26 de agosto de 2011

Os Estados Unidos precisam de um conservador mais forte do que Rick Perry


Os Estados Unidos precisam de um conservador mais forte do que Rick Perry

Julio Severo
Nas raízes dos EUA, está um conservadorismo sólido. Seus fundadores foram os Peregrinos: evangélicos com fortes valores morais e bíblicos.
Entretanto, hoje os EUA têm em sua presidência um homem que é uma inversão dos valores originais dos EUA. O que não é de surpreender então são os potentes problemas morais, espirituais e financeiros em que estão os EUA.
Apesar de sua profunda crise financeira, os EUA sob Barack Obama estão determinados a continuar investindo no aborto, não só nos EUA, mas também no mundo inteiro. Tem havido pouca proteção para a sociedade americana contra a presente crise, que tem atingido duramente as famílias americanas. Mas os investimentos de aborto estão sob a poderosa proteção do governo dos EUA. Matar bebês em gestação é prioridade absoluta da política americana.
NSSM 200, um documento confidencial de controle populacional elaborado pela Casa Branca em 1974 (acessível ao público em 1989), deu aos EUA um papel central e secreto de promover o aborto e a contracepção no mundo inteiro. Nenhuma nação na terra, nem mesmo a União Soviética, tem lutado tanto contra os bebês em gestação no mundo inteiro quanto os EUA.
Qualquer que tenha sido seu chamado durante sua fundação, envolvendo cristãos sólidos como os Peregrinos, desde o NSSM 200 os EUA adquiriram outro chamado: fazer a contracepção e a matança de bebês em gestação no mundo inteiro tão normal quanto o arroz e feijão.
Está funcionando. Décadas após o NSSM 200, a União Soviética caiu, mas o imperialismo do aborto vem avançando, independente de crises e oposição, com incrível proteção e ímpeto dos EUA.
Talvez haja também algum NSSM 200 pró-sodomia secreto, pois nenhuma nação na terra tem promovido a sodomia no mundo todo mais do que os EUA. A sodomia é prioridade absoluta na política americana. Nenhuma crise impede os EUA de serem fiéis ao seu chamado imundo — um chamado que teria angustiado os Peregrinos. Se eles tivessem visto de antemão os EUA no futuro, eles poderiam simplesmente ter mudado de ideia e voltado para a Inglaterra.
Obama não é um presidente que “mudou” os EUA. Totalmente fiel aos valores da sodomia e matança de bebês em gestação, ele vem mantendo os EUA nos trilhos do NSSM 200.
Os EUA estão investindo bilhões na propagação do aborto e da sodomia — em sua própria sociedade e no mundo inteiro. Nenhuma crise, seja financeira ou de outras espécies, os desvia de seu chamado imundo.
Para aqueles que concordam com os Peregrinos, os EUA precisam de um presidente tão forte em justiça quanto Obama é forte na perversidade.
Em minha opinião, Rick Perry não tem condições de preencher esse papel. Ele apoiou Al Gore no passado. Ele sancionou uma lei anti-“homofobia” no Texas. E ele decretou vacinação compulsória da Gardasil nas meninas de escola. Gardasil foi criada para combater o HPV, uma doença comum em indivíduos sexualmente promíscuos. Portanto, Perry tratou todas as meninas do Texas como potencialmente promíscuas, não dando a seus pais nenhuma escolha de evitar essa decisão tirânica feita sob o pretexto de saúde. Essa atitude foi digna de um esquerdista.
Oh, alguns poderiam dizer que Perry é agora um homem “mudado”. Postei em meu blog algumas de suas recentes iniciativas antiaborto. Mas no Brasil, quando um candidato faz muitas coisas “boas” em época eleitoral, seu interesse é conquistar eleitores.
Contudo, o real conservadorismo dele se revelou quando o Estado de Nova Iorque aprovou o “casamento” de mesmo sexo. Perry disse: “Para eles isso é excelente”.
Não, não é excelente para ninguém se outro estado ou nação aprova o aborto, a sodomia ou outros males. Se um país os escolhe, é ruim e tem de ser publicamente condenado. Tal é a atitude apropriada de um conservador de verdade. E, como cristãos, se não conseguimos levar pessoas para Cristo por causa da recusa dura delas, pelo menos somos chamados a avisá-las acerca dos caminhos destrutivos que ameaçam suas vidas e famílias.
Se alguns políticos derem um jeito de aprovar o “casamento” de mesmo sexo no Texas, seria “excelente” para Perry? Se a resposta for afirmativa, como presidente seria simplesmente ruim se ele visse isso como “excelente”.
As políticas de aborto e sodomia dos EUA, as quais têm acarretado devastação ao redor do mundo, são promovidas por presidentes americanos de enorme fibra imoral, especialmente Obama. Fazer frente a tais ataques massivos contra as famílias, nações e sua soberania moral requer homens de enorme fibra moral.
Não sei o que os EUA podem fazer para acabar com o lamaçal de sodomia e matança de crianças no qual enfiaram a si mesmos e o mundo. Mas certamente precisam de um conservador mais forte do que Rick Perry.

Um comentário :

Anônimo disse...

Ron Paul seria a melhor solução