4 de fevereiro de 2012

As origens do “revisionismo histórico” do Holocausto

As origens do “revisionismo histórico do Holocausto”

Victor Grinbaum
Engana-se quem associa a negação do Holocausto com a extrema-direita. O Revisionismo nasceu entre comunistas e é a esquerda a sua maior propagadora nos dias de hoje.
Em dezembro de 2003, quando saiu finalmente a sentença do Superior Tribunal Federal contra Sigfried Ellwanger, toda a imprensa nacional se referiu ao editor gaúcho de livros anti-semitas como “editor de extrema-direita”. Para quem não sabe, Ellwanger, também conhecido como S. E. Castan, é o proprietário da Editora Revisão, dedicada exclusivamente à publicação de propaganda nazista e de material que nega a matança de milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.
Ellwanger e sua editora são adeptos do Revisionismo Histórico, um movimento pretensamente acadêmico que se dedica a tentar provar que o Holocausto judeu durante a Segunda Guerra Mundial não passou de uma invenção. Alegam que Hitler e seus asseclas na verdade eram umas flores de bondade e que tudo o que se publica sobre o assunto é parte de uma grande conspiração midiática de dominação mundial por malvados judeus. As “descobertas” (perdoem-me pelo excesso de aspas, mas elas são inevitáveis) seriam fruto de “revisões” de depoimentos e pesquisas, daí eles se chamarem de “revisionistas”. Em resumo, trata-se de uma mixórdia sem nenhuma sustentação histórica, tratada com o devido desprezo por todos os pesquisadores sérios.
De fato, a associação entre neo-nazismo e extrema-direita é automática e ambas as expressões são encaradas como sinônimos. Até ser processado e condenado em todas as instâncias jurídicas, S. E. Castan agregou em torno de si um pequeno grupo de jovens que agiram em Porto Alegre em pequenos putches anti-semitas nos anos 80 e 90. Merece plenamente o epíteto de nazista. Mas o dito “revisionismo” (que eu prefiro chamar de negacionismo), por mais fraudulento e mal intencionado, tem também a sua história. E vale a pena conhecê-la.
A primeira vez em que se publicou material que negava a existência de campos de extermínio erguidos pelos nazistas foi na França, na década de 1950. Não por acaso, a França foi o país que menos lutou contra a ocupação alemã durante a guerra. O Regime de Vichy foi, de fato, cúmplice e voluntário das barbaridades nazistas e a França fora também o berço do Affaire Dreyfus(1), e a terra de Gobineau (2) e Édouard Drumont (3).
“Franceses nazistas”, pensará o leitor a esta altura. Errado. Curiosamente, não foram ex-colaboracionistas os primeiros negacionistas, mas justamente o contrário. Pierre Guilleume, militante do grupo trotskista SOB (“Socialismo ou Barbárie”) e posteriormente fundador da dissidência Pouvoir Ouvrier, ao lado de Serge Thion, proprietário de uma pequena casa editora chamada La Vieille Taupe (“A Velha Toupeira”), foram os primeiros publicadores de livros anti-semitas baseados nestas teorias negacionistas. A estrela da “Velha Toupeira” era um membro da Resistência, Paul Raissinier, militante comunista e que usava sua condição como salvo-conduto.
Raissinier alegava que ao ser capturado pelos nazistas fora testemunha do tratamento dispensado aos seus prisioneiros. E que nunca testemunhara maus tratos a nenhum judeu enquanto esteve preso. Logo, todos os testemunhos que atestavam a matança nos campos de extermínio nazistas seriam falsos. O fato de que foram os soviéticos que primeiro chegaram aos campos e registraram a matança não afetava Raissinier, pois como trotskista ele poderia duvidar dos relatos “stalinistas” do Holocausto. Para os trotiskistas franceses, o sionismo era a consolidação dos planos explicitados em Os Protocolos dos Sábios de Sião, velha fraude produzida pela polícia secreta czarista e apresentada como uma compilação de “planos judaicos de dominação mundial”.
Mas Paul Raissinier não era um caso isolado. Tampouco agia por conta própria. Alguns milhares de quilômetros a Leste da França, mais precisamente em Moscou, nascia a “sionologia”, uma pretensa ciência sócio-política (bem ao gosto marxista) e adotada como política acadêmica oficial na União Soviética, onde as teses negacionistas e conspiratórias eram a base para a produção de farto material anti-Israel.
Em 1963, Trofim K. Kichko (posteriormente agraciado com um diploma pelo Partido Comunista da Ucrânia) publicou pela Academia de Ciências da Ucrânia O Judaísmo sem Maquiagem, livro que parte de um trecho de Os Protocolos dos Sábios de Sião para afirmar que “o expansionismo e a crueldade israelense estão determinados no Talmude”. Em 1969, Yuri Ivanov publicava Cuidado! Sionismo!, um tosco panfleto onde o sionismo era apresentado como “uma ideologia de organizações conectadas para a prática política da burguesia judaica e fundida com as esferas monopolistas nos EUA”. A partir do livro de Ivanov, as obras “sionológicas” foram consideradas leitura obrigatória na formação de quadros políticos e militares da União Soviética e nos países sob sua esfera de influência. Disseminados pelos formandos da Universidade dos Povos Patrice Lumumba, os livros anti-semitas soviéticos formaram gerações de militantes de esquerda que assimilaram e reproduziram a visão expressada pela terceira edição da "Grande Enciclopédia Soviética" sobre o sionismo:
“O Sionismo é um postulado reacionário, chauvinista, racista e anti-comunista. A Organização Sionista Internacional é detentora de grandes fundos financeiros monopolistas que influenciam a opinião pública ocidental capitalista e serve como frente avançada do colonialismo”.
O rompimento entre os soviéticos e o movimento sionista ocorreu ainda antes da independência do Estado de Israel, em 1948. Josef Stálin deseja va desencorajar o sionismo com a criação do Birobidjão, uma república soviética onde os judeus deveriam se instalar e permanecer, sempre tutelados sob a sombra da influência de Moscou. Stálin também usou o sionismo e a recém fundação de Israel como pano de fundo de seu último grande expurgo, a “Conspiração dos Médicos”.
Mesmo depois da morte de Stálin, a União Soviética continuou frontalmente anti-Israel, embora o movimento sionista tenha sido majoritariamente formado por militantes socialistas e por pessoas de sólida formação marxista. Após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, quando Israel venceu uma coalizão de oito países sob a direta influência política da União Soviética, a sionologia encontrou um território perfeito para se disseminar.
Não é exagero afirmar que o surgimento dos grupos terroristas árabes e a sionologia se retroalimentaram. Yasser Arafat foi treinado pelo serviços secretos do leste europeu e Mahmoud Abbas, ex-miltante do Fattah e atual presidente da Autoridade Palestina, é formado em história pela Escola Oriental de Moscou e autor de um livro negacionista, publicado em árabe sob o patrocínio soviético na década de 1970.
Uma das táticas mais presentes entre os sionologistas para se respaldarem é a utilização de autores judeus. Já nos anos 60 eram escolhidos membros dos partidos comunistas de orígem judaica para emprestarem seus nomes às publicações. Essa prática perdurou e gerou o surgimento de intelectuais de esquerda como Noam Chomsky e Norman Finkelstein, que sem serem negacionistas seguem a linha mestra da sionologia de demonização do sionismo e da identidade judaica. Curiosamente, até os mais ferrenhos negacionistas citam Chomsky e Finkelstein como fontes para suas idéias.
O encontro entre negacionistas, comunistas e terroristas que formou a sionologia não impediu que militantes neo-nazistas absorvessem o discurso sionológico. A verdade é que ao se comparar o discurso neo-nazista com o discurso de boa parcela da esquerda não se encontrarão muitas diferenças. O negacionismo e a sionologia fazem parte dos discursos tanto de esquerdistas ilustres, como José Saramago e os já citados Chomsky e Finkelstein, quanto de verdadeiros expoentes da extrema-direita, como Lyndon LaRouche, malgrado seu passado de militante trotskista.
Curiosamente, ultra-direitistas e ultra-esquerdistas colaboram entre si quando o objetivo é o anti-semitismo. Comunistas como Raissinier usam de sua ideologia para separar seu discurso das lembranças nazistas, enquanto os nazistas usam a colaboração de judeus comunistas como salvo-conduto para escaparem da acusação de anti-semitismo.
Seguidores brasileiros de Siegfried Ellwanger mantêm várias páginas eletrônicas onde se encontram links, tanto para sites onde a matança de judeus é exaltada quanto para textos acadêmicos de esquerda onde se pode ver Norman Finkelstein “protestando contra o uso capitalista das indenizações de guerra”. E no meio dessa mixórdia várias “provas” de que não houve nem matança e nem expropriação de bens de judeus. A propósito, Ellwanger nunca se apresentou nem como neo-nazista e nem como esquerdista.
Mas o maior eco da sionologia pode ser visto hoje nas ações e nos discursos do atual líder iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que declarou em dezembro de 2005 que “o Holocausto é um mito”:
"Fabricaram uma lenda sob o nome de 'massacre dos judeus', e dão mais importância a isso do que a Deus, à religião e aos profetas".
Ahmadinejad vem afirmando que “a lenda” é o que manteria uma suposta opressão do Ocidente contra os países islâmicos e com isso vem desafiando a comunidade internacional ao fomentar o terrorismo e insistir em adquirir a tecnologia necessária para a construção de armas de destruição em massa. Fora do mundo islâmico, a linha de frente que apóia as reivindicações de Ahmadinejad tem sido – como sempre – a esquerda, cada vez mais encantada pelo discurso sionologista.
No momento em que vemos o empenho de uma boa parcela da opinião pública mundial em atacar Israel enquanto este país se defende das covardes agressões de grupos terroristas, a emergência do discurso negacionista e sionologista demonstra o sucesso que seus criadores obtiveram e como o Terror se aproveita dele. O fato do negacionismo e da sionologia não serem necessariamente uma criação da extrema-direita não anula o fato de que esta também faz uso deles. Mas a ligação automática que mormente se faz é inexata. A negação do Holocausto é criação dos acadêmicos comunistas e é a esquerda a sua maior useira e vezeira nos dias de hoje.
Notas do Autor:
(1) O Caso Dreyfus em 1894, foi a falsa acusação que o oficial francês de origem judaica Alfred Dreyfus sofreu de ser espião dos alemães. Baseado em documentos forjados por nacionalistas franceses, um tribunal militar condenou Dreyfus ao degredo na Ilha do Diabo. Graças a uma campanha movida pelo escritor Émile Zola, Dreyfus foi novamente julgado e desta vez inocentado. Foi cobrindo o Caso Dreyfus que o jornalista austríaco Theodor Hertzel criou o Sionismo.
(2) Joseph Arthur de Gobineau (1816 – 1882), escritor e diplomata francês e autor do Tratado sobre a desigualdade das raças humanas, publicado em 1853 e considerado o primeiro livro de teoria racista.
(3) Édouard Drumont (1844 – 1917), autor de La France Juive (“A França Judia”), em que defendia a expulsão dos judeus do país, baseado na teoria de que estes seriam conspiradores e traidores anti-nacionalistas. Foi um dos principais propagadores de libelos anti-Dreyfus.
Divulgação: www.juliosevero.com

7 comentários :

Anônimo disse...

Já tem artigo da folha online pedindo um controle maior sobre a informação na internet. Evgeny Morozov, pesquisador-visitante da Universidade Stanford e analista da New America Foundation, traduzido por Paulo Migliacci, que publicou o referido artigo no jornal, defende que deveria se pensar seriamente em se haver um “controle de qualidade” sobre o se se veicula na grande rede, o que nada mais seria do que uma censura, direta ou indireta, de assuntos que ele considera não convenientes. Em seu texto fica mais do que claro o seu alinhamento com a mentalidade da elite global. Confira uma parte do texto de Morozov:

”Essa democratização da coleta de informações, quando acompanhada por arranjos institucionais e tecnológicos inteligentes, foi tremendamente útil, dando-nos a Wikipédia e o Twitter. Mas também resultou em milhares de sites que solapam o consenso científico, negam fatos estabelecidos e promovem teorias de conspiração. Será que é hora de adotarmos alguma forma de sistema mundial de qualidade para a web? Pessoas que negam o aquecimento global, se opõem ao relato darwinista da evolução, se recusam a admitir o nexo causal entre o HIV e a Aids e acreditam que o 11 de Setembro foi obra de norte-americanos fizeram excelente uso da internet. Para começar, a internet os ajudou a localizar e recrutar pessoas afins e promover eventos e petições favoráveis às suas causas.”

E este, ao contrário do que se possa eventualmente achar, não é um pensamento isolado, pois a grande mídia, por interesse próprio, sempre viu o livre tráfego de informações na internet como uma ameaça ao seu modelo de negócios, baseado na tutela da informação. Isso sem contar que a grande mídia ocidental é controlada por uma mesma elite que impõe a uniformização da informação ao bel prazer de seus interesses. Como certa vez disse John Swainton, durante muito tempo chefe do pessoal do New York Times, a seus colaboradores, em seu discurso de despedida: “ Não há nada disso que se chama imprensa livre. Vocês sabem e eu também sei. Nenhum de vocês se atreveria a expressar com sinceridade sua opiniões. Somos simples ferramentas nas mãos dos homens ricos que atuam por trás dos bastidores. Somos marionetes. Eles movem os cordéis, nós dançamos. Nossos talentos, nossas possibilidades e nossas vidas são propriedade desses homens. Somos prostitutas intelectuais”.

- Eis o link da folha com o artigo de Evgeny Morozov (traduzido e publicado por Paulo Migliacci):

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/evgenymorozov/1035528-hora-de-submeter-a-web-a-um-controle-de-qualidade.shtml

- E para um entendimento melhor sobre o que é a Grande Mídia:

http://www.youtube.com/watch?v=Xh2xmac3rD8&feature=related


Ronaldo

Aprendiz disse...

Não concordo com a classificação que chama o nazismo de "extrema-esquerda". É um regime de controle extremo do estado sobre o individuo, é coletivista, é violento, baseia-se em mentiras. Tem, portnto, muitas características em comum com o socialismo marxista.

Na minha modesta opinião, é um regime de esquerda, e assim será considerado pelos historiadores do futuro.

carloshenrique disse...

Julio Severo não concordo que o Nazismo seja considerado de extrema-direita, pois não o é.
o nome do Partido Nazista em alemão era este: National Sozialistische Deutsche Arbeiterpartei, cuja tradução para o portuguẽs é esta: Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores AlemãeS.
Portanto, o partido nazista, como o próprio nome já o diz, era um partido socialista/comunista alemão e portanto de esquerda, e não de direita, nada tendo a ver com a direita, mas tudo tendo a ver com a esquerda. Nazismo e socialismo são a mesma coisa, pois o nazismo nada mais era do que o socialismo nacionalista alemão.

Idevam disse...

O Nazismo e o irmão menor do Comunismo e so perde para ele em número de mortos

carloshenrique disse...

Júlio Severo leia essa notícia: http://artureduardo.blogspot.com/2012/01/essa-nova-lei-para-os-menores.html
É um verdadeiro absurdo. Ou o Brasil acorda e demonstra a sua indignação quanto a isso ou sednão estaremos perdidos.

AKOGA disse...

Cometem as atrocidades horrendas que cometeram contra o meu povo e depois negam e querem inverter os fatos? Com licença, vou vomitar!

Leandro Matias Deon disse...

Na época do nazismo mesmo, este não se proclamava a si mesmo como extrema-direita, e na realidade, nem os comunistas achavam os nazistas de direita.

Eles viam a política liberal e aristocrática como algo conservador e ultrapassado, e que todas as novas ideologias eram seus contrapontos.
Esses partidos da democracia liberal é que eram a "direita" que combatiam. Comunistas, socialistas e nazistas eram o "novo", porque foram os primeiros partidos a chamarem o povo para fazer a sua massa, sob o comando de líderes ou de uma vanguarda disciplinada.
Durante um tempo, os comunistas quiseram convencer o mundo que o nazismo e a social-democracia eram aliados.

Os nazistas definiam a si mesmos como "a esquerda da direita, e a direita da esquerda".

Somente na década de 60 é que começaram a falar em nazismo como extrema-direita.