17 de janeiro de 2012

Bancada evangélica reage depois que ministro da Educação recusa dar explicações sobre distribuição de camisinhas para crianças nas escolas

Bancada evangélica reage depois que ministro da Educação recusa dar explicações sobre distribuição de camisinhas para crianças nas escolas

BRASÍLIA — O presidente da Frente Parlamentar Evangélica, o Dep. João Campos (PSDB-GO), e o Dep. Paulo Freire (PR-SP) protocolaram na manhã desta terça-feira, 17, uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ministro da Educação, Fernando Haddad. Eles pedem a apuração de prática de crime de responsabilidade por parte do ministro por não ter respondido a um requerimento sobre a distribuição de camisinhas para crianças de escolas da rede pública. O requerimento foi encaminhado inicialmente em 14 de setembro de 2010 e, pela Constituição brasileira, o ministro teria até 30 dias para se pronunciar.
O requerimento, que nunca obteve resposta do ministro, é de autoria dos dois parlamentares. Eles questionaram Haddad sobre a implantação de máquinas para a distribuição de camisinhas para crianças de escolas. Entre as perguntas estão dúvidas sobre a faixa etária dos alunos que terão acesso, se haverá consulta aos pais, e qual o objetivo do governo federal com esse tipo de distribuição.
Haddad está de saída do Ministério para disputar a Prefeitura de São Paulo pelo PT. Durante sua administração, ele teve conflitos de ordem ética com a bancada evangélica. O maior conflito envolveu a distribuição do chamado “kit gay”, que o Ministério da Saúde alegava tinha o objetivo de combater a “homofobia” nas escolas.
A elaboração do kit gay foi feita pela ABGLT (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais), que recebeu uma verba governamental de um milhão e quinhentos mil reais, através de emenda parlamentar do Dep. Chico Alencar (PSOL-RJ).
Apesar do enorme investimento, a pressão da bancada evangélica fez a presidente Dilma Rousseff suspender a distribuição do “kit gay 1”, embora haja informações na imprensa de que que a versão 2 já está a caminho.
Com informações do Estadão.

7 comentários :

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Não quero ser pessimista, mas eu não creio que o ministro Fernando Haddad vá querer dar qualquer tipo de explicação sobre este episódio.

Aliás, eu nem sei se ele deveria ser ministro da educação. O que ele está fazendo, na verdade, é deseducar as nossas crianças com essa distribuição de camisinhas (isto é, incentivando o sexo precoce nas crianças).

Eu digo sem medo: de um governo satânico, corrupto e pró-homossexualismo e pró-pedofilia, ninguém pense que existe algo de bom a ser oferecido!

Parabéns aos deputados João Campos e Paulo Freire, que tiveram a coragem de mostrar as verdadeiras intenções do governo e de seus comparsas.

Que a atitude destes dois deputados sirva de exemplo para os demais políticos da bancada evangélica do Congresso Nacional.

AnaMaria disse...

Se existe um "Kit Gay", por que não pode haver um Kit Nerd, um Kit Negro, um Kit Obesidade, ou sei lá mais o que? Parece que só o homossexual é gente, digno de cuidado e mimos.

Não tem nada a ver, mas só pra constar: Nerds e negros sofrem e sempre sofreram mais bullying que homossexuais. E pelo jeito, ainda mais com esse "kit gay", a coisa só irá piorar pro lado deles, já que o homossexual não pode ser vítima nem de uma simples piadinha. Logo, um nerd ou um negro pode até ser morto - a menos que ele seja homossexual - enquanto o devasso, que espreita os colegas e se opõe á qualquer regrinha que vá contra suas idéias perversas, tem que ser tratado com carinho.


Mas enfim... Essa renca pro-homossexualismo e pro-pedofilia está cada vez mais perto de nossas crianças. Logo, eles quem ficarão encarregados de pessoalmente fazer com que as crianças virem homossexuais e devassas - a partir do momento que pedofilia virar "direito". E as crianças terão o direito de não terem direitos e de ficarem quietinhas ao serem molestadas - seja de qual forma for.

Quanto á bancada, deveria ter tomado providências há muito tempo, na minha humilde opinião. Agora querem remediar, já que não conseguiram prevenir?

Fabiano disse...

Falou muito bem, AnaMaria... E acrescento mais: Um kit-Bíblia deveria ser incluído nas matérias escolares também... Se um lado pode, por que o outro não, né?!
Agora, quanto a noticia. Eu divido muito que o depravado do Haddad vá se eleger em São Paulo.
Não sei porque esse analfabeto (Ministro da educação que aconselha a falar errado, pra mim é analfa, sim) ainda não "saiu do armário", já que ele defende tanto essa porcaria de kit, deve querer que os filhos e netos dele siga os passos!
Como diz um apresentador aí: ISTO É UMA VERGONHA!

Neokoros disse...

Ora, ora!
Com que então os dois parlamentares finalmente perceberam que Fernando Haddad saiu do Ministério sem responder ao requerimento feito em setembro de 2010 (!?!).
Que espertos! Parabéns ao senhores parlamentares!

Mas parabéns ao ex-Ministro também!
Entende-se porque Haddad ganhou a vaga pra disputar a prefeitura de São Paulo mesmo fazendo tantas besteiras.

(E se ele continuar com uma oposição tão rápida quanto, São Paulo não perde por esperar... Lamento, paulistas!)

Tss, Tss....

Leandro Matias Deon disse...

Fernando Haddad está para sair, então ele nem vai querer passar por esse fogo antes de uma disputa eleitoral acirrada onde tudo leva a crer que irá ser derrotado por Gabriel Chalita.

Mas ingenuidade a dele, achar que evitará de responder a essa questão.

Anônimo disse...

Oi, irmão vamos vê mesmo se eles reagem e saiam da apatia e inércia e trabalhe em prol do nosso Deus vivo contra a investida de satanás com leis e seus kits infernais para população brasileira aff. Ester!!!!

ELQUISSON disse...

É mais fácil prender um ladrão de galinha do que o ministro Fernando Haddad ser punido.

E eu concordo plenamente com o que a Ana Maria colocou: a bancada evangélica deveria ter tomado providências há muito tempo (só veio a se manifestar agora). Isso demonstra o quanto os seus integrantes estão sendo omissos no cumprimento das suas obrigações.

Sinceramente, não dá pra confiar em nenhum político (nem mesmo nos da bancada evangélica). Do jeito que a política está tão podre (e tão suja), fica difícil confiar (ou acreditar) que possa existir algo de bom dentro desse meio.

Este ano (2012) é ano de eleição para prefeito e vereador. É hora de sabermos usar a arma que temos (que é o voto). A hora de tentar fazer alguma mudança (para tentar mudar essa imagem negativa que temos da nossa política) é agora.

Por que eu digo isso? Porque existem coisas que somos nós que resolvemos (não é Deus). No caso, trata-se de saber votar. Não podemos pedir a Deus para resolver um problema (como este do voto) que nós mesmos podemos resolver.

Por que a questão do voto não pode ser resolvida por Deus? Por uma razão muito simples: um anjo não possui título eleitoral. Um anjo não vai descer do Céu para escolher o nosso candidato. Somos nós mesmos que vamos fazer isso.

Uma coisa é certa: temos que assumir as conseqüências das escolhas que fizermos. Se votarmos errado, nós mesmos seremos culpados. Depois, ninguém vá querer fazer campanha de oração para que Deus tire um corrupto do poder que nós mesmos elegemos!

Que esta mensagem sirva de alerta para que todos saibam o quanto um voto pode influir nos destinos de uma determinada comunidade (e também de um país).