22 de março de 2012

Os Estados Unidos do Islã

Os Estados Unidos do Islã

Alexander Maistrovoy
O califado árabe não é mais ficção: divisões dos regimes do Oriente Médio em breve formarão um grupo de ilhas chamado Arquipélago Islâmico.
Califado:  “o estado político-religioso composto pela comunidade muçulmana, assim como as terras e os povos sob seu domínio nos séculos que seguiram à morte (632 d.C.) do profeta Maomé. Governado por um califa (em árabe, khalīfah, “sucessor"), que mantinha autoridade secular e às vezes espiritual em certo grau, o império do califado cresceu rapidamente por meio de conquistas durante seus dois primeiros séculos, assimilando o sul da Ásia, norte da África e Espanha. Disputas entre dinastias vieram a causar o declínio do califado, que deixou de existir com a destruição de Bagdá pelos mongóis em 1258".
“Um espectro ronda a Europa: o espectro do comunismo". Essas foram as primeiras palavras do Manifesto Comunista, de Karl Marx. Mais de um século depois, um espectro diferente apareceu às portas do Velho Mundo: o Espectro do Califado.
Um ano atrás, Muhammad Badie, guia geral da Irmandade Islâmica egípcia, afirmou:
“As mudanças e melhorias buscadas pela nação muçulmana só podem ser alcançadas por meio da jihad [guerra santa] e do sacrifício, por meio do aumento da geração jihadista que busca a morte, da mesma forma que os inimigos buscam a vida”.
De acordo com Badie, o propósito máximo dos árabes é restaurar a verdadeira face do mundo muçulmano, que é o Estado do califado sob as leis da Sharia, a forma mais elevada e mais sagrada de civilização humana.
Um membro veterano da Irmandade Islâmica egípcia, o xeique Ahmad Gad, chamou “o ilustre Al-Azhar para que reúna as correntes islâmicas com o objetivo de unir o mundo islâmico e trabalhar para a restauração do califado... ‘Oh, Alá, guia-nos, abra nossos corações para a fé e restaura essa nação à sua antiga forma: uma nação unida para adorar a ti e somente ti’".
“O islamismo dominará o mundo”.
O Dr. Kamal Al-Helbawy, ex-porta-voz da Irmandade Islãmica no Ocidente, chamou seu futuro califado de “os Estados Unidos do Islã” (“The United States of Islam”). Ele sugeriu que os árabes estariam querendo eliminar as fronteiras que foram criadas pelas nações imperialistas e construir um Estado global islâmico.
Foi assim que outro acadêmico islâmico do Egito, Ibrahim Al-Khouli, formulou o conceito da Irmandade Islâmica.:
“Esqueça Bin Laden e a Al-Qaeda. Não é disso que estou falando. Estou falando da Jihad liderada por acadêmicos islâmicos... estou falando da Jihad da nação inteira. Devemos conduzir a jihad contra o Ocidente, lugar de agressores da Terra do Islã”.
Pode-se falar de democratização do mundo árabe, de “Primavera Árabe” e de liberalização da sociedade árabe. Mas essa observação é apenas externa, de outro tempo e outro mundo: o ocidente do século XXI. A perspectiva interna é completamente diferente. Ela deriva de muitos séculos e se reflete no léxico de Badie e Gad, de Al-Helbawy e Al-Khouli, do xeique Yousef Qaradawi (‘Constantinopla foi conquistada em 1453 por um otomano de 23 anos de idade chamado Muhammad ibn Murad, que chamamos de Muhammad, o Conquistador. Agora o que nos resta é conquistar Coma) e do Grande Mufti de Jerusalém, Muhammad Ahmad Hussein, que disse:
“A Hora [da Ressureição] não virá até que vocês enfrentem os judeus.... Nossa guerra contra os descendentes dos macacos e dos porcos (isto é, dos judeus) é uma guerra de religião e fé”.
E finalmente, o Emir de Qatar, xeique Hamad bin Khalifa al-Thani, declarou que não medirá esforços para espalhar o islamismo wahhabista pelo mundo, encorajando a jihad ao mesmo tempo em que investe 50 bilhões de euros na restauração da Sharia nos subúrbios da França, onde residem centenas de milhares de muçulmanos imigrantes.
Al-Thani é considerado um líder moderado e pró-ocidente. Há um ano atrás, esse tipo de discurso seria considerado impensável. Hoje em dia, essas palavras não são apenas pronunciadas, mas são também validadas por financiadores e por ajuda financeira. Alguém pode perguntar por que. Será por que al-Thani quer estar no “lado certo da história”?
Chegou a hora. Todos os obstáculos ao sonho tão esperado, como os regimes autoritários corruptos, foram espalhados como dunas de areia ao sopro dos ventos.
Assim como os judeus desejam voltar a Jerusalém e os cristãos esperam o retorno de Cristo, os árabes anseiam há séculos pela restauração do califado. Esse Estado teocrático foi o primeiro e único Estado autêntico na história árabe, considerado a materialização da vontade divina.
As leis da Sharia determinam a estrutura interna desse Estado, sendo a Jihad sua política externa. Recentemente, apenas professores deslumbrados, encantados pelas práticas espirituais sufistas, estão falando da Jihad como um autoaperfeiçoamento. Mas a Jihad não é elevação espiritual, e sim a realização da vontade divina, e o que quer que não seja parte da “Terra do Islã” (Dar al-Islam) na verdade fará parte da “Terra de Guerra” (Dar al-Harb).
Não houve discordância quanto à supremacia das leis da Sharia e ao destino divino do califado. Dividir o islã em “moderado" e “radical” é fruto da imaginação de intelectuais ocidentais que enganam, antes de tudo, a si mesmos. O islã (como as duas outras religiões abraâmicas) é fundamentalista; ou seja, interpreta as escrituras sagradas de forma literal.
Nos séculos XVII e XVIII, o Cristianismo (influenciado pelo Iluminismo) tendeu para o liberalismo e começou a tratar a Bíblia de maneira alegórica. Mas Deus não é uma substância impessoal dos deístas nem a divindade harmoniosa dos neoplatonistas. Ele estabelece leis e determina o seu cumprimento.
O ponto de vista dos teólogos muçulmanos tem sua própria lógica. Por que os árabes adotariam sistemas sociais alheios a si mesmos e impostos há menos de um século atrás, sejam eles democracia, economia de mercado ou socialismo? Além do mais, eles estão familiarizados com as consequências dos experimentos políticos do passado recente.
Democracia liberal? Qual é o significado prático disso? A ausência de base, forma e conteúdo divino? A profanação de Deus e de Sua ordem? A recusa dos valores como supremos? A rejeição das raízes como um princípio sagrado? Solidão desesperada: “Somos deixados sozinhos, sem desculpa" [Jean-Paul Sartre]? O triunfo do "vazio substancial"? [Ulrich Beck] Permissividade sexual e perversões como exemplos a serem seguidos?
Para que possamos entender alguém, devemos ver o mundo por meio dos seus olhos. Os direitos do liberalismo são uma bênção para o ocidente e uma zombaria da vontade do Criador para os muçulmanos. A vitória dos islâmicos nas últimas eleições egípcias não foi resultado de lavagem cerebral, mas de uma profunda convicção interna.
O mundo árabe está pronto para o Estado do Califado. Ele irá se parecer com as teocracias da Arábia Saudita e do Irã: as duras leis atribuídas aos “dhimmi” para os não muçulmanos (que sobreviverem ao massacre), a submissão das mulheres, o apedrejamento por adultério, a proibição da usura e do homossexualismo.
A criação do califado, obviamente, levará tempo. Primeiramente, é necessário neutralizar a resistência da junta militar no Egito, eliminar a anarquia da Líbia, abolir o regime sírio, esmagar a monarquia hachemita e derrubar a corrompida liderança palestina, suprimir os tumultos étnicos e parar o avanço dos xiitas no Iraque e no Líbano. Segundo, é essencial que se fortaleça os princípios da Lei da Sharia nas mentes das pessoas, uma vez que ela ainda existe nas consciências coletivas como uma ideia vaga. E apenas então, finalmente, as ilhas espalhadas se unirão em um único reino religioso e cultural com um objetivo em comum: o começo da Jihad.
A Irmandade Islâmica e os salafistas não estão com pressa. O xeique Ahmad Gad afirmou:
“Não há esperança de uma reforma sem o retorno da lei divina, que o Criador escolheu para o homem... Não há outra maneira a não ser uma ação gradual que prepare as almas e sirva de exemplo, para que a fé entre em seus corações...”
Diferente dos europeus, os árabes sabem esperar, mas eles também sabem como mobilizar suas forças. “Seja paciente se você for uma bigorna. Seja rápido se for um martelo” — diz a sabedoria árabe. Levou duas décadas para que o profeta Maomé criasse o califado islâmico na Península Arábica, e levou menos de uma década para que seus seguidores conquistassem a Pérsia e o Egito e cercassem o poderoso Império Bizantino.
“Não há nada mais poderoso do que uma ideia cujo momento chegou” — escreveu Victor Hugo.
Se você quer democracia liberal para os árabes, trará o Estado do califado para a sua própria casa. “Um espectro ronda o Oriente Médio... o espectro do califado...”.
Alexander Maistrovoy é jornalista no Novosty Nedely, jornal israelense de língua russa.
Traduzido por Luis Gustavo Gentil do artigo do Crossroad: “The United States of Islam

3 comentários :

Jorge Bay disse...

JÁ QUE O OBAMA, OU MELHOR OSAMA, É TÃO HOSTIL A BÍBLIA, DEVIA SE CANDIDATAR AO POSTO DE "NOVO CALIFA". MAS SERIA REJEITADO E CONSIDERADO INAPTO: APOIA DEMAIS O MOVIMENTO HOMOSSEXUAL.

Junior Melo disse...

A APz do Senhor

A Rússia se voltando para CRisto,proibindo filmes e palavrões que possam denegrir a palavra de Deus enquanto os EUA se tornam cada vez mais perseguidores da palavra de Deus.A Russia, antes comunista, se tornando hoje cristã.Tempos do fim se aproximam.O URSO GOG, se levanta.Vigia povo de Deus.LEiamos a Biblia , JEsus ta voltando.

Anônimo disse...

O que posso perceber é que os donos do poder estão colocando o seu ultimo plano da nova ordem mundial. Fomentar a terceira guerra entre Israel e os mulçumanos de acordo com a carta de Albert Pike. Só não vê quem não quer. Prestem muita atenção e verão o mundo mergulhado em uma guerra em que os vencedores serão a Elite.