro apoio a agenda gay, aborto e ateísmo.

O C.F.P. está jogando o jogo sujo do PT e seus "companheiros" , e isso já fazem algum anos com o iniciar o PL 122( o projeto de Lei 122 da senadora Marta Suplicy) que da abertura a cultura da morte e destruição da cédula familiar. Isso é publico e notório.

Por isso é mister alertar a todos os cristãos para que nunca mais votem no PT nem na esfera municipal, Estadual ou Federal, pois o PT mostrou claramente para que veio.

Pastor Caleb.

Roberto disse...

Parabéns à psicóloga Marisa Lobo.
O que está acontecendo é um abuso do Conselho Federal de Psicologia.
Se alguém está gay e não quer mudar essa condição, é direito dele. Mas se alguém está gay e quer mudar, em sua vontade, deve ser respeitado. Os profissionais de psicologia devem ter liberdade de tratar esses casos. Proibir isso é um absurdo.
O CFP está exorbitando suas funções, decretando uma norma ditatorial quando proíbe esse atendimento.

Maria A. disse...

boa psicóloga precisa apenas de tirar o curso de exorcismo e resolve o problema mais rapidamente