31 de dezembro de 2012

“Sou o diabo”: ex-colega de classe revela que assassino de escola tinha uma página online de adoração ao diabo


“Sou o diabo”: ex-colega de classe revela que assassino de escola tinha uma página online de adoração ao diabo

O assassino da Escola Primária Sandy Hook adorava o diabo e tinha uma página online dedicada a Satanás, revelou um ex-colega de classe.
Adam Lanza: satanista assassino
A página de adoração satânica de Adam Lanza tinha a palavra “Diabo” escrita em vermelho, em letras de estilo gótico num fundo negro, Trevor L. Todd disse ao jornal The National Enquirer, algo que ele disse era “esquisito” e “lhe dava calafrios”.
O FBI está tentando consertar seu disco rígido esmagado para ver se seu rastro online revelará algum motivo para a matança, mas a agência da polícia federal americana crê fortemente que ele usava sites de suicídio e adoração ao diabo e se gabava de seus planos de assassinato em fóruns de mensagens.
Leitura recomendada:

30 de dezembro de 2012

Usando crianças como armas


Usando crianças como armas

Nonie Darwish
Se isto não for abuso dos direitos humanos, então o que é?
No Oriente Médio, crianças estão sendo usadas, pelos adultos que deveriam tomar conta delas, para se tornarem armas jihadistas para conquistar o mundo — às vezes com bombas presas aos seus corpos para matarem seus supostos inimigos. As crianças recebem treinamento com armas para aprenderem a matar judeus, e lhes é dito que morrer por amor à jihad (guerra santa) é a mais alta honra e a única garantia de irem para o céu. Se estas coisas não forem abusos dos direitos humanos das crianças, o que é? Na escola de ensino fundamental que freqüentei em Gaza, a agenda político e cultural do mundo árabe era enfiada por nossa garganta abaixo em efetivamente todos os assuntos.
Hoje, as crianças ocidentais também estão sofrendo com as agendas dos adultos que lhes são enfiadas goela abaixo: a agenda ambiental, a agenda feminista, a agenda gay, a agenda islamista, a agenda da “inveja de classes”, a agenda da “divisão racial”, a agenda dos direitos dos animais, ad infinitum. O que as pessoas do Ocidente não conseguem ver é que também estão usando as crianças como armas: como instrumentos para provocar mudanças sociais, culturais e políticas, geralmente para destruir o sistema ocidental tal como o conhecemos, e substituí-lo por um novo mundo que a cultura popular e muitos parecem estar tão desesperados para alcançar.
Experimentos com a criação de crianças não acontecem apenas em países ignorantes do Terceiro Mundo, onde as pessoas não sabem de nada melhor. Minha filha voltou para casa, vindo da sua escola de ensino médio, e perguntou sobre qual tópico deveria escrever um ensaio que tinha recebido como tarefa. Os temas eram: suicídio, assassinato em massa, sofrer bullying ou opressão por ser gay ou por pertencer a uma determinada raça ou nacionalidade. Quando sugeri “nenhum”, a resposta dela foi que essa lista havia sido dada pela professora.
É dito aos meninos que o aquilo que antes era considerado brincadeira normal de meninos, desafios e lutas, tornou-se crime, bullying. As meninas são incentivadas a se considerarem como vítimas dos homens e do casamento, e a se sentirem magoadas com isso.
As divisões políticas e sociais estão penetrando em nossas escolas e colocando terrível pressão sobre nossos filhos. Nos divórcios, o pai está vendo seus filhos serem levados para longe dele enquanto é dito à mãe que ela pode fazer tudo por si só, sem um pai. Nas divisões políticas e culturais, os adultos também estão agindo de maneira hostil, como pais divorciados, que dilaceram seus filhos durante as batalhas pela custódia. Como acontece no Oriente Médio, onde as crianças são feridas não-intencionalmente pela experimentação política, social e psicológica, nós também estamos usurpando a inocência delas.
Adam Lanza (que matou 26 pessoas, dentre as quais 20 crianças, na escola Sandy Hook, em Newtown/EUA), mentalmente insano ou não, poderia não ter acabado como aconteceu. Faltava-lhe respeito à autoridade enquanto vivia no isolamento de uma casa grande com uma mãe desesperada para agradá-lo, levando-o para aulas de tiro, comprando-lhe armas de ataque, revólveres e munição, apesar de saber que seu filho não estava bem. A cultura popular falou a essa mãe que ela poderia substituir o pai na vida de seu filho, e que o filho não sentiria nenhuma diferença se as atividades paternas fossem realizadas pelo pai ou por ela. Essa pobre mãe disse aos seus amigos que estava tentando criar um vínculo com seu filho de vinte anos — infelizmente, o que ela não sabia era que essa é uma idade em que os jovens odeiam ser vistos com suas mães.
A cultura ocidental tem ferido mulheres, crianças e a estrutura familiar, dizendo às mulheres que elas conseguem fazer tudo, falando aos homens que eles são descartáveis, e informando às garotas que a maternidade e o casamento são desnecessários.
Num quadro maior da situação, a epidemia americana de tiroteios e assassinatos em massa por jovens poderia ser um grito de ajuda de várias gerações de crianças que sofreram por décadas de experimentação e doutrinamento nas escolas públicas. Também poderia ser um grito de ajuda de mães sem marido, que são informadas que podem exercer tanto o papel do homem quanto da mulher na família, inclusive a difícil tarefa de criar seus filhos (os meninos) sozinhas, até à idade adulta. As mulheres precisam de um descanso e os filhos precisam de pais tanto quanto precisam de mães. Eles também precisam dos relacionamentos familiares extensivos: a avó carinhosa, o tio e a tia engraçados, os primos. Já é hora de terminar com essa pressão de justiça própria sobre nossas crianças para mudar o mundo. (Nonie Darwish -- adaptado de www.gatestoneinstitute.orgwww.Chamada.com.br)
Nonie Darwish é autora de The Devil We Don't Know [O Diabo Que Não Conhecemos] e presidente da www.FormerMuslimsUnited.org.
Publicado na revista Chamadawww.Chamada.com.br
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

29 de dezembro de 2012

Os Cinco Melhores Momentos da Causa da Vida e Família na ONU em 2012 na Ótica do C-FAM


Os Cinco Melhores Momentos da Causa da Vida e Família na ONU em 2012 na Ótica do C-FAM

Dr. Stefano Gennarini
NOVA IORQUE, EUA, 27 de dezembro (C-FAM) A ONU não é um lugar que você espera a valorização da vida e dignidade humana, ou da família natural. Mas em raras ocasiões a vida e a família são defendidas na ONU. Abaixo estão cinco desses exemplos do ano passado.
Louvada como a mais importante conferência da ONU pelo secretário-geral Ban Ki-moon, a muito esperada Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável comprovou ser um desapontamento amargo para os ambientalistas que estavam longe de ficarem calmos com o fato de que a contínua dependência do mundo em combustíveis fosseis é mais forte do que a agenda verde. Os ambientalistas não foram os únicos desapontados. Os promotores do aborto e grupos de controle populacional ficaram fumegando depois que os países membros da ONU rejeitaram, no documento final da conferência, linguagem ligando saúde sexual e reprodutiva ao controle populacional, e o termo polêmico “direitos reprodutivos” por causa de sua ligação íntima com o aborto legal. O C-FAM fez trabalho de lobby nas delegações da ONU durante o ano inteiro e estava no Brasil durante a conferência expondo as mentiras do movimento de controle populacional.
Apesar da continua resistência das nações europeias e dos Estados Unidos, bem como de protestos insistentes de grupos homossexuais, os russos lideraram uma ampla coalizão de países membros da ONU para aprovar uma resolução do Conselho de Direitos Humanos que afirma as ligações positivas entre valores morais tradicionais e direitos humanos. A resolução ecoa a Declaração Universal de Direitos Humanos ao reconhecer a “inerente dignidade e valor” de todos os seres humanos. A terceira de seu tipo desde 2009, a resolução está para se tornar uma característica permanente do diálogo de direitos humanos na ONU. Os defensores da vida e família esperam que será um meio para as nações defenderem o papel positivo da família na sociedade, bem como reconhecer o direito à vida das crianças no útero.
Em dezembro, o Senado dos EUA recusou ratificar um polêmico tratado da ONU que não fornece garantias adequadas para a soberania dos EUA, direitos dos pais, bem como o direito à vida dos bebês em gestação. O senado rejeitou o tratado muito embora seus defensores, entre os quais estavam vários grupos de deficientes, tivessem sido enganados e levados a crer que enquanto que o tratado seria obrigatório nas outras nações não traria restrições para os cidadãos americanos e seus legisladores. Depois dos pedidos de informações sobre o tratado de deficiências, o C-FAM aconselhou os senadores que o curso de ação mais prudente seria resistir à ratificação do tratado.
Nos últimos vinte anos os órgãos de tratado da ONU vêm conduzindo, sem nenhuma supervisão, seu negócio de analisar a obediência aos tratados de direitos humanos da ONU. Essa independência tem sido usada como uma licença para promover agendas sociais polêmicas que incluem o aborto e direitos homossexuais, levando a temores de que os órgãos de tratados foram capturados por grupos de interesses especiais e não são mais independentes. Os países membros da ONU decidiram que já basta e lançaram um processo de reformas por meio da Assembleia Geral da ONU. O C-FAM acolheu essa nova iniciativa e está apoiando o processo intergovernamental, chamando a atenção dos países membros da ONU para o mandato limitado dos órgãos de tratados.
5. Assembleia Geral da ONU Rejeita Tentativa das Nações Europeias de Redefinir a Família
Resoluções da ONU raramente mencionam a família, ainda que a Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU reconheça a família como a unidade natural e fundamental da sociedade. A razão disso é que as nações europeias e os Estados Unidos temem que reconhecer a importância da família natural mine os clamores dos grupos homossexuais que pedem uniões e “casamento” de mesmo sexo. Durante a 67ª sessão plenária da Assembleia Geral que terminou recentemente, a União Europeia tentou inserir uma menção de que “existem várias formas de família” numa resolução sobre os preparativos do aniversário em 2014 do Ano da Família da ONU. O G77, o maior bloco votante na ONU, derrubou a proposta apesar de repetidos protestos da União Europeia.
Tradução: www.juliosevero.com
Fonte: C-FAM
Leitura recomendada:

28 de dezembro de 2012

Apresentador da CNN Piers Morgan diz que Bíblia é “falha” e precisa de emenda para incluir “casamento” gay


Apresentador da CNN Piers Morgan diz que Bíblia é “falha” e precisa de emenda para incluir “casamento” gay

Piers Morgan, apresentador da CNN, disse que acredita que a Bíblia e a Constituição dos EUA têm “falhas inerentes” e que a Bíblia precisa de uma emenda para mudar a postura dela sobre “casamento” homossexual.
Piers Morgan e Rick Warren
As declarações ousadas ocorreram dias depois que o jornalista britânico dividiu os EUA com sua postura estrita defendendo leis de desarmamento da população depois do massacre de Sandy Hook, estimulando até petições online para deportá-lo.
Enquanto estava entrevistando o Pr. Rick Warren em seu programa de TV, ele disse: “A Bíblia e a Constituição tinham boas intenções, mas têm falhas fundamentais e inerentes. Daí, a necessidade de introduzir uma emenda na Bíblia”.
Warren, que é contra o “casamento” homossexual, respondeu: “Sem chance. O que acredito que é falho são as opiniões humanas, pois mudam constantemente”.
“Mas você e eu sabemos que a Bíblia é, em muitas partes, um documento com falhas”, continuou Morgan. “O que quero lhe dizer sobre direitos gays, por exemplo, é: É hora de introduzir uma emenda na Bíblia. Temos de escrever uma nova Bíblia”.
Quando Warren respondeu que acredita que a Bíblia revela a verdade — e que a verdade nunca está fora de moda —, Morgan disse com sarcasmo: “Vamos concordar em discordar nesse ponto”.
Os comentários dele provocaram indignação entre conservadores, inclusive Paul Kengor, o diretor-executivo do Centro para Visão e Valores na Faculdade Grove City.
“É impressionante observar esquerdistas seculares como Piers Morgan assumirem para si a autoridade extraordinária de adivinhar o que é verdade ou não na Bíblia, as falhas que a Bíblia tem ou não e onde certas ‘emendas’ precisam supostamente ser introduzidas”, ele disse para a Fox News.
Essa opinião direta de Morgan é a mais recente a receber os holofotes depois que ele ofendeu milhares de americanos quando fez comentários contra o uso de armas para defesa.
Depois do massacre de Sandy Hook, ele exigiu leis mais rígidas nos EUA para desarmar as pessoas e na semana passada, no programa de TV Piers Morgan Tonight, ele entrevistou um defensor de armas para defesa e o chamou de um “homem incrivelmente estúpido”.
Em 21 de dezembro, um homem no Texas lançou uma petição no site de petições eletrônicas da Casa Branca exigindo que Morgan seja deportado imediatamente por “tirar vantagem de sua posição como apresentador de uma rede nacional de televisão para lançar ataques aos direitos dos cidadãos americanos”.
A petição acusa Morgan de se envolver num “ataque hostil à Constituição dos EUA” ao mirar a Segunda Emenda — que garante o direito de todos os cidadãos portarem armas.
A petição já coletou mais de 84.000 assinaturas — ultrapassando de longe o limite mínimo de 25.000 assinaturas que se exige para se obter uma resposta da Casa Branca.
Mas Morgan parece não ter ficado abalado com a campanha para expulsá-lo dos EUA.
Numa série de mensagens de Twitter, ele incentivou seus seguidores a assinar a petição e em resposta a um artigo sobre a petição ele chegou a dizer: “Apresentem-na”.
Ele escreveu: “Se chegarem a me deportar dos EUA por querer menos assassinatos com armas, há algum outro país que me receberá?”
Mas uma segunda petição no mesmo site agora insiste em que ele tem de permanecer nos EUA, não só porque ele tem um direito constitucional à liberdade de expressão, mas também — e “o mais importante” — porque “ninguém na Inglaterra o quer de volta”.
Centenas já assinaram a petição “Mantenham Piers Morgan nos EUA” depois que foi proposta por Janusz Jasinski, um web designer da cidade de Birmingham.
Para humilhar ainda mais o ex-editor de jornal inglês, uma terceira petição está pedindo que Theresa May, a ministra de Segurança Nacional da Inglaterra, o impeça de retornar à Inglaterra.
Aparecendo no site americano Change.org, a petição até agora atraiu mais de 100 assinaturas e declara: “Nós ingleses nos livramos dele uma vez e por que motivo deveríamos ter de sofrer de novo? Os americanos o queriam. Então, eles têm de aguentá-lo”.
Traduzido e adaptado por Julio Severo do artigo do DailyMail: Now Piers Morgan says the Bible is 'flawed' and should be amended to include gay marriage
Leitura recomendada:

27 de dezembro de 2012

Cristãos iraquianos: escapando da frigideira e caindo no fogo


Cristãos iraquianos: escapando da frigideira e caindo no fogo

Julio Severo
Quando os EUA invadiram o Iraque, milhares de cristãos fugiram para a Síria, pois a invasão americana agravou a perseguição muçulmana aos cristãos, com o governo dos EUA lavando as mãos.
Mas agora a Síria, que era refúgio para esses cristãos, encontra-se em guerra civil onde grupos islâmicos, especialmente os rebeldes sírios, estão massacrando os cristãos.
Cristãos sofrendo atrocidades de rebeldes islâmicos financiados pelo governo dos EUA
John Eibner, presidente da organização Solidariedade Cristã Internacional, recentemente voltou de uma viagem de ajuda ao Iraque e, mesmo sem saber o número exato de cristãos refugiados iraquianos que estão fugindo da Síria, apontou para um relatório preparado por um grupo especial da ONU que chegou à conclusão de que a guerra civil na Síria é em grande parte “religiosa” — que traduzindo significa que os muçulmanos estão usando a guerra para acabar com os cristãos.
“A guerra na Síria se tornou de natureza patentemente religiosa”, disse Eibner, citando do relatório da ONU.
Comunidades cristãs inteiras estão em perigo de serem expulsas da Síria ou de serem mortas, por causa do fanatismo muçulmano.
“Isso significa genocídio”, Eibner explicou, “de acordo com a Convenção de Genocídio de 1948”.
Eibner explicou que os cristãos iraquianos que fugiram do Iraque para escapar dos muçulmanos que estavam tentando matá-los agora enfrentam a mesma ameaça islâmica na Síria.
“Os iraquianos desalojados que encontramos no começo desta semana foram forçados pelo terrorismo islâmico a fugir do Iraque e encontraram refúgio na Síria, onde gozavam segurança e um padrão de vida melhor do que eles tinham no Iraque”, disse Eibner. “Mas agora eles estão vendo com os próprios olhos a violência religiosa na Síria que lembra o que eles viveram no Iraque no reinado de terror entre os anos de 2006 e 2008”
Os cristãos iraquianos que voltarem ao Iraque provavelmente enfrentarão contínua perseguição no Iraque predominantemente islâmico.
E os cristãos sírios não têm para onde correr de grupos islâmicos assassinos em grande parte financiados e apoiados pelo governo dos EUA. De acordo com o WND, “Numa ‘política secreta’ não tão secreta, o presidente Barack Obama está financiando os ‘rebeldes’ da Síria, tentando derrubar o governo de Bashar al-Assad. Esses rebeldes incluem terroristas da al-Qaida que têm lutado contra tropas americanas no Afeganistão e no Iraque”.
Os “rebeldes” sírios estão atacando igrejas cristãs e ordenando que os cristãos abandonem seus lares. Os cristãos estão sob pressão para se juntar à oposição e lutar contra al-Assad. Aqueles que não aceitam são usados como escudos humanos em ataques ao Exército e forças de segurança da Síria.
Enquanto o governo dos EUA luta para ter a supremacia no Oriente Médio, os cristãos estão se tornando vítimas inocentes das operações militares americanas. E ninguém no governo dos EUA parece dar a mínima.
Com informações de WND.
Leitura recomendada:

26 de dezembro de 2012

Jornalista denuncia: Brasil tem o maior escândalo de direitos humanos do mundo


Jornalista denuncia: Brasil tem o maior escândalo de direitos humanos do mundo

Após produzir documentário ganhador de prêmio na TV, repórter e escritor retorna ao Brasil em defesa da vida dos índios de tribos isoladas.

O jornalista australiano Paul Raffaele presente na audiência pública na Comissão de Direitos Humanos no dia 29 de novembro, na quinta-feira. Ele manifestou repúdio com o que chama de tolerância do governo brasileiro à prática do infanticídio em tribos isoladas.
Paul Raffaele
Por duas semanas o jornalista e escritor premiado esteve no sudoeste da Amazônia gravando documentário para uma TV da Austrália. Conheceu de perto os índios da etnia Suruwahá, uma tribo que a exemplo de outras, também pratica o assassinato de recém-nascidos.
Há 50 anos Raffaele visita tribos isoladas em dezenas de países, mas enfatiza que ainda não havia se deparado com nada parecido com o que encontrou no Brasil. Ele discorda da política da FUNAI – Fundação Nacional de Assistência ao Índio - e do governo brasileiro em manter as tribos indígenas isoladas da civilização. Dessa forma, ele entende que o Brasil concorda e aprova essa, que é uma das piores violações dos direitos humanos do mundo.
Paul também aponta que a FUNAI e governantes negam que exista infanticídio nos dias de hoje; informação que ele contesta com veemência, uma vez que testemunhou esse costume sendo aceito, incentivado e praticado especialmente entre os Suruwahá.
O senador Magno Malta, quem requereu a audiência, apóia o princípio que a cultura é sempre menor que a vida, e que toda defesa à morte é injustificável.
Membros do ministério público, do Conselho Nacional de Justiça e parlamentares vendo a grandeza e gravidade do assunto afirmaram que, debates irão acontecer dentro de seus respectivos órgãos, para o desenvolvimento de projetos e politicas que possam levar cidadania a tribos indígenas isoladas.
Nós da redação lembramos que artigos publicados na internet e revistas impressas fizeram, tempos atrás declarações difamatórias e desqualificativas do trabalho da JOCUM, chegando até mesmo a classificar a presença nas tribos indígenas dos missionários de “nefasta”. E ainda, o absurdo de associar o infanticídio entre os Suruwahá e a missão JOCUM, conhecida e respeitada há décadas no Brasil e internacionalmente por seus esforços voluntários na esfera da evangelização urbana e transcultural. É sabido que a prática em abandonar na floresta, enterrar vivas ou envenenar as crianças nascidas deficientes, gêmeas e mesmo filhas de mães solteiras, faz parte da tradição cultural não só da tribo Suruwahá, mas de várias outras etnias.
A JOCUM esteve entre os índios justamente pra combater essa violação, mas acabou sendo proibida de atuar sob a alegação de interferência cultural indevida. Os mesmos veículos de notícia, tempo após a verdadeira expulsão dos missionários divulgaram tendenciosamente que com a saída da JOCUM (Jovens com Uma Missão), suicídio e mortes haviam cessado. Para quem conhece o trabalho desta missão e o contexto real da atuação da FUNAI na causa indígena, sabe que só pode existir interesses políticos por esse desserviço. Paul Raffaele, ouvido com exclusividade por nossa reportagem declarou que, “os índios gostam e pedem a volta dos missionários, para que ouçam mais sobre o amor de Deus e o evangelho, mas os funcionários da FUNAI, dizem que não, que eles (missionários) devem sair. Paul concluiu perguntando: -” Afinal, quem são os verdadeiros caciques; os índios ou funcionários da FUNAI?
Confira no vídeo abaixo a declaração completa de Raffaele.

Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
Diretora da JOCUM no Brasil ataca ativismo cristão contra o PLC 122 e o “casamento” homossexual

25 de dezembro de 2012

O Aniversariante de 25 de dezembro


O Aniversariante de 25 de dezembro

Julio Severo
A família dEle não era rica nem pertencia à realeza, mas Ele deixou uma impressão de realeza no mundo.
Durante 30 anos, Ele aprendeu, com sua família, o ofício de carpinteiro. Com o que Ele tinha, não tirando do que os outros tinham, Ele lutou para trazer transformação para as pessoas no mundo.
Sem ter nenhum cargo político e nenhuma aspiração política, ele atraia e liderava multidões. Suas parábolas, com simplicidade, traziam promessas, inspiração e esperança. Ele dava lições sem possuir nenhum diploma universitário, mas todas as universidades juntas nunca alcançaram nem ensinaram nem muito menos transformaram tantos alunos.
Ele ajudava os pobres sem usar programas governamentais de assistência. Ele os ajudava com os recursos do Pai, não com recursos tirados de outras pessoas.
Ele curava os doentes sem usar nenhum sistema público de saúde. Ele os curava com a misericórdia do Pai, não com a pretensa misericórdia do Estado.
Ele alimentava os famintos sem usar bolsas-família do governo.
Para onde quer que fosse, Ele atraia multidões, que pareciam comícios, mas Ele nunca usou essas aglomerações para promover políticos e suas políticas. Pelo contrário, sabendo da influência dEle sobre o povo e como Ele não aceitava nenhuma aliança política, os políticos queriam matá-Lo.
Mas Ele não tinha medo deles, chegando a chamar um poderoso governante de “raposa”, termo que significava indivíduo maligno e oportunista.
Durante três anos, Ele exerceu Seu ministério renunciando à Sua profissão de carpinteiro, e Ele nunca fez menção de pedir verbas governamentais para Ele ou Seu ministério, que era voltado aos pobres de espírito. Sem pedir nem depender de nenhuma assistência governamental, Ele completou todo o trabalho que precisava ser feito.
Ele nunca viajou de jatinho particular. Na maioria das vezes, Ele andava a pé, e só em raríssimas ocasiões Ele andou de jumento.
Quando O prenderam por uma acusação falsa, nenhuma autoridade governamental apareceu para defender os direitos humanos dEle. E se a prisão dEle tivesse ocorrido hoje, os direitos humanos teriam sido usados contra Ele, por ter libertado mulheres da “profissão do sexo”, um cobrador de impostos e outros pecadores.
Ele foi preso por prometer e fazer coisas que os políticos prometem, mas nunca fazem.
Apesar de totalmente inocente, Ele não proferiu murmurações no tribunal.
Ele não tinha advogado, nem se importava com a influência dos que O estavam julgando, pois Ele sabia que no final há um Supremo Juiz diante do qual todos, juízes e políticos, terão de prestar contas.
O tribunal O condenou por falsos crimes e O sentenciou à morte, tudo porque Ele mudou corações e mentes de multidões com um grupo de apenas 12 homens. Ele foi condenado por ódio e inveja religiosa e política.
A morte dEle, mais do que qualquer política governamental, trouxe esperança e redenção para milhões de oprimidos. Diferente das ideologias que derramam o sangue de milhões, Ele derramou Seu próprio sangue por milhões.
Nunca antes houve um homem como Ele.
Por mais de dois mil anos, o mundo e suas ideologias têm tentado deturpar, sequestrar, corromper e até apagar a memória e os princípios de compaixão, ajuda e sabedoria dEle.
No mundo inteiro, os seguidores dEle são hoje centenas de milhões, que estão sofrendo ódio e inveja política e religiosa, em países comunistas e muçulmanos, que condenam os cristãos a torturas, prisão e morte, e nos próprios países ocidentais, que atacam o Cristianismo e seus seguidores com leis politicamente corretas que protegem a liberdade de expressão de islâmicos, comunistas, abortistas e gayzistas, mas deixam os cristãos sem amparo.
Mais e mais, países ocidentais que têm fortes tradições cristãs estão impondo, em nome da diversidade e pluralidade, o aparelhamento do Estado ao islamismo, ao homossexualismo e — e no Brasil — às religiões afro-brasileiras, enquanto o Aniversariante não pode ser lembrado no seu próprio aniversário. Os governos ocidentais têm cada vez mais banido a menção oficial do nome dEle no dia 25 de dezembro.
É claro que eles lembram aos cristãos que deve haver uma separação entre religião e Estado. Essa separação é necessária, pois quem matou Jesus, por ódio e inveja, foi exatamente a religião e o Estado. Aliás, o Estado precisa se separar de toda ideologia de ódio e inveja, inclusive o feminismo, o abortismo e o gayzismo.
Mas o Estado e seus políticos precisam de Deus. Do contrário, o ódio, a inveja e a corrupção sempre reinarão e o Estado sempre fará uma aliança com qualquer ideologia ou religião politicamente correta contra Ele e seus seguidores.
No Natal, vamos nos lembrar do Aniversariante, que nasceu para prometer as bênçãos de redenção, socorro e provisão do Pai para toda a humanidade e morreu para garantir o cumprimento.
Adaptado de: The Perfect Conservative

24 de dezembro de 2012

Igreja progressista prega: “Chegou a hora de Jesus sair do armário”


Igreja progressista prega: “Chegou a hora de Jesus sair do armário”

Ray Comfort diz que um aterrador cartaz de uma igreja na Nova Zelândia virou tema dos noticiários — por questionar a orientação sexual de Jesus.
De acordo com os reverendos Glynn Cardy e Clay Nelson da igreja progressista St. Matthews-in-the-City, seu outdoor retrata o bebê Jesus com uma auréola de arco-íris e as palavras: “É Natal. Chegou a hora de Jesus sair do armário”.
Mensagem do outdoor: “É Natal. Chegou a hora de Jesus sair do armário”
Na página da igreja progressista, o reverendo Clay Nelson diz: “Talvez gay, talvez não. Importa?”
“Essa é uma sútil forma de expressão de ódio”, disse Ray Comfort, evangelista, escritor renomado e produtor cinematográfico.
“Essa gente professa ser uma igreja cristã, mas são como uma sentinela caindo no sono quando deveria estar alerta em seu posto. Eles estão traindo aqueles que eles deveriam estar protegendo. Mentir aos homossexuais sobre o que a Bíblia diz é uma demonstração de ódio a eles”, disse Comfort.
Traduzido e adaptado por Julio Severo do artigo do WND: Progressive church: ‘Time for Jesus to come out’
Leitura recomendada:

23 de dezembro de 2012

A era do aborto e o Natal


A era do aborto e o Natal

Norbert Lieth
Em nossa época, em que são abortados anualmente cerca de 50 milhões de bebês e o sangue de cada um deles clama aos céus, queremos chamar a atenção para um relato que foi publicado no boletim da associação médica européia "Medicina e Ideologia". Que esse artigo toque os corações não somente de médicos, mas também de mães, pais e políticos.

O menino no Natal

A cada Natal o diretor da Clínica Obstétrica da Universidade de Heidelberg (Alemanha), o catedrático Dr. Eymer, celebrava a festa do nascimento de Jesus com todos os funcionários. No grande auditório a mesa de exames e os instrumentos estavam cobertos com lençóis brancos.
O professor sempre entrava no salão trazendo nos braços um bebê que havia nascido na clínica nas últimas horas. Suavemente ele embalava o bebê de um lado para outro e falava de maneira tão terna quanto o permitia sua voz grave e sonora:
"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz" (Is 9.6). Jesus, na noite em que nasceu, não era em nada diferente deste bebê. Ele chorava e dormia, Ele acordava e mamava no peito de sua mãe.
Ele viu a luz do mundo, mas não como este bebê aqui, numa sala de parto com ar condicionado, iluminado por luzes potentes. Certamente foi numa estrebaria semi-escura de uma hospedaria superlotada que Jesus nasceu. Provavelmente também não havia parteira para assistir a jovem mãe. Não podemos mais saber com exatidão os detalhes do Seu nascimento, mas isso não muda o essencial. Quando mães dão à luz a seus filhos, elas não podem saber o que será feito deles mais tarde. Ninguém sabe o futuro do pequeno ser humano que embalo aqui nos meus braços. Nem Maria sabia o futuro de seu bebê. Vocês sabem, estimadas enfermeiras e colegas, que em nossa maternidade nascem centenas de crianças. Qual será o plano de Deus para elas? Elas trarão alegrias ou preocupações a seus pais?
Perguntas desse tipo certamente passaram pela mente de Maria enquanto embalava seu bebê recém-nascido. Pois ela ficara sabendo, em um momento solene, através do anjo Gabriel, que daria à luz um filho e que esse filho seria grande e até seria chamado de Filho do Deus Altíssimo. Naquela ocasião Maria havia pronunciado o seu "Fiat", o que quer dizer "assim seja", que ela estava disposta a ser uma serva obediente a Deus. Anos mais tarde seu filho Jesus também teve de dizer o seu "Fiat": "Pai, seja feita a Tua vontade!"
Mas voltemos ao Natal. Creio que Maria lembrou da hora em que o anjo lhe apareceu e que ela estava certa de que Deus tinha planejado algo muito especial para essa criança. Com certeza, porém, nessas primeiras horas após o nascimento, ela nem sequer imaginava que a vida desse menino poderia ser tão curta. Ela não imaginou que seu filho corria perigo de vida nem quando um idoso profeta lhe disse no templo: "Também uma espada traspassará a tua própria alma!" Ela deve ter pensado: Bem, todos os homens às vezes dizem coisas que os outros não entendem, por que eu deveria levar tão a sério essa profecia?
Todas essas coisas, minhas senhoras e meus senhores, nosso colega Dr. Lucas relatou em seu Evangelho, onde falou da manjedoura, dos pastores e dos anjos. Amanhã vocês vão ouvir isso nas igrejas. Certamente os pastores e pregadores sabem dizer muito mais a respeito do Natal do que um simples professor de medicina como eu.
Mas peço que atentem para isso, queridas enfermeiras e colegas: eu oro dia após dia por toda criança nascida aqui. Eu peço ao menino Jesus de Belém, que se tornou nosso Senhor e Salvador, que santifique essas crianças. Nunca esqueçam: cada pessoa que vê a luz do mundo nesta terra é uma criatura de Deus, não apenas um parto número tal em nossos registros. Cada recém-nascido é um milagre da vida, um presente, a graça em pessoa. Pois quem de nós sabe quantos homens e mulheres, que um dia se tornarão pessoas importantes, iniciaram suas vidas em nossa clínica?
Essas palavras nítidas e emocionantes de um médico a seus colegas e enfermeiras da sua clínica deixam claro: Jesus Cristo, o Filho do Deus vivo, tornou-se homem como nós. Mas como Filho de Deus Ele era sem pecado e por isso tinha condições de reconciliar os homens com Deus. Em todos os festejos do Natal nunca deveríamos perder de vista essa realidade maravilhosa, pois o doce menino de Belém e o homem coroado de espinhos na cruz são a mesma pessoa!
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada: