13 de maio de 2012

Futuro presidente dos EUA: Obama ou Mitt Romney? A potência a caminho do juízo divino


Futuro presidente dos EUA: Obama ou Mitt Romney? A potência a caminho do juízo divino

Na década de 80 o pastor norte-americano David Wilkerson (foto) escreveu o livro ‘Toca a Trombeta em Sião’, lançado em  1988 no Brasil pela Editora CPAD.
Na obra, o pr. Wilkerson mostrou a trágica realidade do declínio espiritual, da iniquidade e da apostasia no seio da igreja cristã norte-americana. Tais motivos, segundo ele escreveu na ocasião, levarão os EUA à destruição.
“Tudo porque os Estados Unidos continuam pecando, apesar de terem recebido mais luz do que as demais nações. Outras nações são igualmente pecadoras, mas nenhuma outra foi tão inundada da luz do Evangelho quanto os EUA. Deus vai julgar os EUA”, enfatizou Wilkerson nas páginas iniciais de seu livro, onde ele interpreta os EUA como a Grande Babilônia de Apocalipse 17.
David Wilkerson: EUA como a Grande Babilônia de Apocalipe 17
Faz mais de 20 anos que tais palavras foram ditas pelo pastor americano. David Wilkerson partiu para a eternidade em 2011, mas  à medida que o tempo vai passando, ficam mais evidentes que suas palavras foram certeiras. Basta olhar para a rápida deterioração política, social, cultural e espiritual dos EUA.
Existe diferença entre Barack Obama e Miit Rommey? Recomendamos a leitura do artigo “Obama branco apoia adoção de crianças por duplas gays“, publicado no Blog de Julio Severo, onde você verá que os EUA vão, a cada eleição presidencial, entrando em um beco sem saída.
Adaptado de: Holotote
Divulgação: www.juliosevero.com
Liderando o mundo pelo mau exemplo: Obama e o “casamento” gay

5 comentários :

Fabiano disse...

Cada povo que escolha o destino de sua nação e o futuro de seus filhos. O que me assusta é saber que brazuca adora imitar tudo que vem dos EUA, principalmente a podridão, e sei que vou padecer por esta "macaquice desenfreada". E ainda dizem que isto é evolução, que estamos no século 21 e blablabla... Grande coisa que estamos no século 21... Aliás, se continuar assim, não chegaremos ao século 22!!!

Fabiano disse...

Hoje, como é o dia das mães, gostaria de parabenizar a todas... O meu pesar é não poder dizer o mesmo a uma criança que, forçadamente, tem dois pais. A quem essa criança vai dar as flores?
Na escola, amanhã, quando um coleguinha perguntar: O QUE TU DESTE DE PRESENTE A TUA MÃE?
Que constrangimento esta criança passará, em saber que não tem uma "mulher" em seu lar, que possa chamar de MÃE!
Muito triste.

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Não sei se a minha opinião vai ser muito pertinente em relação ao assunto deste artigo, mas eu vou dizer exatamente o que eu penso (vocês me corrijam se, por acaso, eu estiver errado).

Religiosamente falando, a verdade é que os Estados Unidos era, até alguns anos atrás, considerado o país mais protestante do mundo. E muita gente dizia que era o país mais cristão do mundo. Só que, atualmente, não aparenta ser nada disso (pelo menos é assim que eu vejo).

Estive conversando com uma professora americana que esteve há alguns meses aqui em Recife (onde eu moro). Quando eu perguntei a ela como ela via os Estados Unidos no sentido moral e espiritual, ela me disse precisamente isto:

"O nosso país (Estados Unidos) tinha tudo para ser um país abençoado (e até para servir de referência cristã para o mundo). No começo, éramos muito tementes a Deus. O problema é que, com o passar do anos, o desenvolvimento científico e o progresso material e financeiro subiu à cabeça de alguns dos nossos governantes, e, com isso, eles já passaram a não se importar mais com a obediência à Palavra de Deus. Em outras palavras: a obediência a Deus e à Sua Palavra foi relegada a segundo plano".

E ela ainda acrescentou mais algumas coisas assustadoras:

"Em muitas cidades, há locais onde se pratica a bruxaria, existem pessoas que fazem parte de movimentos (como a Nova Era), há as que estão metidas em seitas satânicas (sem contar que a Igreja de Satã está situada na Califórnia), o homossexualismo está aumentando a cada dia, temos casos de pregadores evangélicos, políticos e agentes do governo envolvidos em diversos escândalos (inclusive escândalos sexuais), e, também, há a tolerância ao islamismo. Enfim, o nosso país está se destruindo em todos os sentidos (inclusive moralmente). Que esperança podemos ter, ou melhor, qual será o futuro da nação americana se tal estado de coisas continuar?"

Eu respondi a ela exatamente o seguinte:

"Quando uma nação despreza a obediência à Palavra de Deus e passa a confiar somente na sua própria sabedoria, essa mesma nação fica entregue à própria sorte (como um barco à deriva num mar revolto, prestes a afundar). Os verdadeiros cristãos precisam voltar à obediência à Palavra de Deus para recolocar a nação no caminho certo".

Não sei se esta minha resposta foi 100% satisfatória, mas ela, de qualquer forma, aprovou. E eu até citei o Salmo 33:

"Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor" (Salmo 33:12)

Ela agradeceu a minha atenção e disse que iria divulgar o nosso diálogo num encontro evangélico.

Tem horas que eu fico pensando aqui comigo: será que aqui no Brasil não estaria acontecendo a mesma coisa? Se alguém daqui estivesse dialogando com essa americana, quem poderia dar uma avaliação exata dos Estados Unidos, ou melhor, qual seria o diagnóstico dos americanos no sentido moral e espiritual?

E mais: o que o Brasil precisa fazer para se tornar uma nação espiritualmente abençoada (como os Estados Unidos foi no princípio)?

Espero uma resposta sensata de alguém na primeira oportunidade.

P.S: Se alguém daqui quiser se manifestar, esteja à vontade

Anselmo disse...

O presbítero Valdomiro disse uma coisa que me chamou a atenção:

"...Quando uma nação despreza a obediência à Palavra de Deus e passa a confiar somente na sua própria sabedoria, essa mesma nação fica entregue à própria sorte (como um barco à deriva num mar revolto, prestes a afundar)..."

Talvez muitos não saibam (ou não estejam lembrados), mas a Biblia narra um episódio que confirma estas palavras do presbítero Valdomiro. Senão, vejamos:

Joaquim tinha subido ao trono de Judá aos 8 anos de idade (2 Crônicas 36:9). O momento da nação era crítico. A ameaça dos caldeus era um perigo iminente. Era preciso que um rei se pusesse ao lado de Deus para reestabelecer a segurança do povo judeu. A situação era momentaneamente grave, mas não irremediável. Nem mesmo todos os exércitos estrangeiros poderiam subjugar (ou destruir) uma nação que tivesse Deus a seu favor. O futuro do reino de Judá estava nas mãos de Joaquim. A escolha que ele fizesse selaria o destino da nação.

Muito dependia de Joaquim. Daria ele o bom exemplo? Romperia ele com a idolatria pagã que asfixava espiritualmente a nação? Não, infelizmente não. Dele é dito que "fez o que era mau os olhos do Senhor" (2 Crônicas 36:9). O apego ao pecado era demasiadamente forte em sua vida. Ao invés de entrar pela porta estreita, preferiu o atalho largo da perdição (Mateus 7:13-14). Este mesmo atalho foi atraente no início, mas resultou em desastre pouco tempo depois: Jerusalém e Judá caíram nas mãos de Nabucodonosor, e Joaquim e sua família foram levados para o exílio (Jeremias 22:24-30;24:1). Joaquim só foi libertado do cativeiro 37 anos mais tarde, já no tempo de Evil-Merodaque, o novo rei da Babilônia (Jeremias 52:31).

Se Joaquim e o reino de Judá tivessem sido fiéis a Deus desde o princípio, esta mesma história certamente teria um outro final totalmente diferente!

Não duvido nada de que a mesma coisa pode acontecer não só com os Estados Unidos, como também com os países que desprezam a Palavra de Deus! A respeito disso, o apóstolo Paulo advertiu sabiamente:

"Não erreis: Deus não Se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso ele também ceifará" (Gálatas 6:7)

Será que alguém aqui ainda tem alguma dúvida disso?

Eliomar disse...

Eliomar comenta: Nunca se viu no mundo uma nação se levantar para DEUS como está se vendo no brasil. Apesar da globo, da mídia, da passeata gay, dos políticos ateus e inimigos de DEUS, o que se vê é um levante geral para o SENHOR. De norte a sul, de leste a oeste o nome do nosso SENHO JESUS é cada vez mais louvado. É empolgante e cada vez mais forte. Nos caminhões, nos carros, nos onibus, nas lojas, nos consultórios, nas defesas de teses e doutorados, nas barbearias, nas estradas, nas roupas, em todo canto, cada vez mais os brasileiros, sejam evangélicos, católicos ou o homem comum do povo que às vezes nem sequer tem ou frequenta uma igreja, têm louvado o nome do nosso SENHOR. Por enquanto o Brasil está prostrado economicamente mas, está adquirindo massa crítica espiritual junto a DEUS. O SENHOR JESUS está se levantando para nos ajudar. Está para nascer a maior nação que este mundo já viu.