10 de março de 2012

Christian Post teria cometido fraude jornalística?

Christian Post teria cometido fraude jornalística?

Dr. Fábio Blanco
Depois da inesperada repercussão do meu artigo Bispo esquerdista morto se torna sábio por boca "conservadora", o Pr. Renato Vargens negou publicamente ser o autor das declarações comprometedoras publicadas originalmente em inglês pelo Christian Post, as quais permaneceram intactas durante dez dias no site da agência evangélica americana, desaparecendo sem qualquer nota explicativa.
“Dom Robinson foi um homem de grande sabedoria divina”, teria dito o pastor. Essa foi a declaração, traduzida do texto em inglês, e que não se encontra mais no site da agência de notícias. Considerando que o bispo era um militante esquerdista convicto e o pastor Vargens um homem com acesso livre ao meio conservador protestante, é óbvio que a frase era impactante. Foi isso que ressaltei no meu último artigo e que tanta controvérsia causou, além de reações indignadas.
Ora, o jornalismo possui algumas regras elementares e uma delas é apresentar como palavras literais apenas aquilo que foi dito literalmente. Se o contrário é permitido, ou seja, apresentar apenas em contexto o que foi dito ipsis litteris, colocar entre aspas o que não foi dito é mais do que um erro jornalístico, é uma fraude!
No entanto, é isso que, querendo ou não, o pastor Vargens está afirmando, quando em seu post, Estabelecendo a verdade, diz: “...no texto em inglês, a declaração sofreu alguns acréscimos que não correspondem ao que eu afirmei no dia em que dei a entrevista”.
Isso significa que, segundo essa afirmação de Vargens, o Christian Post adicionou uma fala inexistente do pastor em seu texto. Ora, isso fere qualquer manual de ética jornalística, pois, no caso da matéria em questão, pela forma como foi apresentada a fala do senhor Vargens, o que ficou evidenciado ao leitor era que o pastor admirava grandemente o bispo esquerdista.
Se a agência americana inventou a fala, cometeu um abuso intolerável, dando o direito ao pastor Renato Vargens de ingressar imediatamente com uma ação de indenização por danos morais contra a empresa jornalística.
Não haveria problema algum em transformar uma declaração literal em apenas uma citação contextualizada. No entanto, transformar em declaração o que sequer foi dito é um crime!
Algumas perguntas, no entanto, ficaram irrespondidas. Se o pastor não falou nada, por que o Christian Post colocou a frase? Qual era a intenção da agência de notícias? Por que o texto em português estava diferente? Por que no parágrafo do texto em português parece que o elogio é feito pelo próprio Christian Post, sendo que durante toda a matéria ela se ateve apenas a descrever os fatos? Quem considera o bispo Robinson um homem de grande sabedoria divina, o pastor Vargens ou o Christian Post?
Essas perguntas não são irrelevantes. Se houve alteração ou acréscimo às declarações de Vargens, estamos diante de uma fraude jornalística evidente, que coloca em dúvida a honestidade e transparência da agência de notícias. Se ela alterou dessa maneira o texto do pastor, quantos outros textos mais pode ter alterado?
Talvez o pastor Renato Vargens não tenha percebido, mas, de acordo com seu próprio relato, fora vítima de uma ação irresponsável da revista. E que não venham dizer que a declaração posta não tinha relevância. A importância de uma frase não está em sua extensão, mas no que ela representa. Se o pastor Vargens houvesse dito aquilo que estava escrito na matéria, estaria, aos olhos dos leitores americanos, aprovando os atos do bispo falecido, transformando-o de militante esquerdista para sábio homem cristão.
Realmente, como estava escrito o texto, em inglês, o pastor Vargens tinha duas alternativas, como coloquei em meu artigo, que era “negar veementemente tal afirmação, jogando toda a culpa sobre a agência americana pelo equívoco ou confirmar o que disse”. O pastor optou pela primeira alternativa e, segundo meu entendimento, colocou o Christian Post em maus lençóis.
Cabe, agora, aos jornalistas do Christian Post se manifestarem, esclarecendo como pôde haver uma alteração tão importante na tradução de um texto. Se se calarem, estarão atestando a própria fraude e colocando em dúvida a veracidade de todo o seu conteúdo.
(Ainda gostaria de falar sobre as reações conservadoras ao meu texto, mas, para não misturar os assuntos, esta será a pauta de meu próximo artigo)
Divugação: www.juliosevero.com

6 comentários :

Paulo Teixeira disse...

Não quero aqui em defenda do Christian Post, mas há algo de bem errado e estranho nesta história que precisa ser esclarecido.

Ambos, o site e o pastor Vargens, precisam ir a público se explicar para que não caia sore a cabeça de ambos, a suspeita do erro.

Apenas gostaria de enfatizar que faz alguns meses percebi algo de muito estranho em relação ao pastor Renato Vargens. Sei que errar é humano, mas existe algo que não posso furtar-me de pedir esclarecimentos.

No mês de abril de 2011 um site da Bahia publicou uma notícia onde dizia que o pastor Silas Malafaia foi visto andando pela Cidade de Porto Seguro, em uma limousine, cujo aluguel diário era de R$ 7.000,00, além de estar frequentando restaurantes pela cidade.

Um dos primeiros, senão o primeiro veículo evangélico a reverberar a notícia foi o Blog Renato Vargens. Eu mesmo fui levado ao blog, minutos após a postagem da notícia, por meio do Twitter.

Quando o assunto começou a ganhar destaques, a assessoria do pastor Malafaia publicou um direito de resposta no jornal Bahia online, que primeiro divulgou a notícia, e afirmou que sequer o Pastor viajou para o estado no período relatado. O jornal havia tirado uma foto de uma limousine em frente a uma churrascaria a beira-mar e afirmado que após muita dificuldade finalmente tinha conseguido o registro do suposto veiculo do Pastor que estaria almoçando no local no momento.

Após este desmentido, voltei ao blog do Pastor Vargens para ver se havia publicado o desmentido. PARA SURPRESA MINHA, ele havia retirado o artigo do ar, sendo que o mais correto era publicar a outra versão da história. Ou seja, usar a mesma velocidade para a transmissão da informação. Não o fez. A essas alturas muita gente já tinha copiado o assunto e repercutido a mentira.

No link a seguir encontra a verdade dos fatos: (tente acessar esta página).

http://renatovargens.blogspot.com/2011/04/silas-malafaia-desfila-de-limusine-em.html

CONTRA FATOS, NÃO HÁ ARGUMENTOS.

"Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna". (Mateus 5:37)

Cláudio disse...

muito ético publicar esse post

Renato Cavallera disse...

Julio, você mal sabe o que rola nos bastidores do Christian Post BR.

Esse post foi criado pela CP BR que também que é famosa nos bastidores do sites gospel como a pior mídia de todas. O que veio de gente para mim reclamando de tudo ali, desde pastor conceituado reclamando que as falas dele foram intencionalmente manipuladas, até funcionário enganado pedindo para trabalhar para o Gospel+ porque na CP eles não pagavam a ele.

A prova de que eles não se importam com o meio cristão, mas sim com dinheiro e acessos é o conteúdo deles, me diga se essas matérias tem a ver com o meio cristão:

http://portugues.christianpost.com/news/amy-winehouse-green-day-paga-tributo-a-cantora-em-nova-musica-2715/

http://portugues.christianpost.com/news/rihanna-e-katy-perry-arrasadas-em-suas-performances-no-rock-in-rio-3065/

http://portugues.christianpost.com/news/morte-de-amy-winehouse-causada-por-deixar-o-alcool-diz-a-familia-2561/

Queria saber onde está o CHRISTIAN desses POSTs.

Casal 20 disse...

Perspicaz. Parabéns, Julio!

Sigamos salgando!

Abraços sempre afetuosos.

Fábio.

Anônimo disse...

Esse CP está uma bagunça. Alguém precisa fazer algo logo!

Anônimo disse...

Essa história pessoa diz uma coisa aí depois diz não falou shiii tem língua mentirosa atuando.
Verdade só uma cada um vai dá conta a Deus vivo o que falou e não falou estava aqui vivo na terra. Ester!!!!!