11 de fevereiro de 2012

Quem realmente está por trás das atrocidades na Síria?

Quem realmente está por trás das atrocidades na Síria?

A imprensa está contando apenas um lado da história

Predominam na mídia notícias acusando as forças do presidente sírio Bashar Assad de terem matado pelo menos 67 civis na fortaleza rebelde em Homs.
Essas notícias são as últimas acusações de que soldados e guardas de Assad estariam envolvidos em atrocidades em massa contra civis desarmados.
A grande maioria dessas notícias se apoia em alegações de ativistas locais e anônimos.
Muitas reportagens em língua inglesa sobre os eventos recentes na Síria examinadas pelo WND cometem negligência ao não citarem o lado sírio, que afirma que terroristas armados, incluindo islâmicos, forçaram as forças sírias a abrir fogo em áreas civis.
A Síria afirma também que os terroristas estão por trás do assassinato de civis.
Um grande número de notícias americanas e internacionais dos últimos meses examinado pelo WND quase uniformemente se recusa a noticiar o número de soldados que a Síria afirma terem sido mortos nos confrontos, contando apenas uma versão da história, a de que os soldados sírios estariam disparando em zonas civis e descartando a possibilidade de estarem lutando contra uma insurgência bem armada.
Um exemplo foram as acusações do último dia 8, de que as forças sírias teriam invadido Homs e matado 67 civis, incluindo três famílias em suas casas, supostamente por guardas leais a Assad.
Contudo, a Síria questionou abertamente o número e afirma que “terroristas armados” estavam por trás das mortes de civis.
O Syrian Arab News Agency (SANA), site de notícias do governo sírio em língua inglesa, noticiou que no dia 8 um “grupo terrorista armado” detonou um carro bomba no bairro de al-Bayyada em Homs, causando morte e ferimentos entre vários civis e membros das forças de segurança.
A Síria acusou os terroristas de bombardearem áreas civis e de incendiar dois tanques de combustível.
O SANA afirma que “os grupos armados atiram na população, bloqueiam estradas e atacam instalações públicas e privadas”.
A Síria afirma que as suas tropas desarmaram vários explosivos plantados pelos “grupos terroristas armados” em várias rodovias, enquanto que os jihadistas sequestraram vários cidadãos no povoado de Tseil, na província de Daraa, que depois foram libertados pelas forças sírias.
A agência SANA afirma ainda que os grupos terroristas armados assaltaram várias casas nos bairros de al-Khalidiyyeh, al-Bayyada e al-Nazihinn em Homs.
As notícias mais recentes da mídia omitem as declarações quase diárias da Síria de que vários soldados, chegando a doze por dia ou mais, estão sendo mortos em combate contra os supostos grupos armados.
Na segunda-feira, por exemplo, a Síria listou os nomes de 13 soldados, afirmando que haviam sido mortos em combate no dia anterior.
A SANA afirmou que os funerais foram conduzidos na terça-feira para mais 30 membros das forças de segurança.
No último domingo, a Síria rebateu acusações de que as forças de Assad teriam massacrado mais de 200 civis em Homs.
Uma autoridade síria disse ao WND que um “grupo terrorista armado” começou atacando uma guarita em Palmyra, na área rural de Homs.
A autoridade síria também acusou o suposto grupo terrorista de alvejar civis, afirmando que as forças sírias encontraram e desarmaram vários explosivos localizados em áreas civis dentro e nos arredores de Homs.
Essa rotina foi confirmada por um relatório que vazou da Liga Árabe.
O relatório, postado pelo grupo hacker Anonymous, afirma que observadores da Liga Árabe testemunharam várias vezes uma “entidade armada” provocar as forças sírias e colocar as vidas de civis em perigo.
Essa parte do relatório confidencial diz o seguinte: “A Missão apurou que há uma entidade armada que não foi mencionada no protocolo… Em algumas áreas, essa entidade armada reagiu atacando as forças de segurança da Síria, fazendo com que o governo respondesse com mais violência. No fim, civis inocentes pagam o preço por essas ações, sendo mortos e feridos”.
Traduzido por Luis Gustavo Gentil do artigo original de WND: “Who’s really behind atrocities in Syria?
Comentário de Julio Severo: A “Primavera Árabe”, sob incitação do governo dos EUA sob Obama, está derrubando governos islâmicos não tão radicais e entregando o governo diretamente para a Irmandade Islâmica, totalmente radical, deixando os cristãos em situações horripilantes de perseguição, tortura e morte.
Fonte em português: www.juliosevero.com

7 comentários :

Anônimo disse...

So pode ser a midia esquerdista por tras da mentira, engano e desinformacao.

Saulo

Idevam disse...

A Grande Mídia Não se atêm a notíciar os fatos ela toma partido e tendênciosa e parcial não da para confiar na grande mídia faz muito tempo ela deixou de ser imparcial seu um dia foi

Hoje endia não informá so doutrina com ideologias baratas e de destruição

JCavalheiro disse...

Há tempos não dá mais para confiar naquilo que a grande mídia divulga. Ela tem tomado partido para propositadamente destruir tudo aquilo que está estruturado e implantar uma nova maneira de pensar e agir, fazendo crer que tudo o que existe está errado e somente aquilo que estiver de acordo com os seus próprios conceitos está certo!
Agindo desta maneira estão conquistando espaço os chamados grupos diferentes e estabelecendo uma ditadura de minorias, com isso a Igreja, o Cristianismo e a família vêm sofrendo uma sistemática propaganda negativa e perseguição.

Julio Severo disse...

Washington, 11 fev (EFE).- O braço iraquiano do grupo terrorista Al Qaeda estaria por trás de dois dos recentes atentados que atingiram a capital da Síria, Damasco, e provavelmente também dos atentados suicidas ocorridos nesta sexta-feira que deixaram pelo menos 25 mortos na cidade de Aleppo, informou neste sábado o grupo de jornais McClatchy, citando fontes oficiais americanas.

Segundo os funcionários, que ofereceram a informação sob condição de anonimato, os relatórios de inteligência sobre os incidentes indicam que os atentados foram realizados sob as ordens de Ayman al Zawahiri, extremista egípcio que assumiu a liderança no Paquistão após a morte de Osama bin Laden.

As fontes acrescentaram que a facção iraquiana da Al Qaeda (AQI), começou a envolver-se na revolução síria quando o Governo de Bashar al Assad lançou as primeiras ofensivas contra a população civil.

De acordo com as fontes, Zawahiri autorizou as operações na Síria para 'tirar as correntes' após a morte de Bin Laden, naquela que seria a primeira ação fora do território iraquiano deste braço da rede terrorista.

As autoridades americanas acreditam que a Al Qaeda no Iraque, de natureza sunita, procura expandir-se além de seu país com atentados contra países xiitas como a Síria, onde Assad governa com um regime dominado pelos alauíes, minoria xiita que governa o país desde 1963.

Embora Al Qaeda e seus aliados tenham tentado desempenhar funções em outros movimentos da primavera árabe, esta parece ser a primeira vez que a rede atingiu seu objetivo.

'Isto tem menos a ver com as metas e mais a ver com oportunidade', acrescentaram os funcionários.

Os temores pelas ambições cada vez maiores da AQI explicam, entre outras razões, porque os Estados Unidos querem manter boas relações com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al Maliki, apesar da preocupação que seu Governo seja cada vez mais autocrático, comentou um dos oficiais. EFE

AKOGA disse...

Hoje eu orei e perguntei a DEUS sobre se deveria fazer planos em minha vida, abri a bíblia nessa passagem:

"E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas.

Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto as virtudes do céu serão abaladas.

E então verão vir o Filho do homem numa nuvem, com poder e grande glória.

Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima.

Lucas 21:25-28

Resultado: desisti dos planos.

Andreia disse...

É o que venho falando há 6 meses, sobre a manipulçao da mídia sobre a tal primavera árabe e especialmente sobre a Síria que é minha segunda pátria.
Os terroristas da al qaeda e tambem de outras organizações terroristas tem invadido a Síria e fazendo esse atques no intuito de fazer Bashar se render .
Mas os sírios são mais bem informados e sabem que isso faz parte da estrategia de fazer o bloco oriente medio e norte da africa.
eles dizem que eles não tem liberdade mas não foi isso que eu vi por la pelo contrario eu vi pessoas bem informadas e articuladas.

Anônimo disse...

Irmão júlio como estou aprendendo sobre outros países e Israel seu blog fonte de conhecimento e inspiração pra mim. Ester!!!!!