30 de novembro de 2012

Desabafo de um jovem pastor luterano


Desabafo de um jovem pastor luterano

Comentário de Julio Severo: Desde que escrevi sobre a presença de Luiz Mott, o maior ativista gay do Brasil, no maior seminário luterano da América Latina, tenho recebido e-mails de luteranos da IECLB. Abaixo, transcrevo a mais recente mensagem, sem revelar o nome e outras informações comprometedoras, pois quando os progressistas dominam uma denominação, os outros sofrem ameaças e retaliações se abrirem a boca. A IECLB é um exemplo avançado da caminhada que muitas igrejas ainda estão fazendo nas tortuosas veredas de Marx.
A Bíblia diz:
“Os homens, quando são perseguidos por todos os lados, gemem e gritam, pedindo que alguém os livre das mãos dos poderosos”. (Jó 35:9 BLH)
Progressistas poderosos dominam a IECLB e, por todos os lados, os perseguidos gemem e clamam.
Eis agora o desabafo de um pastor luterano:
É com muita tristeza na alma e  prostrado diante das verdades que você mostra em seus artigos que lhe escrevo este e-mail. Sou luterano de batismo e pastor da IECLB. Quando entrei no seminário, por minha ingenuidade e também ignorância, participei das atividades da PPL (Pastoral Popular Luterana, de cunho TOTALMENTE esquerdista).
Entretanto, logo que entrei lá, vi que havia algo errado com aquilo. Comportamentos bizarros e imorais eram tolerados com muita naturalidade.
Eu havia entrado naquela instituição aspirando me tornar um homem mais digno, conhecedor profundo de Teologia e exemplo para as pessoas, mas vi todas as minhas aspirações sendo destruídas, pois tudo o que eu havia aprendido como correto, digno e justo era, lá dentro, criticado por muitos professores, principalmente pelas defensoras do feminismo.
Fiquei muito tempo cego pela mentalidade predominante ali.
No seminário, nossos valores eram desconstruídos, para assim ficarmos totalmente sem critérios para avaliar as coisas. Nós, que chegávamos lá, éramos criticados como estando errados em nossas posições conservadoras, que trouxemos de nossas comunidades de origem.
Imagine: Novatos, ignorantes, chegados em um ambiente novo e de repente, tudo aquilo que você defendia até então é tachado de errado, preconceituoso, etc. O que acontecia conosco? Ficávamos desnorteados e nos tornávamos presas fáceis da ideologia marxista reinante no seminário, lugar para onde havíamos ido para sermos formados, não deformados.
Mas, aos poucos, comecei a questionar a falta de amor ao verdadeiro conhecimento. Questionei também a licenciosidade que era tão normal entre alunos e professores do seminário. Fui me libertando do esquerdismo teológico que havia escravizado a nós estudantes naquela fabrica de libertinagem.
Hoje, dentro das minhas possibilidades, faço oposição a essa ideologia reinante em minha tão amada IECLB. E como eu, ainda existem muitos pastores e movimentos na IECLB que remam contra a maré.
Enfim, gostaria de dizer ao senhor que seus artigos são muito bons e que, na medida do possível, estamos tentando esclarecer os nossos irmãos luteranos, mas a luta é dura.
Bom saber que, como o senhor, temos pessoas interessadas em defender a verdade e os valores que dão verdadeira dignidade a esta vida.
Leitura recomendada:

29 de novembro de 2012

Suicidou-se homem que pensava que era um tigre


Suicidou-se homem que pensava que era um tigre

Julio Severo
Dennis Avner, um homem de 54 anos que passou anos se esforçando para deixar seu corpo com a aparência de um tigre, se suicidou. De acordo com notícia do DailyMail de 13 de novembro, o corpo dele foi encontrado no dia 5. O homem vivia solitário.
Dennis Avner
O problema de Avner começou quando um chefe indígena americano, guiado por espíritos, disse que Avner devia “seguir os caminhos do tigre”.
Com uma mente sugestionável, Avner não mediu esforços para transformar sua fantasia em realidade, fazendo o próprio corpo parecer aquilo que sua imaginação achava que ele era: um tigre. Não importava o que ele via ou o que os outros viam, o importante era o que os olhos de sua mente viam.
Com seu desejo governando sua cabeça, ele fez operação cirúrgica na boca, nos lábios e nas orelhas. Ele também passou a usar silicone e implantes. Afinal, viver no mundo da fantasia passou hoje a ser uma espécie de “direito humano” fundamental, mesmo quando essa fantasia se mostra patológica. Avner levou esse direito às últimas consequências, até acabar com a própria vida.
O caso de Dennis Avner não é diferente de homossexuais radicais, que querem viver conforme seus desejos ou fantasias sexuais. Não importa o que os olhos deles ou os olhos dos outros vejam, eles usarão qualquer artifício — silicones, mutilações, hormônios, etc. — para negar, ocultar e rejeitar o que a natureza deixou tão bem gravado em seus corpos.
Ânus é o orifício exclusivo de defecação, nunca de relação sexual. A natureza prova e comprava isso.
Se é ridículo se enxergar como tigre, mais ridículo ainda é tratar o ânus como um órgão sexual.
A única diferença entre Avner e os homossexuais radicais é que, pelo menos por enquanto, não há um número grande de pessoas achando que é tigre, macaco, jumento, anta — embora muitos até se comportem como tal.
Se o número deles aumentar, aí veremos com certeza a parada dos jumentos e das antas e campanhas no Congresso Nacional: “Andar de quatro é um direito humano!”
Veremos homens e mulheres mutantes, com seus corpos deformados, siliconados, operados e impregnados de implantes e hormônios, colocando a imaginação louca acima da natureza.
Obviamente, Avner não era feliz. Homens só se matam porque são extremamente infelizes.
É óbvio também que, para se enxergar como um tigre ou uma anta, um homem tem problemas mentais.
Mas se Avner se enxergasse como “mulher”, aí o coro midiático começaria: “Ele se matou por causa da ‘homofobia’ pregada pelos cristãos fundamentalistas fanáticos raivosos, não por causa de problemas mentais!”
Entretanto, a diferença entre a fantasia de Avner e a fantasia de um homem que quer ser mulher é muito pouca, de modo que ativistas poderiam dizer: “Ele se matou não por causa de problemas mentais, mas porque a sociedade preconceituosa não suporta ver um ser humano com a aparência de um animal!”
A grande contradição na tendência moderna de alterar artificialmente a forma e funções naturais do corpo em nome de pretensos direitos individuais e humanos é que a sociedade envia, ao mesmo tempo, a mensagem de que a Natureza é algo sagrado e que o ser humano precisa viver o máximo possível em harmonia com as normas dela.
A sociedade que aprova e sacraliza em suas leis a mutilação e desfiguração da natureza física humana torna homens e mulheres uma aberração para si e para a natureza.
A verdade é que, ao se olharem para o espelho, homens e mulheres mutilados jamais ficarão satisfeitos com o resultado de suas intervenções cirúrgicas e hormonais para serem aquilo que não são, pois sabem que sua imaginação pode alterar no máximo as aparências, mas nunca a realidade da natureza. No final, lhes restará o desespero, a loucura e a morte.
Quando tudo isso vai parar? É difícil saber, pois a imaginação humana não tem limites.

Versão em inglês deste artigo: Man who thought he was a tiger has killed himself

Leitura recomendada:

28 de novembro de 2012

A boca suja do dono do Genizah (Parte 2)


A boca suja do dono do Genizah (Parte 2)

Julio Severo
Um apologeta pode ou não pode falar palavrões e obscenidades?
Se o entrevistado for Danilo Fernandes, dono do tabloide sensacionalista Genizah, a resposta dificilmente será “não”.
Meses atrás, ele usou sua conta de Twitter para mandar uma mensagem muito “edificante” aos seus milhares de seguidores. A mensagem era simples: “Julio Severo, você é um traste pútrido!”
A raiva dele foi provocada por um embate entre Renato Vargens e mim por causa de um bispo marxista defensor da poligamia.
E quando recentemente expus ao público a incoerência de Vargens gostar das músicas de Renato Russo, mas atacar Ana Paula Valadão, novamente Danilo não aguentou: explodiu em palavrões, conforme ficou registrado no meu blog:
Danilo Fernandes <danilo@genizahvirtual.com> deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Renato Russo ou Ana Paula Valadão?”:
Julio Severo, Voce precisa parar de enfiar este cabo de vassoura no cú! Assume esta sua gayzisse latente, larga este broxa do Olavo de Carvalho e volta para aquele seu amor do seminário que comia o seu cú gostoso! Quem sabe voce acaba com esta fixacao com os gays. Vá evangeliza-los e não espezinha-los!
Postado por Danilo Fernandes no blog Julio Severo em sexta-feira, 23 novembro, 2012
Em contraste, a Bíblia diz:
“Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem”. (Efésios 4:29 ACF)
“Mas eu lhes digo que, no dia do juízo, os homens haverão de dar conta de toda palavra inútil que tiverem falado”. (Mateus 12:36 NVI)
“Não haja obscenidades, nem conversas tolas, nem gracejos imorais, que são inconvenientes, mas, ao invés disso, portai-vos com ações de graça”. (Efésios 5:4 KJA)
“Mas agora, livrai-vos de tudo isto: raiva, ódio, maldade, difamação, palavras indecentes do falar”. (Colossenses 3:8 KJA)
É perfeitamente compreensível nos irarmos quando um amigo é atacado, mas não quando é devidamente questionado acerca de declarações que ele mesmo fez e registrou. E o dono do Genizah deve ser um grande amigo de Vargens, pois o mesmo Twitter que ele usa para me atacar e xingar ele usa para retransmitir os tuites de Vargens. Enquanto estou escrevendo este artigo, eis que dou uma olhada no Twitter do Danilo e — dito e feito! — lá está ele neste exato momento retuitando mais uma mensagem de Vargens.
Mas meus questionamentos foram dirigidos a Vargens sem palavrões e não nos mesmos termos que ele próprio aplicou a Ana Paula Valadão, chamando suas experiências espirituais de “sandices”.
Não havia, pois, motivo nenhum para Danilo se ofender e falar palavrões. Em vez de obscenidades, ele poderia, se fosse um legítimo apologeta, provar biblicamente que pastores podem escutar Renato Russo e que eu estou errado em defender Ana Paula Valadão. Ele poderia também provar que estou errado em entender que a maioria dos dons de visão, profecia e línguas que pentecostais e neopentecostais têm não veio do diabo, mas de Deus.
Mas, para me refutar, Danilo recorreu, além de vulgaridades, a uma difamação que Caio Fábio espalhou há anos sobre supostos relacionamentos homossexuais que tive enquanto eu estudava num seminário.
Mas nem esses problemas nem o histórico sujo de Caio Fábio são suficientes para convencer o dono do Genizah a evitar amizade com o homem que foi outrora o maior calvinista do Brasil ou  dar publicidade para suas mentiras e difamações.
O fato é que Danilo se enfureceu com meu artigo mencionando o nome de Vargens. Ele parece pensar que qualquer mínima crítica a um pastor calvinista é um ataque direto a todos os calvinistas, como se todos os pastores calvinistas escutassem Renato Russo ou concordassem com Vargens.
Ele parece pensar igualmente que a crítica é um dom exclusivo para ele, Caio Fábio e outros eleitos, e é um crime qualquer um fora desse grupo esotérico usar tal dom.
Seja como for, a crítica, que era ao gosto musical de Renato Vargens, foi sentida por Danilo como uma crítica direta a ele — talvez pela ligação dos dois. Afinal, se Vargens disse em seu blog pessoal que “louva a Deus pelos defensores da fé… pelos blogs de apologética como o Genizah, Púlpito Cristão e Hermes Fernandes”, é natural que Danilo tome qualquer crítica ao louvador como um ataque a todos os calvinistas, entre os quais ele se coloca com orgulho.
Tanto Genizah quanto Vargens passam muito do seu tempo criticando, debochando e atacando pentecostais e neopentecostais. Mas, estranhamente, eles acham que estão acima de críticas.
Como calvinistas, ambos deveriam entender que o mesmo veneno que está destruindo as igrejas calvinistas dos EUA e Europa está infiltrado nas igrejas calvinistas do Brasil.
O esquerdismo e o liberalismo (que são amantes) têm levado as igrejas calvinistas da Europa e EUA a apoiar o aborto, a ordenar pastores gays, a lançar boicotes contra Israel, etc.
Em vez de ocupar seu tempo atacando esse veneno, Vargens e Genizah se comportam como se o pentecostalismo e o neopentecostalismo fossem a maior ameaça à Igreja Brasileira.
Se não houvesse nenhuma igreja pentecostal e neopentecostal no Brasil, as igrejas calvinistas seriam fortes e perfeitas?
Um Brasil sem pentecostais e neopentecostais deixaria a blogosfera calvinista esquerdista mortalmente entediada ou com o caminho livre para fazer o que as grandes igrejas calvinistas da Europa e EUA estão fazendo há décadas: deitar e rolar no liberalismo e esquerdismo.
Fica evidente, pois, que nem o pentecostalismo nem o neopentecostalismo são necessários para as igrejas calvinistas se autodestruírem.
Portanto, não faz sentido figuras calvinistas no Brasil prosseguirem em seus deboches, críticas e ataques aos pentecostais e neopentecostais, que não estão revidando nem cobrando dos calvinistas o veneno marxista que se infiltrou nas igrejas tradicionais, pentecostais e neopentecostais, muitas vezes pela manobra e astúcia de matreiros líderes calvinistas, inclusive o trabalho sujo passado de Caio Fábio.
Em vez de respeitarem o testemunho de muitos calvinistas do passado que sofreram pelo Evangelho, pagando até com a vida, a maioria dos calvinistas dos EUA e Europa se ocupa com liberalismo e esquerdismo. E no Brasil se ocupam com ataques aos pentecostais e neopentecostais, que ou bem ou mal são o único obstáculo para o avanço do liberalismo e esquerdismo.
Parafraseando Danilo Fernandes, o esquerdismo tem sido um traste pútrido entre os calvinistas do Brasil. E o Genizah torna impossível desmentir isso.
A Parte 1 deste artigo se encontra aqui: A boca suja do dono do Genizah (Parte 1)
Leitura recomendada:

27 de novembro de 2012

A boca suja do dono do Genizah (Parte 1)


A boca suja do dono do Genizah (Parte 1)

Julio Severo
Primeiramente, peço desculpas aos leitores por publicar um comentário obsceno. Mas tenho de fazer isso para que todos vejam um dos tais blogs calvinistas “apologéticos” aparecendo no meu blog e expressando exatamente o que está no coração dele.
Palavras de Danilo Fernandes:
Danilo Fernandes <danilo@genizahvirtual.com> deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Renato Russo ou Ana Paula Valadão?”:
Julio Severo, Voce precisa parar de enfiar este cabo de vassoura no cú! Assume esta sua gayzisse latente, larga este broxa do Olavo de Carvalho e volta para aquele seu amor do seminário que comia o seu cú gostoso! Quem sabe voce acaba com esta fixacao com os gays. Vá evangeliza-los e não espezinha-los!
Postado por Danilo Fernandes no blog Julio Severo em sexta-feira, 23 novembro, 2012
Palavras da Bíblia:
“Linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós”. (Tito 2:8)
“Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai”. (Filipenses 4:8)
“E até importa que haja entre vós facções, para que os aprovados se tornem manifestos entre vós”. (I Coríntios 11:19)
Que harmonia há entre os palavrões de Danilo e o que a Bíblia ensina de modo tão claro sobre o comportamento e linguajar padrão do cristão? Numa tacada só, Danilo Fernandes me calunia, debocha e xinga, e ainda por cima dá publicidade à malícia e obscenidades de Caio Fábio, que originou a mentira de que (1) estudei em seminário, (2) de que eu tinha relacionamentos homossexuais no seminário.
A presteza em usar sua habilidade para a comunicação para vulgaridades, fofocas e calúnias é algo notável em Danilo.
Que ele dê graças a Deus por eu não escutar Renato Russo e outros, enchendo o coração de lixo e depois vomitando tudo em cima dos outros.
Mas também que ele se olhe no espelho da Palavra de Deus, e veja exatamente o que Jesus disse:
“O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca.” (Lucas 6:45 ACF)
Olavo de Carvalho fala palavrões, mas ele não é evangélico. O dia em que ele realmente aceitar Jesus, tudo mudará, inclusive a boca dele.
Mas qual é a desculpa para Danilo ter um coração e boca tão sujos? Ele já é evangélico, gabando-se de ser calvinista. Suas atitudes e palavras deveriam envergonhar qualquer calvinista sério.
Se Danilo não estiver empenhado na desconstrução da apologética e na corrosão dos padrões de comportamento e linguagem dos cristãos, eu realmente não sei mais quem poderia estar — além, é claro, de seu próprio mestre.
A primeira e mais grave consequência desse rebaixamento sistemático da apologética cristã, promovido pelo tabloide Genizah e por seus parceiros e cúmplices, é a entrada de homens vulgares e sem nenhum compromisso real com o crescimento e amadurecimento da igreja evangélica no Brasil. E isso tem ocorrido de maneira gritante.
O fato do Genizah ter publicado tantos artigos de evangélicos progressistas que negam aberta ou discretamente doutrinas centrais da fé evangélica jamais pode ser visto como fruto de meros deslizes. O que Danilo Fernandes faz é dar propaganda gratuita para liberais e esquerdistas.
A falsa apologética dele e de seus companheiros contribui para o caos moral, doutrinário e comportamental. O que eles querem é preparar os evangélicos brasileiros para tolerar o que é intolerável aos padrões cristãos.
O contraste comportamental entre a elite pseudoapologética, onde o dono do Genizah é referência e destaque, e os padrões prescritos pelo apóstolo Paulo para a conduta, linguagem e cuidado na vida dos cristãos fica, a cada dia, mais visível.
Não menos lamentáveis são o apoio, a visibilidade e os louvores — com links e a republicação de artigos — que líderes e pastores, principalmente calvinistas, dão a figuras vulgares como Danilo.
Se os evangélicos brasileiros quiserem uma cultura interdenominacional mais rica, digna e que promova a saúde e edificação do Corpo de Cristo, chegou o momento de romper de uma vez com os calvinistas esquerdistas que infestaram a blogosfera apologética nos últimos anos.
Com a colaboração do jornalista Edson Camargo.
A Parte 2 deste artigo se encontra aqui: A boca suja do dono do Genizah (Parte 2)
Leitura recomendada:

Astro de “Two and a Half Men” chama seu seriado de sujo e pede que público pare de assistir


Astro de “Two and a Half Men” chama seu seriado de sujo e pede que público pare de assistir

O ator Angus T. Jones, astro da desbocada série cômica de TV “Two and a Half Men”, pediu aos espectadores que mudem de canal. Ele disse que suas recentes convicções religiosas são incompatíveis com o papel que ele interpreta na série, como um adolescente desencanado. Jones, de 19 anos, interpreta há nove anos o jovem Jake Harper, filho do personagem Alan (Jon Cryer).
 Angus T. Jones
E um vídeo gravado para a Igreja Cristã Precursora, da Califórnia e divulgado pelo YouTube, Jones pede aos fãs que parem de assistir ao programa e de “encher a cabeça de vocês com sujeira”.
“Se você assiste a ‘Two and a Half Men’, por favor pare”, diz Jones no vídeo. “Estou em ‘Two and a Half Men' e não quero estar nele. Se estou fazendo algum mal, não quero estar aqui. Não quero contribuir com o plano do inimigo. Não se pode ser uma verdadeira pessoa temente a Deus e estar num programa de televisão como aquele.”
“Não estou bem com o que estou aprendendo, com o que a Bíblia diz e com o que está naquele programa de TV”, acrescentou.
A rede CBS e a produtora Warner Bros Television não quiseram comentar as declarações, que podem criar um novo problema para a popular série. Em 2011, o programa precisou passar por uma reformulação devido à demissão do protagonista beberrão e prostituto Charlie Sheen, substituído por Ashton Kutcher.
Fonte: Yahoo
Divulgação: www.juliosevero.com
Artigos sobre atores:
Ator pornô gay mata e canibaliza amante

26 de novembro de 2012

Famoso ator de Hollywood chama Obama de “nosso Senhor e Salvador”


Famoso ator de Hollywood chama Obama de “nosso Senhor e Salvador”

Julio Severo
Jamie Foxx, ator vencedor de Oscar, recentemente chamou Barack Obama de “nosso Senhor e Salvador”.
A declaração surpreendente ocorreu numa transmissão gravada de uma premiação musical da Rede Negra de Entretenimento no domingo passado. A gravação, com legenda em português, está aqui: http://youtu.be/Gh52zAGZGMI

Literalmente, Jamie Foxx disse: “Primeiramente, deem honra a Deus e nosso Senhor e Salvador Barack Obama. Barack Obama”.
Daí, vê-se que os americanos não escolheram apenas um presidente. Eles escolheram um substituto para Jesus Cristo.
A vitória eleitoral de Obama se deu em grande parte aos cristãos progressistas das grandes denominações protestantes e também aos cristãos negros e hispânicos.
Noventa e cinco por cento dos protestantes negros e 75% dos católicos hispânicos votaram em Obama.
Em grande parte, os negros protestantes e os hispânicos católicos se opõem ao aborto e ao “casamento” gay, mas programas e promessas esmoleiras socialistas apelam mais entre eles do que valores morais e valores familiares.
Cristãos progressistas sempre acabam dando para suas nações um novo senhor e salvador.
Obama é prova disso.
Com informações de Newsbusters e CNN.
Leitura recomendada:

Gays palestinos querem boicotes mundiais contra Israel


Gays palestinos querem boicotes mundiais contra Israel

Julio Severo
Ativistas gays estarão na vanguarda do Fórum Social Mundial Palestina Livre, um evento internacional que se realizará em Porto Alegre, Brasil, de 28 de novembro a 1 de dezembro de 2012. O evento reunirá ativistas marxistas do mundo inteiro para reivindicar um Estado palestino com Jerusalém como capital e boicotes contra Israel.
A organização Gays Palestinos Pró-Boicote, Desinvestimento, Sanções e Vigilância contra Israel quer mobilizar ativistas e movimentos sociais do Brasil e de outros países em torno de perspectivas gays, boicotes, desinvestimentos, sanções e vigilância contra Israel.
Os ativistas marxistas e gays não são companheiros de cama estranhos no Ocidente. Mas os gays na vanguarda do evento anti-Israel no Brasil não são ocidentais. Eles são palestinos.
Muito embora os homossexuais não sejam tolerados em nações muçulmanas, os palestinos constataram que os homossexuais não são totalmente inúteis, pelo menos não para suas campanhas estratégicas de relações públicas no Ocidente. Se os ocidentais gostam das coisas de um jeito homossexual, os muçulmanos lhes concederão tal desejo.
Contudo, o uso de homossexuais nas relações públicas contra Israel não tem nada a ver com o tratamento que eles recebem em seus próprios países muçulmanos.
Quando a polícia da Autoridade Palestina descobriu um jovem gay, ele foi forçado a ficar de pé em água de esgoto até o pescoço, com a cabeça coberta com um saco cheio de fezes, e então foi jogado numa cela escura infestada de insetos. Durante um interrogatório, a polícia palestina tirou toda a roupa dele e o forçou a ficar sentado em cima de uma garrafa de Coca.
Quando foi solto, ele fugiu para Israel. Se fosse forçado a voltar para Gaza, ele disse, “A polícia me mataria”.
Um americano que cometeu a burrice de se mudar para a Faixa de Gaza para viver com seu amante palestino disse que eles diziam a todos que eles eram apenas amigos, mas certo dia eles “encontraram uma carta debaixo de nossa porta. A carta era do tribunal islâmico e apresentava uma lista das cinco formas de morte que o islamismo prescreve para a homossexualidade, inclusive apedrejamento e fogueira. Fugimos para Israel naquele mesmo dia”, disse ele.
De acordo com um grupo gay: “A perseguição aos gays na Autoridade Palestina não vem apenas das famílias e grupos islâmicos, mas também da própria Autoridade Palestina”.
Certo homem gay foi para Israel por um curto tempo. Quando voltou à Marge Ocidental, a polícia da Autoridade Palestina o confinou num poço sem comida e água até ele morrer.
A maioria dos muçulmanos no Oriente acha que um tratamento cruel para os homossexuais é perfeitamente justificável.
Os livros escolares de educação islâmica, usados oficialmente pelo Ministério da Educação da Arábia Saudita, dizem:
“A homossexualidade é um dos pecados mais nojentos e um dos maiores crimes… É uma perversão vil que vai contra a sã natureza, e é um dos pecados mais depravados e detestáveis… O castigo para a homossexualidade é a morte… [O criminoso] deve ser queimado vivo. Outros sugerem que ele deve ser apedrejado ou jogado de um lugar elevado”.
Dez países muçulmanos oficialmente impõem a pena de morte para os homossexuais. Esses países são Irã, Mauritânia, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita, Somália, Sudão, Emirados Árabes Unidos, Iêmen e alguns estados da Malásia.
Outros países muçulmanos não têm pena de morte oficial para os homossexuais, mas os homossexuais são mesmo assim mortos pela polícia e pela população.
Independente da cruel realidade dos homossexuais em países muçulmanos, inclusive entre palestinos, o Brasil e o Ocidente receberão de braços abertos os gays palestinos no Fórum Social Mundial Palestina Livre que pedirão boicotes mundiais contra Israel.
Afinal, o Brasil e o Ocidente simplesmente adoram ser enganados — acerca de Israel, do supremacismo gay e da “religião de paz”.
A verdade por trás do engano é: os marxistas e os muçulmanos odeiam Israel.
Não será impossível os ativistas gays na campanha palestina de relações públicas terem apoio de homossexuais brasileiros e ocidentais. Alguns anos atrás, Tony Goes, um ativista gay do Brasil, disse:
“Eu me atrevo a perguntar: será que [a criação de Israel] foi uma boa ideia? É inegável o sucesso da sociedade israelense, que em tão pouco tempo transformou o que era pouco mais do que uma nesga de deserto num país democrático com padrão de vida europeu (e homens lindos, hehe). Mas será que o mundo não estaria um tiquinho mais tranquilo sem esse foco permanente de discórdia no Oriente Médio?”
Esse é o sonho de todo nazista e muçulmano: um mundo sem Israel.
É claro que os ativistas gays também veem o Cristianismo como um foco permanente de discórdia, e eles, junto com os nazistas e os muçulmanos, acolheriam muito bem a ideia de que um mundo sem Cristianismo seria mais pacífico.
A propósito, alguns anos atrás Tony Goes disse: “O que eu mais gosto é o look do Julio Severo: ele quer ser Jesus Cristo. Vamos realizar seu sonho e crucificá-lo, gente!”
Se, por amor à paz mundial, ele quer até a extinção de Israel, quem sou eu para merecer a misericórdia desse tipo de homem?
Mas o fato não muda: a terra de Israel é o sonho e promessa de Deus aos descendentes de Abraão, Isaque e Jacó.
Os palestinos podem usar gays e outras estratégias, mas ninguém pode roubar o que Deus prometeu.
Os palestinos podem ficar com metade do Brasil ou dos EUA, se Dilma Rousseff e Barack Obama concordarem, mas que fique bem claro: a Terra de Israel já tem Dono e herdeiros, e qualquer boicote contra eles é um ato contra Ele.
Com informações de WikiIslam.
Versão em inglês deste artigo: Palestinian Gays Want World Boycotts against Israel
Leitura recomendada: