15 de dezembro de 2011

Governo federal permitindo arsênico no suco de maçã?

Governo federal permitindo arsênico no suco de maçã?

Chuck Norris
No ano passado, comecei uma coluna sobre corpo e saúde no site do Creators Syndicate chamada “C-Force”. E não é surpresa que, durante as minhas pesquisas para a coluna, eu tenha descoberto casos reincidentes de adulteração de alimentos e bebidas por parte do governo federal. Mas arsênico no suco de maçã?
O cirurgião cardíaco Dr. Oz sofreu fortes críticas quando relatou em setembro que “algumas das marcas de suco de maçã mais famosas contêm arsênico”. Mas desde então, o Dr. Oz foi redimido e suas afirmações se confirmaram!
Após as primeiras declarações de Oz, o Dr. Richard Besser, há 13 anos no Centro de Controle e Prevenção de Doenças e editor-chefe de saúde e medicina da ABC News, escarneceu publicamente o Dr. Oz por seus avisos sobre o arsênico como “de extrema irresponsabilidade”, “alarmista” e comparado a gritar “Fogo! em uma sala de cinema”. No meio do debate público, a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA — espécie de Vigilância Sanitária) tentou defender o cartel afirmando que o consumo de suco de maçã “oferece pouco ou nenhum risco”.
Mas há poucos dias assisti ao Dr. Besser no programa “Good Morning, America”, mais humilde, voltar atrás na sua fúria contra as conclusões de Oz, afirmando em vez disso que novos estudos confirmaram que realmente o arsênico está presente em muitas marcas populares de suco de maçã.
A ABC News noticiou que a revista Consumer Reports testou 88 amostras de marcas populares de sucos de uva e maçã vendidos nos EUA, incluindo Welch’s, Minute Maid e Mott’s. Os resultados revelaram que 10% dos sucos “continham níveis totais de arsênico maiores do que os padrões de água potável da FDA (10 partes por bilhão), enquanto que 25% dos sucos também continham níveis maiores do que os limites da FDA para água engarrafada (5 ppb).
Além disso, dados sobre os níveis de arsênico na urina de adultos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças demostram que homens e mulheres que beberam suco de maçã ou uva nas últimas 24 horas tinham “um nível em média 20% maior de arsênico na urina do que os voluntários que não beberam”.
A revista noticiou ainda que o arsênico testado e detectado é inorgânico e cancerígeno. A revista esclarece o seguinte sobre os riscos do arsênico: “provas científicas coletadas sugerem que a exposição crônica ao arsênico e ao chumbo em níveis até menores do que os padrões federais para água podem resultar em sérios problemas de saúde, principalmente para crianças que sofrem exposição no útero ou na infância. Os dados da FDA e outras pesquisas revelam que o arsênico foi detectado em níveis preocupantes também em outros alimentos”. Mas quem será que quer ou precisa de arsênico, seja ele orgânico ou inorgânico, na sua água, suco ou comida? (Oz ressaltou que, embora muitos digam que o arsênico orgânico é seguro, há claras evidências de que ambas as formas são, no fim das contas, perigosas à saúde).
Tropeçando tragicamente em um enorme esquema de ocultamento, a FDA publicou oito “resultados de testes anteriormente secretos” de amostras de suco de maçã de todo o país que continham níveis de arsênico que superavam até seu próprio “nível de preocupação” para o arsênico inorgânico. Duas de oito amostras continham 27 ppb, uma continha 42 ppb, e duas outras continham 45 ppb!
O pior é que essas cinco amostras foram descobertas em 2008! E só agora tomamos conhecimento delas?  
Em detrimento nosso, a FDA possui limites para arsênico na água (incluindo engarrafada), mas não para sucos de frutas. No mínimo, a FDA não deveria permitir mais arsênico em sucos do que na água potável dos americanos! Até lá, rios de arsênico continuarão a fluir das plantações estrangeiras para dentro do sangue dos americanos. (Se quiser reclamar sobre esse caso, entre em contato com a FDA pelo site FDA.gov ou ligue 1-888-463-6632).
A Dra. Urvashi Rangan, diretora de segurança e sustentabilidade da revista Consumer Reports, fez com propriedade esta assertiva declaração: “Estamos preocupados com os riscos potenciais de exposição a essas toxinas, principalmente para crianças, que são especialmente vulneráveis devido ao seu baixo peso e à quantidade de suco que elas costumam consumir".
Com o suco de maçã envolvendo desde a dieta regular das crianças, cereais, lanchonetes e festas em datas comemorativas, precisamos investigar essa advertência sobre a nossa saúde em nível nacional e alertar nossos vizinhos. O fato é que os EUA estão consumindo cada vez mais frutas e verduras de outros países, sendo que muitos deles não eliminam ou limitam o arsênico nos seus pesticidas ou mesmo nas suas reserva de água, como fazem os americanos. Oz relatou que o sumo concentrado de maçã vem de até sete países, sendo 60% importado somente da China.
Eu concordo com Oz, Rangan e a Consumer Reports: “É melhor que os consumidores reduzam sua exposição” a esses sucos. A revista agora recomenda, até que o escândalo seja remediado, não oferecer qualquer tipo de suco a crianças com menos de 6 meses de idade, não permitir o consumo maior do que 180 ml para crianças de até seis anos e 240 a 350 ml para crianças maiores.
Esse é outro exemplo perfeito da razão pela qual os entusiastas por saúde gostam da minha esposa, Gena. Eu recomendo a todos que sempre comprem hortaliças locais e orgânicas, e se possível, faça a sua própria horta e seu próprio suco.
Então atenção, consumidores! Maçãs venenosas não são apenas coisa de contos de fadas.
Traduzido por: Luis Gustavo Gentil
Outros artigos de Chuck Norris:

Um comentário :

Anônimo disse...

Que absurdo arsênico encontrado em alimento ainda bem não gosto de suco de maça aff. Ester!!!!!