21 de julho de 2011

Presidenta da organização Liberte as Crianças é uma importante ativista pró-homossexualismo

Presidenta da organização Liberte as Crianças é uma importante ativista pró-homossexualismo

TORONTO, Ontário, Canadá, 7 de julho de 2011 (Notícias Pró-Família) — Depois que LifeSiteNews revelou que Craig Kielburger, famoso ativista dos direitos das crianças, e sua organização Free the Children (Liberte as Crianças) vêm promovendo o aborto nos países do terceiro mundo, a organização de assistência diz que o artigo criou uma “percepção inexata” do trabalho deles.
Ao mesmo tempo, LifeSiteNews ficou sabendo que Michelle Douglas, presidenta da junta diretora de Liberte as Crianças, que é promovida por muitas escolas católicas do Canadá, foi pioneira no movimento de “direitos” para os homossexuais no Canadá.
Michelle lançou o caso judicial que levou as forças armadas do Canadá a invalidar suas normas que proibiam homossexuais assumidos em 1992. Mais tarde, ela fundou a Fundação para Famílias Iguais para fazer campanhas de pressão política em favor do “casamento” de mesmo sexo, e atuou como presidenta do Centro Comunitário na Rua Church, 519, um centro de atividades LGBT na comunidade homossexual de Toronto.
Em 5 de julho, LifeSiteNews revelou que Liberte as Crianças havia assumido uma postura direta a favor do aborto durante os preparativos das reuniões do G8 e G20 em 2010, e que está promovendo o “planejamento familiar” por meio de clínicas de saúde em países como Quênia e Índia.
LifeSiteNews também revelou que o fundador Craig Kielburger havia defendido publicamente “direitos reprodutivos” e apoio à Federação Internacional de Planejamento Familiar, que é a maior organização fornecedora de aborto no mundo.
Num documento para jovens sobre “saúde materna”, Liberte as Crianças denunciou o governo conservador do Canadá por recusar financiar abortos em sua iniciativa de saúde materna do G8. Outro documento sobre “saúde das crianças” diz que colocar condições contrárias ao financiamento do aborto “mostra desprezo pelas preocupações dos países que recebem ajuda”.
Mas a organização prontamente removeu os documentos de seu site depois que LifeSiteNews lhes perguntou qual é o papel do aborto provocado no trabalho deles em outros países. Eles enviaram uma declaração alegando que Liberte as Crianças “não tem uma política oficial sobre a questão do aborto, nem defende a questão”.
Para ver os documentos removidos sobre “saúde materna”, clique aqui.
Para ver os documentos removidos sobre “saúde das crianças”, clique aqui.
A organização então deixou um comentário no artigo de 5 de julho, agora publicado separadamente por LifeSiteNews, sustentando que o artigo deixou uma “percepção inexata do trabalho deles. Para ser claro, Liberte as Crianças, a organização e sua junta de diretores, escolheu não se envolver no debate com relação ao aborto”, escreveu a organização.
Eles alegam que ao omitir uma parte de sua declaração original que resumidamente explicava seu modelo de desenvolvimento, o artigo usou “textos abreviados e edições selecionadas a fim de criar uma percepção inexata para os leitores”.
“Todas as clínicas médicas financiadas por Liberte as Crianças fornecem apenas assistência básica de saúde, e não procedimentos cirúrgicos”, escreveram eles.
A resposta completa de Liberte as Crianças está disponível aqui.
Diplomado nas escolas católicas de Ontário, Kielburger tem sido um palestrante especial em conferências e escolas católicas durante muitos anos e é elogiado como um modelo exemplar para os jovens. Quem faz esse elogio são as escolas e meios de comunicação católicos desde que ele fundou Liberte as Crianças em 1995 quando tinha 12 anos.
Além disso, Liberte as Crianças tem clubes estabelecidos em escolas católicas em Ontário, os quais dão contribuições de milhares de dólares.
Desde 2007, Liberte as Crianças vem oferecendo os principais políticos pró-aborto como modelos exemplares para os jovens por meio de seus dias anuais especiais We Days. As conferências juvenis em massa, feitas em grandes cidades como Toronto, Montreal e Vancouver, lançam seus programas de ação social de duração de um ano nas escolas. Só o evento de Toronto em 2010 reuniu 18 mil jovens provenientes de cerca de mil escolas.
Esses eventos incluíram palestras ou comparecimento de políticos como o vice-presidente Al Gore, os ex-primeiro ministros Paul Martin e John Turner, o parlamentar Justin Trudeau e o governador da província de Ontário Dalton McGuinty.
Em 2007, eles também deram uma plataforma para Mark Tewksbury, que ganhou medalha de ouro nas Olimpíadas e se tornou um importante ativista homossexual na última década.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Um comentário :

Marco Teles disse...

Olá Júlio!

Estou lendo um romance escrito em 1932, "Admirável Mundo Novo", que mostra tipo de controle sobre crianças numa sociedade utópica sob governo mundial. O livro já mostra à época em que foi escrito a possibilidade de um futuro com pedofilia e vários discursos semelhantes ao do pessoal dos direitos humanos.

Cito este romance pois além da Bíblia Sagrada, e não de forma revelada, houveram outros alertas sobre esses direitos humanos que são um caminho para o aprisionamento da humanidade nas mãos de Satanás.

Esta notícia que você publicou não é ficção, ao contrário do romance citado. Devemos estar atentos para organizações que tem o propósito de unificar a sociedade nos seus padrões duvidosos e subversivos disfarçados de boas intenções.