7 de agosto de 2011

Nunca pare de defender o casamento hoje

Nunca pare de defender o casamento hoje

Chuck Colson
25 de julho de 2011 (Breakpoint.org/Notícias Pró-Família) — É hora do “campo de batalha a favor do casamento” mudar para liberdade religiosa? Essa é a pergunta que um recente artigo da revista Christianity Today* está propondo depois que o Estado de Nova Iorque aprovou o “casamento” de mesmo sexo. De acordo com Douglas Laycock, professor de direito na Universidade de Virginia, a resposta é “Sim”. Ele diz: “Os conservadores religiosos que defendem o casamento tradicional precisam mudar seu foco para lutar em favor da liberdade religiosa”.
O motivo disso é que Laycock e, lamentavelmente, muitos outros acreditam, de forma errônea, na inevitabilidade do “casamento” de mesmo sexo. Eles acham que o melhor que os cristãos podem fazer é assegurar que as leis de “casamento” gay pelo menos forneçam um pouquinho de proteção para as liberdades daqueles de nós que acreditamos no casamento tradicional.
Sim, o tão chamado “casamento” de mesmo sexo representa uma grave ameaça à liberdade religiosa. Estão ocorrendo casos em que fotógrafos e outros foram processados por se recusarem a participar de cerimônias de “casamento” de mesmo sexo. Entidades católicas que cuidam de órfãos estão sendo fechadas porque só entregam crianças em adoção para uma mãe e pai que são casados. Não se engane: proteger a liberdade religiosa é uma prioridade importante.
Mas é exatamente por isso que abandonar a batalha pelo casamento tradicional é tolice e perigoso. Meu colega Robert George, que é professor na Universidade de Princeton, resume isso de modo perfeito: “Se você perguntar”, disse ele, “‘O que se pode fazer para avançar, na nação inteira, a proteção à liberdade religiosa?’ a resposta é esta: Ganhar a luta para preservar a definição legal do casamento como a união conjugal de marido e esposa. Ponto final”.
Lembre-se: O que o Estado dá, o Estado pode também arrancar. A proteção à liberdade religiosa no projeto de lei de Nova Iorque, por exemplo, tinha uma redação fraca e vaga. O que ela protegerá? Quem ela protegerá? Por quanto tempo? Não podemos dizer nessa altura, e logo que a questão chegar aos tribunais — e chegará aí — fica ainda mais difícil predizer.
Segundo, mudar o debate para a liberdade religiosa tira o centro das atenções da importância do casamento. Como Tom Messner da Fundação Heritage disse para o National Review: “O debate do casamento é em primeiro lugar um debate sobre o sentido e propósito público do casamento, não um debate sobre liberdade religiosa… Mesmo que o casamento de mesmo sexo não representasse nenhuma ameaça à liberdade religiosa, as razões fundamentais para se apoiar o casamento como um homem e uma mulher permanecem de igual modo imprescindíveis e precisam ser lidadas”. Exatamente.
Terceiro, conforme aponta Messner, o casamento de mesmo sexo não é inevitável. “Aproximadamente 30 estados”, diz ele, “têm protegido o casamento em suas constituições estaduais. Aproximadamente 40 estados têm protegido o casamento em seus estatutos”. E em Maine, depois que a Assembleia Legislativa aprovou o “casamento” de mesmo sexo, os eleitores derrubaram a lei. E embora a elite dos meios de comunicação não queira que você saiba, de acordo com uma recente pesquisa de opinião pública do Fundo de Defesa Aliança, a maioria dos americanos quer reservar o casamento para um homem e uma mulher.
Desistir da luta pelo casamento agora depois de alguns reveses é loucura. O debate sobre casamento nos Estados Unidos não terminou. Agora, mais do que nunca, os cristãos precisam se equipar para defender o casamento e viver na prática a verdade sobre casamento, sexo e família em nossas próprias vidas.
Essa não é tempo para derrotismo ou batida em retirada, mas para ação.
Publicado com a permissão de Breakpoint.org
* Nota do Tradutor: Christianity Today é a mãe da revista em português Cristianismo Hoje.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Artigos relacionados no Blog Julio Severo:

3 comentários :

Edigar Caiires disse...

Não se ganha uma guerra cedendo espaços para o inimigo, os verdadeiros Cristãos tem de lutar pelo casamento como instituido pelo própio DEUS através de sua palavra, mesmo porque o lar estruturado nas Sagradas Escrituras é o único lugar hoje que é capaz de formar um cidadão.
Nâo estou falando em alfabetização e sim em caratér, vergonha na cara, moral, pudor, descência, as pessoas tem sim de adquirir cultura secular, mas sem abadonar os principios de DEUS, e se falando de principios o lar é o único meio para alcançá-los.

Não é a toa que o maldito governo do Brasil aliado com a midia vem cada vez mais tentando destruir e deturpar a familia, gerando aberações de relacionamentos como vemos hoje.

Parabéns irmão pela sua disposição em defender a única e verdadeira instituição que pode moldar o verdadeiro caratér no ser humano, que é a familia como instituida e defendida por DEUS em sua palavra.

E abrir mãos de principios em troca de direito é jogada dos filhos do diabo e não dos de DEUS. Mesmo porque já está comentado no texto que leis feitas por esta corja de politicos podem ser alteradas segundo os interesses deles, já a palavra de DEUS, esta permanece eternamente.

Fique na paz e que DEUS o fortaleça cada vez mais

Anônimo disse...

concordo plenamente com a necessidade de defender o casamento tradicional.O problema dos relativistas e o pessoal da desconstrução é acreditar que tudo é arbitrário e sem sentido, artificial.Por isso dizem que tudo na cultura é simplesmente construído, como se não houvesse nenhuma razão de ser.O casamento representa uma regulamentação mínima da família, que garante, mesmo que os participantes desta família não colaborem, certa organização para toda família.

Por exemplo, o casamento tradicional conserva um dos pilares da espécie humana que é a união entre homem e mulher.Também afirma a responsabilidade destes para com seus filhos.A equiparação do casamento com a aglomeração gay é desintegrar o sentido e a força do primeiro.É uma forma de desarticular o apoio mútuo que o casamento forma, já que o segundo, a aglomeração gay, não consegue em sua própria base.Isso não é apenas por gays serem pecadores, mas por que gays não podem formar culturas famíliares, ou seja, não existem culturas longas de famílias gays, isso por que gays não dão origem a uma nova geração que venha a carregar a tradição da família anterior.

Desta forma, a cultura da família gay tem duração de uma geração, e sempre recomeça como as primeiras famílias da raça humana, extremamente primitivas e cheias defeitos, talvez essa cultura seja em parte, aquilo que a bíblia quer nos levar a ver quando diz que esse tipo de união é pecado.É pecado, pelo menos em parte, por destruir o homem em uma de suas bases, que é a família.

Reginaldo Nunes disse...

Graça e Paz,

Sem querer ser pessimista, mas sim realista considerando a palavra de Deus e a história. Creio que é um caminho sem volta a aprovação de tais leis e aceitação das mesmas por parte da maioria. Pois a palavra afirma que coisas terríveis viriam e a história nos conta que leis antes repudiadas hoje são aceitas até mesmo pelo povo de Deus, gostaria de lembrar que na chegada da lei do divórcio falou-se muito e hoje isso é aceito de forma assustadora pelo povo de Deus, o estado brasileiro em sua constituição defendia o casamento tradicional e progressivamente foi se moldando a vontade do povo. No meio do povo de Deus divórcio virou amém e com consentimento da “igreja”. As portas para o casamento de pessoas do mesmo sexo foram abertas na década de 70 com a aprovação do divórcio. Hoje até se fala que divórcio é errado nas igrejas, mas... Então ao meu ver é bem provável que o mesmo aconteça com esse novo tipo de união. A nós fica o conselho bíblico:

Judas 01:
17 Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo;
18 os quais vos diziam: Nos últimos tempos haverá escarnecedores, andando segundo as suas ímpias concupiscências.
19 Estes são os que causam divisões; são sensuais, e não têm o Espírito.
20 Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo,
21 conservai-vos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
22 E apiedai-vos de alguns que estão na dúvida,
23 e salvai-os, arrebatando-os do fogo; e de outros tende misericórdia com temor, aborrecendo até a túnica manchada pela carne.
24 Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos ante a sua glória imaculados e jubilosos,
25 ao único Deus, nosso Salvador, por Jesus Cristo nosso Senhor, glória, majestade, domínio e poder, antes de todos os séculos, e agora, e para todo o sempre. Amém.