21 de janeiro de 2012

Rabinos pedem a evangélicos que restaurem os valores americanos

Rabinos pedem a evangélicos que restaurem os valores americanos

“Nação nenhuma sobreviveu depois que se corrompeu moralmente”

Bob Unruh
Os eleitores da Carolina do Sul, incluindo um grande número de cristãos evangélicos e católicos, estão na mira das campanhas políticas do Partido Republicano, que buscam definir quem irá enfrentar o democrata Barack Obama em novembro.
Eles agora estão sendo convidados por centenas de rabinos ortodoxos a refletir sobre a sua decisão de “votar moralmente”, em oposição ao foco predominante da política e da economia.
“Nenhuma nação, nenhum império sobreviveu historicamente após um certo estágio em que se tornou moralmente corrompido”, disse Yehuda Levin, um rabino e porta-voz da Aliança Rabínica da América.
O pedido vem dos membros da organização, e não da organização em si.
Levin destaca que sua organização não endossa oficialmente um candidato político, mas alerta os eleitores da Carolina do Sul a pensarem no futuro da nação.
“De qualquer ponto de vista, o Governdor [Mitt] Romney não é socialmente conservador de forma alguma. Ele não é biblicamente conservador. Não acredito que suas posições estejam de acordo com a sua fé mórmon", afirma.
“Portanto, nosso país enfrenta uma situação horrível, em que continuamos sendo arrastados em direção à decadência de Gomorra".
Ele diz ainda que uma perda da moralidade dará sequência a prejuízos econômicos, culturais e religiosos.
“Fazemos um apelo aos evangélicos e católicos para que definam a moralidade e a decência como uma questão primordial, mais importante até do que o dinheiro".
“Pedimos encarecidamente que espalhem essa mensagem. Escolham um candidato que viveu uma vida pró-família”.
Levin também divulgou sua mensagem em vídeo:
“Lembremo-nos da história de Jonas e Nívine. O profeta alertou que Deus havia anunciado a destruição da cidade em quarenta dias”, disse Levin em um discurso preparado. “O destino dos EUA provavelmente será determinado nas primárias presidenciais da Carolina do Sul em 21 de janeiro. Quem os eleitores escolherem provavelmente será o candidato republicano à presidência, o homem encarregado de derrotar o Presidente Obama e a queda livre moral e econômica incentivada por ele e sua equipe".
Ele afirma ainda que “a principal preocupação de Romney é dinheiro e poder”.
“Em um recente debate presidencial republicano na TV, o gov. Romney, um perigoso homossexualista, vangloriou-se de que iria continuar a favorecer os mais baixos elementos da sociedade americana em muitas áreas, incluindo a nomeação da Suprema Corte”, afirma Levin.
“Outro candidato no debate adotou uma posição oposta. Ele comentou o assassinato de crianças indefesas, confrontou abertamente a defesa da imoralidade promovida pela mídia, etc., e apontou claramente a ligação entre o sucesso financeiro e militar dos EUA e o seu comprometimento histórico com os princípios bíblicos de jurisprudência e moralidade”, afirma.
“Se os EUA quiserem reconquistar a graça de Deus e reconstruir a nossa economia arruinada, é crucial que a Carolina do Sul rejeite ativamente o histórico e as aspirações futuras do gov. Romney. Escolham o homem certo. Escolham quem viveu e compartilha nossos valores bíblicos, um homem moral, de posições firmes morais, e que assim trará as bênçãos de Deus, mais uma vez, à nossa sociedade”.
Ele acrescenta: “O capitalismo não pode salvar os Estados Unidos. Resgate financeiro algum pode salvar um país falido moralmente; isso é o que aprendemos do declínio e da queda dos grandes impérios da história”.
O grupo, de cerca de 850 rabinos ortodoxos dos EUA e Canadá, que atendem cerca de 500.000 judeus praticantes, havia declarado anteriormente que estava “compelido” a “condenar o apoio e a promoção por parte de Mitt Romney da imoralidade do estilo de vida e da agenda homossexual”.
O WND procurou a comissão de campanha de Romney para comentar sobre o assunto, mas não obteve resposta.
A declaração anterior era resultado de uma assembleia especial dos rabinos:
O WND noticiou no mês passado sobre a “Declaration on the Torah Approach to Homossexuality” assinada por dezenas de rabinos, líderes comunitários e profissionais de saúde mental.
Ela afirma que a atração pelo mesmo sexo pode ser modificada e “curada”, e condena o "bombardeio propagandístico” que foi lançado “para persuadir o público sobre a legitimidade do homossexualismo”.
“Predominam na mídia as rotulações negativas que sugerem que quem não aceita o estilo de vida homossexual como legítimo o faz por ‘ódio’ ou porque é ‘homofóbico’. Essa coerção política silenciou muitos à condescendência. Infelizmente, essa atitude permeou a comunidade judaica, e muitos ficaram confusos ou aceitaram a postura da mídia sobre esse assunto”, afirma o documento.
“A Torá declara explicitamente que o homossexualismo não é um estilo de vida aceitável ou uma identidade genuína, e proíbe severamente a conduta. Além disso, a Torá, sempre visionária sobre as influências seculares negativas, nos alerta em Vaicrá (Levítico) 20:23: ‘E não andeis nos costumes das nações que eu expulso de diante de vós...’ Principalmente se a Torá menciona o homossexualismo e outras práticas sexuais proibidas”, afirma a declaração.
A declaração feita hoje pelos rabinos citou um novo livro de Amy Contrada intitulado “Mitt Romney’s Deception” (As Mentiras de Mitt Romney). O livro documenta as promessas de carreira de Romney de avançar a agenda homossexual e emitir proclamações que celebram o orgulho homossexual jovem.

A culpa de Obama

Ela é Janet Boynes, do Janet Boynes Ministries, que afirma logo de cara que o seu objetivo é “ministrar a pessoas que questionam a própria sexualidade ou que queiram deixar o homossexualismo”. “O JBM busca informar e desafiar as igrejas e a sociedade sobre as questões acerca do homossexualismo e ensinar como ministrar à comunidade homossexual”.
Boynes disse ao WND que muitos “secularistas jovens e ingênuos” estão ocupados seguindo a liderança de Obama em sua agenda sexualmente permissiva, cujo resultado será “o fim dos valores e das famílias tradicionais”. A agenda de Obama também “propaga o ataque às crenças judaico-cristãs em escala global”.
Mas enquanto vários outros ministros criticam a determinação pró-homossexualismo de Obama, este colocou mais homossexuais em posições de poder do que qualquer outro presidente, abriu as forças armadas para o homossexualismo declarado, e promulgou um plano de “crimes de ódio” que garante proteção especial aos homossexuais. Boynes vai além.
“A Bíblia diz que o ladrão vem senão para roubar, matar e destruir (João 10:10)”, afirma. “O seu principal objetivo é trazer confusão e causar divisões dentro da igreja, e ele o faz alterando a verdade de Deus de uma maneira que muitos cristãos acabam sendo enganados se não estiverem firmados e fundamentados na palavra de Deus”.
O WND recentemente noticiou que a política da administração Obama é a nova polícia sexual, e que recentemente foi emitido um decreto presidencial que alguns dizem ter como objetivo certo criar “cotas” para LGBTs nas contratações do governo federal.
O WND também noticiou a pressão de várias autoridades administrativas para normalizar o comportamento LGBT, incluindo a designação de “identidade de gênero” como um status protegido pelos cargos federais.
O articulista Matt Barber do WND escreveu que os esquerdistas estão “desesperados” nos seus esforços para “desencavar alguma racionalização natural e biológica, para a qual a ciência não encontrou nenhuma, para validar um comportamento comprovadamente não natural”.
“É por isso que estamos vendo um ódio tão visceral da esquerda à comunidade ex-gay”. Do ponto de vista político e legal, é estrategicamente crucial que esses esquerdistas solapem e marginalizem a experiência real de incontáveis milhares de ex-homossexuais”, afirma Barber. “Essa malevolência representa uma profunda falta de respeito pelo ‘direito de escolha’ das pessoas”. A mentira favorita é a seguinte: ‘O gay dentro de você não vai sair com reza’. Uma vez que você se identifica, ou é rotulado, como ‘gay’, não há mais saída.
“Ironicamente, esses mesmos liberais sugerem cinicamente que algo realmente inato como o sexo biológico pode ser mudado. Se você é um homem hoje, mas se sente como uma mulher, basta alguns cortezinhos e voilá! Você se torna mulher”, afirma Barber.
Traduzido por: Luis Gustavo Gentil
Fonte em português: www.juliosevero.com

6 comentários :

Anônimo disse...

Que bom que uma religião dessa que os rabinos estão reconhecendo o poder DO EVANGELHO DE JESUS CRISTO na vida de um ser humano seja ele americano, brasileiro, polonês, japonês, indiano RELIGIÃO não salva alma de ngm de restaurar e poder transformação vida qualquer.
É sim, o nosso Senhor e salvador JESUS CRISTO tem poder ÚNICO caminho para milgares e transformações de dentro pra fora vejo mão de Deus está em ação movendo os corações. Ester!!!!!

Anônimo disse...

o romney não é nada conservador...o gingrich tem uma vidinha nada ortodoxa(tres divorcios, varias relações extra conjugais), raul paul é um libertario de merda...o melhor candidato seria o santorum...

juliano disse...

Júlio, receio que qualquer candidato, se eleito, promoverá a agenda homossexual. Há muito que se tem propagado o condicionamento da sociedade aos preceitos da nova era, inclusive o ecumenismo. Precisamos resistir o quanto pudermos, pois é preço de almas que está em questão.

Podemos perceber que estão frenéticos, ansiando a implementação da N.O.M, não importando qual candidato ou partido.
Oremos.

Wesley disse...

O cristianimos e judaismo abrigam os mesmo princípios básicos morais. Os Rabinos americanos sabem disso. Alias para quem não sabe, as Igrejas Judaicas Messiánicas nos EUA estão em pleno avivamento. O ultimo grande avivamento virá por eles.

Fabiano disse...

E pelo visto sortiu efeito.
http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2012/01/21/eleitores-da-carolina-do-sul-mudam-de-romney-para-gingrich-na-ultima-hora.htm

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Júlio,

Já tinha postado esta minha mensagem num artigo anterior, mas faço questão de colocar novamente aqui (para que você faça uma análise). Não sei se o meu ponto de vista vai estar 100% certo, mas eu vou dizer exatamente o que eu penso (você pode até me corrigir se, por acaso, eu estiver errado).

Politicamente falando, os Estados Unidos estão vivendo uma situação crítica. Ouvi dizer que Obama, com sua política socialista (pelo menos eu vejo desta forma), está apostando todas as suas fichas para se reeleger. E eu também ouvi dizer que um dos trunfos que ele certamente vai utilizar na sua campanha é a morte de Osama Bin Laden.

Nessa "briga" pela presidência dos Estados Unidos, quem também está nesse meio é a candidata Michele Bachmann. E ela parece, num primeiro momento, ter as melhores intenções possíveis. Pelo tom do discurso dela, ela promete lutar pelos valores cristãos (tanto que ela, num discurso, citou o Décimo Mandamento). Enfim, parece que a eleição presidencial entre esses 2 candidatos (Barack Obama e Michele Bachmann) é uma disputa do bem contra o mal (pelo menos, é assim que, momentaneamente, dá a entender).

Independentemente de qualquer coisa (politicamente falando), a verdade é que os Estados Unidos era, há pouco tempo, considerado o país mais protestante do mundo. E muita gente dizia que era o país mais cristão do mundo. Só que, atualmente, não aparenta ser nada disso.

Estive conversando com uma professora americana que esteve há alguns meses aqui em Recife (onde eu moro). Quando eu perguntei a ela como ela via os Estados Unidos no sentido moral e espiritual, ela me disse precisamente o seguinte:

"O nosso país (Estados Unidos) tinha tudo para ser um país abençoado (e até para servir de referência cristã para o mundo). No começo, éramos muito tementes a Deus. O problema é que, com o passar do anos, o desenvolvimento científico e o progresso material e financeiro subiu à cabeça de alguns dos nossos governantes, e, com isso, eles já passaram a não se importar mais com a obediência à Palavra de Deus".

E ela ainda me disse algumas coisas assustadoras:

"Em muitas cidades, há locais onde se pratica a bruxaria, existem pessoas que fazem parte de movimentos (como a Nova Era), há as que estão metidas em seitas satânicas (sem contar que a Igreja de Satã está situada na Califórnia), o homossexualismo está aumentando a cada dia, pregadores evangélicos envolvidos em escândalos, enfim, o nosso país está se destruindo. Que esperança podemos ter, ou melhor, qual será o futuro da nação americana se esse estado de coisas continuar?"

Eu não queria ser muito direto, mas eu disse a ela o seguinte:

"Quando uma nação despreza a Palavra de Deus e passa a confiar somente na sua própria sabedoria, ela fica entregue à própria sorte (como um barco à deriva num mar revolto, prestes a afundar). Os verdadeiros cristãos precisam voltar à obediência à Palavra de Deus para recolocar a nação no caminho certo". Não sei se esta minha resposta foi 100% satisfatória, mas ela aprovou. E eu até citei o Salmo 33:

"Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor" (Salmo 33:12)

Ela agradeceu a minha resposta e disse que iria divulgar o nosso diálogo num encontro evangélico.

Fico pensando aqui comigo, Júlio: será que aqui no Brasil não estaria acontecendo a mesma coisa? Se você estivesse dialogando com essa americana, como você avaliaria os Estados Unidos, ou melhor, qual seria o diagnóstico que você daria dos americanos no sentido moral e espiritual?

E outra: o que o Brasil precisa fazer para se tornar uma nação espiritualmente abençoada (como os Estados Unidos foi no princípio)?

Espero uma resposta da sua parte na primeira oportunidade.