6 de janeiro de 2012

Rabinos se manifestam biblicamente em relação ao homossexualismo

Rabinos se manifestam biblicamente em relação ao homossexualismo

100 principais líderes religiosos citam a Torá para combater investida pró-homossexualismo de Obama

Bob Unruh
Em uma impressionante declaração formal que confronta diretamente os esforços de Obama, que durante todo o seu mandato buscou promover e normalizar o homossexualismo, uma coalizão de rabinos ortodoxos e respeitados profissionais de saúde mental afirma que o homossexualismo é um comportamento que pode ser mudado e curado com terapia, se a pessoa assim o desejar.
“O conceito de que Deus criou um ser humano incapaz de encontrar felicidade em uma relação amorosa a não ser que viole uma proibição bíblica não é nem plausível nem aceitável”, afirma o documento, intitulado Declaration on the Torah Approach to Homossexuality.
Ele afirma que a atração pelo mesmo sexo pode ser modificada e “curada”, e condena o “bombardeio propagandístico” que foi lançado “para persuadir o público sobre a legitimidade do homossexualismo”.
“Predominam na mídia as rotulações negativas que sugerem que quem não aceita o estilo de vida homossexual como legítimo o faz por ‘ódio’ ou porque é ‘homofóbico’. Essa coerção política silenciou muitos à condescendência. Infelizmente, essa atitude permeou a comunidade judaica, e muitos ficaram confusos ou aceitaram a postura da mídia sobre esse assunto”, afirma o documento.
De fato, assim que Obama assumiu o mandato em 2009, ele promulgou um projeto de lei que tratava de “crimes de ódio”, que aumentava as penas por crimes atribuídos ao “ódio” ao homossexualismo, fornecendo aos gays proteções especiais às quais outras vítimas não têm direito.
“A Torá declara explicitamente que o homossexualismo não é um estilo de vida aceitável ou uma identidade genuína, e proíbe severamente a conduta. Além disso, a Torá, sempre visionária sobre as influências seculares negativas, nos alerta em Vaicrá (Levítico) 20:23: ‘E não andeis nos costumes das nações que eu expulso de diante de vós...’ Principalmente se a Torá menciona o homossexualismo e outras práticas sexuais proibidas”, afirma a declaração.
O documento foi assinado por uma coalizão de mais de 100 rabinos, organizadores comunitários, líderes e profissionais de saúde mental. Dentre os signatários que decidiram vir a público está a psicóloga e autora Dra. Miriam Adaham de Jerusalém; o Rabino Simcha Feuerman, presidente da International Network of Orthodox Mental Health Professions (Rede Internacional de Profissões de Saúde Mental Ortodoxas); a psiquiatra de Los Angeles e autora Dra. Miriam Grossman; o Dr. Joseph Gelbfish de Brooklyn, Nova Iorque; o Rabino Yaakov Salomon, psicoterapeuta e autor; o Rabino Steven Pruzansky, vice presidente do Conselho Rabínico dos EUA, e dezenas de outros.
A declaração contradiz um documento de 2010 assinado por rabinos ortodoxos que acreditavam que “Judeus com orientação homossexual ou atração pelo mesmo sexo devem ser acolhidos como membros plenos da sinagoga e da comunidade escolar. Assim como com relação a gênero e etnia, eles devem participar e contar nos rituais, serem elegíveis para homenagens nas sinagogas, e serem tratados igualmente e sob o mesmo padrão haláquico e hagádico, assim como qualquer outro membro da sinagoga à qual se juntarem”.

Contradição

A declaração de 2010 também rejeitava a ideia de terapia para curar o homossexualismo, mas a nova declaração toma uma posição oposta.
“Rejeitamos enfaticamente a noção de que a pessoa com tendências homossexuais não possa superar sua tendência ou desejo. Os comportamentos podem ser mudados. A Torá não proíbe algo que seja impossível de mudar. Abandonar as pessoas à eterna solidão e ao desprezo, negando-lhes toda esperança de superar e curar sua atração pelo mesmo sexo é friamente cruel. Tal atitude também viola a proibição bíblica do Vaicrá (Levítico) 19:14 ‘nem porás tropeço diante do cego’”, afirma o documento.
A coalizão de rabinos e outras lideranças afirma que “apesar do politicamente correto, o único meio de ação aprovado pela Torá com relação ao homossexualismo é a terapia psicológica combinada à teshuvá, ou penitência”.
Os signatários concordam que a atração pelo mesmo sexo pode ser modificada e curada.
A declaração foi escrita por uma comissão de 25 membros composta de rabinos, pais, pessoas sob terapia e “histórias de sucesso” daqueles que fizeram terapia e hoje vivem vidas heterossexuais, casados e com filhos, afirma o grupo.
Ele rejeita os esforços de “secularistas e pessoas da comunidade religiosa” para minimizar ou negar a possibilidade de mudança.
O tratamento recomendado na declaração é a terapia reparativa, ou a terapia afirmativa de gênero, que a declaração define como algo que “reforça a identidade de gênero natural do indivíduo, ajudando-o a entender e reparar as feridas emocionais que ocasionaram essa desorientação e enfraquecimento, permitindo, dessa forma, o reinício e a conclusão do seu desenvolvimento emocional”.
O propósito da declaração é ajudar os judeus que “estão confusos com essa questão e se tornaram coniventes com algumas noções falsas”, tais como a ideia “de que uma pessoa não pode controlar sua ‘natureza’, e portanto, deve aceitar sua tendência proibida como algo natural e normal que não precisa ser trabalhado ou curado”.
Os membros da comissão que compôs o documento estão sendo mantidos no anonimato, embora os signatários da declaração tenham ido a público.  Mas os membros da comissão afirmaram em uma declaração paralela que eles superaram as atrações pelo mesmo sexo: “Emitimos essa declaração com base na Torá porque as mensagens da mídia e dos ativistas homossexuais são, na melhor das hipóteses, equivocadas, e na pior delas, simplesmente mentirosas".

‘Uso impróprio da compaixão’

“Os ativistas homossexuais estão fazendo uso impróprio da compaixão para convencer o público. Sua principal mensagem é que, se nós nos importamos com as pessoas, deveríamos aceitá-los como homossexuais e não pedir para que mudem. Eles têm reforçado essa mensagem pedindo para que as pessoas identificadas como homossexuais repitam constantemente a inverdade de que ‘não é possível mudar’, e que as pessoas ‘nascem assim’; que os homossexuais tentaram, mas ‘não conseguiram mudar’, e que se pudessem escolher, ‘jamais teriam escolhido isso’. Tudo o que eles querem é ‘aceitação, felicidade e amor, assim como todas as pessoas’”, explica o grupo.
No entanto, membros da comunidade judaica escrevem que a Torá “faz uma declaração inequívoca de que o homossexualismo não é um estilo de vida aceitável”, e que não há prova científica genuína de que o homossexualismo seja genético ou biológico.
Em Nova Iorque, por exemplo, onde o “casamento entre pessoas do mesmo sexo” foi recentemente legalizado, as sinagogas estão protegidas caso se recusem a celebrar um casamento homossexual.
No entanto, “Se a profissão de uma pessoa religiosa estiver relacionada a salão de casamento, fotografia, música, buffet etc., não há proteção legal caso eles se recusem a prestar serviços para o casamento homossexual. Além do mais, se o negócio envolver qualquer contrato ou licença estatal, este será revogado no caso de recusa de prestar serviços para um casamento entre pessoas do mesmo sexo”, alerta o grupo.
“Estamos começando a ver as repercussões para as pessoas de fé nessa questão. À medida que essas coisas se tornam lei, veremos cada vez mais manchetes desse tipo”, afirma a organização.

Repercussões

O grupo cita vários exemplos nos últimos meses, incluindo Peter Vidmar, que foi forçado a abandonar a equipe olímpica dos EUA depois que várias reportagens mostraram que ele apoiava iniciativas contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo; um apresentador de TV de Toronto que foi demitido por apoiar o casamento tradicional; e uma empresa de fotografia de casamentos do estado de New Mexico, que foi multada por se recusar a fotografar uma cerimônia de “casamento” homossexual.
Até mesmo a Associação Americana de Psicologia voltou atrás na afirmação de que havia um “gene gay” ou alguma razão inevitável para o comportamento homossexual.
Como afirmou a AAP em dezembro, “não existem descobertas científicas que provam que uma pessoa nasce homossexual”.
A porta-voz Susan Rosenbluth, que representa os signatários da declaração, disse ao WND que é repreensível dizer a um garoto de 16 anos que está confuso com a atração pelo mesmo sexo: “Lamento por você”.
Ela acrescenta que há uma série de “tendências naturais” no âmbito do comportamento humano que devem ser controladas (e mudadas, se possível). Ela cita o alcoolismo ou o excesso de peso como um problema comportamental similar, que requer ajuda de outros para ser mudado.
Outros comportamentos são similares, afirma Rosenbluth.

‘É preciso muito trabalho’

“Não é natural tocar um violino. Não é algo que vem naturalmente. O mesmo pode-se dizer sobre a superação da atração pelo mesmo sexo. É preciso muito trabalho se você quiser fazê-lo”.
Rosenbluth afirma que a lei judaica não diz em lugar nenhum que não é kasher [permitido] comer lama, porque ninguém irá fazer isso. Mas, segundo ela, a declaração judaica aborda o problema do homossexualismo, tratando-o da mesma forma que o roubo, algo que as pessoas tendem a querer fazer, mas não são permitidas.
Ela acrescenta que as pessoas de fé não devem ignorar a questão do homossexualismo.
“Abandonar as pessoas à eterna solidão e ao desprezo, negando-lhes toda esperança de superar e curar sua atração pelo mesmo sexo é friamente cruel”, afirma o documento.
Ele recomenda “terapia reparativa ou terapia afirmativa de gênero”. Isso é definido como “algo que reforça a identidade de gênero natural do indivíduo, ajudando-o a entender e reparar as feridas emocionais que ocasionaram essa desorientação e enfraquecimento, permitindo, dessa forma, o reinício e a conclusão do seu desenvolvimento emocional”.
E a “teshuvá” é a obrigação da Torá para que as pessoas se afastem “de qualquer transgressão ou pecado e retornem a D’us e à sua essência espiritual”.

Culpa de Obama

Ela é Janet Boynes, do Janet Boynes Ministries, que afirma logo de cara que o seu objetivo é “ministrar a pessoas que questionam a própria sexualidade ou que queiram deixar o homossexualismo”. “O JBM busca informar e desafiar as igrejas e a sociedade sobre as questões acerca do homossexualismo e ensinar como ministrar à comunidade homossexual”.
Boynes disse ao WND que muitos “secularistas jovens e ingênuos” estão ocupados seguindo a liderança de Obama em sua agenda sexualmente permissiva, cujo resultado será “o fim dos valores e das famílias tradicionais”. A agenda de Obama também “propaga o ataque às crenças judaico-cristãs em escala global”.
Mas enquanto vários outros ministros criticam a determinação pró-homossexualismo de Obama, este colocou mais homossexuais em posições de poder do que qualquer outro presidente, abriu as forças armadas para o homossexualismo declarado, e promulgou um plano de “crimes de ódio” que garante proteção especial aos homossexuais. Boynes vai além.
“A Bíblia diz que o ladrão vem senão para roubar, matar e destruir (João 10:10)”, afirma. “O seu principal objetivo é trazer confusão e causar divisões dentro da igreja, e ele o faz alterando a verdade de Deus de uma maneira que muitos cristãos acabam sendo enganados se não estiverem firmados e fundamentados na palavra de Deus”.
O WND recentemente noticiou que a política da administração Obama é a nova polícia sexual, e que recentemente foi emitido um decreto presidencial que alguns dizem ter como objetivo certo criar “cotas” para LGBTs nas contratações do governo federal.
O WND também noticiou a pressão de várias autoridades administrativas para normalizar o comportamento LGBT, incluindo a designação de “identidade de gênero” como um status protegido pelos cargos federais.
O articulista Matt Barber do WND escreveu que os esquerdistas estão “desesperados” nos seus esforços para “desencavar alguma racionalização natural e biológica, para a qual a ciência não encontrou nenhuma, para validar um comportamento comprovadamente não natural”.
“É por isso que estamos vendo um ódio tão visceral da esquerda à comunidade ex-gay”. Do ponto de vista político e legal, é estrategicamente crucial que esses esquerdistas solapem e marginalizem a experiência real de incontáveis milhares de ex-homossexuais”, afirma Barber. “Essa malevolência representa uma profunda falta de respeito pelo ‘direito de escolha’ das pessoas”. A mentira favorita é a seguinte: ‘O gay dentro de você não vai sair com reza’. Uma vez que você se identifica, ou é rotulado, como ‘gay’, não há mais saída.
“Ironicamente, esses mesmos liberais sugerem cinicamente que algo realmente inato como o sexo biológico pode ser mudado. Se você é um homem hoje, mas se sente como uma mulher, basta alguns cortezinhos e voilá! Você se torna mulher”, afirma Barber.

Alerta dos pediatras

O WND noticiou anteriormente quando uma coalizão de pediatras alertou educadores para que não promovessem o comportamento “gay”.
A American College of Pediatricians (Conselho Federal de Pediatria), uma organização sem fins lucrativos financiada por membros e doadores, escreveu para as secretarias de educação afirmando que “Não é papel das escolas diagnosticar ou tratar a condição médica de qualquer estudante, e muito menos ‘afirmar’ uma orientação sexual percebida”.
Além disso, as escolas podem criar uma “vida de dor e sofrimento desnecessários” para uma criança quando reforçam um comportamento escolhido a partir da “confusão” de uma criança.
“Mesmo quando motivado por intenções nobres, as escolas podem ironicamente desempenhar um papel desastroso se estimularem essa desordem”, afirma a carta, assinada pelo Dr. Tom Benton, presidente da organização.
O grupo também criou um website chamado Facts About Youth, como um recurso para que as autoridades escolares tenham acesso a fatos oriundos de um “canal apolítico e não religioso”.
“O único curso de ação viável que está em conformidade com a Torá é a terapia e a teshuvá”, afirma o novo documento. “Não existe outra solução prática permitida pela Torá com relação a esse assunto”.
Traduzido por: Luis Gustavo Gentil
Fonte em português: www.juliosevero.com

7 comentários :

Anônimo disse...

Vc vê posição enfática dos religiosos mulçumanos é clara sobre combater o homossexualismo realmente NÃO podemos aceitar o que antinatural que DEUS VIVO não criou a homossexualidade e suas vertentes temos falar a VERDADE para essas vidas a responsabilidade está nós nossos ombros principalmente quem é de Deus.
Esquecem Deus vivo é amor mais ele JUSTIÇA tbm a pessoa está nessa vida homossexual ela tá perigo eterno é candidato para ir para o INFERNO é uma realidade quem vive nesse pecado em qualquer tipo de outros pecados que Deus condena em sua palavra se pessoa não se arrepender e não se libertar vai para o INFERNO É UMA REALIDADE NÃO E TOA QUE NA PALAVRA DO SENHOR FALA MAIS DO INFERNO DO QUE NO PRÓPRIO CÉU.
Na palavra de Deus, é clara quanto a homossexualidade pecado é considerado ABOMINAÇÃO aos olhos do Senhor a pessoa está desobediência em REBELDIA com o Criador algo muito sério, Senhor Jesus misericórdia dessas almas engaandas e usadas pelo diabo tira a venda maligna dos olhos desse povo em NOME DO SENHOR JESUS CRISTO. Ester!!!!!!

Jorge Bay disse...

Desculpem a indignação, mas este Obama é um patife! Algo de muito ruim ele deve ser. Iluminati, maçon, satanista sei lá... Para estar agindo assim em âmbito mundial, tentando destruir a família tradicional e a sociedade, corrompendo-a, ele é com certeza, desculpem mais uma vez a forma de falar, "um pau mandado do diabo" para levar a humanidade a degradação. Eu não sabia até que ponto ele trabalhava a favor do movimento gay. É muito mais do que eu imaginava. Por isso precisamos estar informados, e este blog do Julio, sem querer ser bajulador, tem feito isto. Vivemos em uma "guerra de informações". De um lado satanás e os que o servem despejam o lixo do inferno sobre a humanidade, utilizando-se grandemente da mídia. Do outro lado está a Igreja semeando a Palavra, denunciando as trevas. Tenho postado as matérias deste blog no meu próprio blog, na minha página do Face e em outros lugares mais. E não só as deste blog, mas também ótimas matérias e notícias de outros blogs e sites evangélicos. É bem fácil, há recursos para isso, bastando apenas compartilhar estas matérias. Eu recomendo aos irmãos leitores deste blog que façam o mesmo. É uma guerra de informação e estas matérias devem ser lidas pelo maior número de pessoas possível. Espalhem as matérias. Quanto mais melhor! Uma única palavra pode mudar o curso da história. Quanto a confusão mental que se instalou na vida de alguns da comunidade judaica devido ao massacre da mídia, é o mesmo que a Globo está querendo fazer com os evangélicos. A "bondade" da Globo em abrir espaço para os evangélicos está confundindo a muitos do povo de Deus, que já estão achando que "estamos mesmo sendo preconceituosos." Creio que os cantores evangélicos caíram em uma cilada, mas ainda é tempo de cair fora disso. Volto a dar a dica: espalhem estas matérias. Estamos em uma guerra de informações. Abraços a todos!

Jorge Bay disse...

Apenas para que os irmãos saibam: foi grande a batalha espiritual que eu tive para publicar meu comentário. Mas se o inimigo não está contente, é porque estamos acertando o alvo. Glória a Deus!

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Parabéns ao irmão Jorge por ter publicado o seu comentário (muito oportuno, por sinal). Realmente, estamos vivendo numa guerra de informações. E achar uma fonte informativa fidedigna (ou seja, confiável) está sendo muito difícil nestes últimos dias.

Apesar da Globo ser a principal porta-voz do governo e dos homossexuais, ninguém pense que as outras emissoras são algum modelo de santidade (ou merecedoras da nossa confiança). Um bom exemplo disso é a Record. E quem é o homem forte (isto é, o dono) da Record? Ninguém mais ninguém menos do que Edir Macedo, o poderoso chefão pró-aborto da Igreja Universal (aqui entre nós: até hoje, a compra da Record pela Universal é uma história que, a meu ver, ainda está muito mal contada!). Além disso, a programação da Record é a mesmíssima da Globo (não muda rigorosamente nada)!

Graças a Deus que este blog do irmão Júlio Severo tem sido um canal abençoado para nos informar e nos mostrar coisas que a mídia oficial (leia-se Rede Globo) NUNCA mostra!

Quanto ao teor do artigo que foi publicado aqui, eu só posso dizer o seguinte: seria muito bom se os cristãos tivessem essa mesma postura firme contra o homossexualismo.

É verdade que os muçulmanos, os islâmicos e outros povos semelhantes têm muitos erros em relação à fé cristã. Mas eles têm, pelo menos, um ponto em comum: são radicalmente contra o homossexualismo.

Eu queria ver se algum homossexual seria corajoso o suficiente para chamar um muçulmano ou islâmico de homofóbico! Quem se atreveria?

Enquanto tivermos oportunidade, vamos pregar sempre contra o homossexualismo (independente de alguém aceitar ou não). Façamos como disse o apóstolo Paulo:

"Que pregues a Palavra, que instes a tempo e fora de tempo, que repreendas, que exortes com toda a longanimidade e doutrina" (2 Timóteo 4:2)

Fabiano disse...

Gostei de ver o Judaísmo entrando nessa briga, porque, se deixar só pelos cristãos, meia dúzia levanta a voz, e o resto faz igual o exercito brasileiro vem fazendo: APANHA E BAIXA A CABEÇA.
Parabéns ao Julio por ser um desses Cristãos, que briga ferrenhamente contra essa ditadura gayzista.
Parabéns também aos posts aí de cima.
Como disse o Presbítero Valdomiro: Manda essa gente se meter com os muçulmanos, pra ver o que vai sobrar pra eles (OU SE VAI SOBRAR ALGUMA COISA DELES).
A mídia e o governo, na realidade, estão fazendo um mau a essa gente, pois pessoas que eu conheço, que eram "simpatizantes da causa", que discordavam da minha opinião em relação ao assunto, agora já dizem que estão se sentindo sufocadas por leis que obrigam o povo a aceitar coisas contra a própria vontade.
Eles próprios estão se enforcando.
Antes eles (os gays) eram motivo de , no máximo, uma piadinha aqui outra ali, assim como loiras, portugueses, bêbados etc... Agora estão, realmente se tornando alvo de agressão, por grupos radicais. Mas isto, porque eles mesmos assim o querem.
Se tivessem ficado quietinhos, na deles, teriam ganhado muito mais.
Se essa PL112 chega a ser aprovada, aí sim essa gente vai conhecer de verdade, a palavra "HOMOFOBIA"!

Anônimo disse...

Talvez por essa posição dos rabinos contra Obama e a aceitação do homossexualismo.

A Mídia esteja atacando os judeus religiosos no próprio Israel ?

Veja. Júlio está máteria : http://www.meionorte.com/noticias/internacional/garota-de-oito-anos-provoca-debate-sobre-extremismo-religioso-em-israel-153564.html

E me diga se a Mídia está de má fé com os judeus ortodoxos ?

Nil Soares

Anônimo disse...

Vejamos a diferença:

Casamento originalmente criado por Deus:

Homem + Mulher

"Casamentos" inventados pelo diabo:

Homem + Homem
Mulher + Mulher

Precisa dizer mais alguma coisa?