2 de junho de 2011

Comissários de casamento de Amsterdã deverão se submeter a inspeções anuais para garantir apoio ao “casamento” gay

Comissários de casamento de Amsterdã deverão se submeter a inspeções anuais para garantir apoio ao “casamento” gay

AMSTERDÃ, Holanda, 2 de junho de 2011 (Notícias Pró-Família) — Comissários de casamento de um distrito de Amsterdã serão forçados a se submeter a avaliações anuais para garantir que apoiem “casamentos” de mesmo sexo depois que se descobriu que duas comissárias se recusaram a celebrar as cerimônias.
Desde 2007, a prefeitura do distrito Nieuw-West de Amsterdã só contrata comissários que concordam em realizar “casamentos” de mesmo sexo, e as autoridades aparentemente acreditavam que o distrito estava livre de pessoas que “fazem objeções por motivos de consciência”.
Uma das duas comissárias que tinham objeções por motivos de consciência havia sido contratada antes da mudança de 2007, mas a outra disse que não tinha objeções à realização de “casamentos” de mesmo sexo quando foi contratada no ano passado. A segunda comissária está agora sob investigação para se apurar se ela mudou de opinião ou mentiu para o entrevistador. Se mentiu, ela provavelmente será demitida.
As avaliações anuais foram propostas pelo vereador Ronald Mauer depois do surgimento de notícias sobre as duas comissárias. Não se sabe quais consequências as duas comissárias enfrentarão se a avalição delas mostrar que elas não querem realizar as cerimônias.
A Holanda é um dos muitos países ocidentais em que os comissários de casamento são proibidos de ter liberdade de consciência em face de leis que permitem “casamentos” ou uniões civis de mesmo sexo.
Num caso muito conhecido pelo público, Lillian Ladele, escrivã civil britânica, foi forçada a se demitir quando seus patrões na prefeitura de Islington tentaram exigir que ela realizasse cerimônias de parceria civil homossexual. Ela levou seu caso até o Supremo Tribunal da Inglaterra, que recusou lhe dar uma audiência em 2010 sob o pretexto de que o caso dela não tinha “importância pública geral”. Ela está agora indo para o Tribunal Europeu de Direitos Humanos.
Na província de Saskatchewan no Canadá, o governo prometeu em janeiro demitir todos os comissários de casamento que se recusarem a “casar” duplas homossexuais. Essa medida foi imposta depois que a Corte de Apelação de Saskatchewan decidiu que muito mais importante do que os direitos dos comissários à liberdade de religião e consciência é o direito dos homossexuais à liberdade contra toda discriminação.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

7 comentários :

Herberti disse...

O título desta postagem poderia ser alterado para:
"Comissários de casamento de Amsterdã deverão se submeter a inspeções anais para garantir apoio ao casamento gay."
Kkkkkkkkkkkkkk!

Porducel disse...

é complicado, imagine se amanhã representantes públicos se negassem a fazer casamento de cristãos por motivo de consciência ? funcionários públicos tem que agir de acordo com a lei sempre ou deixar de ser funcionário público, eu entendo que não quero o doutrinamento de meus filhos pela máquina estatal, quero o direito de pregar livremente contra a sodomia, de ter minhas propriedades, minha casa e minha igreja protegida da presença deles, mas em algumas coisas nos iremos precisar ceder, não vejo nada demais em funcionários públicos fazerem o casamento homossexual num país onde as leis permitam,

Julio Severo disse...

Prezado Porducel

Quando você, como funcionário público, realiza cerimonia de "casamento" gay, você está cometendo vários erros graves. Você está confirmando para a sociedade que a relação anal entre dois homens é tão louvável e digna quanto um casamento normal, que cria família na sociedade. E se essa dupla amante de sexo anal é digna e respeitável, por que lhes negar adoção de crianças? Por que lhes negar, nas salas de aula, que as crianças sejam doutrinadas a ver a relação anal entre dois homens como algo tão bonito e louvável quanto um casamento normal? Conforme diz o livro do Apocalipse, os covardes serão os primeiros a serem lançados no lago de fogo.

Herberti disse...

Olha eu aqui de volta. Agora é sério.
Júlio, veja (se ainda não viu) estas duas páginas. Nelas está exposto o destino final do movimento homossexualista e dos homossexuais, quando eles não tiverem mais utilidade para a elite comunista-ateía em seu plano para erradicar o cristianismo.

http://www.johannhari.com/2011/02/25/can-we-talk-about-muslim-homophobia-now

http://ohomossexualismo.blogspot.com/2011/02/homossexual-descobre-que-os-marxistas.html

A liderança gay, perversa e maligna, precisa ser denunciada e resistida. Mas a massa homossexual que ela diz liderar precisa ser amada e informada do futuro tenebroso que lhe estão reservando.

Carlos Carvalho disse...

Heberti,

Muito boa indicação dos links. Como eu gostaria que a militância gayzista soubesse desses dois artigos contidos nesses links. Ai quem sabe eles se tocariam que estão servindo de fantoches nas mãos dos comunistas, e por tabela nas mãos de satanás.

Anônimo disse...

A Holanda é uma zona!
É a "vanguarda do atraso" da europa. Abriu as portas da zona e os outros países da Europa entram como cordeirinhos...
Casamento gay, aborto, drogas permitidas, eutanásia, o que pintar, a Holanda aceitaaaa!

Porducel disse...

Querido Julio

você esta certo e eu errado, você tem razão, é impossível para nos como cristãos obedecer a leis civis que nos façam ir contra a lei de Deus, podemos fazer uma revolução armada ou então aceitarmos a provação da perseguição quando estivermos em minoria, mas não da para um oficial cristão cumprir uma ordem anti bíblica mesmo que ela seja legal.