7 de julho de 2012

Terapia reparativa: curar ou não curar


Terapia reparativa: curar ou não curar

Exodus Internacional, maior organização cristã mundial de ajuda aos homossexuais, está assumindo postura polêmica ao abandonar a terapia reparativa

John Stonestreet, diretor do Centro Chuck Colson de Cosmovisão Cristã
Exodus Internacional, um ministério que ajuda pessoas que têm atração de mesmo sexo com o amor de Cristo, anunciou na semana passada que está abandonando a terapia reparativa. A terapia reparativa afirma que pessoas com atração de mesmo sexo podem ser “curadas” de seus desejos.
Exodus Internacional
Exodus sofrerá muitas críticas por isso, mas eles estão nos ajudando a conversar com mais clareza sobre a sexualidade. A Bíblia não promete que as inclinações pecaminosas desaparecerão, mas que no poder de Cristo podemos viver e buscar melhores inclinações. Ser “curado” do hábito de roubar significa que não roubamos, não necessariamente que a tentação de roubar desaparece.
Com essa mudança, Exodus ajuda a esclarecer que somos mais do que nossos desejos e impulsos. A mentira de que a atração de mesmo sexo determina a identidade homossexual oprime um segmento inteiro da população. Oro para que o Exodus continue a proclamar redenção e esperança alto e claro — isso é bem melhor do que “cura” pela terapia reparativa.
Traduzido por Julio Severo do artigo do BreakPoint (fundado por Chuck Colson): Reparative Therapy: To Cure or Not to Cure

5 comentários :

MRRG disse...

Nossa, parece que andam escutando o Olavo de Carvalho. É mudança de ação consonante com o que ele advoga há algumas semanas. Muito bem.

Julio Severo disse...

MRRG, a postura do Olavo, que é excelente contra a agenda gay, é diferente do Exodus, que reconhece que a atração é um problema. Olavo, pelo menos num dos seus textos mais recentes, não reconhece isso. Olavo disse: "Não creio que a atração erótica entre pessoas do mesmo sexo seja antinatural" (http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/13200-psicologos-e-psicopatas.html).

Assim, há uma diferença enorme entre reconhecer a atração como problema e não ver nada de antinatural.

MRRG disse...

Caro Julio, relendo o texto acima e estando atento a minhas memórias sobre o que Olavo escreve e fala, não vejo contradição. O que o Olavo quer dizer com "antinatural" é o que está em desacordo com a Natureza. Seguindo esse raciocínio, para ele, atração homossexual não é antinatural. Existe em muitas espécies animais. Mas ele afirma que, para nós, é um problema, sim; um pecado. Tanto que, no texto que você cita, ele defende o tratamento psicológico para tal, se o paciente quiser. Mais. Que deve ser confessado e penitenciado sempre, como disse, se não me engano, num de seus últimos programas ou textos. Não lembro em qual. Como roubar. Vivemos nós todos em pecado, afinal. Então, o fato de atração homossexual não ser antinatural não significa que não seja uma inclinação pecaminosa. Portanto, concordando com o texto acima. É o que eu penso e, acredito, o Olavo também.

Julio Severo disse...

MRRG
Deus diz em Romanos 1:26-27: “E, por essa razão, Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. De igual modo, os homens também abandonaram as relações sexuais naturais com suas mulheres e se inflamaram de desejo sensual uns pelos outros. Deram, então, início a sucessão de atos indecentes, homens com homens, e, por isso, receberam em si mesmos o castigo que a sua perversão requereu.”

Esses desejos e paixões envolvem diretamente a paixão erótica.

O raciocíno de que a atração erótica homossexual não é antinatural não tem nenhuma base bíblica. Pode ter amparo em meios humanos. Mas não é bíblica. Outros podem apresentar bons argumentos, fora da Bíblia, de que a atração erótica homossexual é antinatural. Eu apresento o livro de Romanos.

Não estou condenando nenhum autor que diz que tal atração não é antinatural. Mas acho que, pelo menos para os cristãos, as opiniões pessoais, inclusive as minhas, estão muito abaixo do que Deus diz na Bíblia.

Julio Severo disse...

Este artigo, "Em quem você confia: em Deus ou no homem?", lida bem com as questões que o Olavo não soube interpretar: http://juliosevero.blogspot.com/2012/07/em-quem-voce-confia-em-deus-ou-no-homem.html