29 de março de 2012

Lei russa de São Petersburgo questiona se direitos gays são direitos humanos?

Lei russa de São Petersburgo questiona se direitos gays são direitos humanos?

É certo o governo americano pressionar o governo russo a ir contra a vontade de seu povo?

Bryana Johnson
DALLAS, Texas, EUA, 18 de março de 2012 — São Petersburgo, na Rússia, adotou uma nova política pública designada a proteger jovens de exposição à propaganda de grupos homossexuais. A política tem criado polêmica entre grupos gays.
Em 7 de março de 2012, o governador Georgy Poltavchenko assinou a lei que multará indivíduos em até 170 dólares e empresas em até 17.000 por violarem a medida que proíbe “ações públicas com o objetivo de fazer propaganda da sodomia, lesbianismo, bissexualismo e transgenerismo entre menores de idade”.
A lei de São Petersburgo também inclui emendas que introduzem punições mais rigorosas para a pedofilia.
Aplaudindo a recente legislação, a Igreja Ortodoxa Russa está pedindo uma proibição semelhante na Rússia inteira. Dmitry Pershin, diretor do conselho juvenil da Igreja Ortodoxa Russa, diz: “temos de ajudar a proteger as crianças de manipulações de informações de minorias que promovem a sodomia”.
Foto: Policial russo detem um homem vestido de noiva durante protesto gay em Moscou. Crédito: AP Images
Respondendo à intenção do ativista homossexual Nikolay Alexeyev de organizar comícios de protestos perto de estabelecimentos infantis, Pershin diz que “a persistência das minorias sexuais e sua intenção de fazer comícios perto de estabelecimentos de crianças indica que essa lei regional é muito necessária e tem de receber status federal com urgência”.
Os grupos gays estão descontentes e gritando por indenizações contra o governo de São Petersburgo. Em 2011 a organização militante LGBT AllOut conseguiu pressionar o site de serviços financeiros PayPal a fechar a conta do blogueiro cristão anti-agenda gay Julio Severo, suspendendo acesso aos fundos.
Agora, essa organização está protestando e chamando essa lei de “lei do silêncio” que “amordaça artistas, escritores, músicos, cidadãos e visitantes”, e eles dizem que não vão lá, ameaçando boicotar viagens à cidade russa.
Por estranho que pareça, outra instituição se uniu a eles expressando condenação: o Departamento de Estado dos EUA. “Direitos gays são direitos humanos e direitos humanos são direitos gays”, declara o site oficial do Departamento de Estado, citando a secretária Hillary Clinton.
“Estamos exortando as autoridades russas para protegerem essas liberdades, e para fomentarem um ambiente que promova respeito pelos direitos de todos os cidadãos. Temos também consultado nossos parceiros da União Europeia sobre essa questão. Eles têm as mesmas preocupações que temos e também estão abordando as autoridades russas nessa questão. Os Estados Unidos dão grande importância ao combate à discriminação contra a comunidade LGBT e todos os grupos minoritários”.  
A Rússia não gostou da interferência do governo dos EUA. “Vemos com espanto as tentativas dos EUA de interferir, e ainda por cima publicamente, no processo legislativo”, Konstantin Dolgov, representante de direitos humanos do ministério das relações exteriores, disse para a agência noticiosa Interfax, acrescentando que não há “absolutamente nenhuma discriminação na lei russa na aplicação de direitos humanos civis, políticos, sociais, econômicos e culturais, inclusive na base da orientação sexual”.
Dolgov explicou que “as iniciativas legislativas dos órgãos regionais de autoridade… têm o proposito de proteger os menores de idade da propaganda correspondente… Evidentemente, a decisão levou em consideração os valores culturais e morais tradicionais que prevalecem na sociedade russa, considerações da proteção da saúde e moralidade pública, e a inadmissibilidade da discriminação por meio do incentivo dos direitos e interesses de um grupo social sem a devida consideração pelos direitos e interesses dos outros”.
No final das contas, Dolgov estava muito bem informado. Por mais que possa parecer chocante para a secretária Clinton, os russos, em geral, não gostam de exibições públicas da homossexualidade e muitos acreditam que os atos homossexuais são imorais e prejudiciais à saúde.
Uma pesquisa de opinião pública do Centro Levada em Moscou revelou que 74 por cento dos russos consideram a homossexualidade como resultado de más escolhas morais. É certo o governo dos EUA pressionar o governo russo a ir contra a vontade de seu povo?
Se o governo russo estivesse, de fato, violando direitos humanos, a resposta certamente seria sim. Contudo, o ponto principal é que embora a liberdade de expressão, os direitos de propriedade, o direito a um julgamento justo, liberdade de violência injustificada, liberdade de servidão involuntária, etc., sejam direitos humanos, liberdade de expressão sexual em vias públicas e na presença de crianças não é, e categorizá-la como tal banaliza os reais abusos e injustiças de direitos humanos cometidos todos os dias no mundo inteiro.
“Mantenha o governo fora de seu quarto de dormir!” se tornou um lema de ativistas gays e abortistas, que se irritam com o que veem como excessiva legislação da atividade sexual. O governo russo tem se retirado do quarto de dormir.
Agora, porém, esses ativistas não mais estão satisfeitos em confinar suas polêmicas ao quarto de dormir, mas continuam insistindo em arrastá-las para fora, para exibição pública. A questão é que grande parte do que eles desejam ostentar não é nada apropriado para exibição pública em primeiro lugar.
Os direitos gays são direitos humanos? Apenas na medida em que esses direitos são os mesmos direitos concedidos a todas as outras pessoas. Portanto, embora os direitos dos gays de ter igual proteção da lei sejam direitos humanos, os “direitos” deles a paradas que simulam sexo explícito em lugares públicos ou de doutrinar crianças contra os desejos de seus pais não são absolutamente direito algum.
Traduzido por Julio Severo do artigo do jornal The Washington Times: St. Petersburg Russia law questions if gay rights are human rights?

7 comentários :

Bruno Willian disse...

A Rússia é o exemplo para o mundo. Em 1917, a Nossa Senhora de Fátima nos avisou sobre a conversão da Rússia. Ta aí o resultado.

ÉLQUISSON disse...

Pode ser que a Rússia não seja um país 100% cristão, mas, por enquanto, ela está combatendo com firmeza o pecado (e está sendo implacável contra o homossexualismo).

Vejam que ironia: a Rússia, até alguns anos atrás, era odiada por ser comunista. Os Estados Unidos se auto-denominava como país exemplo, se gabava de ser o melhor país do mundo (e era considerado o país mais cristão do mundo).

Hoje, está tudo ao contrário: a Rússia abandonou o comunismo e está dando uma verdadeira lição de moral nos países que se dizem cristãos (não só os Estados Unidos, como também o Brasil e outros que agem igual). Os Estados Unidos vem decaindo moralmente, e já está contaminado pelo homossexualismo, bruxaria, satanismo, ensinamentos da Nova Era e outras coisas anti-cristãs (sem contar a atual tolerância ao islamismo).

Aqui no Brasil, o quadro não chega a ser diferente dos Estados Unidos: temos um governo totalmente pró-homossexualismo, pró-aborto, anti-família e anti-cristão. Que futuro o nosso país terá com um governo corrupto desses no poder?

Está faltando alguém que tenha coragem o suficiente para romper de uma vez por todas com esse governo podre e imoral, está faltando alguém que possa colocar a Palavra de Deus como diretriz para a nossa nação, enfim, está faltando alguém que possa tirar o Brasil do caminho do inferno que o PT colocou juntamente com outros partidos que pensam e agem igual!

Quem se atreve a tomar essa iniciativa?

O que os políticos da bancada evangélica do Congresso Nacional estão fazendo a favor das famílias, da moral, dos bons costumes, e da obediência à Palavra de Deus?

Deixo esta pergunta no ar para que algum deles possa responder (se é que algum deles vai ter coragem para isso)!

Juan disse...

Sou totalmente contra qualquer ato de hostilidade contra os homossexuais, pois sempre lembro de Cristo a nos alertar para que não joguemos a primeira pedra. Acredito que muitos cristãos comunguem com essa opinião, mesmo assim somos apontados como 'homofóbicos' e intolerantes.
Da mesma maneira que não tenho nada contra os atos privados dos outros, tampouco tenho nada a favor e acho certo coibir a propaganda do desejo homossexual, principalmente para crianças.
Mas, o governo Russo talvez enxergue além do que estamos discutindo aqui. Se eles deixarem que manifestações e associações desse tipo (que reinvindicam coisas absurdas) vicejem, logo elas estarão exijindo verba e pressionando por regalias acima das concedidas aos demais cidadãos. O Brasil já trilha esse caminho, onde não se pode discordar de um militante sob o risco de ser tachado de "minha causa particular"+"fóbico", reacionário e facista.

Anônimo disse...

É vergonha eu ter que fazer salvas de louvor para a Rússia, logo um país que registrou os piores crimes contra a igreja de Cristo.
Enquanto isso a Europa e os EUA que eram cristãos estão há muito em trevas.

Anônimo disse...

Sobre o tema "politicos respeitam e representam a vontade do povo", procurem no youtube o video com o nome "Empreiteiras do aborto instrumentalizam senadoras". Eh a manifestacao de uma cidada brasileira comum äs senadoras abortistas, e ela diz "Voces nao representam a mulher brasileira"!

Saulo

Fabiano disse...

Que saudade eu tenho do regime militar, aonde homens respeitavam seus deveres, mulheres cumpriam suas tarefas, e os devassos mofavam na cadeia ( para não incentivar o resto da sociedade ). Os metidos a comunistas, esqueristas de merd*, que hoje só fazem distorcer a história da humanidade, apanhavam e, por incrível que pareça, hoje fazem "comissões da verdade". Mas o podre dessa raça do malígno está vivo nos arquivos do Brasil passado. Se os militares de 65 tivessem feito o "serviço completo", hoje não estaríamos penando nas mãos desses sodomitas!

Anônimo disse...

Parabéns a Rússia que está resistindo a ideologia homossexual vê que patético um homem vestido de mulher como diabo coloca as pessoas no rídiculo. Ester!!!!!