9 de maio de 2012

Vaticano diz para a ONU: todos os pais têm o direito de dar educação escolar para os filhos em casa


Vaticano diz para a ONU: todos os pais têm o direito de dar educação escolar para os filhos em casa

Ben Johnson
TURTLE BAY, Nova Iorque, EUA, 1 de maio de 2012, (LifeSiteNews.com) — Numa vitória importante para os direitos dos pais no mundo inteiro, um representante do Vaticano disse que todos os pais têm o direito de dar educação escolar em casa aos filhos.
“O Estado tem de respeitar as escolhas que os pais fazem para seus filhos e evitar tentativas de doutrinação ideológica”, a missão permanente de observador da Santa Sé na ONU escreveu num comunicado divulgado na terça-feira.
Os pais “têm o direito e dever de escolher escolas cuja educação seja no lar, e eles têm o direito de possuir a liberdade de ter essa educação, que por sua vez tem de ser respeitada e facilitada pelo Estado”.
“Essa é uma vitória enorme”, Jeremiah Lorrig, diretor de relações com a mídia da Associação de Defesa Legal da Educação Escolar em Casa (conhecida pela sigla em inglês HSLDA), disse para LifeSiteNews.com. “Ter o apoio do embaixador do Vaticano é incalculável para o movimento de famílias que educam os filhos em casa”.
Um crescente número de pais opta por educar seus filhos em casa por causa da péssima qualidade das escolas disponíveis, ou porque as escolas cada vez mais promovem valores que estão em conflito com a moralidade cristã tradicional.
Em julho do ano passado, o governador Jerry Brown sancionou uma lei que exige que as escolas públicas da Califórnia ensinem “o papel e contribuições” dos homossexuais na história dos Estados Unidos.
“O propósito dessa lei é muito óbvio e é promover a aceitação social da homossexualidade e transexualidade para todas as crianças, e ao mesmo tempo silenciar aqueles que têm convicções religiosas ou morais contra tais estilos de vida”, Brad Dacus, presidente do Instituto de Justiça do Pacífico, disse para LifeSiteNews.com.
O problema não começou com algum projeto de lei, disse ele. “Os distritos escolares da Califórnia já estavam implementando programas de orientação pró-homossexualismo, e também programas para que as crianças aceitem melhor os travestis”, antes mesmo que o projeto de lei 48 fosse elaborado como legislação, muito menos se tornasse lei”, disse Dacus. Por exemplo, a Escola Fundamental Redwood Heights em Oakland implementou um currículo de “identidade de gênero”. “Esses programas já estavam sendo implementados da pré-escola ou jardim-da-infância até a escola secundária”, disse ele.
“Esse tipo de material só traz mais confusão, dificultando que as crianças façam decisões, e solidifica uma orientação sexual diferente do que é mental e fisicamente saudável para as crianças”, Dacus disse para LifeSiteNews.
Em muitos países, os pais sofrem a negação do direito básico de escolher a educação de seus filhos. Em outubro do ano passado, uma comissão do Congresso Nacional do Brasil decretou que a educação escolar em casa “desrespeita a Constituição, o Código Penal, a Lei Nacional de Diretrizes Básicas da Educação e o Estatuto da Criança e do Adolescente”. A situação da educação escolar em casa na Alemanha é tão ruim que uma família fugiu para o Irã para ter o direito de educar seus filhos em casa.
“A chave é conscientizar”, Lorrig disse para LifeSiteNews. “Em muitos desses países que têm leis muito restritivas contra a educação escolar em casa, as pessoas estão perdendo seus filhos”.
O mesmo problema também existe nos Estados Unidos. O Instituto de Justiça do Pacífico e a HSLDA defenderam famílias da Califórnia que educam os filhos em casa de uma decisão do Supremo Tribunal da Califórnia que buscava restringir seus direitos.
Lorrig disse para LifeSiteNews que o maior problema é a incerteza. “Você nunca sabe onde os ataques de surpresa vão aparecer”, disse ele. Por exemplo, a HSLDA teve uma batalha com um juiz do Mississippi, o qual tentou impor maiores restrições nos pais que educam os filhos em casa. “Nunca houve problemas contra a educação escolar em casa no Mississippi”, disse Lorrig.
A HSLDA venceu esses casos. “Mas é uma constante luta entre a liberdade de educar de casa e o desejo de controlar os pais”, disse Lorrig.
O apoio do Vaticano fará uma mudança bem-vinda para a missão internacional da HSLDA. “Encontramo-nos realmente em batalhas na ONU, principalmente em lutas contra a Convenção da ONU sobre os Direitos das Crianças”, disse Lorrig.
Se os EUA ratificarem esse tratado, avisou ele, poderá haver uma erosão dos direitos dos pais sobre a educação e muitos outros aspectos da vida de seus filhos menores. “Constitucionalmente falando, a Convenção dos Direitos das Crianças mudaria a estrutura das políticas de família nos Estados Unidos, minaria a soberania e colocaria essa autoridade nas mãos de remotos autoproclamados especialistas”, disse Lorrig.
A HSLDA facilita ou dá assessorial legal em favor de famílias que educam em casa em cerca de 25 nações no mundo inteiro.
Traduzido por Julio Severo do artigo de LifeSiteNews: Vatican to the UN: all parents have the right to homeschool

7 comentários :

Bruno Willian disse...

E aqui no Brasil, os pais podem educar os filhos em casa? Se puder, vou apoiar a educação dos filhos nas nossas casas.

Também, aqui, não está muito diferente dos EUA, temos uma educação de baixíssimo nível, os livros de história são confusos justamente para a criança não aprender a história. Há crianças que formam o ensino médio e não sabe nem fazer as operações básicas de matemática, etc.

Qual o problema com a ONU? Porque de tanto favorecimento ao gayzismo, aborto, interferência na família, etc.

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Já me disseram que "casa de pai é escola de filho". Independente de quem seja o autor desta frase, não existe verdade maior do que esta.

Outro ditado certo é este: "O homem nada mais é senão o que a educação faz dele". Embora a escola tente, como se diz por aí, ser a continuação da família, a verdade é que a escola JAMAIS conseguirá substituir integralmente a família em termos de ensinar bons princípios. É a família quem dá a verdadeira educação à pessoa desde cedo.

Foi justamente por isso que um antigo sábio disse: "O mundo será o que forem as suas famílias". Nada mais justo. Afinal, é através delas que o destino do mundo é decidido.

Mas a verdadeira educação só é obtida através da Bíblia. É ela quem forma o verdadeiro homem. A própria Bíblia ensina a todos:

"O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência" (Provérbios 9:10)

"Ensina à criança o caminho no qual ela deve andar; e quando envelhecer, ela não se desviará dele" (Provérbios 22:6)

Parabéns ao Vaticano por não concordar com a interferência do Estado na educação familiar.

Netto disse...

Até que enfim o Vaticano falou alguma coisa, hein?! Estava esperando até quando ia consentir nessa educação tendenciosa...
Aqui no Brasil nunca vai ser possível educar nossos filhos em casa porque a maioria dos pais ainda são analfabetos, considerando que o Brasil levou quase 500 anos para pelo menos ter um regimento educacional, imagine quantos anos vamos levar para saber pelo menos o suficiente para ensinar nossos filhos.

ÉLQUISSON disse...

Infelizmente, o nosso sistema educacional, já corrompido pelo mal (e por valores esquerdistas, marxistas, comunistas e socialistas), nos impõe valores totalmente contrários aos que aprendemos na nossa família. Em outras palavras: a escola tem uma grande parcela de culpa nesse sentido. Somos ensinados a valorizar mais o "ter" do que o "ser", a cultivar o individualismo, enfim, a ser egoístas. Tanto é que o apóstolo Paulo dá o diagnóstico preciso dessa decadência moral que vivemos nos dias de hoje:

"Nos últimos dias, haverá tempos críticos, difíceis de suportar; porque os homens serão amantes de si mesmos, egoístas, pretensiosos, soberbos, blasfemadores, desleais, caluniadores, ferozes, falsos, sem afeição natural, antes amantes dos prazeres do que amantes de Deus, tendo uma forma piedosa de devoção, negando-lhe, porém, o poder" (2 Timóteo 3:1–5).

Eu pergunto: o que está acontecendo com a geração atual não é a confirmação destas palavras do apóstolo Paulo?

Faço das palavras do presbítero Valdomiro as minhas: é a família quem dá a verdadeira educação à pessoa desde cedo. E digo mais: NENHUMA ESCOLA OU UNIVERSIDADE, POR MELHOR QUE SEJA, JAMAIS VAI SUBSTITUIR A FAMÍLIA EM TERMOS DE FORMAÇÃO MORAL!

Que todos nós possamos lutar para educarmos os nossos filhos dentro dos nossos lares (para que eles sejam futuros bons cidadãos)!

Fabiano disse...

Eu, graças a Deus, dou educação escolar à minha minha filha de 12 anos, dentro de casa. Gasto um pouco, mas pago uma senhora - inclusive evangélica - para ensiná-la por 4 horas diárias.
Lógico, sou obrigado a mandá-la à escola na parte da manhã... Coisa que muito me desagrada, pois a guria me aparece com cada aberração... Esses dias chegou falando de emo... Emo pra cá e emo pra lá... Já estava deixando a franja cair no olho, queria roupas pretas e com umas conversas estranhas... Cortei o embalo dela no mesmo dia. Eu tenho um relho ( chicote ) pendurado na parede... Foi só eu apontar para ele e dizer: ISTO SE CHAMA "AMANÇA EMO". No outro dia ela já havia esquecido a "emada".
E essa senvergonhice ela aprendeu aonde, aonde, aonde??? Hunf, dou um doce a quem adivinhar!!!
Dentro de casa eu posso controlar as atitudes dela, mas e na escola, quem me garante que ela não anda misturada com esses filhos do demônio?!

Anônimo disse...

Cada dia infelizmente só piora as escolas públicas é até particulares no brasil e mundo onde deveria ser uma segunda casa para criança acabou se tornando o lugar de perdição dos mesmos aff.
Ester!!!!!!

ELISEU disse...

O que o Fabiano e a Ester falaram é a mais pura verdade. Infelizmente, muitas escolas (tanto públicas quanto particulares) têm sido verdadeiros antros de perdição.

Eu falo com conhecimento de causa. Um dia desses, minha filha caçula (4 anos) me perguntou: "Papai, é certo dois meninos ou duas mulheres se beijarem na boca em frente de todo mundo?" Quando eu quis saber onde ela tinha visto isso, ela me disse: "Lá na escola isso acontece direto, e a diretora não diz nada".

Não tive dúvidas: tirei minha filha de lá. Quando a diretora quis saber o motivo, eu fui direto ao ponto: "Não quero que minha filha seja corrompida pela sujeira daqui!". Aí ela quis contra–argumentar: "A educação de hoje tem que estar adaptada aos tempos modernos. O mundo evoluiu. Não podemos ter discriminação contra certas inovações". Eu respondi a ela num tom bem direto (e bem grosseiro): "EU NUNCA VOU PERMITIR QUE MINHA FILHA ESTUDE NUM COVIL DE DEMÔNIOS (COMO ESTA ESCOLA)!". Nada mais justo. Afinal, como pai de família cristão, eu não posso compactuar com o pecado (pois eu estaria colocando a integridade moral de minha filha em perigo).

Hoje, ela recebe aulas particulares de professores cristãos tementes a Deus dentro de minha casa. Eu nem me importo em ter que pagar para isso, mas eu pago com satisfação. Pelo menos, eu tenho certeza de que minha filha não estará espiritualmente desprotegida.

Que tal se todos os pais de família agissem assim?