7 de março de 2013

Vivemos uma ditadura gay, diz Marco Feliciano


Vivemos uma ditadura gay, diz Marco Feliciano

Leiliane Roberta Lopes
Em artigo escrito para o jornal Folha de São Paulo o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) comentou sobre as críticas que tem recebido principalmente de ativistas do movimento LGBT contra sua indicação ao cargo de presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.
Marcos Feliciano
No texto, Feliciano, um dos pastores evangélicos mais conhecidos do país, explica os motivos que o levaram a ser considerado como racista e ainda mostra sua posição sobre os projetos como a PL 122/2006 e a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a união entre pessoas do mesmo sexo.
Ele acredita que suas respostas foram interpretadas de forma errônea e usadas contra ele. “Jogada ao vento, essa mentira causa estragos à imagem do acusado perante a opinião publica. Vivemos uma ditadura gay”, escreveu.
No texto Feliciano relembra que no ano passado tentou participar de um seminário organizado pela CDHM sobre a diversidade sexual na primeira infância, mas graças aos manifestantes do movimento gay que estavam presentes ele não conseguiu falar.
“Foi me dado um minuto para falar, mas não consegui. A militância não permitiu.”
Outro ponto destacado pelo pastor foi sobre os temas apresentados naquele dia. “Foi desesperador ouvir dos que ali estavam que se um menino na creche, na hora do banho, quiser tocar o órgão genital de outro menino não poderia ser impedido. Afinal, segundo eles, criança não nasce homem nem mulher e sim gênero e se descobre com o tempo. Se forem impedidos na primeira infância, sabe-se lá o que pode acontecer…”
Aproveitando o espaço concedido pelo jornal, um dos mais respeitados do Brasil, Feliciano falou sobre suas intenções como presidente da Comissão, afirmando que os grupos defendidos pelo órgão precisam de atenção igual. “Essa comissão é muito mais importante do que discussões rasas. Peço a Deus sabedoria para levar adiante tão honrosa missão.”
Fonte: GospelPrime
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

7 comentários :

Anônimo disse...

um dos jornais mais respeitados do Brasil?? hahahah

saulo

Julio Severo disse...

Desculpem-me, neste texto, o título de jornal respeitoso para o Folha de S. Paulo. O artigo é do GospelPrime. Por favor, falem com o GospelPrime parar com essa adulação para quem não merece nenhum respeito.

Anônimo disse...

O mais respeitado, ele quis dizer um dos mais lidos, afinal respeitado por uma determinada classe..Mais o jornalismo hoje é totalmente parcial.

Neokoros disse...

Já viu aí os ataques à Feliciano?. Estão vindo de todos os lados...
Sinceramente não gostaria de tá no lugar dele.

O lado bom das manifestações contrárias de hoje na CDH foi provar que Feliciano tem razão.
Só os totalitários podem se expressar...

Mas quem se atreve a declarar o que a Bíblia diz -que vai de encontro as práticas deles- é rotulado de "intolerante", no mínimo.

Minha vingança é saber que ainda estarão cara a cara com o autor da Palavra - e assim como certo profeta - eu não pretendo fazer nada a respeito de como eles vão comparecer a esta audiência...

Só cuido pra não dormir no navio: fico de olhos abertos vendo como alguns pastores parecem alienados com os rumos que esta história está tomando neste país....


Claudio Vaz disse...


"Covardes"! Bradou o Pastor Marco Feliciano, sob aplauso dos fiéis,criticando os organizadores da 'Marcha para Jesus' por não ter lhe enviado "alguns jovens" para - pelo que entendi - apoiá-lo numa dessas rinhas nas Comissões da Câmara. Foi o que assisti em seu programa de TV, fim de semana passado.

Uai, não existem igrejas da Assembléia de Deus em Brasília, não? Ele poderia levar alguns membros do 'Templo do Avivamento' para o DF. O PSC não tem militância? Pois deveria.

E os cabos eleitorais? Imagino que ele os tenha contratado para sua campanha, ou foram os fiéis que trabalharam nela? Nada contra isso, muito pelo contrário (apesar de não entender o porquê de um pastor querer ser deputado).

Ele se queixa da ditadura gay? Mas ele ajudou a implantá-la! Pediu votos para a Terrorista, regozijou-se com ela e com os comunistas nos festejos de sua vitória; apóia o governo comunista, e seu partido (PARTIDO SOCIAL CRISTÃO - piada), faz parte da base aliada dos assassinos de bebês, dos descriminadores das drogas, dos profissionalizadores da prostituição, dos invasores-terroristas de terra do MST, dos propagandeadores de pintos de plástico para as crianças nas escolas!

Não consigo entender este homem. Ou o entendo muito bem.

Em 2014 veremos ele juntinho dos petistas, os mesmos que se retiraram da CDH em protesto à sua eleição para presidir a mesma (juntamente com o Sr Wyllys do PSOL).

E ainda veremos a Sr Dilma dizendo que apoia os cristãos, e, como prova, foi ela quem possibilitou um pastor ter assumido a CDH.

Todos sabem, ou deveriam saber, que a lógica da eleição é a mesma das votações no Congresso: alianças para soma de votos.

A eleição de 2014 já começou, como podemos ver nos noticiários. A eleição do pastor para a presidência da CDH OBEDECE A ESTA LÓGICA, APENAS ISSO.
































Fabiano disse...

Isto me fez lembrar o deputado Jair Bolsonaro e o Malafaia... Os caras falam uma coisa, e a militância gay distorce, edita e divulgam suas mentiras.
Agora vem a pedófila Xuxa, descendo a lenha no Feliciano. Moral ela tem bastante, né?!

Claudio Vaz disse...

Fabiano,

Com a sua permissão e sem querer ser chato julgo importante lembrar: Jair Bolsonaro TAMBÉM é da base aliada do governo e A FAVOR do aborto.
E Malafaia - que admiro e defendo - já apoiou Lula duas vezes.
De certa forma Malafaia e Feliciano recebem pancada do braço que ergueram.