25 de novembro de 2012

Presidente de Uganda se arrepende de pecados pessoais e nacionais


Presidente de Uganda se arrepende de pecados pessoais e nacionais

Michael Carl
Será que um presidente deveria conduzir os cidadãos numa oração nacional de arrependimento?
O presidente evangélico de Uganda pensa que sim.
Yoweri Museveni
De acordo com uma reportagem do site ugandense New Vision, o presidente Yoweri Museveni celebrou o aniversário de 50 anos de independência de Uganda da Inglaterra no evento Orações Nacionais do Jubileu, se arrependendo publicamente por seus pecados pessoais e pelos pecados da nação.
“Estou aqui hoje para encerrar o passado de malignidade, e principalmente os últimos 50 anos de nossa história de liderança nacional, e entrarmos numa nova dispensação na vida desta nação. Estou aqui em favor de mim mesmo e dos presidentes anteriores, para demonstrar arrependimento. Pedimos teu perdão”, orou Museveni.
“Confessamos esses pecados, que têm causado grandes impedimentos para nossa harmonia nacional e atrasos para nossa transformação política, social e econômica. Confessamos os pecados de idolatria e bruxaria que são abundantes em nosso país. Confessamos os pecados de derramamento de sangue inocente, pecados de hipocrisia política, desonestidade, intriga e traição”, disse Museveni.
“Perdoa-nos os pecados de orgulho, tribalismo e sectarismo; pecados de preguiça, indiferença e irresponsabilidade; pecados de corrupção e suborno que estão provocando erosão em nossos recursos nacionais; pecados de imoralidade sexual, alcoolismo e devassidão; pecados de falta de perdão, amargura, ódio e vingança; pecados de injustiça, opressão e exploração; pecados de rebelião, insubordinação, brigas e conflitos”, orou Museveni.
Em seguida, o presidente dedicou Uganda a Deus.
“Queremos dedicar esta nação a ti de modo que tu sejas o nosso Deus e guia. Queremos que Uganda seja conhecida como uma nação que teme a Deus e como uma nação cujos alicerces estão firmemente enraizados na justiça para cumprir o que a Bíblia diz no Salmo 33:12: ‘Feliz a nação cujo Deus é o SENHOR, o povo que Ele escolheu para lhe pertencer!’ (KJA)” orou Museveni.
Uganda ganhou sua independência da Inglaterra em 8 de outubro de 1962. Milton Obote, líder da resistência, foi o primeiro primeiro-ministro de Uganda.
O Rev. Scott Lively, pastor e ativista de Massachusetts, crê que Museveni é um modelo para outros líderes nacionais.
“A oração de Museveni é um modelo para todos os líderes cristãos no mundo inteiro. O declínio dos líderes do Ocidente está ocorrendo em proporção ao grau de rejeição que eles demonstram a Deus”, disse Scott.
Scott também acredita que Uganda vai se erguer como uma grande potência africana, enquanto os EUA continuam a decair. Ele usa a Inglaterra como exemplo.
“Quando honrava a Deus, exatamente como o presidente de Uganda acabou de fazer, a Inglaterra estava em seu auge como potência mundial. De forma semelhante, a grandeza dos EUA está diminuindo, pois os EUA passaram de nação cristã para uma nação humanista e secularista. Mas fique de olho em Uganda, pois Deus os abençoará muito por quererem ser uma nação dedicada a Ele”, disse Scott.
Scott acrescentou que Museveni está claramente fazendo um contraste entre Uganda e o Ocidente.
“Este incidente é também importante como um contraste no quadro que está sendo pintado pela esquerda ímpia que retrata Uganda como uma nação atrasada, violenta e selvagem pronta para assassinar homossexuais”, disse Scott.
“Pelo contrário, com calma e confiança Museveni está estabelecendo o rumo de sua nação mediante a orientação da Bíblia, de um jeito que também mostra grande coragem e determinação”, disse Scott.
Os grupos de militância homossexual estão criticando o governo de Uganda e Museveni por aprovarem leis que criminalizam a conduta homossexual. Um projeto de lei atualmente no Parlamento de Uganda aumenta as sentenças de prisão para atos homossexuais e inclui penas criminais para os que incentivam ou promovem a homossexualidade.
O projeto havia incluído a pena de morte para os que cometem múltiplos atos de conduta homossexual, mas a cláusula foi removida, conforme reportagens da BBC Notícias.
Scott disse que não concorda com a cláusula de pena de morte, mas apoia a forte postura de Uganda contra a conduta homossexual.
Traduzido por Julio Severo do artigo do WND: Ugandan president repents of personal, national sins
Leitura recomendada:

8 comentários :

Anônimo disse...

fez certo assim como salomão...
Depois Salomão se pôs diante do altar do Senhor, em frente de toda a congregação de Israel e, estendendo as mãos para os céus,
23 disse: Ó Senhor, Deus de Israel, não há Deus como tu, em cima no céu nem em baixo na terra, que guardas o pacto e a benevolência para com os teus servos que andam diante de ti com inteireza de coração;
24 que cumpriste com teu servo Davi, meu pai, o que lhe prometeste; porque com a tua boca o disseste, e com a tua mão o cumpriste, como neste dia se vê.
25 Agora, pois, ó Senhor, Deus de Israel, faz a teu servo Davi, meu pai, o que lhe prometeste ao dizeres: Não te faltará diante de mim sucessor, que se assente no trono de Israel; contanto que teus filhos guardem o seu caminho, para andarem diante e mim como tu andaste.
26 Agora também, ó Deus de Israel, cumpra-se a tua palavra, que disseste a teu servo Davi, meu pai.
27 Mas, na verdade, habitaria Deus na terra? Eis que o céu, e até o céu dos céus, não te podem conter; quanto menos esta casa que edifiquei!
28 Contudo atende à oração de teu servo, e à sua súplica, ó Senhor meu Deus, para ouvires o clamor e a oração que o teu servo hoje faz diante de ti;
29 para que os teus olhos estejam abertos noite e dia sobre esta casa, sobre este lugar, do qual disseste: O meu nome estará ali; para ouvires a oração que o teu servo fizer, voltado para este lugar.
30 Ouve, pois, a súplica do teu servo, e do teu povo Israel, quando orarem voltados para este lugar. Sim, ouve tu do lugar da tua habitação no céu; ouve, e perdoa.
31 Se alguém pecar contra o seu próximo e lhe for exigido que jure, e ele vier jurar diante do teu altar nesta casa,
32 ouve então do céu, age, e julga os teus servos; condena ao culpado, fazendo recair sobre a sua cabeça e seu proceder, e justifica ao reto, retribuindo-lhe segundo a sua retidão.
33 Quando o teu povo Israel for derrotado diante do inimigo, por ter pecado contra ti; se eles voltarem a ti, e confessarem o teu nome, e orarem e fizerem súplicas a ti nesta casa,
34 ouve então do céu, e perdoa a pecado do teu povo Israel, e torna a levá-lo à terra que deste a seus pais.
35 Quando o céu se fechar e não houver chuva, por terem pecado contra ti, e orarem, voltados para este lugar, e confessarem o teu nome, e se converterem dos seus pecados, quando tu os afligires,
36 ouve então do céu, e perdoa o pecado dos teus servos e do teu povo Israel, ensinando-lhes o bom caminho em que devem andar; e envia chuva sobre a tua terra que deste ao teu povo em herança.
37 Se houver na terra fome ou peste, se houver crestamento ou ferrugem, gafanhotos ou lagarta; se o seu inimigo os cercar na terra das suas cidades; seja qual for a praga ou doença que houver;
38 toda oração, toda súplica que qualquer homem ou todo o teu povo Israel fizer, conhecendo cada um a chaga do seu coração, e estendendo as suas mãos para esta casa,
39 ouve então do céu, lugar da tua habitação, perdoa, e age, retribuindo a cada um conforme todos os seus caminhos, segundo vires o seu coração (pois tu, só tu conheces o coração de todos os filhos dos homens);
40 para que te temam todos os dias que viverem na terra que deste a nossos pais.

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Vendo essa humilde postura do presidente de Uganda, me lembrei das palavras de Jesus:

"Em verdade Eu vos digo que haverá maior júbilo no Céu por um único pecador que se arrepende, do que por noventa e nove justos que não sentem necessidade de arrependimento" (Lucas 15:7)

Quem dera se outros governantes tivessem a mesma coragem para agir assim publicamente!

Se Lula e Dilma fossem humildes, eles teriam que ter coragem o suficiente para pedir perdão a Deus pelos seus pecados. Eles teriam que confessar publicamente: "Senhor, perdoa-nos, em nome de Jesus, por termos aprovado o aborto (que Tu condenas); por sermos a favor do homossexualismo; por patrocinarmos as paradas gays; por aprovarmos o casamento homossexual; por tolerar a pornografia infantil e a pedofilia; por permitirmos a divulgação da bruxaria como cultura; por querer ensinar homossexualismo nas escolas para as nossas crianças como algo normal; por acharmos que podemos Te substituir aqui na Terra; enfim, por termos agido contra a obediência à Tua Palavra (e aos Teus mandamentos). Em nome de Jesus, nós, humildemente, Te pedimos perdão por tudo que fizemos de errado!"

A mesma atitude também deveria partir de muitos pastores e dirigentes de igrejas que apoiam este mesmo governo.

Quem seria humilde o suficiente para agir assim?

Anônimo disse...

Que bom, já tenho um lugar para ir!

Felipe.

marcelo disse...

No tocante a não aceitação de Uganda da SODOMIA que está imperando em quase todo o planeta, como um direito, deixo minha contribuição:

O Senhor Deus, pelo seu poder, estabeleceu, nos dez mandamentos, que o homem não deveria matar seu semelhante, assim como não deveria adorar outros deuses, etc....

É comum alguns indoutos quererem se justificar e, usando essas leis divinas, questionarem: se DEUS disse que não deveríamos matar ninguém, como Ele próprio estabeleceu penas de morte para determinadas atitudes? Isso é contraditório, certo?
Errado!

Esse é o raciocínio que o diabo quer implantar nas mentes corruptas do homem, fazendo-o crer que Deus é "injusto" ou que as abominações humanas não merecem punições.

O direito só é explicável se corresponder a um sentimento de dever para com outrem e para com a sociedade.

A convivência amigável entre as pessoas só é possível se houver um reconhecimento de regras de justiça, em virtude de uma ORDEM MORAL que se sobrepõe a todas as vontades individuais e que domina a própria sociedade.

A própria definição de DIREITO pressupõe a contrapartida de DEVER, uma vez que, em uma coletividade, os direitos de um indivíduo são garantidos a partir do cumprimento dos deveres dos demais componentes da sociedade.

Os dias atuais estão dominados pela “Declaração Universal dos Direitos do Homem” as quais criaram nas mentes corruptas do homem um verdadeiro “estado de direito”. Todavia, a meu ver, faltou a publicação da “Declaração Universal dos DEVERES do Homem”, pois não há direitos se não houver DEVERES.
E porque faltou? Porque DEVER pressupõe castigo para as inflações às leis, de forma que aquele que deixar de cumprir os deveres humanos, terá necessariamente seus direitos humanos tolhidos de alguma forma (com severidade, dependendo do delito).

Uma vez que nem mesmo as Escrituras Sagradas têm aceitação UNIVERSAL, mesmo indicando a vontade de Deus para os homens, como algo que foi feito pela mente corrupta do homem pode ser considerado acima das leis estabelecidas pelo Espírito Santo de Deus?
É pura hipocrisia humana achar que algum MORTAL, por mais brilhante que pareça, possa ser mais justo do que o próprio Criador, o qual tem na Sua Palavra a verdadeira justiça.

O diabo, ganhando terreno, assim como fez no Éden, ao confundir a mente de Eva (usando a própria Palavra de Deus), já tomou ocasião nessa nova onda humanista e, pela soberba humana, está espalhando pelo mundo o veneno do ESTADO DE DIREITO, no qual todos se acham vítimas de tudo, menos das próprias vontades e inclinações malignas.

Não tenho dúvida de que a “Declaração Universal dos Diretos do Homem” é mais uma manobra para libertar o homem da consciência do pecado, pois, onde não há pecado, não há transgressão e, consequentemente, não pode haver pena.

Dessa forma, em breve, a terra transformar-se-á em uma verdadeira SODOMA, de maneira que tais declarações sejam possivelmente a verdadeira bíblia universal do diabo.

Seria, pois, injusto o Senhor Deus em estabelecer leis severas para as abominações humanas? Claro que não, pois, desde que haja respeito do homem para com o Ele e para com seu próximo, não haveria necessidade de pena (tornando-se imperativo o NÃO MATARÁS). Mas se isso não ocorresse, a lei da punição seria aplicada para corrigir os desvios (não arbitrariamente, é claro), sob os auspícios de quem criou todas as coisas, o único Deus (EU SOU O QUE SOU).

Não há contradição alguma nisso e a MORTE (que entrou no mundo por causa do próprio homem) comprova a posição de Deus frente à desobediência e petulância humanas (uma lei dura, mas irrevogável para justos e injustos).

Anônimo disse...

Será que um presidente deveria conduzir os cidadãos numa oração nacional de arrependimento?
O presidente evangélico de Uganda pensa que sim o Senhor Yoweri Museveni.
-----------------------------------
Lendo essa notícia e a atitude desse presidente da Unganda(África)com coração humilde e quebrantado, contrito, reconhecendo que é um pecador e sabe que precisa muito da graça de Deus de sua misericórdia na sua vida e de como ele sendo um chefe de um nação atualmente ele precisa conduzir com sabedoria e inteligência não baseada nas mãos humanas mais ter a "sabedoria de Deus" do altíssimo é superior para conduzir seu país.

Ester!!!!!!!

ÉLQUISSON disse...

Marcelo,

O seu raciocínio sobre direitos e deveres (fazendo uma analogia com a ordem social e a lei de Deus) foi perfeito. Infelizmente, nem todas as pessoas têm essa consciência de que determinados direitos só podem ser concedidos (ou adquiridos) com o cumprimento de certos deveres.

Vou dar um exemplo a título de ilustração: um empresário tem o direito de exigir que um empregado seja muito bem qualificado; porém, o empresário tem o dever de pagar um salário digno (ou condizente) para o empregado. O empregado, por sua vez, tem o direito de exigir um bom salário, mas, em contrapartida, tem o dever de fazer um bom serviço para o empresário.

Eu diria o seguinte (me corrija se eu estiver errado): o ser humano tem o direito ao livre arbítrio, porém tem o dever de pedir perdão a Deus toda vez que pecar. A meu ver, esta seria a melhor visão sobre direitos e deveres envolvendo a lei de Deus e o ser humano.

Creio que Deus estabeleceu Sua lei com um propósito: que o ser humano possa viver dentro de um limite de convivência respeitável com o seu semelhante (e em obediência à lei de Deus).

A lei de Deus é soberana, eterna e imutável (nunca poderá ser mudada por nada, e nem por ninguém). Para Deus, pecado (seja qual for, inclusive o homossexualismo) é pecado sempre (e ponto final). A lei de Deus nunca irá se sujeitar (ou "se adaptar") aos tempos modernos ou ao "politicamente correto" do governo, dos homossexuais, dos abortistas, dos falsos profetas, dos pastores progressistas, dos esquerdistas, comunistas, marxistas, socialistas, e dos falsos evangelhos. A lei de Deus não foi feita para agradar aos homens (e nunca irá se sujeitar a homem nenhum). A respeito da lei de Deus, Jesus foi taxativo:

"Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas; não vim para revogar, mas para cumprir. Pois em verdade Eu vos digo que, até que passem os Céus e a Terra, nenhum i ou til jamais passará da lei, sem que tudo se cumpra" (Mateus 5:17–18)

Será que este meu ponto de vista está certo?

Esther Kochav disse...

Também acredito que esse povo será ainda mais abençoado.

Salmos 144:15
Bem-aventurado o povo ao qual assim acontece; bem-aventurado é o povo cujo Deus é o Senhor.

Everaldo disse...

Esse gesto do presidente de Uganda foi uma verdadeira demonstração de humildade: reconhecer que tanto ele quanto a nação são pecadores (e precisam da misericórdia de Deus). Ele está de parabéns por essa postura.

O que o presidente de Uganda fez lembra muito Davi ao ser repreendido pelo profeta Natã (por Davi ter dormido com Bate–Seba). É como diz a Palavra de Deus:

SALMO 51

1 Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a Tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das Tuas misericórdias.
2 Lava-me completamente da minha iniqüidade, e purifica-me do meu pecado.
3 Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.
4 Contra Ti, contra Ti somente pequei, e fiz o que é mal aos Teus olhos, para que sejas puro quando falares e justo quando julgares.
5 Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.
6 Eis que amas a verdade no íntimo, e no oculto me fazes conhecer a sabedoria.
7 Purifica-me com hissopo, e eu ficarei puro; lava-me, e eu ficarei mais branco do que a neve.
8 Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem os ossos que Tu quebraste.
9 Esconde a Tua face dos meus pecados, e apaga todas as minhas iniqüidades.
10 Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.
11 Não me lances fora da Tua presença, e não retires de mim o Teu Espírito Santo.
12 Torna a me dar a alegria da Tua salvação, e me sustém com um espírito voluntário.
13 Então eu ensinarei aos transgressores os Teus caminhos, e os pecadores a Ti se converterão.
14 Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, e a minha língua louvará grandemente a Tua justiça.
15 Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o Teu louvor.
16 Pois não desejas sacrifícios, senão eu os daria; Tu não Te deleitas em holocaustos.
17 Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.
18 Faze o bem a Sião, segundo a Tua boa vontade; edifica os muros de Jerusalém.
19 Então Te agradarás dos sacrifícios de justiça, dos holocaustos e das ofertas queimadas; então se oferecerão novilhos sobre o Teu altar.

Quem, nos dias de hoje, teria humildade o suficiente para reconhecer que é um pecador perdido (e que precisa da misericórdia de Deus)?