21 de maio de 2011

Mulher pró-aborto: escolho o direito de chorar até cair no sono

Mulher pró-aborto: escolho o direito de chorar até cair no sono

NOVA IORQUE, EUA, 3 de maio de 2011 (Notícias Pró-Família) — A vida de Kassi Underwood depois de um aborto propositado é uma que ninguém invejaria.
Kassi Underwood
Num artigo no jornal New York Daily News na segunda-feira, Underwood, uma escritora que vive em Nova Iorque, explicou como ela ainda se recusa a julgar o aborto deliberado apesar de sofrer por muito tempo pesar imenso depois de ter acabado com a vida de seu bebê.
No artigo, intitulado “Afaste suas políticas do meu sofrimento depois de um aborto propositado”, Underwood observa que organizações como a Associação Americana de Psicologia afirmam que a síndrome pós-aborto não existe — mas isso não a impede de sentir de forma aguda a perda de seu filho ausente.
Num relato que ecoa o sofrimento documentado de inúmeras outras mulheres que fizeram aborto, tais com aquelas na campanha Silent No More Awareness (Conscientização Não Mais em Silêncio), Underwood diz que três anos depois de seu aborto ela começou a ter pesadelos sobre bebês, e sentia falta de seu “filho em potencial” enquanto estava acordada. “Foi atordoante que eu conseguisse sentir tanto remorso sobre uma decisão que eu supunha escoraria a estrutura da minha identidade”, escreveu Underwood.
“Dava uma sensação de traição confessar que, longe de pensar que eu havia expelido do meu corpo uma ‘bolha de células’, eu agora ficava pensando quem teria sido a pessoa que abortei”.
Underwood indicou que a experiência de “alívio” imediato depois do procedimento de aborto prometido pela análise do Instituto Guttmacher, que é abortista, não era tão simples quanto poderia parecer para as principiantes.
“Era o tipo de alívio que senti depois de perder alguém depois de uma prolongada batalha contra o câncer: grata que o sofrimento havia terminado, mas triste que meu amado teve de ir”, notou ela.
Buscando refúgio no movimento pró-aborto ofereceu pouca ajuda para Underwood: “As emoções, aprendi, podiam ser consideradas como um calcanhar de Aquiles”, disse ela. A escritora também se queixou de um ângulo político num retiro da entidade católica Vinha de Raquel [de apoio espiritual e psicológico a mulheres que fizeram aborto] que ela foi, acusando os diretores de transformar as participantes em “instrumentos políticos” ao insistir com elas para que dissessem ao Congresso como o aborto as havia prejudicado.
Underwood diz que acabou se encaixando num movimento que incentiva as mulheres a falar sobre o aborto, mas sem julgar se o procedimento é moralmente certo ou errado.
“Eis um direito pelo qual eu participaria de marchas: o direito de chorar até cair no sono, de ansiar pelo meu bebê que se foi há muito tempo, mas de saber que eu precisava adiar minha maternidade”, concluiu Underwood. “Dá para superar a angústia contanto que eu continue falando do meu caso de forma integral, sem cortes — e fora da esfera política”.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Artigos relacionados no Blog Julio Severo:

3 comentários :

Anônimo disse...

Aborto, Plc 122, atropelamento da constituição pelo STF, atentado a liberdade de expressão, que mas o PT tem a nos oferecer? Cristãos sérios desse país temos que tirar o PT e companhia do poder governamental ou eles tirarão nós cristãos de cena, votemos contra a esquerda socialista desse país para que nosso futuro como andam as coisas não seja igual ao dos cristãos na china.

Mario Vasconcelos

Chamelly Sobreira disse...

Não sei como alguém consegue deitar e dormir após fazer um aborto, após ter matado um bebê indefeso, inocente.

Crueldade, maldade, coisa de satanás.

O que para esse mundo é normal (aborto, homossexualismo, traição, pedofilia), é abominação diante de Deus.

Bom saber que Deus recebe todas essas crianças com um amor indescritível em um lugar lindo e belo no Céu.

Peruibense rebelde disse...

Essa pobre coitada É UMA MONTANHA DE ORGULHO. Jamais aceitará que errou, embora seu próprio coração diga isso.