19 de janeiro de 2012

Finalmente, Brasil terá lei contra o terrorismo?

Finalmente, Brasil terá lei contra o terrorismo?

Julio Severo
Se os Estados Unidos têm uma lei contra o terrorismo, o Brasil também precisar ter. É com essa preocupação que o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) elaborou um projeto de lei que classifica como terrorismo “a conduta de provocar ou infundir terror ou pânico generalizado mediante ofensa à integridade física ou privação de liberdade de pessoa, por motivo ideológico, religioso, político ou de preconceito social, étnico, ‘homofóbico’ ou xenófobo. As penas chegam a 30 anos de prisão em caso de morte”.
Contudo, a imprensa deixou claro que tal lei não é uma resposta ao famoso caso do massacre do Realengo, onde jornalistas e o próprio governo nublaram a motivação islâmica do assassino.
A lei também não é uma resposta ao terrorismo político. O famoso caso Celso Daniel está há anos acumulando cadáveres e acobertamentos, e a imprensa brasileira não ousa ligá-lo a terrorismo ou máfia política, embora todos os envolvidos fossem do PT e tivessem interesses explícitos para silenciar o político do PT que administrava milhões para as campanhas eleitorais do PT.
O senador reconheceu que “não há consenso sobre a definição do que é terrorismo”. Mesmo assim, o projeto de lei dele torna o terrorismo crime inafiançável, sem chance de receber graça ou anistia, e ataca diretamente as fontes de financiamento do terrorismo.
A falta de consenso sobre a definição de terrorismo deixa o campo aberto para interpretações nebulosas.
A lei antiterrorismo brasileira seguirá, basicamente, o espírito da lei americana, que não mira muçulmanos nem motivações muçulmanas para os crimes de terrorismo. Aliás, depois do ataque terrorista ao World Trade Center em 2001, George Bush, o presidente conservador dos EUA, saiu proclamando para o mundo que o “islamismo é uma religião de paz”. Com esse “João Batista” da adulação islâmica preparando o caminho, foi perfeitamente natural que o próximo ocupante da Casa Branca fosse não só esquerdista, mas também radicalmente pró-islamismo.
O Ministério de Segurança Nacional (MSN) dos EUA, que foi criado especificamente em resposta ao primeiro grande ataque terrorista aos EUA, tem hoje muita dificuldade de criticar islâmicos, apesar de que todos os terroristas desse ataque aos EUA eram islâmicos.
Entretanto, o MSN não tem tido dificuldade de mirar grupos cristãos por atividades contra o aborto e contra o chamado “casamento” gay. Em sua luta contra o “terrorismo”, o MSN está monitorando os cristãos, inclusive meu blog.
Esse quadro nos dá uma ideia de como virá a definição de terrorismo para a lei brasileira, que seguirá as principais preocupações do governo e da mídia, que obedecem fielmente à “doutrina” de Bush e Obama: o islamismo é uma religião de paz. A preocupação deles, pois, não são os islâmicos.
A preocupação obsessiva da mídia e do governo do Brasil tem sido os cristãos e sua “homofobia”, e cada agressão e assassinato de homossexuais em pontos de prostituição às altas horas da madrugada deixa os jornalistas esquerdistas com um prato cheio para passar uma semana criticando a “homofobia” cristã, “incitadora” de agressões e assassinatos.
Com a lei antiterrorismo em vigor, esses jornalistas poderão manobrar suas “reportagens” para cobrar a ação do governo contra o “terrorismo” e contra as fontes de financiamento. No meu caso, mesmo sem uma lei brasileira, a campanha de um grupo gay dos EUA encerrou minha conta no PayPal.
Como então definir o que é terrorismo no Brasil? Se um jornalista perguntar a um ativista gay se ele considera como “terrorista” um cristão que se opõe ao “casamento” homossexual ou à adoção de crianças por duplas gays, a resposta dele será um retumbante “sim”. E o governo e a mídia são todo ouvidos para eles.
Não tenha pois falsas expectativas. Se a lei antiterrorismo for aprovada, o Brasil estará dando um importante passo para a “americanização” de suas leis.
Com informações do Estadão.

9 comentários :

Anônimo disse...

"Big Brother" mais ativo que nunca.
Terrorismo era uma tática usada pelos comunistas na época da ditadura militar.
PSDB é um partido de esquerda seguidor das doutrinas de Gramsci.
Não existe nenhum partido de direita no Brasil.

Anônimo disse...

um livro interessante:

"A Revolução Gramscista No Ocidente"
Autor: Coutinho, Sergio Augusto de Avellar

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Essa lei, com certeza, vai ser um prato cheio para os homossexuais atacarem os cristãos. Eu não tenho nenhuma dúvida de que isso, com certeza, pode ser uma lei anti-homofobia disfarçada de lei anti-terrorismo.

Pra começo de conversa, eu pergunto logo: por que tanta questão de se aprovar essa lei? Quem vai ser beneficiado por ela?

A própria definição de terrorismo (na ótica do senador Aloysio Nunes Ferreira) já levanta suspeitas. Segundo ele, terrorismo pode ser definido como "a conduta de provocar ou infundir terror ou pânico generalizado mediante ofensa à integridade física ou privação de liberdade de pessoa, por motivo ideológico, religioso, político ou de preconceito social, étnico, 'homofóbico' ou xenófobo. As penas chegam a 30 anos de prisão em caso de morte".

Observem bem: por que a palavra homofóbico está incluída (e também destacada entre aspas) nesta mesma definição? Será que o PLC 122 (ou parte dele) não estaria embutido dentro dessa mesma lei?

Temos que estar bem atentos, porque ninguém espere nada de bom vindo de um governo totalmente pró-homossexualismo!

O que os políticos da bancada evangélica estão fazendo diante de mais essa manobra do governo e dos homossexuais? Será que eles estão dormindo? Ou estão sendo cúmplices disso?

Queremos todos os esclarecimentos sobre essa lei. E que esses mesmos esclarecimentos sejam dados em público, para que todo o povo saiba do que se trata!

Uma coisa é certa: contra esse governo e os homossexuais, a nossa atitude deve ser sempre a mesma: vigilância constante (24 horas por dia)!

Anônimo disse...

Fico triste porque sei que no futuro que será acusado de terrorismo serão os cristão para terem motivo de prender e tortura os cristãos sob a acusação que são perigosos, oremos por nossa nação, o fim dos tempos se aproxima, prepare-se, Jesus está voltando!

Alaíde

Anônimo disse...

Julio vc está vendo a pesergução contra o húngaro Premiê conservador Viktor Orban, ele é pro-vida, Julio estão dizendo que é por causa dos bancos mas sabemos que é mentirá, É O GAYZISMO por trás de tudo porque lá não teve suas boilagens aprovadas, Julio oremos pelo Orban e continuemos firme no protesto e na resistência!

Manuel Sampaio

tania cassiano disse...

Júlio,
O caso Celso Daniel, é óbvio demais.
Fico com vergonha! E "morro" de medo do "Rasputin Brasileiro", porque o francês, acredito, tenha tido um pouquinho mais de dignidade.
Abs.

zilda disse...

Precisamos de um partido de direita de verdade ou teremos que ir as ruas para pedir intervenção constitucional pois terroristas fazendo lei anti- terroristas é sério e perigoso para os 92 % da população crsitã.

Fabiano disse...

Concordo contigo, Zilda... Agora, pedir ao povo ir às ruas, é o mesmo que pedir para criança parar de fazer arte! É mais fácil convidar o brasileiro para uma partida de futebol, um carnaval ou uma parada gay... Aí sim tu terás retorno e sucesso...
Povo molenga, que leva tapa na cara e fica quieto!
O governo come 1/3 do salário do povo só em impostos, fora a roubalheira... E ainda existe lacaio que defende essa corja.
Fico aqui neste país, graças a Deus, só mais 3 anos... Depois me aposento e sumo daqui!!!

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Eu concordo plenamente com o que o Fabiano disse, e ainda acrescentaria mais: diz um ditado popular que "o povo tem o governo que merece". Nunca, aqui no Brasil, isso ficou tão evidente, ou melhor, nunca esse mesmo ditado se confirmou de maneira tão clara como nestes últimos anos.

Basta fazermos uma análise dos governos de Lula (anterior) e de Dilma (atual). Ambos são rigorosamente iguais em todos os aspectos. Senão, vejamos alguns dos pontos que eles têm em comum:

- Promoção de políticas de apoio aos "direitos humanos" (leia-se privilégio para os homossexuais e perseguição aos cristãos);

- Discriminalização do aborto, já que o aborto é somente um "caso de saúde pública" (ou seja, o aborto, para eles, não é um crime contra uma vida inocente e indefesa);

- Censura à liberdade de imprensa (e ainda dizem, com a maior cara de pau, que vivemos num país democrático!);

- Tolerância às religiões afro–descendentes, sob o argumento de que elas fazem parte da nossa cultura, e, portanto, não podem ser discriminadas (como o diabo dessas mesmas religiões se disfarça em anjo de luz, só falta eles dizerem que todas essas religiões são de Deus);

- Distribuição de "kits educativos" nas escolas, com a alegação de combater a homofobia (uma forma bem sutil de fazer com que as nossas crianças sejam induzidas ao homossexualismo, promovido por Fernando Haddad e por toda a corja do governo e dos homossexuais);

- Homenagem às "vítimas" do regime militar (ninguém jamais procurou saber o passado de Dilma Rousseff).

Enfim, estas são apenas algumas das muitas semelhanças entre os governos de Lula e o de Dilma.

E por que o povo, mesmo sabendo disso tudo, ainda assim vota neles? Por uma razão muito simples: recebendo a "ajuda" (Bolsa–Família) do governo, quem não quer ser sempre beneficiado pelo mesmo governo de alguma forma?‏ Isso lembra aquela máxima do antigo Império Romano: "Dai pão e circo ao povo, que o império sobrevive".

Não tenho nenhum medo de dizer: a nossa política está tão podre e tão corrompida, que nem mesmo os políticos da bancada evangélica não são dignos da nossa confiança (e, muito menos, merecedores do nosso voto).

Se o povo tivesse vergonha na cara, não colocaria corruptos no poder em troca de qualquer tipo de assistencialismo (até porque isso, infelizmente, já virou um ciclo vicioso difícil de ser quebrado). Uma coisa é certa: enquanto prevalecer este quadro, ou melhor, enquanto o povo ainda continuar adotando esta mentalidade clientelista (isto é, de só votar em troca de algum tipo de ajuda), o nosso país vai estar sempre sendo governado por corruptos.

Que estas palavras sirvam de alerta para que todos sejam mais cuidadosos nas próximas eleições!