30 de julho de 2012

Esses “conservadores” brasileiros e suas ideias maravilhosas


Esses “conservadores” brasileiros e suas ideias maravilhosas

De um lado, Alckmin defendendo o casamento gay; do outro, Kassab perseguindo motoristas de automóveis. Com uma “direita” como essa, quem precisa de socialistas para fazer a revolução?
Geraldo Alckmin, modelo de “conservador brasileiro”, “ligado a setores tradicionais da igreja”, é declaradamente favorável ao casamento gay, como ele deixou claro nesta entrevista:
— O deputado federal Jean Wyllys (PSol-RJ) tem uma proposta sobre o casamento civil igualitário no Brasil. Qual a opinião do senhor sobre o casamento civil?
GERALDO ALCKMIN — Eu sou favorável. Primeiro que a lei estadual que nós promulgamos em 2001 (Lei 10.948) que ela seja federal, que ela possa ir para o Brasil inteiro para não se tolerar homofobia, não se tolerar discriminação, não se tolerar injustiça. A injustiça cometida contra uma pessoa é uma ameaça a toda a sociedade. Não pode ser tolerada. E sou favorável aos direitos civis, os direitos civis são importantes. É uma tradição da legislação brasileira.
Alckmin está na vanguarda das reivindicações do movimento LGBT: é do governo estadual a iniciativa de criar um mundialmente pioneiro “museu gay” em São Paulo.
Kassab, por sua vez, faz cortesia com chapéu alheio ao conceder terreno público para o memorial do socialista Lula, além de fazer de tudo para dificultar a vida dos paulistanos, com o objetivo de adequar a cidade aos devaneios internacionalistas do lobby ambiental.
É por essas e outras que, ao optar pelo antipetismo, o brasileiro em geral (e o paulista em particular) acaba votando nos “menos piores”: embora, nesse caso, “menos pior” esteja longe de significar “menos esquerdista”.
Fonte: Midia@Mais
Divulgação: www.juliosevero.com
Postar um comentário