19 de janeiro de 2013

Homossexuais Franceses Participam de Manifestação contra Casamento Gay


Homossexuais Franceses Participam de Manifestação contra Casamento Gay

Wendy Wright
NOVA IORQUE, EUA, 17 de janeiro (C-FAM) Talvez um milhão de pessoas tenham marchado em Paris no domingo passado e nas embaixadas francesas no mundo inteiro contra um projeto de lei que pretende legalizar o casamento de mesmo sexo na França. Uma das surpresas na campanha francesa para defender o casamento tradicional é que os homossexuais se uniram aos líderes e ativistas pró-família na campanha.
Crianças francesas protestam contra “casamento” gay
“Os direitos das crianças são mais importantes do que o direito de ter acesso às crianças”, foi a frase popular de manifestantes como Jean Marc, um prefeito francês que também é homossexual.
Muito embora a França seja conhecida por sua atitude liberal para com o sexo, líderes pró-família rapidamente organizaram uma imensa multidão. Quando o presidente Hollande anunciou suas intenções de legalizar o casamento homossexual em novembro passado, uma manifestação contra o projeto de lei reuniu 100.000 manifestantes. E quando o que começou como um debate sobre direitos homossexuais mudou para um debate sobre o direito das crianças a uma mãe e um pai, o número de pessoas na oposição explodiu e incluiu aliados improváveis.
Xavier Bongibault, um homossexual ateu, é um porta-voz proeminente contra o projeto de lei. “Na França, o casamento não tem a intenção de proteger o amor entre duas pessoas. O casamento francês tem a intenção específica de dar famílias às crianças”, ele disse numa entrevista. “O estudo mais sério feito até agora… demonstra bem claramente que uma criança passa por problemas quando é criada por uma dupla homossexual”.
Jean Marc, que viveu com um homem durante 20 anos, insiste: “O movimento LGBT que manifesta suas opiniões nos meios de comunicações… As opiniões deles não são minhas opiniões. Como sociedade, não deveríamos estar incentivando isso. Não é biologicamente natural”.
Indignado com o projeto de lei, Jean-Dominique Bunel, um homem de 66 anos de idade que é especialista em direito humanitário e que tem feito trabalho humanitário em regiões devastadas pela guerra, disse ao jornal Le Figaro que ele “foi criado por duas mulheres” e que ele “sofria com a falta de um pai, com a falta de uma presença diária de pai, uma figura e exemplo adequadamente masculinos, algum contrapeso ao relacionamento de minha mãe com a amante dela. Tive consciência disso muito cedo na minha infância. Vivi essa ausência de um pai, experimentei-a, como uma amputação”.
“Logo que fiquei sabendo que o governo ia oficializar o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo, fui atirado a um estado de confusão”, explicou ele. Seria “institucionalizar uma situação que havia deixado consideráveis cicatrizes em mim. De forma alguma posso permitir essa injustiça”. Se as mulheres que o criaram tivessem casado, “eu teria pulado na briga e teria entrado com uma queixa diante do Estado francês e diante do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, pela violação do meu direito a uma mãe e a um pai”.
Uma coalizão pró-família que inclui homossexuais é certamente diferente das coalizões nos Estados Unidos e provavelmente da maioria dos lugares do mundo. Não se sabe a razão por que pelo menos alguns homossexuais franceses não só favoreceriam o casamento entre homem e mulher, mas também fariam campanhas contra o casamento homossexual. Pode ser a experiência da França, que tem permitido uniões civis, para todos os casais e duplas, por mais de uma década. Qualquer que seja a razão, essa coalizão potente pode deter o casamento homossexual na França.
A Assembleia Nacional da França começará a considerar o projeto de lei em 29 de janeiro.
Tradução: www.juliosevero.com
Fonte: Friday Fax
Leitura recomendada:
Apesar de protestos em massa contra “casamento” gay, governo socialista da França diz que não vai ceder

3 comentários :

Trindade disse...

Olá Júlio;
Esse tópico é pouco explorado pelos movimentos conservadores e psicólogos cristãos, pois a lógica biológica diz que TODA criança prefere pai e mãe e nunca dois pais ou duas mães.
Eu sugeriria um estudo sério e fundamentado nesse sentido, pois o deputado Jean Wyllys desafiou o Pr. Silas e a Psicóloga cristã Marisa Lobo sobre a falta de trabalhos científicos publicados, pois acredito ser um estudo fácil, pois aprendi que a natureza segue seu curso e nunca falha e que essa é uma premissa Divina.
Outra coisa fácil de desmascarar também é confrontar os movimentos homossexuais, pois nas democracias ocidentais eles são apoiados sempre pela esquerda, mas onde o regime de esquerda está implantado eles não tem espaço e ficam na clandestinidade, por exemplo, confrontar o deputado Jean Wyllys e as associações ABLGBTSWQAUYTNLÇ porque Cuba, China ou a Coréia do Norte não são modelos para o movimento deles, pelo contrário lá eles são tratado a pontapés, demonstrando assim que nas democracias os movimentos homossexuais e os ativistas gays são é massa de manobra da esquerda para depois de assumir o poder os silenciar à força, porque se assim não fosse Cuba, China ou a Coréia do Norte seriam os paraísos prediletos para os homossexuais.
São questões pouco exploradas pelos conservadores, cristãos e por homens e mulheres de bom senso no ocidente.

Heresias disse...

Peior que eh mesmo, os ativistas homosexuais quando pensam em adocao de criancas, nao pensam nas criancas, mas sim em seus caprichos.
Vale notar que em anos passados a psicologia sempre disse que era saudavel para uma crianca ter o papel do pai e da mae como exemplos de masculininadade ou feminilidade, essa historia ACABOU, para nao atrapalhar os ativistas gays os psicologos nao falam e nem escrevem mais sobre isso, isso foi esquecido, pois temos que ser sinceros, muitas vezes dois homens homosexuais tem caracteristicas femininas(trejeitos), uma aberracao clara, pois um ser biologicamente masculino se comportando como se fosse um ser biologicamente feminino salta aos olhos que alguma coisa nao esta normal.

Ser criado por homosexuais nao vai transformar a crianca em homosexual, mas vai trazer danos psicologico para ele no futuro e problemas no presente.

Adocao eh para bem da crianca e nao para o bem dos pais adotivos.

Leila disse...

Creio que os homossexuais que se manifestam contrários ao chamado "casamento" gay já perceberam que não é, nem pode ser, nem nunca será casamento a união de dois indivíduos de mesmo sexo.