30 de março de 2013

Manifestações contra Marco Feliciano envolvem funcionários públicos que, em vez de trabalharem, passam horas fazendo tumulto contra o deputado evangélico


Manifestações contra Marco Feliciano envolvem funcionários públicos que, em vez de trabalharem, passam horas fazendo tumulto contra o deputado evangélico

Assessores parlamentares do PT, PV e PSOL participam regularmente de protestos que atormentam o presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Marco Feliciano (PSC-SP). E que agora terminam em violência

Gabriel Castro, de Brasília
Nas últimas quatro semanas, a presença do deputado Marco Feliciano, do PSC, no comando da Comissão de Direitos Humanos da Câmara tem provocado protestos de militantes do movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais), insuflados por parlamentares do PSOL e do PT. Nesta quarta-feira, durante o tumulto que terminou com uma pessoa detida pela Polícia Legislativa, um detalhe chamou a atenção: os crachás de funcionários da Câmara – alguns à mostra, outros escondidos – pendurados no pescoço dos manifestantes. Misturados ao grupo que tem promovido os protestos, são funcionários de gabinetes da Câmara, pagos com dinheiro público, em horário de expediente de trabalho.
Tiago Oliveira, assessor da liderança do PV e Rodrigo Cademartori, assessor de Érica Kokay em protesto contra o deputado Marco Feliciano  (Gabriel Castro)
Algumas caras são recorrentes nesses atos. Uma delas é Rodrigo Cademartori, conhecido como Rodrigo "Pilha", assessor da deputada Érica Kokay (PT-DF). Liga do ao PT, ele saltou direto do movimento estudantil para um confortável cargo de confiança - primeiramente na Câmara Legislativa do Distrito Federal, depois na Câmara dos Deputados. Para quebrar a monotonia do serviço público, ele costuma participar de protestos no horário de expediente. O rapaz, velho conhecido da segurança da Câmara, foi um dos baderneiros que tentaram calar a blogueira Yoani Sánchez aos berros, quando a cubana visitou o Congresso em fevereiro. Rodrigo "Pilha" recebe mensalmente cerca de 4 200 reais.
Tiago Oliveira, assessor do PV, também resolveu usar o tempo de trabalho para protestar contra Feliciano. "Hoje não tenho nada na agenda", disse ele, candidamente, ao site de VEJA nesta quarta-feira. Sem esconder que usa o horário de trabalho para fazer militância, o assessor até aceita posar para foto. Ironicamente, o patrão de Tiago, o líder do PV, Sarney Filho (PV-MA), indicou um pastor evangélico para a comissão: Henrique Afo nso (PV-AC), que ajudou a eleger Feliciano.
Os comissionados do PSOL são mais discretos: dão suporte aos manifestantes sem repetir as palavras de ordem gritadas pelos corredores da Câmara. Um deles, identificado como Alexandre, é assessor da liderança do partido na Câmara. Na última quarta, ele orientava os manifestantes sobre o melhor roteiro a ser percorrido dentro do Congresso. Indagado pelo site de VEJA, Alexandre disse apenas que estava lá para impedir abusos.
Outra assessora, apontada pelo próprio Alexandre como funcionária do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), também auxilia os militantes — alguns deles, filiados ao PSOL. Também havia representantes do PSTU no movimento contrário a Feliciano. E nem sempre os representantes dos partidos envolvidos nos protestos se entendem: na última manifestação, quando uma manifestante ligada ao PSTU lançou críticas à presidente Dilma Rousseff, Rodrigo Cademartori, ou "Pilha", reagiu e chamou a jovem de "aparelhista" — seja lá o que isso significar.
O grupo de parlamentares de siglas de esquerda e militantes dos movimentos LGBT acusam o pastor de ter dado declarações racistas e homofóbicas. Desde então, Feliciano tem enfrentado transtornos nos corredores do Congresso, anda escoltado por seguranças e tem sido impedido de comandar as atividades da comissão. Ele também virou alvo de ataques nas redes sociais.
Pastor da Igreja Assembleia de Deus e deputado federal de primeiro mandato, Marco Feliciano enfrenta a resistência de partidos de esquerda que tradicionalmente reivindicam o comando da comissão, mas abriram mão do posto neste ano e agora não aceitam a indicação de um pastor evangélico para a cadeira. No caso do PT, o partido não pleiteou a presidência do colegiado para ter o direito de chefiar comissões consideradas mais nobres, como a de Constituição e Justiça (CCJ), que abriga os mensaleiros José Genoino (SP) e João Paulo Cunha (SP), ambos condenados pela Justiça. Ou seja, pelo acordo fechado previamente entre os partidos, a presidência da Comissão de Direitos Humanos é cota da bancada do PSC e cabe ao partido escolher seu representante, o que torna a indicação de Feliciano legítima.
Violência — Nesta quarta-feira, depois que Feliciano mudou o local da reunião e manteve os manifestantes do lado de fora, eles resolveram ir até o gabinete do deputado. Impedidos por seguranças, que formavam uma barreira em um corredor do anexo 4, os militantes tomaram a iniciativa; em vantagem numérica, deram empurrões nos funcionários da Câmara e geraram um grande tumulto. Um jovem foi detido: Allysson Prata, que é funcionário da Administração Regional de Ceilândia, uma espécie de subprefeitura mantida pelo governo do petista Agnelo Queiroz no Distrito Federal.
Prata é ligado à deputada distrital Luzia de Paula (PEN). Presença constante nos protestos contra Feliciano, o jovem chegou a ser detido pela Polícia Legislativa quando tentava invadir o gabinete de Marco Feliciano nesta quarta-feira. Allysson usa sua página no Facebook para convocar os militantes de esquerda para os protestos contra o presidente da Comissão de Direitos Humanos. Não se sabe em que momento ele bate ponto no trabalho.
Não só os funcionários do Legislativo fogem do trabalho para aderir à mi litância: Jandiara Machado é funcionária do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, onde o expediente ocorre só durante a tarde. Mas, por volta das 15h desta quarta, ela estava na Câmara dos Deputados para protestar contra Feliciano. E se justificou: "Depois eu faço reposição de horário". Até agora, os militantes profissionais não anunciaram nenhum protesto contra funcionários públicos que se ausentam das funções durante o horário de trabalho.
Fonte: Revista Veja
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
Evangélicos progressistas exigem remoção de Marcos Feliciano da Comissão de Direitos Humanos

16 comentários :

Anônimo disse...

Bela matéria! Mas é isso mesmo. Aqueles protestos são orquestrados e as pessoas, militantes. Está na cara!
Eles agitam e os deputados eles os apoiam e os defendem. É um absurdo.
Se retirarem o Feliciano, terá sido um GOLPE. Um golpe contra a democracia. A partir daí vira moda. Alguém que seja eleito, mas um grupo não o aceita, vai lá e tira... Manter o Feliciano no cargo e preservar o princípio democrático.

Claudio Vaz disse...



O Brasil caminha à passos largos para o obscurantismo: o Estado dominará a nação, as pessoas, o país.

Para 2014 não dá mais. Não é pessimismo, é realismo, é "pé no chão".

Para 2018, a articulação deve começar agora, de preferência com um novo partido. Mas o mais importante é que, fundamentalmente, demonstre alguma IDEOLOGIA oposta ao esquerdismo e que INSPIRE uma reação firme.

Quero esclarecer também que tenho pena do presidente que sucederá o PT. A escória esquerdista vai transformar a vida dele E DO PAÍS num inferno. (Reparem que desde que o PT está no poder não houve uma única greve geral, o que era recorrente nos tempos de FHC).

Não se iludam, estamos lidando com uma quadrilha, com criminosos QUE SÓ SABEM SOBREVIVER À CUSTA DO GOVERNO, ou seja, dos nossos impostos, e que são tarados pelo Estado, pelo poder.

Até o presente estamos fazendo o jogo dos inimigos, dançando no ritmo que eles estão tocando.

A CDH não caiu nas mãos dos cristãos por acaso. Não vou começar a acreditar em coincidências agora. Como já disse em outros posts, a intenção é criar, ATRAVÉS DA MÍDIA, o clima ANTICRISTÃO.

Alguém aí se lembra por acaso de ter visto, de 1500 até 2013, alguma manifestação de militância em FRENTE A UMA IGREJA? Eu não. E agora não estamos vendo isso?

É assim, senhores, que eles vão mudando a forma de pensar das massas. ("o tempo passa e estamos afiando a faca")

Não, não estou sugerindo que Feliciano renuncie. Agora, seria um erro ainda maior. Já que está que fique. O ponto é que, como disse, por enquanto estamos dançando a música de nossos inimigos. Apenas.

Fabiano disse...

Se algum grupo - e nem precisa ser avangélico - tentar invadir ou atrapalhar algum discurso do nobre excelentíssimo senhor deputado gay Jean Wyllys, não leva dez minutos e a polícia militar acaba com o tumulto na base da pancada, e boa parte terá que prestar depoimento na delegacia por "homofobia"... Ah, e a Globo filmando e passando no Fantástico os "intolerantes fundamentalistas, fanáticos religiosos".
Esse país tá virado num oba oba, Deus que me perdoe!!!

Roberto disse...

Júlio, para falar a verdade, antes desse bafafá todo, eu conhecia bem pouco o deputado Feliciano, acho que quem mais o conhecia eram seus eleitores. E o deputado Feliciano ainda fez bobagem em 2010 em apoiar Dilma e o PT.
Mas depois desse burburim todo ele ainda vai ficar mais conhecido e apoiado, pois está com razão nesses protestos ridículos.
Feliciano está com a democracia enquanto esses baderneiros estão com a ditadura, o autoritarismo.

Anônimo disse...

Esses pseudos-revolocionários. me matam de rir. Se alimentam do sistema e dizem lutar contra ele, estes estudantes ligados aos partidos "revolucinários", que ganham para isto. Não vi um deles fazer nada nas comissões que estão os condenados do PT. Agora são pagos com o dinheiro público para ficarem fazendo protestos contra um pastor e n sua fé.





Simone Izidra disse...

Esses baderneiros que tem que sair do setor público! Com o dinheiro do povo esses sangue-sugas, ganha dinheiro pra ficar gritando e infernizando o andamento da câmara. A polícia que tinha que impedir essas manifestações de intolerância e violência.

Anônimo disse...

Olha o tamanho do ABSURDO. Um tal de Rodrigo Pilha assessor da deputada Èrica Kokay (PT-DF),ganha um salário de 4200 reais por mês.

4200 reais mensalmente é um ótimo salário para muitíssima gente.
Na realidade todos estes funcionários públicos , que usam o seu horário de trabalho ,para protestar e fazer baderna,ganham salários muito bons. Julio ! Poderia fazer uma pesquisa de quando ganha essa "gente".

Ultimamente ! Tem havido mais e mais noticias de que a economia do Brasil está cada vez pior.

Não é de surpreender por essa economia do país piorando sempre.

Pois os nossos escassos recursos tem sido usado e desperdiçados para gastos tão ordinários,ruins e vergonhosos, como por exemplo pagar os salários desta "CORJA" que só faz o que não presta.

Durval

Anônimo disse...

Devia ser todos eles expulsos, seria justa causa.
Vânia

Marcos disse...

Mais um que se vende ao politicamente correto e à esquerda: Ricardo Gondim, da Igreja Betesda.

Vejam a entrevista dele no Estado de SP defendendo gays, batendo no Feliciano e dizendo que nos EUA só tem racista.

Ele se diz contra a teologia da prosperidade, mas pede mais dinheiro na sua igreja que o Bispo Macedo. E pensar que tenho amigos que frequentam la.

http://bit.ly/10pG9IL

Claudio Vaz disse...



Nada. Esse Gondim já é assim não é de hoje...
Bem objetivo: é um comunista travestido de pastor de ovelhas. Simples assim.
Veja que interessante:
http://juliosevero.blogspot.com.br/2006/01/ricardo-gondim-manda-chumbo-grosso.html

Anônimo disse...

E ora de tirar essa doença crônica do cenário polico do brasil que o pt e imssuportavel o esse grupo tem feito e agora esses comeloes ganha da nação para protestar contra odeputsdo marcos Feliciano em Plena horario de trabalho qual e ofucionario que pode fazer isso se não esses sanguissugas do congresso.

Nil disse...

Na Cidade de Passos teve uma manifestação de protesto contra o pastor Marco Feliciano.

Enfrente a um ginásio de esportes onde realizava-se um encontro evangélico.

http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2013/03/feliciano-e-alvo-de-protestos-em-encontro-evangelico-em-passos-mg.html

Veja este pessoal não respeita igrejas,encontros evangélicos e que mais for para fazer baderna e protestar.

Trindade disse...

Olá Júlio;
Só identificaram esses dois? É pura mã vontade da imprensa, pois sou capaz de dizer que TODOS esses baderneiros são profissionais da baderna, ou seja, são funcionários pagos com o dinheiro público para defender a causa de partidos da esquerda, isso sim é motivo de cassação de mandato por improbidade administrativa.

Anônimo disse...

Interessante que essa tão importante informação não foi divulgada pelas "organizações" Globo.

Pastor Caleb.

Claudio Vaz disse...



Nil,

Gilberto Carvalho, o homem mais poderoso do PT depois de Lula, durante o Fórum Social Mundial em janeiro de 2012, em Porto Alegre, afirmou que era preciso que o governo se preparasse para um CONFRONTO IDEOLÓGICO (atenção) com os evangélicos - o que incluiria a formação de uma rede de comunicação para aplacar a força de igrejas que usam a televisão para propagar sua mensagem.

COINCIDENTEMENTE (sempre a nossa amiga coincidência, né?), um ano depois de suas declarações, estamos vendo essa avalanche contra Feliciano (que apoiou a Terrorista em 2010).

Na prática, Feliciano é o boi de piranha.

Em nome de Jesus em vos peço, irmãos: expliquem essas coisas em suas igrejas.

Alguns irmãos, toscamente, argumentam que isso faz parte dos últimos dias e o que está para acontecer, acontecerá.

Ora, é evidente que não podemos impedir as profecias; mas não se trata disso! (nem eu quero isso)

Devemos lutar contra os comunistas por que é a coisa certa a ser feita. Quantas almas se perderão em consequência dessa ladainha de direitos humanos?

Podemos negar que o inferno está próximo de todos nós?

Não se deixem enganar, o principal objetivo do comunismo sempre foi destruir JESUS E SEUS SEGUIDORES; não é nem nunca foi a oposição às religiões, muito menos a "planificação da economia". (Marx era satanista, simples assim).

Não se deixem enganar, o objetivo final dos comunistas sul-americanos é a unificação dos países do subcontinente. Gosto de dar às coisas, o nome que elas têm. E a isto se chama FIM DAS NAÇÕES para formação de UM OUTRO PAÍS, a "Pátria Grande", segundo Chávez.

Mas como não poderia deixar de ser, quando chegar esta etapa da revolução, o que se ouvirá é um lista interminável de JARGÕES politicamente corretos favoráveis a ideia, assim como, é claro, ADJETIVOS PEJORATIVOS cunhados pelos "intelectuais" que serão AMPLA e EXAUSTIVAMENTE divulgados pela MÍDIA. Assim como podemos ver os atuais: "homofóbico", "fascista", "machista".

O que poderíamos fazer de melhor pelo país e pela livre manifestação de nossa fé é a restauração da monarquia.

O maior símbolo de nosso país até 1889 não era apenas o IMPERADOR Dom Pedro II; mas também toda a FAMÍLIA REAL E IMPERIAL. Esse é maior significado da monarquia, da primeira família: representar a grande FAMÍLIA brasileira.

E quem nós temos hoje no principal cargo do país, como um símbolo? Uma terrorista (criminosa) e abortista, que nem tem coragem de admitir isso, e que mente descaradamente para cristãos papagaios de TV que ESCOLHEM e GOSTAM de ser enganados.

Anônimo disse...

PT, PSOL e PV = o que tem de militante gay filiado nestes partidos não está escrito.

E na Rede Globo também!