28 de abril de 2012

Agências da ONU Estimulam Abortos de Seleção Sexual e Desvalorização das Mulheres


Agências da ONU Estimulam Abortos de Seleção Sexual e Desvalorização das Mulheres

Wendy Wright
NOVA IORQUE, 9 de março (C-FAM) As agências mais importantes da Organização das Nações Unidas estão ativamente promovendo duas principais causas do imenso desequilíbrio sexual da Ásia, acusou uma especialista de políticas populacionais nesta semana durante uma conferência de mulheres da ONU.
Falando num painel durante a Comissão sobre a Condição das Mulheres que a ONU faz todo ano, a Dra. Susan Yoshihara identificou três razões para o fenômeno da “escassez de meninas” na China, Índia e que está se espalhando para outras nações. As causas principais para as matanças em massa, disse ela, são o acesso a tecnologias que facilitam o aborto, uma preferência por filhos e o desejo dos pais ou do governo por famílias pequenas.
Entre 33 milhões e 160 milhões de meninas não estão vivas hoje devido ao aborto ou ao infanticídio. “As meninas são mortas porque são meninas. Dificilmente isso é sinal do avanço das mulheres”, disse a Dra. Yoshihara. Contudo, as agências da ONU incumbidas de promover direitos humanos, saúde, crianças e mulheres agressivamente promovem duas das três razões para os abortos de seleção sexual: famílias de tamanho pequeno e abortos.
Numa declaração conjunta sobre “Prevenção à seleção sexual por preconceito sexual”, o Escritório do Alto Comissário de Direitos Humanos, o UNICEF, o FNUAP, a Organização Mundial de Saúde e Mulheres da ONU afirmam falsamente que os países são obrigados a tratar os abortos de seleção sexual sem negar acesso aos abortos, declarando que seria “mais uma violação dos direitos dela à vida e saúde conforme estão garantidos em tratados internacionais de direitos humanos, e empenhados em acordos de desenvolvimento internacional”.
Não existe, nos tratados ou acordos internacionais, nenhuma obrigação de aborto.
O problema é horrendo. Em geral, a China tem 120 meninos para cada 100 meninas. Em algumas partes da China, esse número é 150 meninos para cada 100 meninas que nascem. Na Índia, a “desejabilidade de meninas cai com cada filho”, com os pais “não medindo nenhum esforço para garantir que seu segundo bebê seja um filho do sexo masculino”, disse a Dra. Yoshihara.
Décadas atrás, defensores do controle populacional financiados por ricas fundações ocidentais implementaram programas de grande escala em países visados como China e Japão. De acordo com Yoshihara, eles investiram em métodos de seleção sexual porque reconheceram os efeitos multiplicadores de selecionar meninas na população. O aborto se tornou o método preferido de redução populacional, considerando que os agentes poderiam identificar uma mulher grávida com mais facilidade do que identificam uma mulher que está pensando em ficar grávida.
As consequências dos programas de controle populacional carregam pesados custos sociais e de segurança internacional. Menos mulheres nas sociedades estimulam sequestros, vários homens possuindo a mesma mulher e tráfico humano. A rápida queda na fertilidade significa menos pessoas para sustentar uma crescente população idosa. Reconhecendo a iminente falta de jovens para preencher fileiras militares, líderes governamentais poderão ter atitudes agressivas para com outras nações enquanto puderem.
Na China, diariamente 500 mulheres cometem suicídio, relatou Tessa Dale de “All Girls Allowed” no painel patrocinado por REAL Women do Canadá. Tessa descreveu casos de abortos forçados de terceiro trimestre que matam tanto mãe quanto filho, e de uma mãe que foi forçada a escolher entre entregar uma de suas duas filhas ou ser esterilizada. Desejando um filho do sexo masculino, ela não conseguia decidir. Autoridades governamentais então tomaram sua filha mais nova.
Meninas são raptadas com a idade de 2 ou 3 anos, enquanto são novas demais para imaginar como voltar para casa.
“All Girls Allowed” fornece apoio para famílias chinesas que acolhem suas filhas, especificamente trabalhando em vilas com desequilíbrios sexuais que chegam até a 170 meninos para 100 meninas.
Líderes da ONU apresentam falsas escolhas para as nações em desenvolvimento, comentou a Dra. Yoshihara. Os países precisam decidir entre desenvolvimento e crianças; promover direitos humanos (definidos como incluindo aborto) ou ter famílias.
“É uma escolha mortal”, declarou ela.
Tradução: Julio Severo

2 comentários :

Trindade disse...

Com a palavra a nossa avó do aborto Eleonora Meneguchi que foi nomeado pela nossa presidente.
E os cristãos brasileiros que votam em candidatos de partidos da esquerda, sobra um pouquinho de responsabilidade para todos; E POSSO GARANTIR ESTAS CRIANÇAS VÍTIMAS ESTÃO CLAMANDO POR JUSTIÇA SOB O TRONO DO ETERNO QUE SABERA DAR A RECOMPENSA A TODOS.

ÉLQUISSON disse...

Não sei se a minha opinião seria apropriada para o assunto deste artigo, mas vou dizer exatamente o que eu penso (e gostaria que todos daqui se manifestassem).

A modernidade criou, juntamente com a tecnologia, um desejo muito grande de consumo. Eu diria que o que vivemos hoje é um consumismo desenfreado. Do jeito que muitas pessoas estão dando mais importância às próprias carreiras profissionais do que às famílias, não é de se espantar que muitas crianças de certos casais estejam crescendo sem o devido acompanhamento por parte dos pais. E essas mesmas crianças, infelizmente, estão destinadas a ser futuros jovens e adultos emocionalmente imaturos ou desajustados.

Infelizmente, o próprio sistema educacional, já corrompido pelo mal (e por valores esquerdistas, marxistas, comunistas e socialistas), nos impõe valores totalmente contrários aos que aprendemos na nossa família. Em outras palavras: a escola tem uma grande parcela de culpa nesse sentido. Somos ensinados a valorizar mais o "ter" do que o "ser", a cultivar o individualismo, enfim, a ser egoístas. Tanto é que o apóstolo Paulo dá o diagnóstico preciso dessa decadência moral que vivemos nos dias de hoje:

"Nos últimos dias, haverá tempos críticos, difíceis de suportar; porque os homens serão amantes de si mesmos, egoístas, pretensiosos, soberbos, blasfemadores, desleais, caluniadores, ferozes, falsos, sem afeição natural, antes amantes dos prazeres do que amantes de Deus, tendo uma forma piedosa de devoção, negando-lhe, porém, o poder" (2 Timóteo 3:1–5).

Eu pergunto: o que está acontecendo com a geração atual não é a confirmação destas palavras do apóstolo Paulo?

A verdade é que ninguém hoje está mais a fim de um compromisso sério (leia-se casamento). Muitas mulheres simplesmente abominam essa idéia. Teve uma que me disse sem a mínima cerimônia: "Para que eu vou passar o resto da minha vida com um homem controlando a minha vida? Eu quero ser independente, viver intensamente (sem ter que dar satisfação da minha vida a ninguém), alcançar a minha realização profissional (e financeira), não quero ficar submissa a ninguém! Casamento? Nem em sonho!" A moda hoje é "ficar", ou seja, ter um relacionamento despretensioso (sem qualquer tipo de responsabilidade). Isso tudo é o resultado da adoção (e da aceitação) do feminismo em alguns países.

A diminuição do número de casamentos (e também de famílias constituídas) tem trazido conseqüências graves em todo o mundo: mais homens solteiros, mais mulheres solteiras, mais gays e mais lésbicas. Mas o pior disso tudo é a queda da taxa de natalidade. Só para que todos daqui tenham uma idéia disso, a China já está começando a sentir as conseqüências do rígido controle de natalidade imposto a todos os seus cidadãos: está havendo falta de pessoas no mercado de trabalho. Além da China, alguns especialistas já alertaram que a Europa está passando por um processo muito rápido de envelhecimento populacional (inclusive já há casos de alguns países europeus com um alto índice negativo de novos nascimentos). E a tendência, pelo jeito, é que esta situação continue a se agravar (caso não seja tomada nenhuma providência).

Diante disso tudo, eu pergunto:

- O que fazer para mudar (ou reverter) este quadro?

- O que podemos fazer para salvar o casamento (que, como já se ouviu dizer por aí, é considerado por muitos como uma instituição falida)?

Espero uma resposta sensata de alguém na primeira oportunidade!