31 de maio de 2012

A extinção da PM ou da ONU?


A extinção da PM ou da ONU?

ONU, que permitiu genocídios no Sudão e Ruanda, nunca pediu a extinção do PCC

Julio Severo
Nesta quarta-feira o Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), numa medida de interferência extrema, pediu ao Brasil a extinção da Polícia Militar, acusando-a de numerosas execuções extrajudiciais.
A principal motivação da ONU foi o recente caso onde foram presos três policiais da Rota — grupo da Polícia Militar —, que, num confronto com o PCC (Primeiro Comando da Capital), na Penha, zona leste de São Paulo, mataram homens do PCC, cujos integrantes estavam armados com fuzis, submetralhadoras, pistolas e revólveres.
ONU: interferência nos assuntos internos do Brasil
A morte dos membros do PCC provocou a crítica da ONU, cobrando a extinção da PM.
A cobrança da ONU pela extinção da PM ocorre num contexto social onde mais de 50 mil brasileiros são assassinados por ano. Oficialmente, menos de 10 por cento desses crimes são solucionados. Isto é, mais de 90% dos assassinos são premiados com a impunidade.
É um caso grave onde a ONU deveria fazer cobranças diárias, pedindo ações concretas para eliminar as ações criminosas que assassinam milhares de brasileiros por ano. Pelo bem estar do da população do Brasil, a ONU poderia recomendar o armamento da população brasileira e até mesmo a pena capital, como meio de eliminar indivíduos que assassinam gente inocente.
Contudo, a ONU vem trabalhando de forma inversa, exigindo o desarmamento da população civil, numa meta esquerdista de tornar as pessoas totalmente indefesas diante dos assassinos, inclusive abolindo a pena capital para eles.
Quem abolirá a pena capital que tem eliminado mais de 50 mil brasileiros por ano? De modo particular, quem abolirá a pena capital para os bebês em gestação que está sendo promovida pela própria ONU?
A PM e até mesmo a ONU deveriam ser investigadas por excessos. Mas se a PM realmente matou integrantes do PCC, deveríamos deixar a população brasileira, que é vítima inocente desses criminosos violentos, opinar. Quem extermina exterminadores da população pode ser considerado bandido? Quem mata inocentes, seja bandido, PM ou ONU, é que deveria levar o rótulo e castigo de criminoso.

Polícia Militar, não o PCC, na mira da ONU
Quando centenas de milhares de crianças, mulheres e homens inocentes estavam sendo massacrados no Sudão durante mais de uma década, a ONU mal bocejava um protesto. Era um caso de genocídio. Mas a ONU não teve a coragem de cobrar a extinção das forças que estavam exterminando os sudaneses.
As vítimas eram em grande parte cristãos, e os assassinos eram forças governamentais muçulmanas. Mas suspeito que, se por um milagre, alguma nação fornecesse armas para os cristãos, de modo que eles pudessem reagir e matar seus matadores, a ONU prontamente gritaria “genocídio” e permitiria uma ação militar de várias nações contra os supostos abusos de “direitos humanos” cometidos pelos cristãos.
Centenas de milhares de cristãos foram mortos, bem debaixo do nariz indiferente da ONU.
Milhões de bebês em gestação estão sendo mortos por leis incentivadas, louvadas e promovidas pela ONU, que não quer o Brasil fora desse negócio macabro. Por isso, o Brasil vem sofrendo pressões da ONU para legalizar o aborto, de modo que governo, empresários médicos e mulheres tenham atendidos seus desejos de exterminar inocentes.
A resistência do povo brasileiro tem sido fabulosa, pois dois gigantes — ONU e governo brasileiro sob o PT — querem o aborto legalizado e o único obstáculo é o povo.
A ONU e o governo brasileiro estão também alinhados em outras questões. O governo petista quer a tal Comissão da “Verdade”, para premiar ainda mais terroristas comunistas que queriam derrubar o governo do Brasil e instalar uma ditadura sanguinária no modelo da União Soviética. Eles foram detidos pelo governo militar e hoje seus aliados reivindicam, a todo o custo, a canonização desses indivíduos que, fortemente armados, assaltavam bancos e matavam.
Em vez de serem forçados a devolver todo o dinheiro que roubaram, são premiados. Em vez de pagarem por seus assassinatos, são prestigiados.
E a ONU, que nada fez para deter o genocídio do Sudão, apareceu para dar seu selo de aprovação para tal Comissão da “Verdade”.
E agora quer também extinguir a PM? Se a PM matou inocentes, que seja punida. Se matou assassinos, por que puni-la? O que se precisa no Brasil é diminuir o número de assassinos que incham os números de 50 mil assassinatos por ano, não sustentá-los, protegê-los e defendê-los.
Se a ONU quiser cobrar o Brasil por esses milhares de assassinatos e até mesmo pedir a extinção do governo petista por seu descaso para com a segurança da população, tudo bem. É uma cobrança e pedido perfeitamente justificáveis. Mas cobranças justas não são o forte da ONU.
Se a ONU fez algum bem à humanidade, que tentem reciclá-la. Mas com seu papel no Sudão, em Ruanda, na legalização do aborto e agora na interferência dos assuntos internos do Brasil, sua extinção seria mais que bem-vinda.

Rev. Wright: Memórias de um pastor que foi sacrificado para acobertar os pecados de seu ex-discípulo


Rev. Wright: Memórias de um pastor que foi sacrificado para acobertar os pecados de seu ex-discípulo

Exclusivo: Erik Rush especula sobre a hora em que o pastou resolveu revelar que tentaram suborná-lo

Erik Rush
Em 28 de fevereiro de 2007, apresentei aos Estados Unidos, através do programa Hannity and Colmes da Fox News, o rev. Jeremiah Wright, pastor radical da Igreja da Trindade Unida de Cristo de Chicago (utilizo aqui os termos “pastor” e “de Cristo” em linhas gerais). O resto, como dizem, é passado, incluindo a revelação em 2010 de que a imprensa alinhada ao governo conspirou para proteger o candidato Obama da repercussão do que o rev. Wright tinha a dizer durante a campanha de 2008.
Se os Estados Unidos sobreviverem ao presidente Obama, é provável que sejam publicados livros a respeito das ações traiçoeiras da imprensa nos últimos anos, mas não vou tratar disso no momento.
No fim de semana dos, dias 12-13 passado, o o jornal New York Post publicou um artigo de Edward Klein, autor da biografia do presidente Obama “The Amateur” (“O Amador”). O artigo foi em parte extraído de uma entrevista conduzida por Klein ao rev. Wright para o livro, na qual o pastor da igreja que Obama frequentou durante 20 anos alega que sua comissão de campanha tentou suborná-lo para abster-se de falar em público durante a campanha presidencial de 2008. A explicação, obviamente, foi que Obama poderia ser prejudicado pela enxurrada retórica de ódio, racismo e antiamericanismo de Wright.
Obama com seu ex-mestre, Rev. Jeremiah Wright
Deixando de lado a questão dos danos ínfimos que Wright poderia ter causado, dada a extrema eficiência e a pesada interferência da imprensa em favor de Obama (incluindo o acobertamento de vídeos incriminadores dos sermões inflamados de Wright que vieram à tona em 2008), é pertinente perguntar: por que Wright esperou ser entrevistado por Klein para fazer essa chocante revelação?
Imediatamente após a publicação do artigo do New York Post, a mídia esquerdista correu para rotular o texto como uma tentativa irrelevante por parte de um golpista para promover um grande ataque difamatório a Obama. Embora isso certamente fosse esperado, ainda resta a questão de por que (considerando que essa entrevista não é uma invenção de Klein) o reverendo guardaria essa informação para si por tanto tempo.
Existem alguns da extrema esquerda que têm queixas com relação a Obama, mas que acalmaram os nervos desde a sua eleição para o “bem maior”. Jesse Jackson, por exemplo, que expressou o desejo de “cortar seu saco fora [o de Obama]” poucas semanas antes das eleições, podia ser visto chorando de alegria na noite da vitória de Obama. Desde então, Jackson se manteve mais ou menos como um convicto defensor de Obama, atuando inclusive como um leal agente quando necessário.
Wright, por outro lado, embora não tenha se voltado contra Obama, não esconde a mágoa de ter sido ignorado por ele e seus assessores. Creio que isso, em vez de provar que ele provavelmente tenha mentido para Klein sobre o suborno, dá mais crédito à possibilidade de que isso tenha de fato ocorrido. Wright havia se aposentado da Igreja da Trindade Unida no início de 2008, e reapareceu esparsamente após a eleição de Obama. Ele ainda evitou difamar o novo presidente, mas continuou atacando os EUA, os judeus, o capitalismo e os brancos. Certamente o período entre essa aposentadoria e o seu surgimento combina com alguém que teria sido pago para ficar de boca fechada durante um período de tempo determinado.
Mas qual é a motivação de Wright com a história do suborno? Se as condições do acordo com Obama chegaram ao fim, isso provavelmente cobriria apenas uma suspensão temporária de Wright com os seus sermões inflamados, e não acusações inequívocas de condutas antiéticas e ilegais. Isso representa não apenas uma fuga da sua maneira ácida de ser, mas um claro ataque ao seu ex-discípulo. Já se passaram anos desde que alguém pudesse pensar que tal revelação traria algum lucro a esse pastor que está envelhecendo; seria possível que os sentimentos de Wright tenham mudado profundamente, dadas as circunstâncias e condições criadas por Obama?
As motivações de Jeremiah Wright para esse comportamento podem ser completamente diferentes, para além da nossa capacidade de especular, ou algo ainda não revelado.  Embora a história muito provavelmente seja enterrada, como é de costume, e receber uma desculpa qualquer da imprensa, vale mencionar que Wright ainda é altamente respeitado em alguns círculos; uma reação muito exaltada contra ele poderia repercutir contra Obama, e ele definitivamente não precisa disso, considerando a sua situação atual com a base política.
Traduzido por Luis Gustavo Gentil do artigo do WND: “Rev. Wright: Memoirs from under the Obama bus

30 de maio de 2012

Irã: Descoberta arruinará o Cristianismo


Irã: Descoberta arruinará o Cristianismo

“Bíblia” turca afirma que Barnabé previu a vinda de Maomé

Reza Kahlili
A agência iraniana Basij Press alega que um suposto Evangelho de Barnabé, descoberto em 2000, irá provar que o islamismo é a religião definitiva e justa, causando o colapso mundial do Cristianismo.
A Turquia confiscou o texto, escrito em folhas de couro, em uma operação de combate ao contrabando. As autoridades da Turquia acreditam que o manuscrito poderia ser uma versão autêntica do Evangelho de Barnabé, apóstolo conhecido por suas viagens com o Apóstolo Paulo.
A Basij Press sustenta que o texto foi escrito entre os séculos V e VI, e prevê a vinda de Maomé e da religião do islamismo.
O mundo cristão, afirma, nega a existência do evangelho.
Outro “Evangelho de Barnabé” data do fim do século XVI, o que já seria pós-Maomé.
No texto de Barnabé que está nas mãos da Turquia, o capítulo 41 afirma: “Deus havia se escondido enquanto Arcanjo Miguel os expulsava (Adão e Eva) do paraíso, e ao virar-se, Adão notou que sobre os portões do céu, estava escrito ‘La elah ela Allah, Mohamad rasool Allah’”, que significa “Alá é o único Deus e Maomé o seu profeta”.
O exército turco tomou posse do texto porque os “sionistas” e os governos do Ocidente estão tentando omitir seu conteúdo, conforme alegação da Basij Press.
De acordo com o Evangelho de Barnabé na mão dos turcos, segundo a Basij Press, Jesus nunca foi crucificado, não é o Filho de Deus e Ele próprio previu a vinda de Maomé. O livro previu até a vinda do último messias islâmico, segundo a reportagem.
“A descoberta da Bíblia original de Barnabé agora irá solapar a Igreja Cristã e sua autoridade, e irá revolucionar a religião no mundo”, afirma a reportagem da Basij. “O fato mais relevante, no entanto, é que essa Bíblia previu a chegada do Profeta Maomé e por si própria confirmou a religião do Islamismo, e apenas isso irá desequilibrar as forças do mundo e criar instabilidade no mundo cristão”.
A reportagem da Basij conclui que a descoberta é tão imensa que irá afetar a política global, e que as forças mundiais tomaram ciência do seu impacto.
Os turcos planejam expor a Bíblia ao público. Embora as autoridades turcas acreditem que essa poderia ser uma versão autêntica do Evangelho de Barnabé, outros acreditam que ele foi escrito apenas no século XVI, e seria falso por ter sido escrito séculos após a morte de Maomé.
Erick Stakelbeck, apresentador do programa do “Stakelbeck on Terror” (Stakelbeck contra o Terror) da emissora Christian Broadcasting Network, junto com um observador próximo das questões iranianas, afirmam que o Irã tenta chamar atenção para o livro porque vê o cristianismo como uma ameaça.
“O regime iraniano está comprometido com a extinção do Cristianismo de todas as formas possíveis, quer isso signifique executar convertidos, queimar Bíblias ou atacar igrejas clandestinas”, explica.
“Ao promover a chamada Bíblia de Barnabé, que provavelmente foi escrita por volta do século XVI e não é aceita por nenhuma grande denominação cristã, o regime está mais uma vez tentando desqualificar a fé cristã. Um número recorde de jovens iranianos está abandonando o islamismo e abraçando Cristo, e os mulás veem o Cristianismo como uma ameaça crescente à sua autoridade”.
O Vaticano pediu para ver o texto, mas não se sabe se a Turquia permitiu o acesso.
Os aiatolás iranianos declaram regularmente que o islamismo é a única e definitiva religião certa enviada por Deus.
O Grande Aiatolá Jafar Sobhani, em uma declaração recente, declarou que uma vez que o Alcorão foi o último livro sagrado e fornece a religião mais completa do mundo, e que Maomé é o último profeta, não existe autoridade para obedecer a outros livros. O Alcorão indica claramente que apenas os que aceitarem a verdadeira religião do islã são os guiados, afirma.
Conforme noticiado recentemente, um ex-agente de inteligência da Guarda Revolucionária revelou que dezenas de milhares de Bíblias foram confiscadas e queimadas no Irã sob ordem do líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei. O mulá afirma que a Bíblia não é um livro sagrado, e que queimá-la é moralmente aceitável.
Khamenei afirma: “Considerando o entendimento da promessa divida do todo-poderoso Alá, os sionistas e o Grande Satã (Estados Unidos) em breve serão derrotados. A promessa de Alá será entregue e o islamismo será vitorioso".
Traduzido por Luis Gustavo Gentil do artigo do WND: “Iran: Discovery will collapse Christianity

Pátrio poder ameaçado por “lei da palmada”


Pátrio poder ameaçado por “lei da palmada”

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz
“Acusai-nos de querer abolir a exploração das crianças por seu próprios pais? Confessamos este crime” (Marx e Engels, Manifesto Comunista, Parte II, 1848).
É próprio dos regimes totalitários, como o comunismo e o nazismo, a intervenção do Estado na intimidade da família, subtraindo aos pais o seu inalienável direito-dever de educar os filhos. Segundo tais ideologias, as crianças seriam confinadas em creches ou escolas estatais, enquanto os pais teriam tempo “livre” para trabalhar para o Estado fora do lar.
Estamos sendo governados por um partido que ostenta em sua bandeira a estrela vermelha de cinco pontas, símbolo internacional do comunismo. Não é de se estranhar que ele queira retirar o que ainda resta da autoridade dos pais sobre os filhos.
Coerente com sua ideologia, o governo petista enviou ao Congresso Nacional em 16/07/2010 a Mensagem MSC 409/2010, que “altera a Lei n  8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, para estabelecer o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso de castigos corporais ou de tratamento cruel ou degradante”.
A proposta, que recebeu o nome de Projeto de Lei 7672/2010, deverá ser votada no dia 30 de maio de 2012 pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados. Ela é o 7º item da pauta. O relator é o deputado Alessandro Molon (PT/RJ).
O que pretende o projeto? Que os pais sejam proibidos de matar seus filhos? Isso já é crime previsto pelo Código Penal (art. 121). Que os pais sejam proibidos de causar lesão corporal em seus filhos? Isso também já é crime (art. 129, CP). Que os pais sejam proibidos de abusar dos meios de correção e disciplina? Isso já está incluído na figura penal de “maus tratos” (art. 136, CP).
Que pretende então o projeto? Que os pais sejam proibidos de usar castigos corporais como forma de correção. Castigos corporais abusivos? Não. Qualquer castigo corporal, inclusive uma leve palmada na mão de uma criança que teime em querer colocar o dedo na tomada elétrica. Para os efeitos do PL 7672/2010, entende-se por castigo corporal o mero “uso da força física que resulte em dor”. Não se requer que a dor seja intensa ou insuportável. Basta que a criança sinta dor.
Não é crível que o governo esteja preocupado com a dor das crianças. Se assim fosse, ele não estaria - como está - tão interessado em promover o aborto por todos os meios.
A intenção, como já se disse, é solapar a família, destruindo o pátrio poder e dando ao Estado poder imediato — e não apenas subsidiário — sobre as crianças em processo de educação.
Todo cidadão pode protestar contra essa investida do totalitarismo estatal telefonando gratuitamente para o Disque Câmara (0800 619 619) e dizendo: “Quero enviar uma mensagem a todos os membros da CCJ”.
Interrogado sobre o conteúdo da mensagem, pode-se dizer: “Solicito a Vossa Excelência que respeite o sagrado direito de os pais disciplinarem seus filhos, votando contra o PL 7672/2010”.
Além de gratuito, o Disque Câmara é mais eficiente que as mensagens enviadas por correio eletrônico. Rapidamente se percebe a repercussão da manifestação popular.
Sejamos rápidos. O projeto está para ser votado.
Divulgação: www.juliosevero.com
Atenção: Projeto anti-palmada será votado em 30 de maio

29 de maio de 2012

Lei da Palmada: a surra estatal nos pais e seus direitos


Lei da Palmada: a surra estatal nos pais e seus direitos

Apresse-se: a votação será quarta-feira, dia 30 de maio

Julio Severo
A chamada Lei da Palmada, rejeitada por mais de 80% da população conforme pesquisas de opinião pública, está para ter uma votação importante na quarta-feira, 30 de maio.
Na última votação, em dezembro de 2011, a bancada evangélica fez um acordo vergonhoso com o governo, que quer a todo o custo transformar em crime o direito dos pais de disciplinar fisicamente os filhos. O projeto, que tem o apoio de Maria do Rosário e de Xuxa, iguala castigo físico dado por pais à violência e agressão que crianças sofrem nas mãos de criminosos.

Maria do Rosário

Contudo, que moral tem Maria do Rosário de remover dos pais seu direito de disciplinar seus filhos? Rosário favorece o aborto legal, que é a pior violência contra uma criança. Qualquer criatura que ocupe cargo de ministro e defenda o genocídio de crianças merece o mais elevado castigo penal. Como no Brasil não dispomos desse castigo, eu pediria ajuda aos leitores do meu blog para comprar para Rosário uma passagem só de ida para a Arábia Saudita.
Rosário também defende a doutrinação homossexual das crianças em escolas, tornando-as reféns de aulas onde o homossexualismo é apresentado, ensinado e louvado como a conduta mais maravilhosa do universo.
Maria do Rosário: crianças podem ser abortadas e doutrinadas no homossexualismo, mas não podem ser corrigidas pelos pais
Rosário vê como heróis os terroristas comunistas que queriam tomar o governo do Brasil e transformá-lo numa ditadura sanguinária no modelo da União Soviética. Os militares brasileiros, os verdadeiros heróis que conseguiram deter os verdadeiros criminosos, são tratados por Rosário como criminosos.
E agora ela quer aplicar sua ideologia terrorista e homossexualista contra os direitos dos pais? Alguém poderia por favor entrar em contato com Rosário para oferecer um passagem só de ida de modo que ela vá defender na Arábia Saudita as mesmas perversões que ela defende no Brasil?

Xuxa

Que moral tem Xuxa de apoiar a mutilação dos direitos dos pais na área da disciplina? Moral ela não tem, mas imoralidade ela tem de sobra. O currículo de Xuxa faz inveja a qualquer gigolô. A coelhinha dos baixinhos não só viveu a pornografia em pessoa, mas induziu uma geração inteira nesse rumo. Agora, além de seu sucesso pornô, exige o sucesso de mutiladora e destruidora dos direitos dos pais.
Vá catar coquinho na Arábia Saudita, Xuxa!
Mesmo sendo aliado de Dilma Rousseff, Magno Malta deixou claro: “Lei da Palmada é uma agressão às famílias”

Magno Malta e presidente da FPE contra a Lei da Palmada

Até mesmo evangélicos aliados do governo de Dilma Rousseff não apoiam a Lei da Palmada. O senador Magno Malta disse: “A Lei da Palmada é uma agressão à família… Sempre provei para população, que família estruturada reflete uma sociedade também estruturada. Filhos tem que ser educados pelos pais. Não podemos interferir na educação e nos bons costumes familiares. É lógico, que sou contra qualquer tipo de violência, mas Deus permitiu as mães corrigirem os filhos com palmadas. Este tipo de correção é também uma forma de amor. É melhor fazer uma criança chorar, do que ter que chorar no futuro”.
Adelor Vieira, ex-presidente da bancada evangélica: Pais têm o direito de usar a varinha da correção
Em 2006, o Dep. Adelor Vieira, presidente na época da bancada evangélica, disse sobre o projeto de Maria do Rosário que criminaliza pais disciplinadores: “se aprovada a referida Lei, o pai ou a mãe que se baseiam em princípios bíblicos para educar seus filhos terão seus valores e métodos de educação invalidados e passarão até a responder por crimes. Corrigir o filho com punição física branda é algo recomendado pela própria Bíblia Sagrada. O livro de Provérbios afirma que o pai que verdadeiramente ama seu filho não deixa de puni-lo com uma varinha”.

Envie seu protesto ao Congresso Nacional

O projeto de criminalização dos pais que disciplinam os filhos será votado na quarta-feira, 30 de maio na Comissão de Constituição e Justiça.
Por isso, faça pressão sobre os deputados.
Telefone ou escreva agora mesmo ao deputado federal do seu estado. Consulte este link para ter o email e telefone dos membros da Comissão de Constituição e Justiça: http://www2.camara.gov.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/ccjc/membros
Telefone imediatamente para a Frente Parlamentar Evangélica: (61) 3215-5315
Faça contato com todos os membros da Comissão de Constituição e Justiça que quer aprovar o projeto do governo clicando aqui.
Artigos sobre Xuxa:
Artigos sobre Maria do Rosário:

Novo Código Penal: uso de drogas não será crime


Novo Código Penal: uso de drogas não será crime

Julio Severo
A comissão de juristas que está tratando da reforma do Código Penal no Senado aprovou nesta segunda-feira (28) texto que descriminaliza o uso, compra, porte ou depósito de qualquer droga para consumo próprio.
A recomendação, aprovada pelos juristas, não teve como origem um grupo de drogados de esquina. A autora é a defensora pública Juliana Belloque, que afirmou que se baseou na tendência mundial de descriminalização do uso de drogas.
Ela explicou que há uma diferença entre usuário e traficante de drogas. Com essa explicação, a comissão aprovou a diminuição da pena máxima para o preso por tráfico.
Se a reza dos viciados do Brasil era “Dá-nos hoje a droga de cada dia”, a resposta do chifrudo vermelho veio através de sua assessoria jurídica.
“Eu e minha assessoria jurídica estamos preparando uma surpresa legal para o Brasil!”
Aliás, mais rezadores estão aproveitando a boa vontade infernal de tal assessoria. Os supremacistas gays querem a “sodomia de cada dia”, os índios assassinos de bebês e crianças querem o “sacrifício de inocentes de cada dia”, os matadores de velhinhos e doentes estão rezando pela eutanásia, os médicos empresários estão rezando pelo “lucro de cada dia” que se fará com a culminação da legalização do aborto total mediante a brecha do aborto anencefálico e os homonazistas estão rezando “pelo cristão de cada dia a ser jogado na arena dos leões” com suas leis anti-“homofobia”. E a fila deverá trazer outros rezadores também.
Semana passada, a mesma comissão de juristas aprovou o aborto por anencefalia (que é a cabeça de praia para outros abortos) e a criminalização da “homofobia”. O infanticídio e outras aberrações éticas já estão no cardápio dos adeptos da “cultura da morte”.
São temas que, em passado recente, seriam normalmente aprovados por viciados alucinados e enlouquecidos. O Tribunal de Nurembergue teria condenado tais criaturas à forca. Mas mentes jurídicas modernas fizeram tal aprovação.
Se fizeram seus estudos universitários do jeito que já vi muitos jovens brasileiros fazendo — sob a inspiração de depravações e “fumanças legais” —, então os resultados dessa comissão estão explicados. É impossível esperar princípios éticos de quem estudou sob tais inspirações.
As fortalezas da ética — as igrejas e grupos de cristãos que adoram Jesus Cristo — que estão mobilizadas contra o aborto legal, o supremacismo gay, as drogas e o infanticídio de crianças como mera cultura indígena precisam estar alerta para a nova frente de batalha contra a vida e a família.
Mentes jurídicas, que estão se comportando como fumadores de esquina, estão dispostas a traficar para o Código Penal a própria cultura da morte sob pretextos progressistas e até de “direitos humanos” — palavra-mágica que permite a realização social dos desejos das profundezas mais escuras do chifrudo e sua assessoria jurídica.
Se não reagirmos agora, seremos governados por leis que exigirão da sociedade brasileira o respeito ao aborto, à sodomia, às drogas e ao infanticídio indígena, trazendo como consequência o desrespeito à ética e aos valores familiares e cristãos. No final, o Brasil estará se prostrando diante do chifrudo e sua sede de sacrifícios.
Como sugere o Salmo 125:3, quando as leis dos maus governam uma sociedade, até as pessoas boas começam a cometer maldades.
Se não houver oposição firme das fortalezas da ética, seremos governados por leis que nos levarão ao mal e à destruição.
A boa notícia é que o Congresso Nacional ainda não aprovou o novo Código Penal. Quem o aprovou foram apenas os juristas com cabeça de fumadores de esquina.
A notícia não tão boa é que o povo ainda não se mobilizou contra as novas leis que estão pretendo nos enfiar goela abaixo.
É hora de nos mobilizarmos contra essas drogas de leis, antes que seja tarde demais.

O que fazer?

Telefone ou escreva agora mesmo ao senador e deputado federal do seu estado. Para encontrar informações sobre o senador do seu estado, vá a este site: www.senado.gov.br
Para encontrar informações sobre o deputado federal do seu estado, vá a este site: www.camara.gov.br
Além disso, telefone e pressione imediatamente a Frente Parlamentar Evangélica para agir: (61) 3215-5315.