5 de agosto de 2011

AIDS e controle populacional: aumentando os riscos para as mulheres

AIDS e controle populacional: aumentando os riscos para as mulheres

Trinta anos depois que o Centro de Controle de Doenças (CCD) registrou o primeiro caso nos EUA de Síndrome de Deficiência Imunológica Adquirida (AIDS), a doença continua a estender seu manto da morte no mundo inteiro. Isso, apesar dos bilhões de dólares que são investidos no desenvolvimento de vacinas, em terapias antirretrovirais e na distribuição de camisinhas e esquemas de educação sexual.
Mas há uma tendência estranha e perturbadora agora evidente nos novos casos de HIV/AIDS sendo registrados, e tem a ver com as mulheres em idade reprodutiva.
De acordo com o relatório mais recente do Programa Conjunto da ONU sobre HIV/AIDS, publicado em 2009, cerca de 50% de todas as novas infecções do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV)-1 em todo o mundo agora ocorrem em mulheres em idade reprodutiva. Apenas uma década antes, em 1998, apenas 36% dos casos registrados tinham a ver com mulheres de todas as idades. Por que esse vasto aumento? Por que, quando o tratamento do HIV se tornou mais acessível e os números totais de mortes foi aos poucos diminuindo, mais e mais mulheres estão sendo infectadas? E por que esse aumento está concentrado em mulheres em seus anos em que elas têm a capacidade de engravidar?
A relação sexual heterossexual é o ponto de transmissão para a maioria dessas mulheres recentemente infectadas. Nada de surpresa aqui. Mas o sexo não é só sexo nestes dias. Campanhas de controle populacional alimentadas por imensos financiamentos estão promovendo, e até impondo, poderosas drogas contraceptivas a base de esteroides em dezenas de milhões de mulheres dos países do terceiro mundo. O que eles apregoam como “maior acesso global aos métodos de planejamento familiar” deu na realidade ao vírus HIV maior acesso aos corpos das mulheres alterando as imunidades locais e sistêmicas das mulheres, as reações cervico-vaginais e a flora de proteção vaginal — tudo em direções que tornam a infecção mais provável.
As estatísticas coletadas durante os 20 anos passados revelam um paralelo entre um aumento em uso de drogas contraceptivas e um aumento na infecção do HIV-1 em mulheres. Vários estudos epidemiológicos durante o mesmo período de tempo também parecem demonstrar uma ligação. Esses estudos foram conduzidos com vários grupos de mulheres, desde mães casadas a adolescentes que eram mães solteiras até “trabalhadoras do sexo”, e foram realizados, na maior parte, entre as populações de usuárias de clínicas de planejamento familiar na África. Uma ligação entre o uso de drogas contraceptivas e a infecção e progressão da doença HIV-1 pareceram evidentes, embora a maior parte dos estudos — qualquer que fosse a razão — não tivesse conseguido tirar nenhuma conclusão coerente ou forte sobre a ligação. E nenhum deles indicou que os programas de planejamento familiar deveriam ser modificados ou reduzidos como consequência.
Uma meta-análise de 28 estudos em 1999 indicou uma associação óbvia entre contraceptivos orais e a incidência do HIV-1. Contudo, um estudo posterior, realizado em 2006, afirmou que não havia nenhum risco geral de se adquirir o HIV-1 como consequência do uso de tal droga. Tais resultados discrepantes permitem que os promotores dos programas de controle populacional continuem a se apoiar em tais drogas contraceptivas, alegando que “a ciência ainda não esclareceu [o assunto]”. Muitas das organizações envolvidas em tais programas relutam, por razões óbvias, em oferecer clareza para as mulheres acerca da correlação entre o uso contraceptivo e a prevalência da doença HIV-1 em mulheres. Aliás, vários estudos quase parecem designados para obscurecer deliberadamente esse fato.
Evidências adicionais de tal ligação vêm de outros estudos que conclusivamente demonstram que o uso de contraceptivos hormonais tem associação categórica com um risco maior de várias outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) tais como a clamídia.
Então, por que os estudos envolvendo a transmissão do HIV-1 são tão inconclusivos? As razões incluem controles insatisfatórios sobre fatores variáveis tais como diferenças de idade e estilos de vida sexual, avaliações infrequentes, falta de acompanhamento e métodos amplamente diferentes de disponibilização de contraceptivos. Tentativas de interpretar dados comparativos são difíceis, e algumas das compilações estatísticas e alguns dos esforços de meta-análise pareciam designados a servir às políticas de controle populacional.
Há outras lacunas também. Poucos estudos consideram os diferentes efeitos do estrógeno e progesterona — e seus equivalentes sintéticos a base de esteroides — na estrutura e imunidade vaginal e cervical. Os estudos que foram feitos comparam, em termos gerais, o uso de “contraceptivos hormonais” à infecção e progressão do HIV-1 numa ampla variedade de meios de disponibilização — oral, injetável, intrauterino, etc. — que são amontoados juntos sob um único título genérico de “contraceptivos hormonais”. O mais comum de tal mistura, as pílulas anticoncepcionais orais combinadas (AOCs), consiste tanto de agentes hormonais (combinações semelhantes ao estrógeno) e agentes esteroides (progestina) que cooperam para impedir a ovulação, tomadas diariamente como a “pílula”.
Outras formas de disponibilização contraceptiva incluem os métodos que contêm somente progesterona, tais como os injetáveis de dosagem elevada Depo-Provera (DMPA) e Noristerat, pílulas de dosagens moderadas, implantes subdermais de dosagem baixa e dispositivos intrauterinos com progesterona. Essas formas esteroides de impedir a gravidez afetam o sistema reprodutivo das mulheres de um modo um pouco diferente do que seus equivalentes semelhantes aos estrógenos. Em regimes de disponibilização de baixa dosagem, as progestinas causam um engrossamento do muco do colo do útero que impossibilita a viabilidade e penetração do esperma. Em disponibilizações de dosagem elevada, as mudanças cervico-vaginais também ocorrem: o desenvolvimento folicular é detido junto com a ovulação e o endométrio fica fino. Os efeitos do uso somente de progesterona são claros: eles causam um grande peso na estrutura e flora protetiva cervico-vaginal das mulheres, reduzindo a capacidade da mulher de evitar infecções. Já em 1991 foram observadas que as mudanças anormais na condição do colo do útero estavam fortemente ligadas a uma suscetibilidade aumentada da infecção do HIV/AIDS.
A cadeia de raciocínio é direta: As mulheres que tomam contraceptivos hormonais e esteroides a base de drogas estão em risco maior de ISTs. O HIV/AIDS é uma IST. Portanto, as mulheres que tomam poderosos esteroides a base de drogas chamados “contraceptivos hormonais” estão em risco maior de contrair o vírus HIV.
É hora dos pesquisadores e dos responsáveis por políticas públicas enfrentarem esses fatos de forma responsável, por amor às mulheres.
A Dra. Jennifer Kimball é a diretora executiva da Fundação Cultura da Vida. Steven W. Mosher é o presidente do Instituto de Pesquisa Populacional e autor do livro “Population Control: Real Costs and Illusory Benefits” (Controle Populacional: Custos Reais e Benefícios Ilusórios).
Artigo relacionado:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Artigo relacionado no Blog Julio Severo:

2 comentários :

Anônimo disse...

O diabo fez até Evas virarem Adãos.

Os movimentos feministas tiveram o sucesso demoníaco de iludir as mulheres para se comportarem como homens. A liberalidade sexual graça em quase todos os países. Padrões de moralidade e sexo somente no casamento são rotulados como antiquados e combatidos com rigor. A mão de Deus continuará pesando sobre elas, até que se voltem para o Criador.

Felipe(soldado de cristo) disse...

Ai está o que as mulheres ganharam com o feminismo e a revolução sexual...