6 de julho de 2012

Canadá lança banco de dados para registrar atos homofóbicos


Canadá lança banco de dados para registrar atos homofóbicos

John-Henry Westen
Quebec, Canadá, 18 de junho de 2012 (LifeSiteNews.com) — No que está sendo apregoado como o “primeiro no mundo”, um grupo de ativistas homossexuais de Quebec lançou um “banco de dados para registrar de ações homofóbicas”, com apoio e financiamento da Secretaria de Justiça do Governo de Quebec. Em conjunto com o chefe de polícia da cidade de Montreal, Johanne Paquin, e o comandante Alain Gagnon, o grupo Gai Ecoute (Escuta Gay), lançou o canal de denúncias anônimas hoje em uma comitiva de imprensa. 
Dentre as definições de atos classificados como “homofóbicos” e considerados passíveis de denúncia estão: “quaisquer palavras ou atos negativos direcionados a homossexuais ou à homossexualidade em geral: abuso físico ou verbal, intimidação, assédio, pichações ofensivas, abusos, zombarias injuriosas, cobertura inapropriada da mídia e discriminação”.
Um comunicado à imprensa do grupo afirma que qualquer pessoa que sofrer ou testemunhar um ato de homofobia “deve” denunciá-lo ao canal.
O apoio e o financiamento da iniciativa vêm do departamento de “A Luta Contra a Homofobia” da Secretaria de Justiça de Quebec. O Ministério da Justiça recebeu a tarefa de combater a homofobia em 2008, e no ano passado prometeu investir US$7 milhões em atividades “anti-homofobia”.
LifeSiteNews falou brevemente com Roger Noël, coordenador do Departamento de Luta Contra a Homofobia da Secretaria de Justiça. Noël se recusou a responder perguntas sobre o canal de denúncias e sugeriu que procurássemos o Gai Ecoute ou a Secretaria de Comunicações do governo de Quebec.  As ligações para a Secretaria de Comunicações não foram retornadas em tempo para a publicação desta notícia.
Laurent McCutcheon, presidente do Gai Ecoute, ostentou que o canal era o primeiro do tipo no mundo. “Nós o criamos para saber a real situação da homofobia”, afirma. “A organização e a análise desses dados irão identificar melhor o problema e nos permitirá agir a nível de prevenção”.
Georges Buscemi, presidente do grupo pró-vida e pró-família Campagne Quebec de Montreal, disse para LifeSiteNews que o canal é um “meio de instigar um clima de opressão e medo a qualquer um que discorde de quaisquer opiniões do movimento homossexual de Quebec”.
“Qualquer um que venha a acreditar que as ações homossexuais sejam inaceitáveis no âmbito moral” está recebendo um aviso “de que acabará na lista”, afirma. “É uma lista para ser usada para um propósito futuro, que, na minha opinião, será o de punir”.
Busceni deu exemplos das possíveis represálias: a retirada do estatuto de caridade das igrejas e do emprego de professores.  “É o começo de uma leve perseguição”, sugere. “Trata-se realmente de instigar um clima de medo por meio da mídia, principalmente com a presença da polícia. Qualquer crítica será interpretada como homofobia, e mais cedo ou mais tarde haverá consequências”.
Traduzido por Luis Gustavo Gentil do artigo do LifeSiteNews: “Government-funded ‘registry of homophobic acts’ launched today in Quebec

6 comentários :

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Esse "sistema anti–homofobia" que estão lançando no Canadá não difere em nada daqui do que já existe aqui no Brasil.

Só pra relembrar: em 19 de fevereiro de 2011, Maria do Rosário (ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República) criou o "Disque 100". Segundo disseram, este mesmo número foi criado para denunciar casos de homofobia. Na época do seu lançamento, estiveram presentes: Marta Suplicy (a porta–voz dos homossexuais), diversos políticos e ativistas homossexuais, e Toni Reis, presidente da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais).

Na época, Maria do Rosário teve a cara de pau de dizer: "A impunidade não permanecerá, e os crimes homofóbicos serão trabalhados, julgados e responsabilizados"

Toni Reis, por sua vez, declarou: "Temos um adversário comum, que são os religiosos fundamentalistas". Ou seja, para os homossexuais, fundamentalista é todo aquele que obedece somente à Palavra de Deus (e se manifesta contra o homossexualismo).

Os homossexuais e seus cúmplices podem nos chamar de fundamentalistas, de homofóbicos e do que quiserem. Podem até criar leis para tentar calar a voz dos servos de Deus. Mesmo assim, jamais abandonaremos os nossos princípios. Eu digo por mim: se eu tiver que ser preso por pregar o evangelho a eles (e a outros pecadores), eu aceito ser preso sem me opor. Se eu tiver que morrer pela verdade da Palavra de Deus, eu aceito morrer sem nenhum medo (porque eu confio no Deus em quem eu creio). É como Jesus disse na Sua Palavra:

"Sê fiel até à morte e dar-te-ei a coroa da vida" (Apocalipse 2:10).

Uma coisa é certa: Deus nunca mudou, não muda, e jamais mudará a Sua lei. A respeito disso, Jesus foi bem claro quando disse:

"Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas; não vim para revogar, mas para cumprir. Pois em verdade Eu vos digo que, até que passem os Céus e a Terra, nenhum i ou til jamais passsará da lei, sem que tudo se cumpra" (Mateus 5:17–18).

O homossexualismo sempre foi, sempre é, e sempre será pecado diante de Deus (e Deus nunca vai mudar isso). Se os homossexuais não aceitam que Deus seja contra o homossexualismo, que eles reclamem diretamente com Deus (pois foi Ele mesmo quem estabeleceu isso na Sua Palavra).

Já preguei a Palavra de Deus para muitos homossexuais, e, mesmo assim, eles não quiseram se converter. Ora, se eu já fiz a minha parte (que foi pregar o evangelho) e, mesmo assim, esses homossexuais não se converteram, eu não posso ser culpado se eles forem condenados ao inferno após a morte.

Se os homossexuais quiserem pagar pra ver se a lei de Deus é verdadeira ou não (principalmente quando eles estiverem diante de Jesus no juízo final), eles não vão poder dizer que não foram avisados (não vai ter desculpa)!

Anônimo disse...

Preso na Baixada Fluminense um homossexual suspeito de abusar sexualmente de, pelo menos, três adolescentes. Marcos Paulos Santos da Costa, 30, atraía os jovens se passando por uma garota na internet. Depois dos abusos, ele ainda tatuava as vítimas.

http://noticias.uol.com.br/videos/assistir.htm?video=homem-acusado-de-abusar-de-adolescentes-e-preso-04028D1B326EC8C92326

Pastor da Igreja Batista disse...

Como servo de Deus (e, portanto, defensor da verdade bíblica), gostaria de dizer algumas coisas.

Em primeiro lugar, temos que conscientizar a todos que Jesus ama o pecador, mas Jesus odeia o pecado. No caso dos homossexuais, isso pode ser melhor explicado da seguinte forma: JESUS AMA O HOMOSSEXUAL (que é o pecador), MAS JESUS CONDENA O HOMOSSEXUALISMO (que é o pecado). É preciso que as pessoas tenham bom senso para saber distinguir ambas as coisas.

Em outras palavras: amar uma pessoa é uma coisa, mas concordar com as atitudes desta mesma pessoa é algo totalmente diferente! Será que algo tão simples assim é tão difícil de entender?

Aproveito a oportunidade para citar alguns textos bíblicos para que todos vejam o quanto o homossexualismo é abominável aos olhos de Deus:

"Quando um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; e o seu sangue cairá sobre eles" (Levítico 20:13)

"Não sabeis que os injustos não hão de herdar o Reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E isto é o que alguns de vós fostes; mas fostes lavados, santificados, e haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus" (1 Coríntios 6:9–11)

"Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os idólatras, os homicidas, os que se prostituem, e todo aquele que ama e pratica a mentira" (Apocalipse 22:15)

Quando a Bíblia fala sobre os que se prostituem, ela se refere aos que praticam o homossexualismo e outras perversões sexuais.

Nosso corpo é o templo do Espírito Santo, e, como tal, deve ser mantido sempre puro e em santidade. A própria Palavra de Deus diz isso de forma bem clara:

"Fugi da prostituição. Todo e qualquer pecado que o homem comete é fora do corpo; mas aquele que se prostitui peca contra o seu próprio corpo. Não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Pois fostes comprados por bom preço; glorificai, portanto, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus" (1 Coríntios 6:18–20)

Que estas palavras façam todos refletirem sobre a justiça de Deus em relação não só ao homossexualismo, como também a outros pecados.

ÉLQUISSON disse...

Muito antes de existir o "Disque 100" para denunciar os casos de homofobia (conforme o presbítero Valdomiro citou no comentário dele), o governo Lula já havia criado, em 25 de maio de 2004, o programa "Brasil sem homofobia". Esse mesmo programa, criado com o argumento de combater a violência e discriminação contra os praticantes do homossexualismo, dava (e ainda dá) apoio escancarado (e por que não dizer descarado?) à prática do homossexualismo.

Ainda de acordo com o mesmo argumento inicial, toda e qualquer opinião contrária ao homossexualismo é entendida como manifestação de ódio contra os homossexuais. Logo, no entender do governo e dos ativistas gays, falar as verdades da Bíblia sobre o homossexualismo corresponde a incitar ódio e preconceito contra os homossexuais.

Poderíamos dizer que, de 2004 pra cá, nada mudou. Considerando que o governo de Dilma é exatamente a continuação do governo de Lula (já que, além de ser do mesmo partido, possui a mesmíssima agenda política), não é de se espantar que os homossexuais estejam recebendo tantos privilégios. Pra que maior exemplo disso do que o patrocínio às paradas gays (que é feito com dinheiro público)?

O que o governo e os ativistas gays querem, de todas as formas, é que o povo brasileiro seja obrigado a aceitar (ou tolerar) o homossexualismo como algo natural (e não diga nem faça nada contra). Para o governo e os homossexuais, não fará nenhuma diferença se um evangélico ou uma igreja tentar mostrar a diferença entre amar o homossexual (o pecador) e condenar o homossexualismo (o pecado). A propaganda anti–homofobia simplesmente não vê esta diferença. Não há meio–termo: ou você é a favor do homossexualismo, ou você é contra. Eles deixam bem claro que não pouparão os que não concordarem com o homossexualismo.

Entretanto, a Palavra de Deus é taxativa: o homossexualismo sempre foi, sempre é, e sempre será pecado (os homossexuais aceitando ou não). É como diz o livro de Levítico:

"Quando um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; e o seu sangue cairá sobre eles" (Levítico 20:13)

Se Deus disse isso em Sua palavra, quem somos nós para questionar o que Deus determina? Será que agora os homossexuais vão chamar Deus de homofóbico?

A quem os cristãos devem obedecer: à Palavra de Deus (que condena de forma bem direta o homossexualismo), ou ao "politicamente correto"” do governo e dos homossexuais?

Quem puder, responda de forma sincera a estas perguntas!

Antonio disse...

Boa noite.
O Canadá, uma das sete maiores economias do mundo, o que tem a ver diretamente por ser um país com herança judaica-cristã está a cada dia mais cuspindo no prato em que comeu. Haverá menos rigor para um muçulmano no dia do julgamento do que para este povo que renega as bênçãos que recebeu do Altíssimo.

Silvio Ricardo disse...

Aqui no Ocidente, o Canadá é um dos países mais anti-cristãos do Planeta, se duvidar, mais que o Irã.