24 de janeiro de 2013

Julio Severo e os calvinistas


Julio Severo e os calvinistas

Wanderley Dantas
Há certo tempo, deparei-me com mais um texto polêmico do apologeta Julio Severo, intitulado “Renato Russo ou Ana Paula Valadão?” Um texto que precisa ser avaliado, principalmente porque, mais uma vez, o autor acerta o alvo e expõe as mazelas e idiossincrasias do ainda muitíssimo imaturo e circunscrito movimento calvinista no Brasil.
Talvez, antes de continuar este artigo, eu deva apresentar abertamente o que penso de Julio Severo. Então, eu devo dizer que cobeligero ao lado dele no apoio a Israel, mas não pelos mesmos motivos de Julio e isso se explica porque temos teologias diferentes.
Também discordo compreensivelmente de seu pentecostalismo, de suas “visões”, “revelações” e outras questões defendidas por ele. Digo “compreensivelmente”, porque entendo que Julio está sendo coerente com suas premissas. E creio que esse é o ponto que me leva a escrever este texto: entre outras questões de seu artigo que posso considerar secundárias, o cerne da denúncia que o Julio faz é que os calvinistas citados por ele (além de tantos outros Brasil afora) simplesmente são incoerentes com a sua própria teologia.
Mas em qual ponto somos incoerentes? Será na música que ouvimos? Será na música que não ouvimos? Será nas novas “revelações” que não cremos? Será nos “sonhos e visões” dos quais nos acautelamos? É preciso discernir especificadamente qual o ponto nevrálgico do texto de Julio, caso queiramos um calvinismo no Brasil que traduza o melhor que esta tradição tem a oferecer à Igreja Evangélica em nosso país. Portanto, eu creio que certos calvinistas brasileiros precisam sair de suas torres de marfim e ouvir com atenção o que o Julio está falando sobre nós. Sigamos portanto.
Como já disse, Julio Severo é um homem coerente com seus valores e com os pressupostos que dão origem tanto a esses valores como aos seus textos publicados na internet. E esta coerência do Julio o leva a perceber a incoerência dos que se dizem cristãos, mas vivem em evidente prática de vida contrária aos valores mais caros do Evangelho, por isso indaga-se Julio: como pode um ministro da Palavra de Deus, um líder que tem sobre seus ombros a responsabilidade de orientar espiritualmente suas ovelhas, recomendar a estas que escutem um declarado defensor da causa gayzista?
Ora, sejamos honestos e nos vejamos com os olhos do Julio, que, na verdade, expressa a opinião de milhares de outros cristãos brasileiros sobre o que seriam tais calvinistas. Julio também traz o fato que esse mesmo ministro da Palavra de Deus execrou uma conhecida cantora gospel por suas músicas pentecostais (e eu mesmo não vou esquecer das estranhas posturas da tal cantora como engatinhar como leão, ter sonhos com botinhas de pitom, etc), mas, evidentemente, nada disso é o ponto profundo no qual Julio quer, de fato, tratar. Estas questões foram apenas a “captação” que nos chamaria a atenção à real tese de Julio contra aquele grupo de calvinistas que ele denunciou em seu texto.
A denúncia de Julio é outra, portanto. Ela se revela quando ele mostra que o problema com calvinistas como Fábio Ribas e tutti quanti não é apenas uma questão de abordagens teológicas diferentes e de pressupostos e hermenêuticas divergentes, mas, direi mais uma vez, o problema é que aquela turma calvinista não é coerente com a própria teologia que afirmam seguir!
Em outras palavras, concordemos ou não com a teologia do Julio e da Ana Paula Valadão, estes ao menos estão sendo coerentes com aquilo que pregam. E creio que é aqui a ferida exposta pelo Julio e que certos calvinistas brasileiros que têm se destacado na blogosfera fariam muito bem se conseguissem se despir de seu corporativismo, de suas agressões verbais e de sua altivez intelectual e percebessem os argumentos apresentados por Julio. Ele não é o único que pensa isso sobre aquele grupo de calvinistas e, se queremos realmente nos comunicar com nossa cultura brasileira, precisamos, então, aprender a nos olhar com os olhos dos outros e ver o que temos feito de errado em nossa comunicação do Evangelho. Olhemo-nos, portanto.
O que é o calvinismo brasileiro? Ora, o que o Julio apresenta ao seu leitor como calvinismo é o que este movimento mostrou como frutos tanto na Europa como nos EUA e, agora, na chamada “América Latina” e, especialmente, no Brasil. Os países da Europa que outrora foram calvinistas hoje são pós-cristãos. Alguém aqui poderia argumentar que a culpa disso não é do calvinismo, mas da teologia liberal.
Contudo, foi em ambiente calvinista que nasceu a teologia liberal e suas sandices. Ao menos, caberia ao calvinismo uma resposta à altura às heresias modernas tanto do liberalismo teológico como do marxismo. Todavia, o calvinismo não foi apenas ineficaz em ensinar e influenciar aquela cultura, como, também, viu muitos dos seus próprios teólogos sucumbirem diante desses inimigos.
Assim como ocorreu entre os calvinistas europeus e americanos, a teologia liberal também seguiu fazendo festa e estrago no hemisfério sul. O que Julio vê nos Estados Unidos é a liberalíssima denominação presbiteriana que começou ordenando mulheres e, agora, gays também! E, sinceramente, aos que olham de fora, pouco importam as diferenças entre as denominações presbiterianas lá de fora e as diversas e independentes denominações existentes no Brasil (IPB, IPC, IPU, etc). O fato é que, um dia, o nascedouro de todas elas foi o mesmo: o calvinismo que abraçamos como sendo a melhor interpretação das Sagradas Escrituras.
O que Julio indaga com sinceridade é como que uma teologia de gigantes como João Calvino, John Knox, Jonathas Edwards, os Puritanos, Spurgeon, Francis Schaeffer entre tantos outros, agora, resume-se miseravelmente a ridicularizar o pentecostalismo, que, gostemos ou não, é um viés interpretativo de irmãos em Cristo que são usados para pregar o Evangelho (eu mesmo e minha esposa viemos de Igrejas Pentecostais).
Mas, ainda assim, não é este o ponto central do artigo do Julio. O que o surpreende não é tão somente a oposição de certos calvinistas ao pentecostalismo no Brasil (até porque há calvinistas não-cessacionistas e há os neo-calvinistas também, grupos de calvinistas que têm sido criticados em sua própria casa por possuírem certas características pentecostais), então, o que Julio Severo realmente quer discutir em seu artigo é acertadamente o casamento histórico de um certo calvinismo com o esquerdismo em suas mais diversas vertentes anti-cristãs, antropocêntricas e humanistas!
O que Julio vê é que a chamada “América Latina” abraçou a teologia liberal, pagã e pós-cristã por meio de líderes cultuados como o católico Leonardo Boff e os ex-ministros presbiterianos calvinistas Rubem Alves e Caio Fábio. Forjaram-se aqui no Brasil a partir destes líderes toda a turma do “Evangelho Integral”, Missão Holística” ou qualquer outro nome que você queira dar a essa coisa que apenas valorizou o que não era cristão e promoveu a absorção dos liberalismos teológico e moral nos quais, agora, nossa geração está atolada.
Embora eu saiba que há uma multidão de ingênuos bem intencionados nesta pregação do Evangelho Integral, devo dizer que seus líderes e mentores de ontem sabiam muito bem o que estavam fazendo e onde queriam chegar. E chegaram! Prova disto é a revolução cultural da esquerda na América do Sul e no Brasil implantando sua ideologia abortista, gayzista, imoral e perversa em seus planos de descristianização da nossa cultura à semelhança do que ocorreu na Europa e ocorre hoje nos Estados Unidos.
Enfim, estes são os frutos que o Julio Severo vê da árvore calvinista. Estaria ele errado? Talvez estivesse errado se ele apresentasse suas acusações de maneira generalizada, mas, pelo contrário, ele chama seus denunciados pelo nome exatamente porque ele sabe que há exceções no calvinismo. Em outras palavras, o calvinismo não é isso que alguns calvinistas midiáticos (e casados com o liberalismo e o esquerdismo) tem apresentado à população brasileira. O problema é que esses que foram citados no artigo de Julio têm um poder enorme para moldar as mentes de tantos desavisados, pensa Julio.
Será que nós calvinistas não vamos parar de olhar para o nosso próprio umbigo e, pelo bem do Evangelho, nos perguntarmos por que pessoas como o Julio nos veem assim? Continuaremos fechados em nossos círculos de amigos no facebook, ou em nossas sociedades na blogosfera, sem nos esforçarmos em ensinar fora do nosso arraial? É esta a imagem que queremos fixar na mentalidade de nossa cultura: teólogos discutindo uns com os outros acerca dos temas eternos, protegidos de dentro de nossas torres de marfim, como senhoras degustando seu chá das cinco, enquanto, na verdade, aparentam aos outros apenas que fofocam frivolidades?
O calvinismo que muitos midiáticos têm apresentado ao Julio e a tantos outros é um calvinismo debochado, irônico, seco, desamoroso e, por muitas vezes, vaidoso demais com os que não participam de nossa panelinha intelectual.
Transformamos os outros em uma caricatura e os ridicularizamos e nem percebemos que, mais uma vez, estamos perdendo a chance de ensinar à cultura que nos cerca a razão de nossa fé. Mas, infelizmente, falta-nos o profundo desejo em ensinar, discutir, apresentar argumentos e se auto-criticar diante de irmãos que pensam diferentemente de nós e isso é um mal desse calvinismo que muitos têm apresentado na blogosfera (e fora dela também).
Ou será que o máximo que o calvinismo consegue produzir é a liberdade para escutarmos Renato Russo, Bob Marley e Iron Maiden? É isto o calvinismo? Seria isso o calvinismo de Abraham Kuyper? É esta a proposta da Reforma Calvinista? É isto que temos ouvido de Nancy Pearcey e tantas outras vozes que tem se esforçado em colocar o calvinismo para dialogar criticamente com a cultura na qual ele está inserido? Seria esse o Evangelho de Jesus Cristo? Precisamos ter a humildade de aproveitarmos a denúncia de Julio e nos olharmos neste espelho severo antes que seja tarde demais, porque os outros já estão ficando demasiadamente cansados de olharem para nós e ver as flagrantes contradições que temos com a teologia que nós mesmos pregamos.
Julio Severo ou Fábio Ribas? Não me identifico nem com o pentecostalismo de um e nem com aquele calvinismo do outro, mas acredito que devemos abrir diálogo para a construção de uma Igreja mais madura em terra brasileira. Deus tenha misericórdia de todos nós! 
Leitura recomendada:
Rede Globo e pastor presbiteriano atacam televangelistas

20 comentários :

Rev. Geremias Vale disse...

Caro Julio
O artigos de seu blog são muito pertinentes. e mesmo que em poucos aspectos discordemos que questões que não são fundamentais para a salvação, concordo com o que foi dito em partes. explico: A PCUSA vive uma crise moral a muitos anos, porém o liberalismo teológico abraçou muitas denominações cristãs como Luteranos, batistas, metodistas, anglicanos e etc... Os antigos liberais assim como os atuais juntamente com os marxistas que afirmam pertencer a uma ou outra denominação cristã, na verdade não são cristãs, cristão e marxista são coisas opostas irreconciliáveis. todos os pastores presbiterianos que são marxistas deveriam sair da IPB e congregar no PCdoB. Pois se alguém segue uma doutrina anti-cristã, que suprime as liberdades e ainda por cima, uma ideologia genocida e totalmente contra os valores da família e direitos humanos, ou tal pessoa é desinteligente ou doente.
Calvinismo é um sistema Bíblico de uma cosmovisão cristã, não pode ser julgado pelos erros de certas pessoas que tem com deus seu próprio ventre, execráveis em pensamento e ideologia que se escondem atras da teologia para ensinar suas próprias visões particulares deturpadas pelo pecado.
Sou Pastor Presbiteriano, faço mestrado no Mackenzie em Ciencias da Religião, sou contra o pensamento marxista, por acreditar que não se aplica nem a formigas, quanto mais à seres humanos, não creio que a esquerda possa acrescentar algo de bom e durável a humanidade. já debati e discuti com liberais, eles não creem na Bíblia, não creem em nada, e dou uma dica (veja quais foram as parcerias (editoras) para a tradução de textos de liberais para língua portuguesa e pense se não foi uma verdadeira operação "cavalo de troia".
abç

Dom Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Respondendo ao Reverendo Geremias Vale,

Sei que eu vou ser criticado por alguns leitores e comentaristas, porque eu vou colocar aqui um comentário que eu já postei em artigos anteriores. Mas, devido ao teor da sua opinião, sou obrigado a repetir o mesmo comentário (até porque tem tudo a ver com o que você colocou aqui, e também com o conteúdo deste artigo).

Eu diria que houve uma falta de vigilância do povo em geral contra a infiltração e a proliferação de idéias esquerdistas, marxistas, comunistas e socialistas na nossa política e no nosso sistema educacional. E, infelizmente, essas mesmas idéias também contaminaram as nossas igrejas e nossos seminários (por negligência dos servos de Deus).

Em virtude disso, o verdadeiro evangelho de Jesus vem sendo deturpado e distorcido por muitos pastores. Como prova disso, temos várias "teologias": Prosperidade, Missão Integral, Libertação (e outras semelhantes). Em outras palavras: são criados outros evangelhos (que são, na verdade, falsificações do verdadeiro evangelho de Jesus).

Só que o apóstolo Paulo, a respeito disso (dos falsos evangelhos e das falsas teologias), disse em alto e bom som:

"Mas ainda que nós mesmos ou até um anjo do Céu vos apresente um outro evangelho diferente daquele que eu vos tenho pregado, seja anátema. Assim como já vos disse antes, agora novamente vos digo: se alguém vos anunciar um outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema" (Gálatas 1:8–9)

Há muitos anos atrás (mais precisamente na década de 70), quando eu era um jovem recém–convertido (fui consagrado a obreiro alguns meses depois), eu lembro que, durante uma pregação na igreja onde eu congregava, o pastor disse (num tom profético): "Irmãos, vai chegar um tempo em que o evangelho do Senhor Jesus Cristo será desprezado. Muitos vão se deixar seduzir por idéias demoníacas, e vão inventar outras crenças (e outras teologias fora da Palavra de Deus). E, infelizmente, muitos dos servos de Deus serão influenciados por essas mesmas idéias (que também vão contaminar a igreja do Senhor). Não deixemos que nada isso venha a nos afastar da pureza da Palavra de Deus, e não abandonemos a verdade".

Num primeiro momento, achei que o pastor estava sendo pessimista demais. Ao final do culto, eu perguntei a ele: "Pastor, o senhor não está exagerando? Quem pode ir contra a verdade da Palavra de Deus?" E ele me respondeu: "Meu filho, a Palavra do Senhor tem que se cumprir. Vai acontecer muita coisa antes da volta de Jesus. E isso que eu falei é apenas uma de muitas delas. Tenha certeza disso, porque a Palavra do Senhor é verdadeira. Estive orando em casa e o próprio Senhor me revelou tudo isso".

Hoje, passados mais de 40 anos após eu ter ouvido a pregação desse mesmo pastor (que hoje descansa no Senhor), vejo tudo se cumprindo: escolas, pessoas, igrejas e seminários corrompidos por filosofias marxistas, socialistas, comunistas, esquerdistas, e outras filosofias anti–cristãs (sem contar outras teologias e outros evangelhos). E a tendência é tudo piorar cada vez mais!

O que o pastor falou naquela época (e que está acontecendo hoje) só faz confirmar as palavras do apóstolo Paulo:

"Mas o Espírito expressamente adverte que em tempos posteriores muitos apostatarão da fé, e darão ouvidos aos espíritos enganadores e às doutrinas de demônios" (1 Timóteo 4:1)

Alguém ainda duvida da veracidade da Palavra de Deus?

Rev. Ageu Magalhães disse...

Caro Julio,

Estas generalizações tendem a ser injustas. Boa parte dos nomes do artigo se refere a não calvinistas. Caio Fábio não é calvinista. Basta acessar o vídeo em que ele afirma que a Bíblia não é inerrante. Saiu da IPB há um bom tempo e criou sua denominação. Rubem Alves não é calvinista e, eu diria, nem crente é. Basta ler os artigos que ele escreve sobre religião. Saiu da IPB já décadas e nem vai mais a igreja alguma. Dizer que o Liberalismo nasceu dentro do Calvinismo é equivalente a dizer que o Marxismo nasceu do Capitalismo - são movimentos antagônicos. Um liberal não pode se declarar calvinista e o contrário é verdadeiro. Os pressupostos são totalmente diferentes.

Dizer que o calvinismo tem uma vertente esquerdista, marxista, é outro erro grosseiro de análise. Se vocês querem fazer um julgamento a partir das figuras que aparecem na internet, ok. É isso o que vocês vão concluir mesmo. Mas eu asseguro que aqueles que estão causando escândalo na internet, defendendo seus "ismos", não são calvinistas. São uma vergonha, na verdade.

Se alguém pretende fazer um julgamento justo, desligue o computador e visite algumas igrejas presbiterianas. Converse com seus pastores. Não pastores midiáticos, mas pastores que estão cuidando do rebanho. Aí sim será um julgamento justo.

Para terminar, temos culpa sim por omissão. Muitos destes pseudos calvinistas que nos envergonham deveriam estar sendo denunciados em seus concílios pelos erros e baixo testemunho que têm dado. Nossa culpa, nossa máxima culpa. Todavia, quem não tem omissões atire a primeira pedra. Seria injusto, caro Julio, se eu lhe acusasse de nada fazer quanto ao avanço da Teologia da Prosperidade no país e o enriquecimento de alguns pastores. O que você tem feito quanto a isso?

Não quero julgar ninguém, mas acho que a carga que tem sido voltada para os calvinistas, por causa dos pseudo-calvinistas (marxistas) tem sido bem injusta.

Um abraço.
Ageu Magalhães - pastor presbiteriano.

Tiago A. Silva disse...

Muito lúcido o comentário. Realmente podemos não concordar em critérios doutrinários secundário, tais como o Pentecostalismo, porém justiça seja feita: defender um estilo de vida mundano somente porque se tem uma boa "teologia sistemática" é ao meu ver um exagero e afrouxamento do padrão bíblico concernente a santidade bíblica. Continue lutando contra a imoralida Júlio Severo, neste campo estou contigo !

Tiago Silva - Cambuí - MG

o observador disse...

Um ótimo livro para se conhecer melhor o liberalismo é Cristianismo e Liberalismo de John Gresham Machen, é um testemunho de primeira mão sobre a praga do liberalismo na igreja presbiteriana americana e no site espada do espirito os artigos sobre pragmatismo na igreja.

Trindade disse...

Olá Júlio;
Vejo por alguns comentários que tem gente coerente entre os Calvinistas e gente de poder, pois são Pastores e estudiosos, mas gostaria de dizer que sobre os tais cristãos progressistas pesa algo muito ruim e satânico, pois eles conhecem a Palavra de Deus e optaram por confrontar métodos de evangelização dos pentecostais, sendo que tais métodos tem falhas, mas dão resultados e deflagraram assim uma verdadeira divisão, digo divisão porque apresentam só críticas sem apresentar soluções sobre como evangelizar o povo brasileiro, portanto eu proponho a esses lideres Calvinistas que aqui opinam que tomem medidas de separar os progressistas e coloca-los no devido lugar, ou seja, eles optaram pelo caminho do confronto com os Cristãos pentecostais que propõem a pregar o evangelho e passaram assim a serem inimigos dos que anunciam as Boas Novas, portanto passaram para o lado do inimigo do Reino de Deus, então ou os Calvinistas sérios e tementes à Deus se posicionam ou estão aliados a eles, simples assim; Em situação parecida estão os católicos, pois a CNBB é dividida entre Bispos Católicos honestos e praticantes (maioria), mas uma minoria de comunistas barulhentos falam por todos, digo por todos, porque só quem sabe o que ocorre realmente lá dentro e é uma minoria da população que sabe que os comunistas da CNBB não representa as idéias da Igreja Católica Romana, mas essa minoria é na verdade, apesar de não ser, os representantes das idéias da ICR; Portanto acredito que se a direção das Igrejas Calvinistas permanecerem nesse silencio cúmplice estarão fortalecendo esses grupelhos de falsos cristãos, ou de comunistas infiltrados, e portanto assumindo essa teologia das trevas.
Com relação à infiltração do comunismo dentro do cristianismo no Brasil se deu pelos Seminários e como os pentecostais são compostos em sua maioria de Pastores leigo a infiltração foi menor e portanto Deus usou-os mais e o resultado é visto a olho nu, pois os pentecostais crescem em números alarmantes enquanto os tradicionais menos.
Mais uma vez eu digo os métodos de evangelização dos pentecostais não é perfeito e a crítica é bem vinda, mas nunca se esqueçam, a crítica sem apresentar uma outra opção é inócua e não passa de demonstração de inveja e incompetência com fazem os progressistas do Genizah por exemplo.

Rev. Geremias Vale disse...

Boa Tarde!
Caríssimos!
Em referencia ao que o Rev. Ageu Magalhães disse sobre as generalizações, digo a ele que suas palavras são irretocáveis,e que também poderia fazer as mesmas generalizações, como fez o Dom Rafael, acima, conheço muitos crentes pentecostais que são uma vergonha para o Evangelho: mal pagadores; hereges; fornicadores e etc. concluiria que são todos assim? claro que não. mas foi o que ele fez, mas ao que parece, a coerência não pesa do do outro lado da balança, pois falam apenas por conhecerem "alguns" líderes midiáticos, e nem sequer frequentam IPB para ver se é assim, caso alguém queira conhecer uma que esta em um campo de implantação, entre em contato comigo e venha conhecer a realidade de um campo missionário nacional. quanto a questão do livre arbítrio, o texto nem se quer se propõe a isso, mas já antecipo que este tal de livre arbítrio é na verdade um "conto do vigário". se eu então fosse julgar todos os pentecostais como sou julgado por eles, qual padrão usaria? o presidente da conamade? O silas malafaia?O Valdomiro? o Jymmi Swagaart e tantos outros.
Senhores, não esqueçam que os primeiros mártires em solo brasileiro são calvinistas, muitas igrejas Presbiterianas foram queimadas, temos mártires em nosso arraial pelo amor do evangelho em solo Brasileiro, o próprio ataque ao liberalismo em primeira instancia veio de nossos arsenais, não julgue uma boa teologia por causa de um mau cristão ou de um que se diz cristão sendo na verdade inimigo da cruz de Cristo, Joio há em todas as denominações. ignorantes e sectários acham que são donos da verdade e isentos de criticas. algumas das criticas levantadas por alguns comentadores aqui, são do mesmo calibre das criticas católicas medievais contra os reformadores, baseadas em: "acho" "alguém viu" "mortos espirituais" etc. etc. etc....Quanto ao Mais aceito criticas. e vejam o que escrevo no blog para o qual escrevo "calvinismo hoje"
http://alegrem-se.blogspot.com.br/2013/01/o-repouso-para-o-povo-de-deus.html

sumariando é isso! não sou contra pentecostais, pois os meus avós foram membros fundadores de uma AD no RGS, meus pais e meus sogros pertencem a igrejas pentecostais, porém generalizações baseadas em falta de conhecimento bíblico - teológico e histórico são difíceis de entender. tenho vários artigos escritos sobre os mais diversos assuntos aqui discutidos e levantados por mim e defendidos pelos cristãos de modo em geral, entre no blog e deixe seu parecer abç

Dom Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
disse...

Concordo com rev. Geremias Vale.
Mas, dentro da PCUSA ainda há igrejas realmente reformadas que não se conformam com os rumos da denominação.
Quanto a "calvinistas liberais" bom, só defino "calvinistas" sendo de uma igreja que vem da Reforma protestante. Até porque veja bem, a PCUSA, igreja presbiteriana dos EUA, ordena homossexuais ao ministério, e aceita casamento gay, e eles se consideram calvinista. Mas o que resta de Calvino ali? Nada.
Portanto, para os verdadeiros calvinsitas como o (Wanderley Dantas) que escreveu este artigo que se julga um calvinista de 7 pontos, rsrssr um calvinista de carteirinha, o liberalismo teologico nem considerado é como cristianismo,e ele sabe bem disso. Calvinistas que se preze não são a favor do marxismo e muito menos do liberalismo. Saíram coisas ruins do pentecostalismo e de nossas fileiras(calvinismo) não foi diferente, como também do próprio Cristianismo que saiu o gnosticismo. Como costumo dizer, há calvinsitas e calvinistas, como ha pentecostais e pentecostais. Paz!!

Rev. Geremias Vale disse...

Caro Dom Rafael
são tantas coisas desencontradas que afirmas que fica difícil encontrar o fio da meada, mas tentemos. Em Primeiro lugar você não entende do que fala. O que é crer Biblicamente? você nada afirma e diz ser bíblico! você acusa com ferocidade Cerberana e ainda fala em Biblicamente? Ninguém tocou no assunto dos dons! acho que você não leu nada! assim como nem mesmo percebe sua época. o Livre arbítrio - é uma invenção de um sectário chamado Pelágio, ainda, esta teoria foi defendida pelo Humanista Catolico Herasmo de Roterdã contra Lutero. Caro amigo, você já ouviu falar dos Puritanos? sabe por que e por quem foram chamados assim? conhece algo de Spurgeon? John Sttot? já ouviu falar do avivamento americano e inglês? a grande maioria desses avivamentos se iniciaram e continuou entre os calvinistas (Cf Pecadores nas mãos de um Deus Irado), o universalismo só pode se criar em solo arminiano, pelagiano e semi-pelagiano, aqueles que creem na Bíblia avançam e não desistem pois sabe que Deus olha por seus escolhidos. Caro amigo, não confunda alhos com bugalhos. e reafirmo, no blog calvinismo hoje tem dois artigos que argumento sobre o livre arbítrio e a predestinação veja lá. abç
ah ia esquecendo! Todos os Universalistas e liberais tambem odeia a doutrina Calvinista, pois ela não dá espaço para o ego humano e exalta Deus. reafirmo os liberais creem na teoria do livre arbítrio, isto te diz algo?

Julio Severo disse...

Oi, Rev. Geremais! Anos atrás, li o livro “Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado” e gostei. Acho que o calvinismo sério pode trazer muitas contribuições para a igreja.

Veja que o PRIMEIRO livro de homeschooling (educação escolar em casa) no Brasil é de uma americana que se converteu do feminismo e hoje é presbiteriana ortodoxa.

O livro dela foi uma grande bênção para mim e minha esposa. A autora é uma presbiteriana muito conservadora e sua casa não tem televisão.

Sou o tradutor do livro dela para o português. Procurei todas as grandes editoras para públicá-lo vinte anos atrás, e nenhuma quis aceitá-lo, por considerar seu conteúdo como “radical”.

A maior editora presbiteriana do Brasil, pertencente à IPB, disse que o livro está fora da realidade.

Eu não vi assim. Tanto que lutei muito para publicá-lo no Brasil. Acabei encontrando uma pequena editora menonita que se identificou e publicou. Veja aqui o livro:

De Volta Ao Lar

Ninguém, seja pentecostal ou tradicional, pode viver do passado, de tradição, pois assim faziam os fariseus. Temos de viver em novidade de vida.

Acho que os homens que têm muita teologia precisam se abrir para Deus.

Anos atrás, recebi em minha casa uma carta vinda do diretor de um seminário teológico de outro estado do Brasil. Mas a carta não estava dirigida a mim. Estava dirigida ao diretor de um seminário teológico na cidade em que eu estava. Esse seminário ficava a quilômetros de onde eu estava.

Depois que o carteiro me entregou a carta, eu pensei em ir aos Correios e dizer que haviam entregue a carta na casa errada. Mas antes fui conversar com Deus, que me disse que era para eu entregar a carta diretamente ao diretor do seminário e lhe falar do Espírito Santo.

Quando cheguei ao seminário, fui recebido pelo diretor, que ficou de queixo caído de ver a situação da carta. Deixei claro que eu estava ali para falar-lhe sobre batismo no Espírito Santo. Ele me levou à sala da diretoria, abriu seus livros de teologia sobre batismo no Espírito Santo, e eu abri apenas a Bíblia, explicando exatamente conforme a orientação que recebi: dizer a ele a maravilhosa obra que o Espírito Santo faz na vida das pessoas.

Não sou pentecostal. Mas quando Deus me toca para falar, eu falo.

Não sou contra teologia, mas me entristece ver que homens que mergulham na teologia muitas vezes resistem mais a Deus. Já tive oportunidade de estudar num seminário teológico nos EUA, a convite de um capelão da Força Aérea dos EUA, mas o Espírito me disse “não”. Ele me orientou a me formar na Palavra dEle.

Não sei muito de teologia. Mas conheço a Palavra de Deus. Por amor a essa Palavra, amo tudo o que vem de Deus, inclusive o livro De Volta Ao Lar, que está hoje, pela graça de Deus, disponível para o público do Brasil.

Dom Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dom Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Emiliano Neto disse...

A Teologia Reformada (presbiterianismo e calvinismo) eu ainda acho que é a melhor interpretação a respeito do Livro. Sou da opinião de que se hoje nossos frutos são podres em muitos lugares é por historicamente o Protestantismo se acumpliciar com a Modernidade para desprezar a estável Igreja de Roma. Também outra causa é a infiltração de ventos de doutrina como o Liberalismo Teológico que é nada menos que um fruto da Modernidade que se abatem contra nossas denominações reformadas onde há sempre aquele pequeno rebanho fiel à soberania do SENHOR gracioso que tanto e tão bem os calvinistas defendem. A verdadeira Teologia Reformada descarta o fanatismo propalado por na verdade humanistas arminianos ingênuos ou de má-fe que ao lado do populacho de baixa renda, estão unidos na busca por poder temporal, espirituais e dinheiro.

Da parte dos ingênuos por poderes espirituais anacrônicos aos berros e não poucas vezes acintosamente sob surtos psíquicos. Os de má-fé ricos e pobres pentecostais, esses se endinheirados só buscam por mando; já os pobres por poder de compra (a teologia da prosperidade nasceu em berço pentecostal, é favor não esquecer) para satisfazerem seus egos por mais poder de consumo, de vez que querem poder tirar pressurosamente suas barriguinhas da miséria financeira.

Ecclesia reformata et semper reformanda est!


JOÃO EMILIANO MARTINS NETO

Dom Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rev. Geremias Vale disse...

Boa tarde!
caro "Dom Rafael" se é esse mesmo seu nome. em primeiro lugar seu jeito iracundo de escrever lembra-me muito o jeito com que os islâmicos discutem, muita verbosidade, pouco conteúdo, nenhuma lógica, nada de Bíblia e etc...
Gostaria de esclarecer que:
1. Todo aquele que discursa ou escreve ou interpreta algum texto da Escritura é um Teólogo, pois a teologia é um discurso acerca de Deus, porém há teólogos bíblicos, maus teólogos e teólogos anti-bíblicos. se você não gosta de Teologia amigo, garanto que nem mesmo a Bíblia deve ler.
2. não gosto de entrar em discussão sobre temas referentes a predestinação ou livre-arbítrio, mas lhe recomendo que leia a Bíblia. claro, se tiver uma em casa. pode começar lendo Ef 1.1-10; Rm 8; Rm 9. outra coisa; encontre a palavra livre arbítrio na bíblia! predestinação está lá. se tiver dicionário veja o que significa a palavra e se não for cansar por tanta leitura vá ler uma concordância bíblica e um dicionário Bíblico.
amigo leitura é sempre bom para que você não seja desmentido a público, os puritanos e os calvinistas foram a maior força intelectual no ocidente pós-reforma, grandes universidades foram fundadas por eles, e entre os puritanos e reformados há grandes cientistas que estão engajados na luta pela vida humana (contra o aborto) a favor do casamento heterossexual e em defesa da família a bagunça teológica começa quando entre uma fase em que Charles Finey aparece no senário cristão ensinando a ciencia de um avivamento, a partir dali, foi escala descendente, uns dizem que precisam de revelações mais a Bíblia, outros dizem que precisam da razão e um pouco da bíblia, eu prefiro a Bíblia e a lógica bíblica. finalizo aqui enfatizando que não responderei mais a você. abraço

Dom Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dom Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dom Rafael disse...

Me perdoem. Eu fui arrogante, presunçoso, estúpido e grosseiro. Me perdoem por eu ter julgado e condenado as pessoas daqui e outras superficialmente:

Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça.
João 7:24

Eu deveria, tão-somente, debater aqui as opiniões, não atacar as pessoas e, pricipalmente, a fé delas e o seu caráter. Eu preciso muito de humildade, masidão, amor, paciência e domínio próprio - e também sabedodia - tanto para conversar com as pessoas, irmãos, quanto expor o Evangelho, debater questões bíblicas, políticas, ideológicas et cetera.

A resposta calma desvia a fúria, mas a palavra ríspida desperta a ira.
Provérbios 15:1

Deus abençoe a todos e me perdoem por deixar algumas pessoas daqui falando sozinhas! rsrs. Foi mal, pessoal!

Shalom ve-Chachmah