8 de maio de 2012

A diferença entre a brasileira e a americana


A diferença entre a brasileira e a americana

Mulheres brasileiras indefesas e uma jovem mãe americana preparada para se defender

Julio Severo
O que acontece quando um bandido invade uma casa de noite e encontra uma jovem?

No Brasil, eis o que ocorre:

Gazeta Digital de 29 de abril de 2012: Homem invade casa e estupra uma mulher de 21 anos, no bairro Dr. Fábio, em Cuiabá. O crime aconteceu na manhã deste domingo (29). Após o marido da vítima sair para trabalhar o bandido aproveitou para entrar na casa. Segundo a polícia, ele estuprou a mulher e fugiu levando um celular, um notebook e uma carteira.
O Impacto de 10 de janeiro de 2012: Assaltante invade residência e estupra menina de 13 anos.
O Repórter MT de 1 de dezembro de 2011: Quadrilha invade casa, amarra marido e estupra mulher: Quatro homens armados torturaram a família Ávila, de classe alta, durante a noite desta quarta-feira (30). Segundo a Polícia Civil, os criminosos, além de roubar a família, estupraram a dona da casa, durante o assalto. Uma prima da família conseguiu fugir do grupo que tentava abusar dela também.
Guia Campina de 18 de abril de 2012: Mulher foi surpreendida com o bandido dentro do seu quarto, sendo estuprada. A polícia ainda não conseguiu identificar o homem que invadiu uma casa na madrugada desta quarta-feira, 18, agrediu, estuprou uma mulher e depois fugiu levando uma bicicleta, dinheiro e alguns objetos. A mulher contou a polícia que estava dormindo no seu quarto com seus três filhos quando foi surpreendida com um homem que lhe agrediu e foi obrigada a manter relações sexuais com o desconhecido que estava armado com uma faca peixeira. O esposo dela estava trabalhando numa fábrica.
MidiaMaxNews de 28 de fevereiro de 2012: Duas jovens, sendo uma de 14 e outra de 24 anos foram estupradas por um homem que invadiu a casa onde moram por volta das 3h40 desta segunda-feira (27)…

Impunidade chega a 90% de todos os homicídios no Brasil

Conforme pesquisa que fiz pelo Google, os casos de meninas, moças e mulheres estupradas a noite por bandidos que invadiram suas casas para assaltar são incontáveis. Quando um assaltante invade uma casa de noite e encontra apenas um homem, o assalto pode vir acompanhado de assassinato. Mas quando a vítima é uma mulher sozinha, com o marido trabalhando, o estupro é inevitável.
E a pobre mulher indefesa nem pode expressar a mínima queixa diante dos criminosos, que têm toda liberdade de torturar, estuprar e matar. Se o criminoso optar por matar a vítima, a polícia pouco poderá fazer, antes ou depois do assassinato. A polícia brasileira tem sido impotente em seus esforços para deter os mais de 50 mil assassinatos por ano — sem mencionar milhares de estupros.
Cerca de 90% dos casos de homicídio ocorridos no Brasil nunca são devidamente esclarecidos e seus autores nunca são devidamente condenados. A informação é do presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), Hélio Buchmüller. Isto é, 90% dos assassinatos no Brasil terminam em impunidade.
Quem pode garantir então que no caso do estupro não existe uma impunidade pior?
É evidente que os meios de comunicação patrocinados pelo governo e o próprio governo educam o povo a confiar somente na polícia para proteção. Assim, se um bandido invadir de surpresa a casa de uma moça no meio da noite, ela deve gentilmente pedir permissão para o criminoso a fim de chamar a polícia. Se o criminoso for atencioso, os dois ficarão sentados no sofá aguardando a polícia. Certamente, o final será muito feliz e sem estupro!
Talvez o governo desarmamentista devesse fazer uma campanha para educar os criminosos a permitir que suas vítimas telefonem para a polícia durante os assaltos, estupros e assassinatos. Isso grandemente ajudaria a polícia e as vítimas.
Infelizmente, os bandidos nunca atenderão às campanhas do governo, seja para o desarmamento ou para serem gentis com suas vítimas. Eles nunca darão chance alguma para suas vítimas. E a polícia fartamente sobrecarregada de crimes para resolver nunca terá condições de atender prontamente a todas as emergências.
Então, o que a vítima deve fazer para se defender?

Nos Estados Unidos, eis o que acontece quando as vítimas podem se defender:

G1 da Globo de 5 de janeiro de 2012:
Uma americana de 18 anos que cuidava de seu bebê em casa no último domingo (1º), na madrugada do Ano Novo, disparou e matou um dos dois homens que tentaram invadir sua casa, segundo reportagem do canal americano ABC.
Sarah McKinley estava em casa sozinha com a criança de apenas 3 meses em sua residência perto de Oklahoma City quando viu pela janela dois homens rondando casas vizinhas, um deles com uma faca de caça de 30 cm de comprimento. Preocupada, ela buscou proteção.
“Peguei a [escopeta] calibre 12, fui até o quarto e peguei a pistola, coloquei a mamadeira na boca [do bebê] e liguei para a polícia”, afirma.
Sarah McKinley está preparada para receber invasores e estupradores
O áudio da ligação foi gravado pela polícia:
- Estou com meu bebê sozinha em casa, vocês podem mandar alguém imediatamente?
(...)
- Suas portas estão trancadas?
- Sim. Tenho duas armas nas minhas mãos, posso atirar nele se ele tentar entrar?
- Não posso dizer que você pode fazer isso, mas faça o que você precisar fazer para proteger seu bebê.
Em seguida, ouve-se o disparo. A polícia considerou que a atitude foi justificada.
“Não teria feito isso se não fosse pelo meu filho. Eu tinha que protegê-lo”, conta Sarah, que estava sozinha com a criança no Ano Novo porque ficara viúva dias antes. O marido morreu de câncer no dia de Natal.
Qual é a diferença entre essa jovem mãe americana e as brasileiras que foram estupradas e roubadas? A americana é protegida por leis que lhe garantem o direito de ter e usar armas para defesa pessoal. As brasileiras não têm nenhuma proteção do Estado contra uma invasão repentina de criminosos no meio da noite.

Impunidade para os criminosos e desarmamento para as vítimas

Notícia recente do jornal Examiner revelou que o número de assassinatos no Brasil é mais elevado do que o número de mortes em zonas mundiais de guerra. Em média, são 50 mil assassinatos por ano no Brasil. Com tal número elevado, não é de admirar que 90% dos assassinos no Brasil fiquem impunes.
No Brasil, o cidadão não tem escolha: ou cuida de sua defesa pessoal, ou fica à mercê de bandidos e da proteção de uma polícia que não tem condição nenhuma de dar conta do número elevadíssimo de 50 mil assassinatos por ano.
Anos atrás, num artigo na revista esquerdista Ultimato defendendo a campanha governamental petista pelo desarmamento da população, Ricardo Gondim, hoje um homem desviado e isolado por seu radicalismo ideológico em nome da Bíblia, disse que os cristãos que são a favor de armas para defesa pessoal não têm o direito de citar textos como o Salmo 91: “Aquele que habita no abrigo do Altíssimo e descansa à sombra do Todo-poderoso pode dizer ao Senhor: ‘Tu és o meu refúgio e a minha fortaleza, o meu Deus, em quem confio’”.
A vasta maioria dos Salmos foi escrita por Davi, que pedia proteção e ajuda a Deus. Mas ele também fazia sua parte: ele utilizava normalmente uma espada, que era uma arma mortal equivalente a um rifle militar hoje. Quando o Senhor Jesus nos orientou a orar pedindo “o pão nosso de cada dia nos dá hoje”, ele não quis dizer que devemos cruzar os braços e deixar somente Deus fazer a parte dele. Como no caso de Davi, precisamos fazer a nossa parte, tanto para alimentação quanto para a defesa de nossas famílias. Eu confio no Senhor Jesus e nunca toquei numa arma em toda a minha vida. Mas conheço as Escrituras o suficiente para saber entender que só porque eu não utilizo uma arma não posso condenar quem precisa utilizá-la. Aliás, há ocasiões e situações em que seu uso é necessário. Mas os comunistas não pensam assim. Para eles, a população deve permanecer eternamente desarmada diante de suas tiranias…
Gondim já caiu de seu pedestal, e hoje com justiça suas ideias são vistas como loucura.
No entanto, há outros líderes evangélicos que se aliam ao governo em sua meta comunista de desarmar a população. O Rio de Paz, fundado e comandado pelo pastor presbiteriano Antonio Carlos Costa, é a maior organização evangélica de desarmamento da população.
Esse radicalismo comunista contrasta com a tradição conservadora presbiteriana, que deixou como legado, na Suíça (cuja capital era a Santa Sé do calvinismo), a defesa armada como direito do cidadão. Nos EUA, o calvinismo também trouxe como resultado esse direito.
Mas como é que no Brasil a organização presbiteriana mais destacada nessa questão trabalhe exatamente para atingir a meta comunista de desarmar a população?
É evidente que todos os criminosos devem ser desarmados. Todos os assassinos e estupradores não devem ter nenhum acesso a nenhuma arma.
É igualmente evidente que todos os cidadãos de bem precisam ter armas e outros recursos na guerra contra o crime que o Brasil está perdendo, com 90% dos assassinos gozando plena impunidade e liberdade para continuar matando e estuprando.
Seria um crime deixar sua esposa sozinha em casa sem nenhuma defesa. Os pais e maridos fazem isso porque o Estado não lhes permite se defender conforme é necessário. Interesses comunistas de subjugar e desarmar a população são muito mais importantes, para o governo, do que o bem-estar das famílias.
Contudo, independente das obsessões comunistas de um governo, defender a própria vida e família é um direito humano indispensável. Se podemos ter portas e janelas trancadas como recurso mínimo de proteção, por que não recursos maiores que estejam à altura da crítica situação de guerra do Brasil, onde bandidos invadem casas no meio da noite para roubar, matar e estuprar?
Claro que, mesmo com o direito de ter e usar uma arma para defesa, a polícia é necessária. Enquanto a mãe de 18 anos aguarda a chegada da polícia, ela tem o direito de fazer tudo o que for necessário para defender a si e seu bebê de criminosos que estão invadindo sua casa no meio da noite.
Com duas armas nas mãos, uma jovem mãe tem, nos EUA, alguma chance contra dois bandidos. No Brasil, ela não tem chance alguma. Ela depende da “boa vontade” dos criminosos. Por determinação governamental, ela é obrigada a ficar totalmente desarmada diante de bandidos ávidos de roubos, estupros e assassinatos.

Esquerda, aborto e defesa pessoal

Claro que a comparação entre a brasileira e a americana é limitada. Legalmente, a mulher americana pode se defender de criminosos. Mas essa mesma lei lhe dá o direito de agir como criminosa: Ela também pode matar, antes do nascimento, quantos bebês ela quiser. A lei americana protege o assassinato de bebês durante os nove meses de gestação. Os nazistas aplaudiriam o “progresso” americano do morticínio legal e médico dos inocentes. A esquerda uiva de alegria com o notório exemplo americano de “interromper” a gravidez com requintes de elevada crueldade médica e legal.
De acordo com a esquizofrênica lei americana, se dois criminosos decidirem invadir o santuário do lar na calada da noite, a jovem de 18 anos, para se defender, pode atirar. Essa mesma lei permite que ela, com a ajuda de um médico, invada o santuário do útero para aniquilar seu ocupante.
No caso do bandido invasor, que é totalmente culpado por sua ação, ele pode sair vivo ou morto, dependendo de onde as balas acertarem. Mas quando os instrumentos aborteiros do médico, pela vontade da mulher, invadem o santuário do útero, o bebê em gestação está totalmente desarmado e inocente contra seu iminente extermínio.
Muitos desses assassinatos de inocentes são financiados com dinheiro de imposto que o governo americano arranca de seus cidadãos.
Esse é um aspecto nazista, comunista, ditatorial, nojento e assassino das leis e liberdades americanas.
Entretanto, a esquerda brasileira, que vem se sacrificando para importar para a cultura brasileira aborto, homossexualismo e tudo o que é mais podre das leis e costumes dos EUA, faz vista grossa à defesa pessoal e a outros aspectos positivos da cultura americana, como a educação escolar em casa.
Há muitos anos a poderosa esquerda assassina americana tem o Brasil na sua mira.
O planejamento familiar, com muitos de seus métodos micro-abortivos, foi introduzido no serviço público no Brasil décadas atrás, por pressões e esquemas nos bastidores da Federação de Planejamento Familiar, a maior rede de clínicas de abortos nos EUA. Só não conseguiram ainda legalizar o aborto porque o Brasil está resistindo de modo feroz. As mesmas forças multibilionárias americanas que legalizaram o aborto nos EUA em 1973, assassinando desde então mais de 50 milhões de bebês em gestação, há muitos anos investem para que o Brasil também venha a ter o “direito” de assassinar milhões de seus bebês.
No aspecto do aborto, a tradicional esquerda “anti-americana” do Brasil está disposta e ávida de importar tudo o que vem dos EUA. Ela ama o aborto! E igualmente ama cidadãos desarmados.
Entretanto, as mães do Brasil não precisam do “direito” de matar seus bebês a fim de satisfazer à sanha de multimilionárias fundações esquerdistas assassinas dos EUA.
Elas precisam, urgentemente, do direito humano fundamental de defender a si e seus bebês contra os perigos e males imprevisíveis de uma sociedade brasileira entregue aos criminosos fortemente armados e aos criminosos ideológicos que estão determinados a desarmar a população de seus recursos para defender suas famílias.
Mães devem ser legalmente armadas para se defender de bandidos, não para matar seus bebês.
Mães e bebês precisam de defesa, não de aborto.
Versão em inglês deste artigo: Impunity for criminals and disarmament for victims

12 comentários :

ÉLQUISSON disse...

Júlio,

Da mesma forma que você, eu também nunca usei uma arma em minha vida. Mas se algum criminoso tentar invadir a minha casa (ou tentar fazer algo contra alguém da minha família), eu não penso duas vezes: atiro para me defender (e até para matar em legítima defesa, se for necessário).

Muita gente, com certeza, iria me perguntar: "Mas você não é cristão? O verdadeiro cristão não tem medo de morrer. O verdadeiro cristão não usa armas. Você não confia no Deus em quem você crê?" Sim, eu realmente confio no Deus a quem eu sirvo. Porém, isso não significa que eu devo me expor deliberadamente ao perigo.

Em outras palavras: não é porque eu confio em Deus que eu vou deixar as portas da minha casa totalmente escancaradas para qualquer um entrar. Eu tenho que confiar em Deus, mas eu também tenho que fazer a minha parte (ou seja, me proteger). A respeito disso, Jesus disse: "Eis que Eu vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas" (Mateus 10:16)

Vejam como Jesus disse: "Sede prudentes". O verdadeiro cristão é prudente sempre. Se depender somente da polícia, eu sei que eu não vou ter segurança nenhuma (esta é que é a verdade)!

Alguém concorda comigo?

TNK Dojo disse...

Excelente texto! não adianta citar as escrituras de maneira distorcida, e as orações de Davi e a oração modelo de Jesus mostram claramente que o povo do Senhor anda muito equivocado e sem discernimento.

Graça e Paz do Senhor Jesus Cristo a todos.

Casal 20 disse...

Julio, armas para o cidadão de bem e pena de morte para os crimes hediondos. Se Davi entendesse a Bíblia como Gondim, ele nem sairia para a guerra.

Parabéns, Julio, pelo ótimo texto.

Julio, você está sabendo que a Nancy Pearcey estará no Brasil e que o Mackenzie promoverá em São Paulo um encontro extamente sobre a questão da cultura? Oremos a Deus para que a Igreja Presbiteriana do Brasil, calvinista, não siga o erro liberal da Igreja americana. É hora de pensarmos e agirmos com ações positivas nessas direções (pena de morte, direito ao porte de arma pelo cidadão de bem e outras questões mais).

Vou deixar o link: http://www.mackenzie.br/3congressointerdereligiao.html

Abraços sempre afetuosos.

Fábio.

Julio Severo disse...

Olá, Pr. Fábio! Obrigado novamente pelo sábio comentário. A grande incoerência do Mackenzie, Pr. Fábio, é que seu chanceler recentemente recomendou, “sem exceção”, Renato Vargens, que foi um dos fundadores do Rio de Paz. Além disso, um dos líderes do Mackenzie, Solano Portela, já foi alertado por mim sobre a incoerência dele de se opor ao desarmamento e, ao mesmo tempo, recomendar o Rio de Paz. Você pode encontrar essas informações aqui: http://juliosevero.blogspot.com/2012/04/robinson-cavalcanti-o-pecado-veio.html

Não passo essas informações com alegria no coração, mas os incoerentes, para acobertarem sua própria incoerência, estavam até dispostos a me atacar.

Em tempo, o assassinado bispo marxista Robinson Cavalcanti era conselheiro do Rio de Paz.

Edigar disse...

Julio, lhe recomendo o excelente artigo:

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=975

Ele mostra como a população suíça, altamente armada, espantou o exército de Hitler, na 2° Guerra Mundial.

Fabiano disse...

Sou totalmente contra o uso de armas na rua ( quem sai de casa armado, malícia no pensamento tem ). Mas dentro do lar para defender a família, eu tenho cinco... E bem calibradas. Se preciso for, vou usá-las... Afinal de contas, eu e a maioria da população disse NÃO ao desarmamento... Ou eu fui votar em vão?
Reconheço que não tenho porte de armas, mas para adquirir um, o cidadão precisa ser juiz, advogado, delegado etc... Mas a minha vida tem menos valor que a deles?
Ótima matéria.

pretinha disse...

Julio

Sugiro que você se desgaste menos quanto às incoerências das pessoas, escolha suas lutas. Vale a pena apontar essas incoerências, até certo ponto. Mas tem um monte de coisas que é melhor irrelevar, não vale a pena. Noto que até agora você chama a atenção para a incoerência do Pr Renato Vargens, e para algumas palavras duras que algumas pessoas ligadas ao Mackenzie possam ter lhe dito. A guerra cultural exige desprendimento e coragem (e nisso você é superior à imensa maioria dos brasileiros), mas exige também sabedoria, senso estratégico e percepção.

Bom, talvez eu esteja errado, e talvez seja relevante, por motivos que eu desconheço, chamar a atenção para esse assunto. Se eu estou errado na minha opinião, por favor, ignore essas minhas palavras. Mas busque sabedoria de Deus.

Herberti disse...

"Vale mais uma arma na mão do que um policial ao telefone."

Junior disse...

Julio, queria indicar um artigo em inglês sobre a linguagem politicamente correta. Chama-se "Uma crítica à linguagem politicamente correta".

O endereço é este:
http://www.independent.org/publications/tir/article.asp?a=855

Clicando, é possível lê-lo por inteiro. Fica aí uma sugestão de tradução.

Um forte abraço!

Trindade disse...

Olá Julio, belo artigo e como sempre a Bíblia se cumpre, em terra onde assola a injustiça os primeiros que sofrem são os mais fracos, crianças, mulheres, idosos, deficientes e doentes debilitados, isso é triste mas esta acontecendo entre nós.
Júlio trabalhei por 27 anos na área de segurança publica no setor operacional, ou seja lidando no dia a dia da violência, mas nem por isso incentivo ninguém a usar arma indiscriminadamente, MAS ACREDITO QUE A PROIBIÇÃO DE TER UMA ARMA EM CASA CONFORME A LEI BRASILEIRA QUE ESTA EM VIGENCIA DÁ AO BANDIDO A CERTEZA QUE O CIDADÃO PAI DE FAMÍLIA ESTA À SUA MERCÊ E INDEFESO, por isso vou dar apoio ao deputado federal Rogério Peninha Mendonça (PMDB/SC)que apresentou o PL 3722/2012 que revoga a lei atual, popularmente conhecida como “Estatuto do Desarmamento”, qualquer dúvida visite o link abixo:
Como eu acredito em milagres pode ser que essa lei arbitrária possa ser revogada, apesar da saraivada de críticas dos politicamente corretos, mas tentar é nosso dever.

http://www.mvb.org.br/campanhas/pl3722

Anônimo disse...

Tava pensando nisso lê esse artigo foi um erro mesmo desarmar os cidadões de bem brasileiros a violência continua a mesma coisa e até pior aff. Ester!!!!!

Gustavo disse...

Paz do Senhor irmãos.
Eu sou cristão e sou a favor da pena de morte, convencido de que foi intituída e ordenada por Deus para punir o mal. Em um Estado onde há pena de morte e os crimes são devidamente punidos, os bandidos "pensam duas vezes" antes de cometer um crime.
Acontece que eu não sou convencido de que podemos matar sem desobedecer ao sexto mandamento, quando somos apenas civis e não magistrados civis, que têm autoridade para isso.
Gostaria de saber onde os irmãos encontram respaldo para a legítima defesa no Novo Testamento. Paz e que o Senhor nos proteja!