21 de junho de 2011

Cristãos são “mais militantes” e homofóbicos do que os muçulmanos, diz ministro da igualdade da Inglaterra

Cristãos são “mais militantes” e homofóbicos do que os muçulmanos, diz ministro da igualdade da Inglaterra

LONDRES, Inglaterra, 20 de junho de 2011 (Notícias Pró-Família) — Apesar do fato de que a Inglaterra é um país oficialmente cristão com uma população majoritariamente cristã e com uma herança cristã que data desde o sétimo século, o ministro da igualdade da Inglaterra disse que os cristãos precisam “se integrar” melhor na “moderna democracia liberal” da Inglaterra. Em comparação com os muçulmanos, disse ele, os cristãos são “mais militantes” e têm mais dificuldades para se misturarem.
Trevor Phillips
“Há muitas vozes de ativistas cristãos que parecem empenhadas em frisar o tipo de perseguição que penso que realmente não existe neste país”, disse Trevor Phillips, presidente da Comissão de Igualdade e Direitos Humanos (CIDH).
O atual movimento que busca ortodoxia doutrinária e moral na Igreja Anglicana e na Igreja Católica é o reavivamento de “uma religião antiquada incompatível com a sociedade moderna”. Essa religião está entrando em choque com as opiniões da moda atual, principalmente em questões como o homossexualismo, continuou ele.
Phillips disse para o jornal Sunday Telegraph numa entrevista neste final de semana que embora a maioria dos casos reais de discriminação religiosa seja contra muçulmanos, os cristãos muitas vezes se queixam de discriminação por motivos políticos cínicos. A entrevista ocorreu num momento em que a Comissão de Igualdade está para lançar um relatório sobre discriminação religiosa.
“A vítima mais provável de real discriminação religiosa na sociedade inglesa são os muçulmanos, mas as pessoas que têm a maior probabilidade de sentirem-se ofendidas por causa de sua religião são os evangélicos. Em minha opinião, o que a maioria dos ativistas cristãos querem é ter uma briga e escolhem a orientação sexual como desculpa para alimentar essa briga. Penso que essa briga não tem a ver com os direitos dos cristãos. Tem a ver com política”.
Ao mesmo tempo, Phillips disse que as pessoas religiosas estão sendo “um pouco encurraladas” pelos ateus, aos quais ele acusou de tentarem “expulsar a religião para a clandestinidade” e admitiu que há “mais censura antirreligiosa” na Inglaterra de uns tempos para cá.
Ele confessou que a CIDH havia no passado tomado posição em defesa de pessoas que estavam se queixando de discriminação religiosa, e disse que os “grupos religiosos” deveriam ter liberdade de interferências estatais em seus próprios assuntos.
As igrejas, disse ele, deveriam ter permissão de impedir mulheres e homossexuais de serem padres e bispos. Na mesma entrevista, porém, ele disse que as igrejas e instituições religiosas tinham de cumprir as leis de igualdade ao fornecer serviços religiões para o público em geral.
Ele culpou as igrejas cristãs que são adeptas de leis morais tradicionais por influenciarem os recentes imigrantes africanos e caribenhos a serem mais “intolerantes” para com a homossexualidade.
Diferente dos evangélicos intolerantes, os muçulmanos da Inglaterra, disse ele, estão “se portando de forma extraordinária em termos de adaptação aos seus vizinhos para tentar uma integração e eles estão fazendo tudo o que podem para tentar desenvolver uma ideia de que o islamismo é compatível com a vida numa moderna democracia liberal”.
A CIDH foi estabelecida pelo governo trabalhista [socialista] de Tony Blair em 2006 para administrar a Lei de Igualdade. A lei, inclusive a notória Lei de Orientação Sexual, já resultou no fechamento ou secularização de todas as agências católicas da Inglaterra que trabalhavam com adoção de crianças. Recentemente o ex-arcebispo de Cantuária, Lorde George Carey, acusou diretamente as leis de igualdade por “marginalizarem” os cristãos.
“É claro que temos de assumir uma posição contra a marginalização da nossa fé. Temos de lembrar constantemente a sociedade acerca de suas raízes e herança cristãs. Conforme escrevi recentemente, se agirmos como capachos, não devemos nos surpreender que nos tratem como capachos”, disse Lorde Carey, falando no ano passado num evento organizado pelo Conselho de TVs e Rádios Cristãs.
Uma pesquisa de opinião pública de 2009 revelou que milhares de cristãos na Inglaterra temem perder promoções no emprego e estão sofrendo aborrecimentos no trabalho por causa de suas convicções. De cada cinco, um disse que já havia sofrido “oposição” no trabalho e mais da metade disseram que haviam sofrido algum tipo de “perseguição” no trabalho.
Enquanto isso, a imprensa britânica noticia que crimes violentos cometidos por muçulmanos, principalmente contra homossexuais, estão aumentando, enquanto a polícia nada faz. Um bom exemplo é o bairro londrino de Tower Hamlets, onde, conforme Andrew Gilligan diz em sua reportagem no jornal Telegraph de 12 de junho, a polícia local “encobriu totalmente” uma campanha violenta dirigida por militantes islâmicos para “islamizar” a vizinhança inteira.
Os residentes da localidade dizem que crimes violentos cometidos por muçulmanos, principalmente contra homossexuais, estão aumentando, mas a polícia se nega a investigar ou registrar boletins de ocorrência e abafam as informações ao público por medo de serem rotulados como “islamofóbicos” ou racistas.
Crimes violentos contra homossexuais em Tower Hamlets aumentaram em 80 por cento desde 2007/8, afirmou a reportagem do Telegraph, e em 21 por cento durante o ano passado. O líder local do Partido Conservador, Peter Golds, disse que quando alguém faz queixa para a polícia de que muçulmanos o estão atormentando, a polícia rotineiramente faz vista grossa.
“Já fiz duas queixas para a polícia, e não aconteceu nada. Um colega do Partido Trabalhista aguardou três horas na delegacia de polícia, e no final disseram que nada seria feito. A polícia tem medo de ser acusada de islamofobia. Outro vereador do Partido Trabalhista disse que Met (a polícia da cidade de Londres) é hoje o oposto do que era na década de 1970, com uma completa falta de interesse quando pessoas brancas fazem queixas de importunação e violência”.
Quando apareceram cartazes em todo o bairro de Tower Hamlets citando o Corão e declarando que o bairro era uma “área proibida para gays”, Peter Tatchell, ativista homossexual que faz campanhas contra os cristãos, disse para o Telegraph: “A polícia disse que ninguém tinha permissão de falar publicamente sobre esse assunto porque não queriam causar aborrecimentos para os muçulmanos”.
Por um lado, os homossexuais, disse ele, estão paralisados por seu próprio medo de serem rotulados “islamofóbicos” e, por outro, de serem importunados e fisicamente agredidos, disse ele.
Rainbow Hamlets LGBT Community Forum, grupo homossexual daquele bairro, fez uma declaração condenando os cartazes antigay, mas acrescentou: “Condenamos também aqueles que usam esses incidentes para criar pânico moral e atiçar sentimentos islamofóbicos ou racistas. Neste momento, não é possível se apurar quem são as pessoas responsáveis, mas é evidente que quem quer que seja responsável, essas pessoas não representam ninguém do nosso bairro”.
Andrew Gilligan comentou: “Parece um pouco improvável que cartazes citando o Corão tivessem sido colocados por evangélicos riquinhos e moderninhos ou membros da classe operária branca, que compõem as áreas principais do bairro de Tower Hamlets”.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

16 comentários :

Peruibense rebelde disse...

Caramba, esse sujeito parece um personagem de teoria conspiratória. A verdade está MAIS DO QUE NA CARA, e ele a esconde. Qual é a razão disso?

O que é que ele vai dizer, quando os muçulmanos começarem a promover ações terroristas contra boates gays e outros pontos de encontro de homossexuais? Culpar os cristãos vai ser bem difícil.

Silvio Ricardo disse...

O gasto do governo federal brasileiro com essa "homofobia" está previsto para algo em torno de 302 milhões de reais !!!

Quem afirma é o senador petista Paulo Paim, que é favorável a esse gasto.

http://legis.senado.gov.br/sil-pdf/Comissoes/Permanentes/CDH/Notas/20101123RO023.pdf

Anônimo disse...

Boa noite Julio, gostaria de saber como posso entrar em contato com o Vaticano ou mesmo com o Papa, há algum e-mail ou pagina para escrever.

Julio Severo disse...

Este é o email do papa: benedettoxvi@vatican.va

Anônimo disse...

Trevor Phillips e Peter Tatchell são duas faces cínicas e hipócritas de uma mesma moeda.

Como sabem ser tão 'caras-de-paus'!

Para mim já está muito claro:
A investida é contra o cristianismo. Satanás está unindo gayzistas e muçulmanos contra os cristãos, e depois jogara àqueles uns contra os outros.

Um lugar sombrio aguarda a Europa, a Babilônia de Ap. 17

bebeto disse...

Julio tem uma reportagem contra voce no Site homofobia basta
de uma acessada

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Esse cara tá maluco!!!! Cristãos não jogam bombas (ou homens-bomba) em boates gays. Muçulmanos fazem isso. No Oriente Médio, o homossexualismo é punido com pena de morte, e os cristãos é que são tachados de "homofóbicos". O problema de muçulmanos e de gayzistas é o mesmo: ELES NÃO QUEREM A DEUS!!!! ELES NÃO QUEREM A JESUS!!!!

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Esse cara esconde a verdade por causa dos "petrodólares". Só pode ser isso.

Chamelly Sobreira disse...

O mundo se prepara para receber o Anticristo no colo!

Os governos estão se revoltando contra os religiosos, contra os cristãos, contra a Palavra de Deus. Estão deixando os valores de lado. Estão deixando Deus de lado. Começando pelo Brasil.

Tudo é motivo de ser taxado de homofobia. Mentira do inferno.

Anônimo disse...

Parece que Peter Tatchell, o ativista gay, está com muito medo dos muçulmanos de Tower Hamlets. E parece que é bastante covardão para enfrentar os islamitas. Não tenho nenhuma pena dos ativistas gays por isso. Mas isso é só o começo!

Anônimo disse...

Se vc discorda hoje de um muçulmano vc é "islamofóbico", se discorda de um gay é "homofóbico", se discorda de um negro é "racista", se discorda de um judeu é "anti-semita", e se discordar de um cristão é o que?

Segundo a sociedade moderna discordar de um cristão é ser politicamente correto! Pois na visão do mundo não nos adaptamos a moda deles como citou esse individuo, e quero decepcionar o Trevor Phillips dizendo que nem sob pena de morte nos conformaremos com esse mundo, pois a nossa constituição celeste proíbe tal postura(Romanos 12.1-2). E para defendermos essa constituição celeste estamos dispostos a pagar com a vida se necessário for!

Nosso povo tem que despertar, temos que votar em homens comprometidos com o Deus, homens que tirem do poder esses cretinos que querem no marginalizar, temos que parar de consumir produtos de empresas que apoiam manifestações contrarias a nossa fé, devemos boicotar meios de comunicação(revistas,sites,redes de tvs, rádios e etc) que zombam de nossas crenças e valores, chegou a de nos unirmos ou muito em breve teremos que dividir não o mesmo assento nas igrejas, mas nas celas. E antes que apareça um "masoquista cristão" dizendo que não se importa e ir para cadeia, quero dizer que também não me importo se for por amor de cristo, mas que não seja a minha omissão como cristão e cidadão que abram as portas da prisão!

O povo de Deus no livro de Ester foi ameaçado por uma lei de morte, e o povo não ficou parado, Ester foi até ao rei lutar por seu povo, não devemos ficar parados devemos ir ao governo e protestar, lutar por nosso povo e por nossa fé. DEVEMOS NOS UNIR URGENTE ENQUANTO AINDA DA TEMPO!

Daniel Berg

Anônimo disse...

A CULPA DESSA PERSEGUIÇÃO TODA NÃO É DO PT, DOS GAYS, DO ATEUS E NEM DO DIABO! A CULPA DESSA PERSEGUIÇÃO É NOSSA, DOS CRISTÃOS. POIS A QUANTIDADE DE CRISTÃOS QUE ASSISTEM A TUDO ISSO SEM SE MANISFESTAREM SÃO ESSES OS CULPADOS! VAMOS ESPERAR O PRIMEIRO MÁRTIR PAGA O PREÇO PARA NOSSA REAÇÃO? E SE ESSE PRIMEIRO MÁRTIR FOR VC OU UM FAMILIAR SEU? PROTESTE AGORA OU VIRE GAY, ATEU OU COMUNISTA...

Leonardo disse...

Isso equivale a dizer: “os cristãos não podem acreditar que têm a Verdade, eles têm de ser relativistas como todos”. E acusam do que fazem: quem mais nega a realidade do que o relativismo moderno? E radicalizam tanto no relativismo que negam até a natureza por suas condicionantes naturais à biologia humana, assim como radicalizam tanto no liberalismo que querem a anarquia para destruir tudo na ilusão de um perfeito recomeço no qual o homem será o seu próprio deus e “salvador” anticristo. Sempre usarão o islamismo: do 11 de setembro construíram o pânico sobre o “fundamentalismo”. Era tática para destruírem de vez a moral cristã. Invocar a moral cristã se tornava ser “fundamentalista” e ser “fundamentalista” resultava na mesma coisa que ser “terrorista”, tanto quanto um Bin Laden da vida. Mas, foram eles que passaram a praticar livremente o terrorismo no Oriente, atacando civis, matando crianças e cristãos à vontade, inclusive, dentro de igrejas. O que fizeram? Trancaram os cristãos na culpa passada (também inventada por exploração caluniosa), passaram a radicalizar em práticas homicidas e, com medo dos únicos que podem reagir, não se dispensaram de construir novas e mais altas muralhas ante os dormitórios nos quais os cristãos estacionaram na covarde ilusão que implica em traição a Deus (por ausência de defesa da Verdade) e em leviandade com relação ao próprio futuro que certamente será de sua perfeita identificação como o único alvo enquanto responsáveis por todo “mal” da história.

Leonardo disse...

Isso equivale a dizer: “os cristãos não podem acreditar que têm a Verdade, eles têm de ser relativistas como todos”. E acusam do que fazem: quem mais nega a realidade do que o relativismo moderno? E radicalizam tanto no relativismo que negam até a natureza por suas condicionantes naturais à biologia humana, assim como radicalizam tanto no liberalismo que querem a anarquia para destruir tudo na ilusão de um perfeito recomeço no qual o homem será o seu próprio deus e “salvador” anticristo. Sempre usarão o islamismo: do 11 de setembro construíram o pânico sobre o “fundamentalismo”. Era tática para destruírem de vez a moral cristã. Invocar a moral cristã se tornava ser “fundamentalista” e ser “fundamentalista” resultava na mesma coisa que ser “terrorista”, tanto quanto um Bin Laden da vida. Mas, foram eles que passaram a praticar livremente o terrorismo no Oriente, atacando civis, matando crianças e cristãos à vontade, inclusive, dentro de igrejas. O que fizeram? Trancaram os cristãos na culpa passada (também inventada por exploração caluniosa), passaram a radicalizar em práticas homicidas e, com medo dos únicos que podem reagir, não se dispensaram de construir novas e mais altas muralhas ante os dormitórios nos quais os cristãos estacionaram na covarde ilusão que implica em traição a Deus (por ausência de defesa da Verdade) e em leviandade com relação ao próprio futuro que certamente será de sua perfeita identificação como o único alvo enquanto responsáveis por todo “mal” da história.

marcia disse...

Qdo vejo o número de Cristãos a cada culto que frequento e tbm o número de novos convertidos, imagino o poder de voto que nós Cristãos temos!
Somos muitos no exercito do Senhor!
manifestemo-nos contra toda a injustiça, mas nunca deixemos de amar nossos "ainda" inimigos da fé!
Deus guarde a humanidade

saMom disse...

Apocalipse 17.14 Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis.

samuelyakoi.blogspot.com