15 de janeiro de 2012

O Festival Promessas da TV Globo e suas relações de interesse

O Festival Promessas da TV Globo e suas relações de interesse

Orley José da Silva
A Rede Globo de Televisão dedicou pela primeira vez, no dia 18 de dezembro do ano passado, um programa inteiro de conteúdo evangélico. A transmissão do Festival Promessas ocupou 75 minutos de sua programação vespertina e alcançou 13 pontos de audiência, quase o dobro do IBOPE de sete pontos obtidos pela emissora no mesmo horário do domingo anterior. As opiniões favoráveis e contrárias ao Festival circulam dentro da própria TV Globo e também entre os evangélicos. O evento que reuniu nove nomes da música gospel foi gravado na tarde e noite do anterior dia 10, no Aterro do Flamengo, e teve um custo de R$ 2,9 milhões à prefeitura do Rio de Janeiro.
A organização do show mostrou-se decepcionada com o público de aproximadamente 20 mil pessoas porque esperava lotar o espaço que comporta mais de 200 mil. Como precisava de boas imagens para a TV, a equipe de produção tratou de aproximar a platéia do palco para dar a impressão de massa compacta e reajustou o posicionamento das câmeras.
Os rumores que creditam o fracasso de público à baixa popularidade dos cantores, não se sustentam. Em condições normais e através de divulgação “igrejeira”, a cantora Ana Paula Valadão, do Diante do Trono, sozinha, é capaz de tornar pequeno o espaço do Aterro do Flamengo. A chuva que caiu sobre o Rio naquela tarde afastou muita gente. Algumas outras possíveis explicações também podem ser levantadas. Uma delas é que os organizadores globais acreditaram que poderiam atrair o público gospel com o mesmo formato de promoção dos shows seculares. Portanto, confiaram na força de convencimento da mídia e menosprezaram o poder de (des)mobilização das igrejas.
Outra explicação possível é que, mesmo sendo uma operadora da comunicação, a Globo não teve o cuidado de adequar a mensagem e a linguagem utilizadas no texto das chamadas ao público almejado. A mensagem convida para um ajuntamento, sem que para isso estabeleça um claro objetivo espiritual. A linguagem traz palavras seculares como “fã” e “ídolo” para tratar da relação dos crentes com os cantores, e os princípios doutrinários dos protestantes rejeitam, veementemente, a posição de “fã” além de considerarem a “idolatria” uma abominação.
Pode ter ajudado também para esse fiasco de público a ausência de um(a) apresentador(a), reconhecidamente evangélico(a), que emprestasse credibilidade e intimidade às participações. Com o Serginho Groisman nessa função, (ele não é reconhecido pelos crentes como um “irmão” que professa a mesma fé) é possível que o público tenha entendido que não se trataria de um culto inteiramente dedicado ao louvor e a adoração à Deus,  como esperava e gostaria que fosse. 
A resistência em não participar da festa pode ter maior razão na desconfiança de boa parte dos evangélicos com a repentina aproximação da TV Globo, porque eles trazem na memória marcas de hostilidades causadas pela emissora. Lembram, por exemplo, de como foram desdenhados e caricaturados em novelas, humorísticos e minisséries, além do sofrimento com difamação, injúria e depreciação da fé deles em reportagens e documentários.
A decisão de aproximar-se dos Reformados faz parte de um conjunto de medidas que visa melhorar a audiência da emissora junto à nova classe média e o consequente acréscimo do faturamento. Esse novo direcionamento resulta da observação de pesquisas que avaliam os anseios do telespectador e também de uma leitura cuidadosa do atual cenário econômico e social do país. Estudos acadêmicos recentes e informações atualizadas do IBGE apontam, por exemplo, para uma forte e crescente presença evangélica na composição da nova classe média. Dessa forma, apesar de contar com apenas 20% da população brasileira, de acordo com o Novo Mapa das Religiões publicado no ano passado pela Fundação Getúlio Vargas, é possível observar sinais de que esse segmento religioso já consegue influenciar a moral, a ética, a política, a cultura, a literatura, as artes, os costumes e a natureza do consumo em espaços sociais nos quais estão inseridos.
Atenta à nova configuração social e econômica brasileira, a emissora procura adequar-se ao novo momento. As mudanças ocorrem na grade da programação e na filosofia que direciona suas escolhas discursivas. A tendência, inclusive, é continuar com a mesma política de promoção de temas relacionados ao catolicismo romano e também ao espiritismo em sua programação. Por outro lado, deve abrir espaço na grade aos evangélicos e, logicamente, dispensar-lhes melhor tratamento e consideração. Isso inclui o uso do bom senso em pontuar ou particularizar eventuais críticas aos escândalos que surgirem no meio protestante, tendo o cuidado de preservar o restante do grupo.
A parceria entre os antigos desafetos vai sendo aos poucos viabilizada, iniciando-se pela música. Não será estranho, no futuro, que pastores ministrem através da tela da Globo. Cooperam para isso, a recusa da Rede Record em abrir espaço para as igrejas em sua grade, e a sua preferência por uma programação secularizada. Interessada em explorar o ainda insipiente e semiprofissional mercado da música gospel, que rende cerca de R$ 2 bilhões por ano, a Gravadora Som Livre, empresa das organizações Globo, criou a sua divisão “gospel” e contrata cantores que se destacam nesse meio.  Animada com a audiência do Festival e a ampla circulação de mensagens e vídeos relacionados ao tema nas redes sociais da internet, a emissora já prepara mais três edições do evento para este ano e estuda a criação de um programa musical gospel para as tardes de sábado.
Essa até recentemente impensável aproximação encontra resistências dentro da própria TV Globo e também entre os protestantes. O grupo ligado ideologicamente ao ex-diretor José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o “Boni”, não concorda com mudanças na filosofia da programação cristalizada e consagrada pela emissora. Essa discordância advém do temor de que as medidas causem prejuízos à imagem da empresa junto ao público e aos anunciantes. Do lado protestante podem ser encontradas pelo menos três correntes de opinião sobre a parceria com a Rede Globo; todas elas oriundas de igrejas, da mídia evangélica e de seminários teológicos.
A primeira diz respeito ao discurso dos que se posicionam radical e incondicionalmente contrários à midiatização do Evangelho, também chamada por eles de espetacularização do Evangelho. Eles são ainda mais intransigentes quando se trata de associação da igreja com a mídia secular, especialmente com a Globo. Para eles, é impossível a conciliação de interesses entre as duas partes visto que os propósitos delas são incompatíveis. Um exemplo desse discurso de resistência pode ser encontrado no blog do pastor Renato Vargens, para quem “é claro que os interesses globais estão bem além dos ritmos e melodias entoadas pelos cantores evangélicos tupiniquins.”
A segunda opinião reflete a visão também crítica e desconfiada, mas com relativa abertura ao diálogo, do grupo dos moderados. Eles são favoráveis à presença do Evangelho na mídia, desde que a temática seja puramente cristã. Assim, alertam para o perigo de se compartilhar a programação santa com a profana; os interesses do Reino de Deus com os do mercado, visto que essas coisas podem resultar na descaracterização ou na banalização da mensagem do Evangelho. No entanto, os moderados não são de todo relutantes em negociar os métodos e as técnicas de evangelismo, desde que essa negociação não ofereça riscos aos princípios da ética cristã e à integridade da mensagem das boas novas de salvação.
O terceiro grupo compartilha as mesmas preocupações quanto à necessidade de divulgar e de preservar a essência do Evangelho. No entanto, diferencia-se dos dois primeiros grupos ao não oferecer resistência à aproximação da mídia secular e por não apresentar rígidas e claras condições prévias para o encontro, o que pode deixar vulnerável a prática dos princípios éticos cristãos e diluir a mensagem do Evangelho. Como objetiva garantir a sua inserção no contexto da programação televisiva, prefere confiar na possibilidade de que os parâmetros balizadores do relacionamento entre as partes sejam construídos, dialogicamente, durante o processo de convivência. Dessa forma, o grupo não se sente constrangido, por exemplo, em participar aleatoriamente de qualquer formato de programa de auditório secular por acreditar que no final, o Evangelho sairá em vantagem.
 O pastor Silas Malafaia é uma das vozes mais representativas do discurso evangélico a favor da parceria com a televisão. Ele, inclusive, é o principal articulador do Festival Promessas junto à diretoria da TV Globo. Em resposta às críticas ao show, escreveu no Twitter que os crentes não são ingênuos quanto aos interesses comerciais da emissora. Na ocasião, destacou a importância desse show que pregou a palavra de Deus, por meio da música, utilizando-se da excelente estrutura da maior rede de televisão do país. Para ele, o evento ocorreu em resposta às orações de muitos que sonharam com oportunidades assim, em que milhões de pessoas pudessem ouvir falar da salvação em Jesus, o Cristo. Resumindo o pensamento desse grupo e expressando a natureza dos interesses envolvidos nessa relação de parceria, o jovem pastor Junior Souza afirma em seu blog que “a Globo usa os evangélicos para ganhar audiência e nós usamos a Globo para pregar o Evangelho”.
Para efeito de conclusão, pode-se afirmar que a repercussão desse acontecimento é boa para o arraial protestante porque promove o debate entre as suas mais variadas correntes ideológicas. Longe de ser um problema, a diferença de opinião é saudável em qualquer sociedade. Até porque a heterogeneidade de vozes pode promover a correção de rumo, o controle e o equilíbrio das práticas discursivas numa dada comunidade. Em Provérbios 11:14 mesmo diz que numa multidão de conselhos, é possível encontrar conselhos sábios. 
Algumas perguntas preocupadas emergem das discussões sobre o Festival e merecem consideração. Deve-se avançar ou retroceder nesse processo? É possível conciliar os interesses comerciais da emissora com a pregação do Evangelho? Como agir com aqueles que estarão interessados em prestígio pessoal, fama e dinheiro no lugar da evangelização? É possível conciliar prestígio pessoal, fama e dinheiro com a vida de pregação do Evangelho? O que fazer quando chegarem os escândalos dos que estiverem em evidência? Como aproveitar o espaço na TV para evangelizar com eficácia e eficiência? O que muda nas estratégias de evangelismo e de missões de agora em diante, levando-se em consideração essa nova realidade? Quais seriam as condições restritivas básicas a serem apresentadas pelos evangélicos na mesa de negociação com a TV? Que projeções sobre a situação espiritual e sobre o crescimento numérico podem ser feitas, a longo prazo, da parte evangélica que participa da programação da TV secular e da parte que não participa?
Querendo ou não, o Festival Promessas constituiu-se em marco para a grade da TV brasileira e também para a relação dos evangélicos com a televisão. Essa parceria é uma realidade que está posta. Agora é saber como esse relacionamento será conduzido. Possivelmente outras redes de TV também procurarão se aproximar dos crentes com os mesmos objetivos. E não se pode negar a capacidade delas em alcançar o grande público, o que interessa aos evangelizadores. Com isso, espera-se que as águas sejam mexidas e as redes de indistintas denominações evangélicas encham-se de almas. Pode-se estar no tempo da grande colheita de almas tantas vezes orada e profetizada.
Para isso, urgem investimentos cuidadosos e expressivos no treinamento de obreiros e no discipulado dos novos crentes que virão. Essas medidas são necessárias para que o esforço da evangelização resulte em pessoas nascidas de novo em Cristo, que esperem o Céu e sejam testemunhas fiéis do Senhor perante o mundo. Do contrário, poderemos ter um amontoado de admiradores e adeptos sem que sejam, de fato, convertidos. Que o Espírito Santo nos dirija em todo o bom propósito, tornando-nos sensíveis e obedientes à voz de Deus e também que Ele convença uma multidão de brasileiros dos seus pecados, do Juízo e da Justiça. 
Orley José da Silva, é professor universitário em Goiânia, mestrando em linguística/UFG e evangelista da Assembléia de Deus do bairro de Campinas. E-mail: proforleyjose@gmail.com

16 comentários :

Anônimo disse...

Julio

Pode sair algo de bom de uma parceria entre Cristãos e Satanás ??? Se pode, é para o lado de Satanás...
Eu acho um verdadeiro absurdo os filhos de Deus se aliarem a uma emissora declaradamente satânica como a rede Globo, sob qualquer pretexto que seja...
Será que Deus precisa de rede Globo para que sua palavra seja pregada ? Eu particularmente acho que não...
Será que os Cristãos vão se esquecer de tudo o que a Globo fez contra nós em suas novelas... Se sim, posso fazer uma breve recapitulação...

Alguem lembra de novela Tieta ? Pois é, eu não esqueci que naquela novela, uma prostituta era a heroina (a propria Tieta) e a vilã era uma cristã (a personagem Perpétua, irmã da Tieta)...

E será que se esqueceram daquela mini série com o Edson Celulari onde este fazia um pastor corrupto ??? Na novela Selva de Pedra, Tony Ramos fazia o personagem principal, um malandro que tinha como principal problema o pai Cristão, que vivia fazendo o filho passar vergonha, pois era retratado como um fanatico ridiculo... Posso lembrar também de uma novela onde a atriz Juliana Paes faz o papel de uma "crente", que entra em onibus para ficar se esfregando em homens...

Enquanto isso, quando foi a ultima vez que um gay foi retratado em uma novela Global como um vilão ???? Voce se lembra ??? Não, porque em novela Global, gay vilão é algo que não existe... Nestas novelas os gays são uma verdadeira raça de seres maravilhosos que praticamente caminham sobre as aguas...

E quanto ao espiritismo ? Eu ouvi recentemente que essa pratica satânica é a religião que mais cresce no Brasil... Se isso é verdade, boa parte da responsabilidade é da rede Globo, que paasa essa doutrina em sua novela como se fosse verdade absoluta...

Pessoal, não se enganem, por favor... A rede Globo é hoje a segunda principal inimiga do povo Cristão no Brasil, perdendo apenas para o Governo federal, sob o dominio do PT...

Eu boicotei essa apresentação na rede Globo... Acho que devemos mostrar para esses seguidores do diabo que ser Cristão não é, nem de longe, sinonimo de ser otário... Devemos ser misericordiosos, mas sem ser ingenuos, para não cair nos laçõs de nossos inimigos...

sds

Sandro

Julio Severo disse...

Caro Sandro

Se me convidarem para dar testemunho num bar, boate ou lugar de bruxaria, pela graça de Deus, vou. Mas não vou para ter comunhão. Vou para deixar Jesus brilhar.

Minha opinião é que os cristãos podem ir a Globo, mas nunca devem, por causa disso, deixar de alertar que a Globo é um instrumento de Satanás. Eles também não devem fechar a boca. Tendo uma oportunidade, devem dizer claramente que o aborto e o homossexualismo são pecados.

Podem ir a Globo, mas não devem seguir o direcionamento imoral dela.

E devem orientar suas congregações a evitar a Globo. Faz muitos, muitos anos que não sei o que é Globo e Record!

Anônimo disse...

Talvez muitos evangélicos não saibão ,mas a Globo entrou com força no NEGÓCIO DA VIOLÊNCIA.

A Gobo está entranto pesado no ramo do "esporte" de lutas chamado UFC ou MMA.

Vejão matéria: UFC com Galvão na Globo vira prato cheio para discussões no Twitter

http://br.esportes.yahoo.com/blogs/tv-esporte/ufc-com-galv%C3%A3o-na-globo-vira-prato-cheio-130457282.html

MAIS:[UFC Rio 2] Aldo mantém cinturão com vitória demolidora e acaba com invencibilidade …
[UFC Rio 2] Belfort: vitória na raça e no coração dentro de casa

O Esporte violento de lutas como UFC está ganhando muita popularidade,gerando muito dinheiro e produzindo idôlos como:Anderson Silva, Minotauro, Victor Belfort,Cigano e outros.

A Globo de olho neste vilão de ouro também resolveu investir pesado no UFC (Ultimate Fighting Championship ).
Outras emissoras já investião e ganhavão dinheiro com esporte de lutas.
Os novos gladiadores do secúlo XXI pouco ficam devendo aos seus antepassados do Antigo Império Romano.
UFC: Exploração exacerbada da violência como nos tempos medievais
http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-ufc-explora%C3%A7%C3%A3o-exacerbada-da-viol%C3%AAncia-como-nos-tempos-medievais

BOM ! A Globo é bem eclética em seus investimentos,investe tanto na celestial música gospel como na exploração exacerbada de violência que denominão esporte chamado UFC ou mesmo o MMA.

A mesma emissora que faz tudo para popularizar na nossa cultura o ""èsporte'" de lutas violentas(UFC) é a mesma que agora investe no segmento Gospel.

Em um mundo ficando mais parecido com o Antigo Império Romano quem sabe um dia ,não veremos ainda um punhado de cristãos sendo jogados numa arena para enfrentar os novos gladiadores modernos.

Vergonha ! Os cristãos que deveriam condenar este "novo negócio" da Globo ficam calados. Talvez porque a Vênus Platinada resolveu investir no negócio de música Gospel.

Aliás ! Victor Belfort ,famoso lutador de UFC diz que é """crente"", não vendo nenhuma incompatibilidade entre violência gratuita e fé cristâ.

NIL SOARES

Anônimo disse...

Esse assunto ainda tá rendendo ninguém merece aff.
Irmão júlio, posso fazer um pedido a ti ore por mim estou precisando o diabo tá se levantando mais para cair se puder agradeço abraços. Ester!!!!!

Leandro Matias Deon disse...

Heiii, Sandro, a Globo não é satânica, e muito menos "declaradamente".
Não se de onde tirou isso.

Esse negócio de dizer satânico aqui, satanismo lá, é expressão acentuada, dura, mas que não corresponde à realidade. Quem gosta de falar que algo é satânico é o Edir Macedo, mas ele é um retardado que nem sabe do fala.
A Globo é uma empresa privada e que, de fato, operou nas últimas décadas na consciência coletiva para adequar os costumes da nação ao padrão de moralidade do seu círculo artístico e intelectual. Um padrão, obviamente, muito baixo e degradante.
Aliás, ainda faz isso.
(foi por essa inclinação, e não mera concorrência comercial, que a Globo produziu peças anti-evangélicas ostensivas, principalmente na década de 90).

Contudo, nada disso é satanismo.

A Globo ter, intermanente, setores visceralmente anti-evangélicos, mas também setores para os quais o comprometimento ideológico não deve se sobrepor às regras de mercado, que exigem maior neutralidade quanto a esses temas.

Observe que foi realizado um evento essencialmente midiático, escolhendo artistas evangélicos de alta vendagem (inclusive fora do meio evangélico), mas que não são nem os melhores e nem os mais utilizados nos cultos.
A atividade musical-comercial moderna tem algumas características específicas que a distinguem de uma atividade artística genuína. Os cantores, por exemplo, não tem uma excelente voz (quando muito, uma voz "cantável", coisa que eu nem tenho...). Eles também não compõem as músicas. São alguns desconhecidos, que as vezes nem são colocados nos créditos.

Aliás, esse negócio de "louvor" é muito duvidoso. Um dia passei por uma rua onde havia uma "roda de escarnecedores" contando piadas e cantandos um dos louvores mais conhecidos.
Claro que isso não recai sobre a moral dos artistas (que podem ser íntegros... ou não).

Para se tornar um "cantor" artístico, nas últimas décadas, é preciso reunir uma série de fatores não artísticos, como beleza, bons contatos, personalismo, estilo de roupas, etc., e, se necessário, uma voz razoável. Mas também adequar-se à ideologia dominante.
Isso não é diferente com essa parcela dos artistas evangélicos.
Não há nenhum feio, não há ninguém que se veste normal, não há nenhum da CCB...

Elender disse...

quem precisa de saúde, são os doentes, e quem precisa do evangelho é o mundo...

Trindade disse...

Júlio permita me dirigir ao:
LEANDRO MATIAS DEON, concordo com quase tudo que você diz e é mesmo verdade a Globo é antes de tudo uma empresa comercial, mas como disse o Julio Severo sobre o comportamento dos cristãos contratados por ela, ou seja, será que algum dos cantores contratados teria a coragem de afirmar como a Bíblia afirma sobre o aborto e o homossexualismo?
Outra coisa também importante é que a Globo sempre mostrou personagens caricatos evangélicos como se fossem burros ou extremamente fanáticos, ou recalcado sexual, mas em uma minissérie a coisa saiu da pequena crítica e foi uma grave agressão a Deus e a Bíblia, pois lá mostra um suposto pastor em prática de adultério e ainda por cima joga a calcinha da amante sobre a Bíblia, cena essa feita com grande ênfase, será que Deus esqueceu dessa cena? Acredito que não, pois para isso não houve arrependimento.
Teria alguém em algum ritual satânico cometido coisa mais abominável à Deus diante de milhões de cristãos? Acredito que não e lembro-me que na época ouvi alguém dizer que aquela cena foi "um ritual mais que perfeito" porque foi diante de milhões de testemunhas e que aquela cena foi a maior glória que satanás poderia receber em uma nação.
Portanto usar o espaço para falar a Palavra de Deus lá é valido, mas se aliar nunca.

Anônimo disse...

BBB12 O Primeiro Big Brother Cristão

bbb-cristão

No BBB12, a direção do programa selecionou duas candidatas que afirmam ser evangélicas

Até aí tudo bem, mas diante do frenesi gospel nas redes sociais em torno dos nomes das moças, logo, podemos desconfiar que a Rede Globo esteja jogando uma isca para os telespectadores evangélicos.
Eis que surge a pergunta: Evangélicos ASSISTEM BBB?
Pois a Globo é do “mundo”, e só a Record de Macedo e a RIT de R.R Soares são do “mundo espiritual” em Cristo. Há também outras emissoras cristãs mas citei apenas as duas principais.

BBB12: O Primeiro Big Brother Cristão

Duas evangélicas
Jakeline, estudante de zootecnia que vive em Feira de Santana, na Bahia, é uma das doze integrantes do Big Brother Brasil 12, e parece ser do tipo calado. Nas redes sociais, não fez alarde sobre a novidade. “Feliz para burro. Deus seja louvado”, publicou a jovem no Facebook sobre a seleção para o Big Brother.
evangelica+bbb BBB12: O Primeiro Big Brother Cristão
Evangélica, Jakeline de 22 anos parece fazer o perfil tímido e é comprometida. É amante dos animais – ‘Marley e Eu’é um de seus filmes preferidos – e não esconde sua admiração por Jesus Cristo.
Big Brother Kelly Medeiros
Outra participante do Big Brother Brasil 12 é a evangélica e mineira Kelly, que morou por quase um ano em Salvador e acabou indo tentar a vida em São Paulo. “Ela dançou no Aviões do Forró, mas, teve que sair do grupo para cuidar do pai que ficou doente.
kelly 2 BBB12: O Primeiro Big Brother Cristão
O pai faleceu, e ela não conseguiu voltar para a banda e resolveu ir para São Paulo tentar a vida”, disse uma amiga. A amiga contou ainda que a participante do Big Brother 12 é evangélica. “Ela é bem ligada a Deus. É evangélica e frequenta os cultos na igreja”, finalizou.
O lado bom, é que agora a Palavra vai ser “pregada” também no BBB, para várias Tvs deste Brasil, muitas pessoas serão salvas, além que todos poderão assistir o programa sem problemas, porque é para toda a família, pois teremos irmãs na atração, e com muito testemunho cristão. Creio que quem vai sair primeiro, será a Jakeline, o negócio é fazer uma “corrente de oração” para que não , você vai assistir? Pois eu não. Estou fora, deste tipo de “alimento”…

Fonte :http://tudoevangelicogratis.blogspot.com/2012/01/bbb12-o-primeiro-big-brother-cristao.html

È a Globo como uma sagaz serpente dando o bote !!!!
Evangélicas no BBB ?????

A Globo passando a perna nos evangélicos, usando duas evangélicas tortas para dar um tremendo mau testemunho.

NIL Soares

Anônimo disse...

Julio

Analizando a questão a luz da palavra de Deus, é verdade que Jesus não recusou convite de pecadores para ir comer com eles, com o objetivo de pregar a palavra e converter corações... Mas eu acho que talves esse caso seja um pouco diferente, pois estamos falando de uma emissora que nos detesta e tem o poder para editar o que foi dito para seu beneficio... Quem garante que isso não será feito por eles se Cristãos continuarem estreitando o relacionamento com a Globo ??? Em 1989, por exemplo, essa emissora editou o último debate entre os candidatos a presidente para parecer que o seu candidato (Collor) tinha se saido melhor... Isso definiu as eleições daquele ano...
Esta certo que o candidato derrotado (Charles Logan Lula da Silva) era talvez pior que o vencedor, mas ainda assim esse caso serve para demonstrar como a Globo manipula o que as pessoas dizem a seu bel prazer...
Quanto ao fato de não assitir a Globo, voce tem razão... Eu, mesmo não tendo uma condição financeira muito boa, pago TV com o único objetivo de fazer com que minha filha de 3 anos não assista novela, coisa que eu acho um veneno para o cerebro e a alma...
Finalizando, digo que se eu tivesse um ministério, não aceitaria de jeito nenhum negociar com a Globo... Peço perdão a Deus se eu estiver enganado...

Leandro Matias

Voce diz que a Globo não é Satânica... Me diga uma coisa: A quem interessa passar o homossexualismo como uma prática quase divina e o espiritismo como verdade absoluta ??? A Deus ou ao diabo ???

A Globo nunca fez uma propaganda com os dizeres: "Globo e Satanás, tudo a ver", mas até ai, quem faz ??? Quem é seguidor de Satanás e afirma isso publicamente ???

Os Fariseus nos tempos de Jesus, por exemplo, se diziam seguidores de Deus... Mas foram, durante todo o ministério do Senhor, expostos como seguidores do diabo, a ponto do Senhor dizer que Satanás era o pai deles...

Agora se eu não chamar de satânica uma emissora que compara Cristãos com Ed Gein, como foi feito em Tieta (A personagem Perpétua guardava em uma caixa o pênis embalsamado do marido), vou chamar de que ?

Sinto muito discordar de voce, mas para mim a rede Globo é sim uma emissora a serviço do arqui - inimigo de Deus e nem sequer se esforça para esconder isso...

sds

Sandro

Roberto96130 disse...

Não sou catolico, mas pelo amor de Deus. Aquela porcaria de programação chamado "Promessas" é uma verdadeira apostasia. Não tem nada de louvor a Deus ali. São tudo um bando de apostatas mundanizados dizendo que estão fazendo alguma obra em prol do evangelho de Cristo.
Aqueles cantores, são todos apostatas que pegaram musicas do mundo e trasformaram em musica "gospel".
Só existe 1(Um) estilo de musica santo diante de Deus, a musica que pelo mundo é conhecido como MUSICA Classica. Onde todos cantam e não um palco com "plateia" para entreter "Cristão" apostatas e dizendo que é em "prol do evangelho".
São todos carnais. São apostatas.
Os "Cristãos" apostatas pegam costumes do mundo e transformam em "Gospel"
SE existe rock, trasformasse em "rock gospel".
Se existe show, com um palco e plateia. Transformam em "show gospel ou show da fé"
Só existe uma filosofia de Vida para o Cristão, e não é esse lixo compactuado com a trevas.

Fabiano disse...

Prezado JULIO SEVERO, em relação à sua opinião de que “OS CRISTÃOS PODEM IR A GLOBO” eu discordo, haja vista que ela está literalmente a serviço de Satanás, CUJO FIM/OBJETIVO é promover o mal de forma explícita, implícita, de todas as formas e modos possíveis e até mesmo, se possível, disfarçada como um anjo de luz.

Veja que Neemias NÃO ACEITOU nenhum dos convites feito por Sambalate, Gesem e Semaías, até mesmo para se ajuntarem no templo, à casa de Deus, porque Neemias percebeu que A INTENÇÃO daqueles homens era maligna(Neemias 6).

Veja também que Paulo FICOU PERTURBADO com uma jovem que clamava/dizia A VERDADE: “Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo”, e por que Paulo ficou perturbado se ela dizia a verdade???????? Certamente porque o espírito que estava nela era das trevas, não aceitando, portanto, que O DIABO fosse o proclamador/anunciador da salvação.

Portanto, de forma alguma eu iria ou aconselharia alguém a ir até “A GLOBO” falar do Evangelho, pois bem conheço a determinação: “Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem”.

Finalmente, como você afirmou que “A GLOBO É UM INSTRUMENTO DE SATANÁS”, o que ratifico, acredito que tudo aquilo que é instrumento ou serve de instrumento para satanás deve ser aniquilado e jamais fazer uso, ainda que no passado tenha sido uma benção como o foi a serpente de metal erigida por Moisés, mas que TEVE QUE SER DESTRUÍDA por Ezequias ( II REIS18:4) porque estava SENDO USADA COMO INSTRUMENTO DE SATANÁS para corromper o povo.

Fabiano – Itapecerica da Serra/SP
da Serra/SP

Leandro Matias Deon disse...

Julio, eu assisti ao debate Collor x Lula em 1989 (aliás, aos 2 debates) e posso garantir que Collor venceu facilmente, e que a edição da Globo na verdade até amenizou a vantagem de Collor.

O que a assessoria de Lula queria (bem como Armando Marques, então diretor do noticiário e eleitor de Lula) era que o JN não mostrasse nenhuma edição, já que os debates ocorreram muito tarde da noite, quando a audiência é menor.
Contudo, quem mandava era o Boni, diretor-geral, que era eleitor de Collor (agradando, é claro, ao presidente Roberto Marinho).

Lula entendia a si mesmo como imbatível em debates, porque tinha deitado e rolado nos primeiros (em cima de Brizola ou Maluf), e achava que Collor evitava debates porque era incapaz e estava se escondendo no primeiro turno.
Por isso, Lula foi pego de surpresa no primeiro debate e saiu literalmente triturado.
No segundo debate (esse que foi "editado"), Lula até conseguiu um certo equilíbrio, mas também foi vencido por Collor (que, aliás, mentia descaradamente).

A verdade é que, enquanto a preferência por Collor caiu vagarosamente, a preferência por Lula caia também vagarosamente, e, portanto, não houve nenhuma virada de votos na última semana. Lula nunca esteve a frente de Lula em nenhuma projeção.
Logo, o debate (ou mesmo a edição do debate) não teve uma influência decisiva na eleição.
Isso eu posso te garantir.

Os candidatos, aliás, fizeram uma estratégia errada, que foi a de fidelizar o voto dos que já haviam decidido votar neles próprios, enquanto o mais correto, na reta final, é que tenham um discurso moderado, amigável, para atrair os indecisos.

O que aconteceu, porém, foi que o PT jamais aceitou a derrota quando tinha um apoio político vastíssimo, desde Sarney até FHC (maior inclusive que agora), e daí surgiram peças ridículas (como Muito além do cidadão Kane) e teorias que procuraram justificar a derrota de Lula como o resultado de uma conspiração.

---

Quando me referi ao fato da Globo não ser satânica, não ignorei nenhum aspecto de suas peças anti-evangélicas (no passado) e seu empenho na revolução dos costumes. Até citei fatos que demonstram isso.

Contudo, toda vez que chamamos a isso de "satânico", estamos nos desacreditando, e fazendo que outros vejam em nós pessoas desequilibradas que acham que Satanás está presente em tudo. Não devemos abusar de termos metafóricos e, nessa caso, falsos, porque não tenho conhecimento de que a empresa pratique tenha Satanás como fim de culto.
Os próprios cantores foram selecionados por seu apelo comercial e tietagem, e de forma alguma vi o evento 'Promessas' como um ato de louvor (embora não o tenha assistido).
Eu concordo, aliás, com quem afirmar que esse evento não foi uma concessão, e sim uma cooptação.

A Globo, em suma, é pecadora.
E pecado é pouca coisa?

PS: Tieta, originalmente em Jorge Amado (talvez o exemplo mais típico da transição do marxismo militante para o laicismo candomblé), era uma mãe religiosa que almeja tornar seu filho padre (catolicismo, portanto), mas que na novela se torna somente uma religiosa genérica e recebe na casa um falso pastor. Na verdade, foi feita para atacar a moral cristã, até porque foi feita por um autor imoral e repetitivamente anticristão.
Isso é bem no momento em que a Globo começava a se preocupar com a avanço evangélico, que procuraria conter com peças de ficção. Na época, a Globo tinha 80% de audiência, e se hoje luta para manter metade disso, é porque Deus agiu nesses últimos 20 anos...

Hoje em dia, apesar de haver menor qualidade na TV, há menos pornografia e alguns valores que a Globo combateu durante décadas voltaram a ser respeitados.

MINISTÉRIO APOLOGÉTICO BÍBLICO disse...

Graça e paz do SENHOR aos irmãos do blog...

Por que os cristãos podem ir a globo?

Simples... PORQUE NÃO PODEM FALAR CONTRA A GLOBO, OU CONTRA O ESPIRITISMO, OU CONTRA A IDOLATRIA, OU CONTRA QUALQUER PECADO COMETIDO PELA EMISSORA.

Chamem um "Elias" ou um "João Batista" para falar no festival promessas e as postas ao evangelicalismo global se fecham!!! Levem Valadão e companhia para dizer que Jesus ama aos pecadores (citando João 3.16) e os aceita como são (incluindo os homossexuais, espíritas e idólatras) e as portas da globo vão continuar escancaradas para os evangélicos!

Deus nos ajude...

Julio Severo disse...

Pelo menos no caso da Valadão, não creio que ela prega uma conversão sem transformação. Isso seria anticristão. Não conheço profundamente o ministério deles, mas as músicas são muito abençoadas. Não é o meu estilo, mas minha esposa gosta muito. Acho que você deveria visitar a Igreja Batista da Lagoinha para conferir se as pessoas que aceitam o Evangelho são exortadas a permanecer como são ou conduzidas à oportunidades de transformação.

Davi disse...

Fico muito triste quando vejo opiniões como do nosso caro irmão Sandro, pois é possível identificar o despreparo da Igreja perante os desafios propostos para o fim dos tempos, com pensamentos arcaicos, e pior que isto, fechados ao diálogo, a minha opinião esta expressa em 1 Cor 12:3 "Por tanto, vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: Jesus é anátema, e ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor, senão pelo Espiríto Santo", Por tanto, não interessa o meio, ou nesta ocasião, o canal de mídia, o importante é que Jesus seja proclamado Senhor desta nação!!!

Davi disse...

Gostaria de me dirigir ao Roberto96130: Querido Irmão Roberto, se é que posso chamá lo assim, A Graça e Paz de Jesus, Fico triste ao ver colocações infelizes como a sua, provenientes da falta de cultura, e conhecimento bíblico, pois quem conhece as escrituras sagradas, sabe muito bem que Deus é o Criador, foi ele que institui a música para que o adorássemos, Infelizmente, o diabo tem tentado perverter o sentido original da música, que é adorar ao Senhor, e consequentemente, consegue introduzir na mente de cristãos preconceituosos, sem estrutura espiritual, leigos, de que ele é criador do "rock", ou qualquer outro rítimo, resumindo, ele é o pai da mentira, não tem poder de criar nada, somente de tentar copiar e peverter as criações divinas, que por sí só são perfeitas, o texto que citei anteriormente 1 Cor 12:3 serve perfeitamente de base para o que estou lhe dizendo.