15 de novembro de 2011

Feminismo tornando impossível que as mulheres se dediquem à família

Feminismo tornando impossível que as mulheres se dediquem à família

Comentário de Julio Severo: A primeira vez que a serpente veio até a mulher, a bandeja trazia o fruto proibido. Hoje, são carreiras fora do lar, de modo que a mulher possa ser tudo, menos aquilo para o qual Deus a criou para ser:
“E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.” (Gênesis 2:18 ACF)
O artigo secular abaixo mostra que a bandeja hoje, para as mulheres, está vindo muito mais tentadora, mas não menos mortal, para elas, para seu chamado dado por Deus e para suas famílias, deixando, num plano muito bem elaborado pela ONU, o homem na posição invertida daquilo que Deus planejou.

Por que, à medida que as mulheres se destacam na escola e no mercado de trabalho, cada vez mais mulheres inteligentes estão tendo que se casar com homens com menos formação e piores condições financeiras

As mulheres estão ultrapassando os homens na formação acadêmica e no mercado de trabalho, disse ontem um ministro do governo britânico, criando uma nova geração de pais “donos de casa”.
David Willetts, Ministro das Universidades e Ciência, previu que os relacionamentos e a estrutura familiar tradicional se transformariam, com a maior igualdade de poderes entre os sexos, e que as mulheres iriam ganhar mais do que seus parceiros.
Mulheres bem sucedidas terão que se casar com homens menos qualificados do que elas, e cada vez mais, terão que escolher seus maridos com base em quão compreensivos eles serão com as carreiras delas, em vez da sua capacidade de dar suporte financeiro.
Procurando o amor: Pesquisa sugere que mulheres estão tendo mais dificuldades em achar homens de status social parecido.
E os especialistas dizem que as mulheres irão com mais frequência se tornar as provedoras, com cada vez mais homens ficando em casa para cuidar das crianças.
O Ministro Willetts afirma que há evidências claras das escolas de que os garotos estão ficando para trás, sendo ultrapassados por estudantes do sexo feminino nas universidades.
Willetts afirma: “Não sou contra as mulheres terem mais vantagens, mas agora existe uma lacuna enorme se você considerar as estatísticas, em que parece que cerca de 50% das mulheres estão se formando na universidade quando elas completam 30 anos de idade, enquanto só cerca de 40% dos homens estão se formando”.
Ele acrescenta: “Isso pode causar mudanças nos padrões de vida das famílias. Então há questões bastante profundas”.
O estudo do Pew Research Centre da Filadélfia, publicado na revista The Atlantic, sugere que as mulheres que se formam nas universidades se encontram em situação similar à que enfrentam, durante algum tempo, as mulheres negras.
Os tempos estão mudando: À medida que elas se destacam, cada vez menos conseguem encontrar o marido ideal
Nos Estados Unidos, 70% das mulheres negras são solteiras, e o número de mulheres negras com diploma universitário é o dobro do de homens negros.
Na Inglaterra, muitas mulheres acreditam que há uma escassez de maridos tradicionais.
Claire Davis, de 33 anos, que trabalha com serviços financeiros e mora no sul de Londres, disse ao jornal The Times o seguinte: “Tenho um bom emprego, meu próprio apartamento e posso fazer tudo o que quero, mas muitos dos homens com os quais me deparo não estão à altura de mim. Se eu levar em conta os meus colegas de faculdade, os homens tendem a não se sair tão bem quanto as mulheres".
De acordo as últimas estimativas, 50% das mulheres estão se formando em curso superior. Em comparação, só 40% dos homens chegam a esse nível.
Em entrevista para Dermot Murnaghan, da agência Sky News, o Ministro Wiletts disse que essa tendência pode levar a uma mudança na vida das famílias.
Willetts afirma: “Existe agora uma lacuna enorme se você considerar as estatísticas, em que parece que cerca de 50% das mulheres estão se formando na universidade quando elas completam 30 anos de idade, enquanto só cerca de 40% dos homens estão se formando.”
“É aqui que entram os sociólogos, e as pessoas refletem sobre as consequências disso, mas nós temos uma lacuna no desempenho acadêmico aqui que vai desde as escolas às universidades, e eu quero ver uma melhora nas oportunidades educacionais para homens e mulheres, porque parece que o desafio hoje na nossa sociedade é evitar que os meninos fiquem para trás”.
“Isso pode, por sua vez, inverter a diferença salarial entre homens e mulheres, pois isso tem relação com o que eu estava dizendo antes, de que em geral os mais qualificados ganham mais”.
“Isso pode levar a mudanças nos padrões de vida das famílias, então há questões bastante profundas aqui, e eu acho que são essas as questões nas quais nós, como sociedade, deveríamos focar”.
Traduzido por: Luis Gustavo Gentil
Fonte em português: www.juliosevero.com
Para informações detalhadas sobre o paganismo feminista dentro das igrejas evangélicas, adquiria o livro De Volta Ao Lar

15 comentários :

Sr. X disse...

A previsão deles está errada. Mulheres jamais aceitarão homens menos qualificados. Se aceitarem, serão infelizes ao lado deles.

Na Europa, as mulheres estão ficando cada vez mais sozinhas. Cada vez mais mulheres estão se tornando lésbicas exatamente porque não estão encontrando homens poderosos para compromisso.

A minha previsão é que, no futuro, teremos um mar de solteirões. Não por culpa dos homens, mas das mulheres.

Enquanto isso, o Islã avança...

Anônimo disse...

É a mais pura liquefação da família no mundo ocidental e principalmente nos EUA. Lá, há mtos anos, existe uma lei; q quando uma esposa ou parceira somente menciona q o cônjuge ameaçou de batê-la, ela vai a um juiz q logo determina o afastamento do homem da família mesmo antes do divórcio. Essa conduta antifamília além de afastar os homens dos relacionamentos naturais com as mulheres, tem criado um exército de boiolas e gayzistas, q depois se dizem vítimas da sociedade.
É coisa do diabo. Não há outra explicação. E as feministas vibram.

Anônimo disse...

E dessa forma, tanto homens quanto mulheres serão infelizes.

É uma pena o que está ocorrendo...

É necessário que os pais se deem conta do que está ocorrendo e preparem os seus filhos para esse mundo avassalador.

O solteiro disse...

Infelizmente, o relacionamento natural (1 homem + 1 mulher) está sendo destruído a cada dia que passa.

No caso das mulheres, algumas delas alegam que querem ter a própria independência financeira para não serem totalmente submissas aos maridos (ou dependente deles).

Para que todos daqui tenham uma idéia de como o interesse materialista-financeiro da parte de algumas mulheres está tão evidente (e, usando um tom carregado, eu diria tão escandaloso), teve uma que me disse com todas as letras: "Eu só quero um homem que esteja no mesmo nível que eu (ou mais acima), para ele poder me dar o que eu pedir! Menos do que isso eu não aceito!" Do jeito que os interesses de certas mulheres estão tão explícitos, dá a impressão de que os homens são meros objetos descartáveis...

E mesmo quando alguns homens (até os de ótima condição) procuram as mulheres para assumir um compromisso sério (como o casamento), a maioria delas foge como o diabo corre da cruz. A moda hoje é "ficar", ou seja, ter um relacionamento despretensioso (sem qualquer tipo de responsabilidade). Aliás, até já se ouviu dizer por aí que o casamento é uma instituição falida...

Como ninguém quer compromisso sério, o resultado não poderia ser outro: mais solteiros, mais homossexuais e mais lésbicas em todo o mundo. Sem contar que o índice de natalidade em alguns países caiu muito devido a isso.

Eu mesmo estou solteiro até hoje, e, pelo andar da carruagem, acho que vai ser difícil eu achar uma esposa abençoada neste mundo tão podre e tão corrompido.

Só mesmo Deus para mudar este quadro!

Marta disse...

O feminismo, a meu ver, foi um movimento para se adquirir mais escravos. Para cada homem, uma mulher. Nossa, é muito mais dinheiro rolando! Sou mulher, trabalho, e sou tremendamente infeliz por isso. Eu gostaria de estar no meu lar, cuidando de minha família, mas não posso nem pensar nisso.

Engraçado é que antigamente as famílias eram numerosas, em torno de dez filhos, e o pai conseguia sustentar e educar a todos, enquanto a mãe cuidava de todos no lar.

Coisa estranha...

marcelo disse...

Como é triste assistir a feminilização crescente que está a ocorrer no meio dos jovens do sexo masculino de todas as camadas sociais deste país.

Em todos os lugares para onde olhamos, lá estão eles com seus trejeitos supostamente femininos (um meio termo entre lá é cá), tendo a aprovação das leis e o consentimento forçado dos pais, os quais são obrigados a conviver com esse desvio de personalidade, como se fosse normal.

Para quem entende um pouquinho da vida espiritual, sabe que se trata de uma prisão espiritual terrível que leva a pessoa a viver situações vexatórias e humilhantes.
Essas afrontas à DEUS acabam por trazer amargura e aflição para essas próprias pessoas, levando-as a praticarem crimes bárbaros (cuja causa, na maioria das vezes, é ocultada pela mídia).

Pobres almas, sobre as quais virá a recompensa divina pelos seus atos deploráveis...e pobres daqueles que consentem, aprovam e aplaudem essa triste escravidão alheia.

ROBÉRIO disse...

Vejamos o que a Palavra de Deus diz sobre o homossexualismo:

Romanos 1:24–32

24 Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;
25 Pois mudaram a verdade de Deus em mentira e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, o qual é bendito eternamente. Amém.
26 Pelo que Deus os entregou às suas paixões infames. Pois até as mulheres mudaram o seu uso natural, no contrário à natureza.
27 E, semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a punição que convém ao seu erro.
28 E como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convém;
29 Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;
30 Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes a pais e mães;
31 Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;
32 Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.

A "tradução" que eu faço dos versículos do texto acima é esta (me corrijam se eu estiver errado):

24 – Deus, através dos Seus servos, chama os homossexuais ao arrependimento. Como eles não querem se arrepender, Deus os deixa entregues à própria sorte;

25 – Deixaram de crer na Bíblia (mudando-a em mentira), e passaram a ouvir homens corruptos (outros homossexuais e demais escravos do diabo);

26 – As mulheres, ao invés de terem relações naturais com os homens, preferem se relacionar entre si;

27 – Idem para os homens (preferem se relacionar com outros homens ao invés das mulheres). Será que a AIDS não seria uma das conseqüências disso?

28 – Como não se importaram em conhecer e temer a Deus, então Deus os deixou livres para fazerem o que quiserem;

29 – Cheios de todo pecado, sem nenhum sentimento de culpa;

30 – Se pudessem, viveriam num mundo totalmente sem Deus para pecarem à vontade (como em Sodoma e Gomorra);

31 – Querem sempre pecar e fazer de tudo (e usando de todos os meios) para viver eternamente no pecado, não se importando com o sofrimento alheio. Será que a pedofilia não estaria embutida aqui?

32 – Sabem que estão errados, mas, mesmo assim, não sentem nenhuma culpa ou remorso. E ainda são contra os que censuram o pecado (chamando-os de "homofóbicos"). Sem contar os que dão apoio às suas práticas (que o digam o STF, STJ, OAB, Marta Suplicy, Jean Wyllys, Toni Reis, Luiz Mott, Fátima Cleide, Iara Bernardi, Globo, Record, SBT, Band, partidos esquerdistas, pastores corruptos, evangélicos socialistas, demais ativistas e políticos pró–homossexualismo, além dos políticos da bancada evangélica que nada dizem ou fazem contra esta imoralidade)!

Será que a minha "tradução" está certa? Se alguém quiser dizer alguma coisa, o espaço está aberto para todos se manifestarem.

Anônimo disse...

Nunca aprovei o modelo familiar que vem sendo construído através de décads do movimento feminista. Concordo com quem afirmou que acabaram com o papel da mulher estabelecido por Deus. E assim fazendo, conformme mostram as pesquisas, também estão destruindo o papel do homem. Nunca foi proibido que a mulher tivesse o seu ganho. Mas devemos ver o modelo para isto através de Provérbios 31. A modernidade, criou no homem um desejo pavoroso de consumismo. Mães que abandonam o lar, os filhos, e se esvaziam como mulheres e esposas, em nome de ajudar o marido, e dar "conforto" para os filhos. Depois se sentem culpadas, e não conseguem educar as crianças, por causa de sua ausência, criando uma sociedade enfermiça, de jovens, e mais tarde adultos desquilibrados emocionalmente, sem preparo verdadeiro para enfrentar a vida. Preparo para enfrentar a vida, não é a educação formal em escolas e universidades. Isto é puro preparo profissional. Preparo para enfrentar a vida é os filhos terem pais presentes, os pais devem dar qualidade de tempo, no caso das mães, devem dar o tempo. Sirleide da Rocha.

Wellington disse...

Realmente, Sirleide, você tem razão. A modernidade criou um desejo de consumismo. Eu diria que o que vivemos hoje é um consumismo desenfreado. E mais: do jeito que muitas pessoas estão dando mais importância às próprias carreiras profissionais do que às famílias, não é de se espantar que muitas crianças de certos casais estejam crescendo sem o devido acompanhamento por parte dos pais. E essas mesmas crianças, infelizmente, estão destinadas a ser futuros jovens e adultos emocionalmente imaturos ou desajustados.

Infelizmente, o próprio sistema educacional, já corrompido pelo mal, nos impõe valores totalmente contrários aos que aprendemos na nossa família. Em outras palavras: a escola tem uma grande parcela de culpa nesse sentido. Somos ensinados a valorizar mais o "ter" do que o "ser", a cultivar o individualismo, enfim, a ser egoístas. Tanto que o apóstolo Paulo dá o diagnóstico preciso dessa decadência moral que vivemos nos dias de hoje:

"Nos últimos dias, haverá tempos críticos, difíceis de suportar; porque os homens serão amantes do dinheiro, egoístas, pretensiosos, soberbos, blasfemadores, desleais, caluniadores, ferozes, falsos, sem afeição natural, antes amantes dos prazeres do que amantes de Deus, tendo uma forma piedosa de devoção, negando-lhe, porém, o poder" (2 Timóteo 3:1–5).

Eu pergunto: o que tem acontecido com a geração atual não é a confirmação destas palavras do apóstolo Paulo?

E o "Solteiro" disse uma coisa muito certa: ninguém hoje está mais a fim de um compromisso sério (leia-se casamento). Muitas mulheres simplesmente abominam essa idéia. Teve uma que me disse sem a mínima cerimônia: "Para que eu vou passar o resto da minha vida com um homem controlando a minha vida? Eu quero ser independente, viver intensamente (sem ter que dar satisfação da minha vida a ninguém), ter a minha independência, alcançar a minha realização profissional! Casamento? Nem em sonho!"

A diminuição do número de casamentos (e também de famílias constituídas) tem trazido conseqüências graves em todo o mundo: mais homens solteiros, mais mulheres solteiras, mais gays e mais lésbicas. Mas o pior disso tudo é a queda da taxa de natalidade. Só para que todos daqui tenham uma idéia disso, a Europa está passando por um processo muito rápido de envelhecimento populacional (inclusive já há casos de alguns países europeus com um alto índice negativo de novos nascimentos). Eu pergunto: o que fazer para mudar este quadro?

E mais: o que podemos fazer para salvar o casamento (que, como o "Solteiro" disse, é considerado por muitos como uma instituição falida)?

Espero uma resposta sensata de alguém na primeira oportunide!

Trindade disse...

Olá Júlio;
E o pior é que as mulheres evangélicas estão cada vez mais caindo nesse canto da sereia, li no site do Pr. Malafaia que algumas assembleianas estão “cobrando” das lideranças o direito de serem consagradas pastoras e nos comentários várias irmãs se justificam usando bordão feminista da igualdade com os homens.
É triste mas é nossa época.

Jorge Victor disse...

No artigo não descreve o motivo que mais mulheres que homens chegam à universidade, pelo que eu saiba apesar de toda modernidade os homens por necessidade entram mais cedo no mercado de trabalho e abandonam os estudos.

Felipe disse...

O estudo e a qualificação das mulheres pode ter suas desvantagens para a sociedade, mas é um direito delas. Afinal, a liberdade é um direito do ser humano.

Julio Severo disse...

Felipe, esse "direito" é puramente artificial, sustentado apenas pela tecnologia. Se a sociedade por alguma razão (uma cataclisma nuclear, que não é uma improbabilidade) não mais puder ter a tecnologia e tiver de voltar à vida natural, as mulheres terão de voltar ao que são pela natureza.

Além disso, tem sido meta da ONU as mulheres passarem mais tempo estudando e trabalhando a fim de evitar casamento, lar e maternidade. É então um direito programado pelas grandes elites mundiais.

Se é então um "direito", por que a ONU e o governo dos EUA fazem tanto empenho para que as mulheres vivam "nele"?

Lindalva Cordeiro disse...

Leiam o livro O homem domado de Esther Vilar: https://blogdonimbrocoach.files.wordpress.com/2009/06/o-homem-domado-esther-villar.pdf

Anônimo disse...

Lindalva Cordeiro,Esther Vilar é feminista. Ela critica a mulher e enaltece o homem,mas não deixa de pensar parecido com Simone de Beauvoir. O que ela diz sobre a mulher é um discurso contra os papéis tradicionais:

"O ambiente humano permite-nos a escolha entre uma existência mais animalesca,portanto,semelhante à dos bichos, inferior – e uma superior, mais espiritual. A mulher escolhe sem hesitação, a primeira. Bem-estar do corpo, um ninho e a possibilidade de observar, sem obstáculos, as normas de criação da sua ninhada, são para ela o máximo.
Considera-se provado, que homens e mulheres nascem com as mesmas disposições
espirituais, que não há, pois, diferenças intelectuais primárias entre os dois sexos. Está,porém, igualmente provado, que todas as potencialidades que não são desenvolvidas se perdem: as mulheres não usam os seus talentos intelectuais, arruínam voluntariamente a sua capacidade de pensar e após alguns anos de um treino cerebral esporádico caem num estágio de estupidez irreversível."