2 de outubro de 2011

A revolução da coabitação: as crianças estão pagando o preço

A revolução da coabitação: as crianças estão pagando o preço

12 de setembro de 2011 (Notícias Pró-Família) — Tenho algumas notícias boas e ruins sobre a frente de batalha do casamento. Primeira, a boa notícia: De acordo com um novo estudo elaborado pelo Instituto de Valores Americanos e pelo Projeto Casamento Nacional da Universidade da Virginia, o índice de divórcio para casais casados com filhos caiu quase ao índice do início da década de 1960, quando John F. Kennedy era presidente.
Mas essa notícia não é tão boa quanto parece, pois a notícia ruim praticamente a elimina. Cada vez menos pessoas estão se incomodando de casar. O índice de coabitação — “viver junto” — está explodindo. O estudo revela que a coabitação aumentou catorze vezes mais desde 1970. Isso significa que cerca de 30 por cento das crianças nascem para casais que vivem juntos hoje. Enquanto isso, outros 20 por cento das crianças são parte de um domicílio onde houve coabitação em algum ponto de seus anos de crescimento.
Isso significa que aproximadamente metade de todas as crianças americanas viveu num lar em que os adultos estão meramente vivendo juntos em vez de casados.
Os que hoje defendem uma “moderna estrutura de família” nos dirão que isso não é nada importante, que se dá importância exagerada a um anel de casamento no dedo. As crianças, dizem, acabarão bem de ambos os jeitos. Pois bem, o fato é que um casamento intacto coloca as crianças à frente de crianças em outros tipos de domicílio. Rich Lowry, editor do National Review, que rotula a atual tendência de uma “revolução de coabitação”, comenta: “Crianças de domicílios onde há coabitação tendem a ficar para trás em relação às crianças em famílias de casamento intacto em indicadores sociais cruciais e não têm uma situação econômica muito melhor do que a situação de filhos de mães solteiras”.
As pessoas que são parte de domicílios onde há coabitação, de acordo com o estudo, relatam “mais conflito, mais violência e níveis mais baixos de satisfação e fidelidade”. Crianças em tais situações enfrentam reais riscos emocionais e físicos.
Jennifer Roback Morse da Organização Nacional em Defesa do Casamento relata que crianças que vivem com sua mãe e o namorado dela têm uma probabilidade 33 vezes maior de serem abusadas do que aquelas que vivem com seus pais biológicos. Além disso, crianças em domicílios onde há adultos sem parentesco com elas têm uma probabilidade 50 vezes maior de morrerem de ferimentos provocados, em comparação com crianças que vivem com ambos os pais biológicos.
Apesar de todos os problemas bastante relatados do casamento nestes dias, os relacionamentos de coabitação são frequentemente menos estáveis também. Lowry diz que os casais amigados que têm um filho têm probabilidade dobrada de se separarem se se casarem. Essa é uma diferença imensa.
Lowry diz: “O que se vê é que as crianças se beneficiam da estrutura, rituais e identidade que vêm com um casamento permanente entre seus pais. E o próprio ato de ser fiel às normas do casamento torna os adultos melhores parceiros conjugais e pais”.
Então, por que é que o casamento é mantido em tão baixa consideração hoje, ao ponto em que algumas pessoas estão dispostas a sacrificar seus filhos no altar da conveniência? Pois bem, uma das razões poderia ser que ninguém está vendo como é que se parece um bom casamento. A defesa do casamento envolve mais do que só falatório. Será que nós cristãos estamos tendo o compromisso de mostrar aos nossos vizinhos o amor, a fidelidade e a alegria que devem acompanhar um casamento fundado em Deus e Seu plano para o florescimento humano?
Além disso, quando foi a última vez que você ouviu seu pastor fazer uma pregação sobre os perigos da coabitação? A sua igreja está fazendo tudo o que pode para preparar os jovens casais para o casamento e ajudar os casamentos que estão em dificuldades?
Se não, então toda a nossa defesa da importância do casamento provavelmente não terá a atenção de ninguém. E as crianças de nossa nação é que sairão perdendo.
Publicado com a permissão de Breakpoint.org
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Nenhum comentário :