25 de julho de 2011

Terrorista se proclamava como darwinista, não cristão

Terrorista se proclamava como darwinista, não cristão

Manifesto de norueguês mostra Breivik como não religioso e não tendo nenhuma fé pessoal

WASHINGTON, EUA — Uma análise do manifesto de 1.500 páginas de Anders Behring Breivik mostra que a atitude dos meios de comunicação de apressadamente caracterizar o terrorista norueguês como “cristão” pode ser incorreta do mesmo jeito que foi incorreto chamar Timothy McVeigh, o terrorista do ataque a bomba na Cidade de Oklahoma, de cristão.
Anders Behring Breivik
Breivik foi preso no final de semana, acusado de dois ataques brutais em Oslo, Noruega, e nas redondezas dessa cidade, inclusive uma explosão na capital que matou 7 pessoas e uma orgia de tiros num retiro político de jovens na ilha de Utoya que matou mais de 80 vítimas.
Juntando os pedaços das várias postagens de Breivik na internet, muitas reportagens dos meios de comunicação caracterizaram o terrorista — que diz que estava transtornado com as políticas multiculturalistas impulsionadas pelo Partido Trabalhista da Noruega — como “extremista de direita e cristão fundamentalista”.
Entretanto, embora McVeigh tivesse rejeitado Deus completamente, Breivik escreve em seu manifesto que ele não é religioso, tem dúvidas acerca da existência de Deus, não ora, mas afirma a supremacia da “cultura cristã” da Europa bem como sua própria cultura nórdica pagã.
Por outro lado, Breivik louva Charles Darwin, cujas teorias da evolução se opõem às afirmações da Bíblia, e afirma: “Quanto à Igreja e à ciência, é essencial que a ciência tenha uma prioridade indiscutível sobre os ensinos da Bíblia. A Europa sempre foi o berço da ciência, e deve sempre prosseguir desse jeito. Com relação ao meu relacionamento pessoal com Deus, imagino que não sou um homem excessivamente religioso. Sou em primeiro lugar um homem de lógica. Contudo, apoio uma Europa cristã monocultural”.
O terrorista de forma franca também confessa que não encontra apoio, nem nas igrejas protestantes nem católicas, para suas ideias violentas.
“Tenho a confiança de que a futura liderança de uma hegemonia conservadora cultural na Europa garantirá que a atual liderança eclesiástica seja substituída e os sistemas sejam de certo modo reformados”, escreve ele. “Temos de ter uma liderança eclesiástica que apoie uma futura cruzada com a intenção de libertar os Bálcãs, a Anatólia e criar três estados cristãos no Oriente Médio. São necessárias inciativas para facilitar a desconstrução das igrejas protestantes, cujos membros devem se converter de volta ao catolicismo. As igrejas protestantes tiveram um papel importante em outros tempos, mas suas metas originais já foram alcançadas e contribuíram para reformar a Igreja Católica também. A Europa tem de ter uma Igreja unida liderada por um papa justo e não suicida que tenha disposição de lutar pela segurança de seus súditos, principalmente com relação às atrocidades islâmicas”.
Embora Breivik tenha dito que se considera “100 por cento cristão”, ele também expressa orgulho em suas raízes genealógicas.
“Tenho orgulho de minha herança Viking”, escreve ele. “Meu nome, Breivik, é o nome de uma localidade do Norte da Noruega, e dá para datá-lo até mesmo antes da era Viking. Behring é um nome germânico de antes da era cristã, o qual é derivado de Behr, a palavra germânica que significa Urso (ou ‘aqueles que são protegidos pelo urso’)”.
E embora ele tivesse se caraterizado como “cristão” e “protestante”, Breivik disse que apoia “uma reforma do protestantismo que o leve a ser absorvido pelo catolicismo”.
De forma semelhante, as reportagens dos meios de comunicação caracterizavam McVeigh como um “cristão”, embora ele tivesse de forma categórica negado toda e qualquer convicção e crença religiosa — colocando sua fé na ciência.
Breivik acrescenta: “Fui de moderadamente agnóstico para moderadamente religioso”.
Numa seção de perguntas e respostas de seu manifesto, Breivik se pergunta: “Quais deveriam ser nossos objetivos civilizacionais? Como você imagina uma Europa perfeita?”
Sua resposta dificilmente se parece com a resposta de um “utópico cristão”: “O pensamento ‘lógico’ e racional (certo grau de darwinismo nacional) tem de ser a base fundamental de nossas sociedades. Apoio a propagação do pensamento racional coletivo, mas não necessariamente num nível pessoal”.
O manifesto de Breivik nunca menciona adoração e estudo religioso como parte da rotina dele para se preparar para sua missão de assassinatos em massa. Ao discutir seus preparativos para o ataque, ele escreve: “Tem sido um processo de longo prazo desde que decidi pela primeira vez que eu queria contribuir. Mas não é como se eu tivesse estado isolado há anos. Tenho vivido uma vida quase normal até agora. Ainda tenho um relacionamento íntimo com meus amigos e família, não tão estreito quanto costumava ser. Quanto à minha situação atual, venho trabalhando num livro agora por quase dois anos. É essencial que você se recompense e goze a vida nesse período. Você pode fazer coisas que normalmente você não faria. Você pode basicamente viver uma vida normal se escolher; você tem de ter cuidado extra. Venho praticando certos rituais e meditação para fortalecer minhas crenças e convicções. Para mim, o ritual mais comum é dar uma longa caminhada escutando minha música favorita no meu iPod”.
Breivik também aponta para o fato de que sua ligação com os valores culturais cristãos tem como base a conveniência política, não a fé ou um compromisso religioso.
“Minha escolha não tem nada a ver com o fato de que não tenho orgulho de minhas próprias tradições e herança”, explica ele. “Minha escolha foi baseada puramente no pragmatismo. Todos os europeus estão neste barco juntos. Portanto, temos de escolher uma plataforma mais moderada que possa apelar para um número maior de europeus — preferivelmente até 50 por cento (realisticamente até 35 por cento)”.
Breivik também afirma ser membro da maçonaria, que muitos cristãos consideram como uma organização religiosa esotérica.
Mais especificamente, ele se chama de juiz dos Templários e explica o que isso significa na medida do possível como crença no Cristianismo:
“Considerando que essa é uma guerra cultural, nossa definição de ser cristão não necessariamente significa que você é obrigado a ter um relacionamento pessoal com Deus ou Jesus”, escreve ele. “Ser cristão significa muitas coisas; que você crê e quer proteger a herança cultural cristã da Europa. A herança cultural europeia, nossas normas (inclusive códigos morais e estruturas sociais), nossas tradições e nossos modernos sistemas políticos são baseados no Cristianismo — protestantismo, catolicismo, cristianismo ortodoxo e o legado do iluminismo europeu (a razão é a principal fonte e legitimidade para a autoridade). Você não é obrigado a ter um relacionamento pessoal com Deus ou Jesus a fim de lutar por nossa herança cultural cristã e os costumes europeus. De muitas formas, nossas modernas sociedades e secularismo europeu são consequência da Cristandade europeia e do iluminismo. Portanto, é essencial entender a diferença entre uma ‘teocracia fundamentalista cristã’ (tudo o que não queremos) e uma sociedade europeia secular baseada em nossa herança cultural cristã (o que queremos). Por isso, não, você não precisa ter um relacionamento pessoal com Deus ou Jesus para lutar por nossa herança cultural cristã. Basta que você seja um agnóstico cristão ou ateu cristão (um ateu que quer preservar pelo menos os fundamentos do legado cultural cristão da Europa (feriados cristãos, Natal e Páscoa). Por isso, os PCCTS, os Cavaleiros Templários não são uma organização religiosa, mas em vez disso uma ordem militar ‘culturalista’ cristã”.
De modo bastante repetitivo, Breivik faz tudo o que pode para deixar claro para os leitores de seu manifesto que ele não é motivado pela fé cristã.
“Não vou fingir que sou um homem muito religioso, já que isso seria uma mentira”, diz ele. “Sempre fui muito pragmático e influenciado por meu ambiente secular. No passado, lembro-me de que costumava pensar: ‘A religião é uma muleta para as pessoas fracas. De que vale crer num poder mais elevado se tenho confiança em mim mesmo!? É de dar pena’. Talvez isso seja verdade em muitos casos. A religião é uma muleta para muitas pessoas fracas, e muitas abraçam a religião por razões egoístas como uma fonte de onde extrair força mental (para alimentar sua fraca condição emocional, por exemplo, durante uma enfermidade, morte, pobreza, etc.). Já que não sou hipócrita, direi diretamente que essa é a minha agenda também. No entanto, não senti ainda a necessidade de pedir força a Deus, ainda”.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Mais informações sobre Charles Darwin, cujas teorias inspiraram o terrorista norueguês:

6 comentários:

Luis disse...

Prezado Julio Severo desde o inicio que vi as notícias sobre esse atendado colocando ele como cristão, sinto cheiro de armação no ar, você já viu a primeira, mas acho que tem mais, o cara se declarou inocente do atentado, creio que há uma ação no mundo para perseguir cristãos, que eles dizem "fundamentalistas", para isso eles precisam fazer a opinião pública crer que somos perigosos.

Anônimo disse...

Os anticristãos estão comemorando que ele inicialmente aparentava ser cristão, comemorando para dizer que somos violentos da maneira que eles querem que sejamos. Infelizmente, a esquerda e os antirreligiosos não vão conseguir isso, nem agora e nem nunca. Se um cristão cometer um ato de violência, ele estará indo contra as condutas do cristianismo, não tem discussão, podem vender a vontade a imagem de "fundamentalismo cristão".

Anônimo disse...

Para mim esse trágico acontecimento só diz uma coisa, infelizmente:

A Noruega é a primeiro país a cair diante dos inimigos do Ocidente.

Renato

Guilherme disse...

O mais impressionante nisso tudo é: quando um terrorista islâmico (se) explode num atentado, a mídia toda toma o máximo de cuidado em omitir o fato dele ser muçulmano. Agora, quando alguém não aparenta ser muçulmano, TODA a mídia quer mostrar essa pessoa como sendo cristão.

Cristão nenhum faz atentado terrorista, aprendam isso de uma vez!

Anônimo disse...

Guilherme, os mesmos argumentos os esquerdistas e os muçulmanos usam para tentar desvincular o Islã do terrorismo islâmico, porém desvincular Behring do pensamento conservador e do cristianismo, para os esquerdista não interessa.

Anônimo disse...

Porra...dá pra entender? Um ateu ser cristão somente para garantir a presença de feriádos religiosos? Não sendo necessário um relacionamento íntimo com Deus e Jesus? Tá loco meu?! Sic!