9 de dezembro de 2012

A bondade de Deus para os muçulmanos


A bondade de Deus para os muçulmanos

Julio Severo
Deus tem sido justo e bom para os muçulmanos. A imensidão territorial que ocupam os países muçulmanos é prova abundante desse fato.
O pequeno Estado de Israel, com suas fronteiras bíblicas originais, não é nada em comparação com o enorme território muçulmano.
Deus poderia ter dado aos judeus o território do Brasil ou dos EUA. Ele também poderia ter dado a eles a imensidão territorial dos países muçulmanos. Mas ele deu somente um minúsculo pedaço de terra, e o registro da posse está no livro que é lido por milhões de pessoas todos os dias: a Bíblia, que é a Escritura dos cristãos e escritura (documento de posse) dos judeus.
E se Deus tivesse dado aos muçulmano somente aquele pedacinho de terra, a Terra Prometida, e tivesse dado aos judeus todas as grandes terras que os árabes possuem? Daria para entender os muçulmanos implorando aos judeus: “Por favor, deem-nos um pouco de terra. Vocês são muito ricos e nossa terra é muito pequena.”
O que ocorre é exatamente o contrário, e os judeus não estão reclamando. Eles não estão implorando: “Por favor, deem-nos pelo menos o território da Arábia Saudita, pois a terra de Israel é pequena demais.”
Se os muçulmanos fossem bondosos, dariam a Arábia Saudita, e, como dá para ver no mapa, sobraria ainda muita terra para os muçulmano.
Territorialmente, os muçulmanos são muito mais ricos do que os judeus.
Os palestinos, cujo nome no Latim vem de filisteus, sempre foram inimigos de Israel. No passado, eles queriam partes da Terra Prometida, mas Deus nunca permitiu e sempre os castigou. Eles não podem, mesmo hoje, reivindicar o que Deus não lhes deu.
Contudo, eles podem reivindicar terras de outros países.
Já que os EUA exigem que a Terra Prometida seja dividida entre judeus e filisteus, cabe aos EUA dar o exemplo e dar metade de seu território aos filisteus.
Já que o Brasil também exige que a Terra Prometida seja dividida entre judeus e filisteus, cabe ao Brasil dar o exemplo e dar metade de seu território aos filisteus.
Já que os países muçulmanos, em sua imensidão territorial, exigem que a Terra Prometida seja dividida entre judeus e filisteus, cabe-lhes dar o exemplo e dar metade de seu território aos filisteus.
Não sei a reação dos EUA e Brasil a essa justa proposta, mas é quase certeza que todos os países muçulmanos jamais perdoariam os filisteus, seus irmãos de carne, sangue e fanatismo islâmico, por quererem terras de outros árabes.
A imensa riqueza territorial que os muçulmanos têm eles não dividem com ninguém, nem com seus irmãos filisteus.
Como é que eles exigem então que os filhos de Israel deem, de seu minúsculo território, terras aos filisteus?
Deus tem sido muito bom para os muçulmanos, que deveriam ser muito bons para os filisteus.
Os muçulmanos deveriam agradecer a Deus por sua imensidão territorial e deveriam doar aos seus irmãos filisteus um pouco de sua tremenda abundância territorial.
Deus se agrada da bondade e gratidão, especialmente entre irmãos de sangue.
Leitura recomendada:

2 comentários :

Anônimo disse...

A tal Palestina (nome dado a todo o território israelsense e gaza pelo Império Romano, depois da Diáspora e mantido quase 2000 anos depois pela Império Inglês), não passa de buxa de canhão para os demais países árabes. Nenhum governo árabe e a maioria de seus cidadãos sequer estão preocupados com os tais palestinos. Gaza é somente um territoriozinho usado pelos povos árabes e o Irã para atacar Israel. O sofrimento dos palestinos não é importante nem para os árabes e nem para os terroristas de Gaza. Quando Gaza passar para o poder territorial de Israel, veremos o ajuntamento das nações no Vale do Armagedom e a grande batalha de Deus se iniciará.

Daniel disse...

Há algo de errado com esse mapa, poia a Etiópia não é nem árabe e nem muçulmana, mas cristã e tendo uma cultura própria separada da cultura árabe. A única região que antigamente pertencia à Etiópia e que é muçulmana arabizada é a costa do Mar Vermelho, que hoje forma a nação da Eritréia.
E há uma grande confusão entre árabes e muçulmanos.
Árabes são um grupo étnico originários da Península Arábica cujas fronteiras vão até os contrafortes das montanhas do Irã na fronteira com o Iraque, a região montanhosa ao norte do Iraque e leste e sudeste da Turquia, e chegando no máximo até o leste da Líbia, na região de Benghazi.
A cultura árabe vai mais além, penetrando no Sudão e em todo o Norte da África, ocorrendo uma mistura entre a cultura árabe e as culturas locais na Nigéria e nos países da África Ocidental ao sul da Argélia.
Na Turquia também há essa mistura de culturas.
No Irã e mais além, não há cultura árabe, mas apenas a cultura muçulmana, ficando o árabe apenas restrito às leituras do Corão.
Quanto ao cerne do artigo, sim, a imensidão territorial árabe, que a que fica ao oeste do Irã e ao sula da Turquia, ainda assim é infinitamente maior do que o território de Israel.
O povo judeu jamais vai abrir mão do controle de Israel, e isso não é só por estarem obedecendo a determinação divina, mas simplesmente porque é uma questão de segurança nacional controlar os territórioos da Judéia e Samaria.
Israel é indivisível.
Que árabes e muçulmanos, junto com seus apoiadores esquerdistas, entendam isso de uma vez.