12 de dezembro de 2011

Recentes acusações de abuso sexual de crianças em Hollywood são apenas a ponta do iceberg, dizem os especialistas

Recentes acusações de abuso sexual de crianças em Hollywood são apenas a ponta do iceberg, dizem os especialistas

Meaghan Murphy
NBC / Warner Bros
Se a recente enxurrada de acusações for provada, Hollywood pode ter em mãos uma horrível epidemia. Nas duas últimas semanas houve três notícias diferentes de acusações de abuso sexual na indústria de entretenimento.
Allison Arngrim (esquerda) estrelou a série “Os Pioneiros”. Ela afirma que boatos sobre abusos sexuais sofridos por Corey Feldman e Corey Haim (direita) quando eram estrelas mirins eram comuns nas décadas de 80 e 90.
Em 1º de dezembro, Martin Weiss, um agente empresarial hollywoodiano de 47 anos e representante de atores mirins, foi acusado do abuso sexual de um ex-cliente. Seu acusador, que era menor de 12 anos na época do suposto abuso, relatou às autoridades que Weiss havia dito que “o que eles estavam fazendo era prática comum na indústria do entretenimento”. Weiss foi declarado inocente.
Em 21 de novembro, Fernando Rivas, de 59 anos, compositor premiado pela série “Vila Sésamo”, foi processado por coagir uma criança a “adotar condutas sexualmente explícitas” na Carolina do Sul. O compositor, formado pelo conservatório de Juillard, também foi acusado de produção e distribuição de pornografia infantil.
Jason James Murphy, de 35 anos, registrado na base de dados de criminosos sexuais da Califórnia, trabalhou como assistente de seleção de elenco em Hollywood durante anos, até que foi revelado no jornal Los Angeles Times de 17 de novembro que no passado ele havia sequestrado e abusado de um garoto. Seu currículo inclui ter convocado jovens atores para filmes de censura livre como “Sujou... Chegaram Os Bears”, “Escola de Rock”, “Doze É Demais 2” e para o remake de “Os Três Patetas”, ainda não lançado.
Revelações desse tipo não são novidade para o ex-astro mirim Corey Feldman. 
Hoje com 40 anos, ele próprio sobrevivente de abuso sexual na infância, alertou o mundo enfaticamente em agosto deste ano sobre os pedófilos que são atraídos pela indústria do entretenimento. “Posso dizer que o problema número um de Hollywood foi e sempre vai ser a pedofilia”, disse Feldman ao noticiário Nightline da emissora ABC. “Esse é o maior problema para as crianças nessa indústria... É o grande segredo”.
Outro astro mirim do passado concorda que Hollywood tem um problema de longa data com a pedofilia. “Quando eu vi aquela entrevista, me veio à mente uma série de nomes e rostos da minha história”, disse à FOXNews.com Paul Peterson, hoje com 66 anos, ex-astro da série de comédia The Donna Reed Show, famosa nas décadas de 50 e 60, e atual presidente da organização A Minor Consideration. “Alguns deles, que eu conheço muito bem, ainda estão lá”.
“Isso vem acontecendo há muito tempo” concorda a ex-estrela de “Os Pioneiros” Alison Arngrim. “O boato corria na década de 80. As pessoas diziam, ‘Ah, os Coreys, todo mundo já pegou’. Falavam sobre isso como se não fosse nada demais”.
Arngrim, hoje com 49 anos, se referia a Feldman e seu parceiro de cena em “Os Garotos Perdidos”, Corey Haim, que morreu em março de 2010 depois de anos de abuso de drogas.
“Eu ouvi literalmente que eles eram ‘rodados’”, afirma Arngrim. “O boato era que lhes davam drogas e faziam sexo com eles. Era horrível. Esses garotos não tinham nem 18 anos. Havia todo tipo de estória sobre todo mundo, até os seus ditos ‘responsáveis’, abusando sexualmente deles e corrompendo-os de todas as formas possíveis".
Realmente, é a própria natureza da TV e do cinema que atrai predadores, afirmam os especialistas.
“Um set em Hollywood com crianças pode se tornar um atrativo para pedófilos, porque as crianças costumam ser vulneráveis e menos predispostas”, explica a psicoterapeuta de Beverly Hills Dra. Jenn Berman. “Se há uma coisa que sabemos sobre atores, psicologicamente falando, é que são pessoas que gostam de muita atenção. As crianças naturalmente gostam de muita atenção, e quando se coloca uma criança em um set de filmagem sem supervisão para receber a atenção de alguém poderoso, isso cria uma propensão para uma situação muito perigosa”.
Feldman, que relatou estar “cercado” de pedófilos quando tinha 14 anos, afirma que o abuso sexual por um “magnata hollywoodiano” anônimo levou à morte seu amigo Haim aos 38 anos. “Essa pessoa precisa ser exposta, mas infelizmente eu não posso ser quem vai fazê-lo”, disse Feldman ao Nightline.
“Há muito mais do que uma pessoa para culpar”, afirma Arngrim. “Tenho certeza que não foi uma pessoa só que abusou de Corey Haim, e tenho certeza que não era somente ele e Corey Feldman que sabiam sobre isso. Tenho certeza de que dezenas de pessoas estavam cientes da situação e preferiram ficar caladas”.
Arngrim, que também é diretora e porta-voz nacional da protect.org, uma organização que trabalha para proteger crianças de abuso físico, sexual e emocional, declara que a ganância de Hollywood permite que os predadores prosperem. “Ninguém quer parar o trem da alegria", afirma Arngrim. “Se um ator mirim for abusado sexualmente por alguém da equipe, será que a família, os agentes e os gerentes (que estão recebendo o dinheiro) vão dizer ‘Ok, vamos registrar ocorrência?’ Não, porque isso irá paralisar toda a produção, e cancelar todos os pagamentos. Ou seja, a pressão é para não dizer nada”.
“É quase um sacrifício voluntário para o qual muitos pais não atentam; em que tipo de ambiente eles acham que estão colocando seus filhos?” afirma Peterson. “O ‘teste do sofá’ é real, e às vezes uma simples entrevista leva as pessoas a tomarem medidas desesperadas”.
Arngrim, que revelou o próprio abuso sexual em sua autobiografia de 2010, Confessions of a Prairie Bitch (Confissões de uma Prostituta dos Pioneiros), explica: “Escutei vítimas de todo o país. Todos contam a mesma história, a todos mandam guardar segredo, todos são ameaçados com algo. Corey Feldman pode ter aberto uma caixa de marimbondos ao revelar sua história, mas, sim, isso ainda continua”.
Mesmo que Feldman tenha sido sincero sobre o abuso, ele não deu o nome do predador. “As pessoas não querem falar sobre isso porque temem por suas carreiras”, afirma Peterson. “Do meu ponto de vista, o que Corey fez foi muito corajoso. Seria maravilhoso se suas alegações penetrassem todas camadas de proteção e identificassem os reais envolvidos nessa rede internacional de pornografia infantil, porque ela é enorme e não respeita fronteiras, assim como não respeita a idade da criança envolvida”.
Traduzido por: Luis Gustavo Gentil 
Fonte em português: www.juliosevero.com
Anarquia sexual: o legado de Kinsey, da Dra. Judith Reisman
Anarquia sexual, de Matt Barber

2 comentários :

Anônimo disse...

Que absurdo mais isso deve não só acontecer nos EUA em hollwoody, isso infelizmente acontecer aqui no Brasil e outros países.
Tbm tem haver com a ganância e vaidade dos pais querem seus filhos sejam "artistas", são pessoas frustadas eles queriam ter sido artistas como não eles projetaram nos filhos e filhas a seguirem a carreira artística as vezes nem elas as próprias crianças mesmas NÃO queriam isso pra elas.

E as colocam em situações em perigo de sofrem abusos e assedios morais para serem expostos e acabarem sendo alvos de psicopatas pedófilos. Ester!!!!

Juan Pla disse...

Se isso afetar hollywood economicamente, a próxima campanha dos políticos será para liberar a pedofilia e defender os direitos dos pobres estupradores de crianças. O que mais me revolta é saber que os pais das vítimas consentem com essa violência.